MESMO COM PANDEMIA: 162 mil servidores federais receberão adicional por progressão em 2020

Um em cada quatro servidores do Executivo federal conseguirá elevar o salário neste ano com progressões ou promoções na carreira. Uma brecha na lei que congelou salários do funcionalismo até o fim de 2021 permite que esses adicionais continuem sendo liberados.

Segundo o Ministério da Economia, 100 mil servidores ascenderam na carreira entre janeiro e agosto. Outros 62 mil devem ser beneficiados até dezembro. Atualmente, o Executivo federal conta com cerca de 602 mil funcionários públicos ativos.

Reportagem publicada pela Folha nesta sexta-feira (25) mostrou que o custo anual com as progressões automáticas por tempo de serviço e promoções por mérito, como no caso de cursos de capacitação, chega a R$ 500 milhões no Executivo federal.

Essas progressões representam a maior parte do crescimento da folha de salários do governo, o que pressiona a regra do teto de gastos e limita outros tipos de despesa no serviço público.

O número mostra apenas uma fatia do custo total aos cofres públicos, já que as progressões também são comuns nos Poderes Judiciário e Legislativo, bem como nos estados e municípios.

Entre os 100 mil que avançaram nas carreiras neste ano, estão servidores do Ministério da Economia, Banco Central e Itamaraty, órgãos que reúnem algumas das carreiras mais bem pagas do funcionalismo.

Diante da crise causada pela pandemia da Covid-19, que reduziu a renda de milhões de trabalhadores da iniciativa privada, o ministro Paulo Guedes (Economia) propôs ao Congresso que os salários dos servidores públicos federais, estaduais e municipais fossem congelados, assim como as progressões e promoções nas carreiras do funcionalismo, até o fim de 2021.

Por pressão política, o Congresso deixou a brecha para que a ascensão nas carreiras ainda fosse permitida. O lobby do funcionalismo é um dos mais fortes entre os parlamentares.

FOLHAPRESS

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. RAIMUNDO LEAL disse:

    O incrível é que só falam dos servidores do Executivo do Judiciário e do Legislativo, não vejo. Isso incrível e uma vergonha.

  2. João Macena disse:

    Perfeito o seu comentário, caro Eduardo Lemos. Reforma administrativa, geral e irrestrita. João Macena.

  3. Lopes disse:

    Nas forças armadas se o sujeito entrar em um armário e sair 20 anos depois já estará nas patentes finais por antiguidade. E alguns anos depois se aposentará com salário integral.Pense em um emprego de luxo. Mas essa mamata vai acabar. É só Bolsonaro sair, daqui a 3 ou 6 anos.

    • GCF disse:

      Você parece não conhecer como funciona o sistema de avaliação militar.
      Primeiramente, se não houvesse promoções não haveria hierarquia, que é uma das bases do sistema militar. Hierarquia e disciplina.
      Segundo, uma parte das vagas de promoção é reservada para promoções por merecimento que, basicamente, são para os que tiveram os melhores conceitos, não apenas na última avaliação, mas em todo o interstício entre um posto e outro, além de pesar toda a carreira. Os que são promovidos por antiguidade não se classificaram para as vagas de merecimento, mas são militares de grande valor e devem e precisam ser promovidos. Os que não tem condições de serem promovidos, nem por antiguidade, vão ter que esperar e trabalhar muito para reverterem a sua situação.
      Deste modo, com excessões de erros avaliatórios, os mais capazes chegam aos postos e graduações mais elevados por mérito.
      Deu para entender?
      Os governos de esquerda não mudaram uma vírgula desse sistema. Apenas, em listas de escolha de Oficiais Generais e funções de Comando, escolheram alguns alinhados com seu perfil.

  4. Eduardo Lemos disse:

    Enquanto isso, segue o setor privado com redução de salários, suspensões e desemprego, mesmo a constituição vedando a redução de salários. Uma hora esses sanguessugas vão cansar o nosso povo, e matar a galinha dos ovos de ouro…REFORMA ADMINISTRATIVA JÁ E PARA TODOS!!!!!!

COMENTE AQUI