Injaculação: técnica de “ejacular para dentro” que virou moda; médicos opinam

Já ouviu falar em injaculação? Trata-se de uma técnica bem aproveitada por homens durante masturbação ou sexo em que a ejaculação ocorre “para dentro”.

Basicamente, o objetivo do método é potencializar o orgasmo, de maneira em que não há problemas com a presença de esperma, de acordo com informações do Diário de Biologia.

Tenha em mente que a injaculação é uma forma de ejaculação retrógrada forçada. Para que funcione, o homem deve localizar no corpo o períneo, que está entre o escroto e o ânus. Então, quando sentir que está próximo ao clímax, pressionar a região com os dedos médio e indicador. Ao fazer isso, há um bloqueio da uretra, consequentemente impedindo a saída do esperma. O sêmen por sua vez retornará à bexiga onde será expulso posteriormente com a urina.

A injaculação, que foi desenvolvida pela Medicina Chinesa, é dita ser capaz de aumentar a sensação de prazer e prolongar o orgasmo. No entanto, deve-se ressaltar que não há estudos científicos comprobatórios de que promova efeitos melhores do que o método tradicional.

De acordo com o médico Dr. Antônio de Moraes Junior, coordenador geral do Departamento de Andrologia e Medicina Sexual da Sociedade Brasileira de Andrologia, a injaculação não faz mal à saúde. No entanto, se praticada a longo prazo, pode acarretar problemas de infertilidade em alguns homens.

Já para o urologista Dr. Wagner Raiter José, membro da Sociedade Brasileira de Urologia, o método pode sim fazer mal à saúde, uma vez que a uretra pode ser lesionada. Ele explica que a uretra é coberta por uma mucosa que protege a passagem do esperma e urina. Logo, ao comprimir essa área com frequência, pode ocorrer lesões e cicatrizes, fechando completamente o canal.

Jornal Ciência com Diário de Biologia

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Pedro lucas disse:

    Sempre faco isso kkkk é muito gostoso

  2. Eliesio disse:

    Muito sem graça, o bom é o mela mela…rsrsrsrs

  3. Luiz Cândido disse:

    Já para o urologista Dr. Wagner Raiter José, membro da Sociedade Brasileira de Urologia, o método pode sim fazer mal à saúde, uma vez que a uretra pode ser lesionada. Ele explica que a uretra é coberta por uma mucosa que protege a passagem do esperma e urina. Logo, ao comprimir essa área com frequência, pode ocorrer lesões e cicatrizes, fechando completamente o canal.

    OU SEJA: Não dá certo!!!!

COMENTE AQUI