Mulher é demitida e diz que motivo foi o barulho dos filhos pequenos nas chamadas de trabalho no home office

'As crianças podem ser ouvidas em ligações comerciais com clientes. Não é profissional', disse o supervisor da autora do processo Foto: freepik.com
‘As crianças podem ser ouvidas em ligações comerciais com clientes. Não é profissional’, disse o supervisor da autora do processo Foto: freepik.com

 

Uma mulher da Califórnia processou seu ex-empregador, dizendo que ela foi demitida porque seus filhos pequenos estavam fazendo barulho durante ligações comerciais enquanto ela trabalhava em casa por causa da pandemia do novo coronavírus.

Drisana Rios, de San Diego, entrou com o processo no mês passado contra a Hub International, uma corretora global de seguros, alegando discriminação de gênero, retaliação e rescisão indevida.

Rios, 35, disse que “trabalhou mais que em toda a sua carreira” desde a transição para o trabalho remoto em março. Ela disse que, além de fazer seu trabalho em casa, tinha que fazer malabarismos com suas responsabilidades como cuidadora de sua filha de 4 anos e filho de 1 ano.

“Continuei minhas funções normais como executiva de contas, mas adicionei dois filhos pequenos à mistura”, disse Rios em comunicado através de seu advogado. “Foi extremamente difícil, mas consegui cumprir todos os prazos. Houve alguns dias em que tive que trabalhar até mais tarde para cumprir prazos urgentes ou quaisquer tarefas que não conseguisse terminar durante o dia porque precisava cuidar de meus dois filhos pequenos ao mesmo tempo.”

Rios trabalhava em período integral como executiva de contas da Hub International desde agosto de 2019. Ela começou a trabalhar em home office em março, quando o governador Gavin Newsom ordenou que os californianos ficassem em casa para diminuir a propagação do novo coronavírus. A queixa, apresentada no Tribunal Superior do Condado de San Diego, descreve várias tentativas que Rios disse que fez para amenizar as preocupações de seu supervisor sobre sua capacidade de cumprir suas obrigações de trabalho enquanto cuida de seus filhos.

Na denúncia, Rios afirma que seu supervisor atribuiu várias tarefas a ela com curtos prazo de resposta, mesmo elas não sendo urgentes. Ela afirma ter dito ao supervisor que as ligações no período da tarde funcionavam melhor para ela porque era quando seu filho mais novo cochilava. No entanto, no processo afirma que seu supervisor “continuou agendando chamadas durante o horário de almoço, quando estava alimentando seus filhos, amamentando ou colocando seu filho para dormir.”

Rios disse que essas ligações levaram a uma repreensão de seu supervisor. “Ele disse: ‘As crianças podiam ser ouvidas em ligações comerciais com clientes. Não é profissional “, ela disse ao” Good Morning America “da ABC.

Em seu processo, Rios alega que disse a ele que não podia prometer que não haveria ruído de fundo “100% do tempo”. Segundo a denúncia, o supervisor ordenou que ela “desse um jeito na situação do seu filho”. Rios também diz que sofreu “declarações sexistas” de seu supervisor,  “motivadas por um claro viés contra as mães”, diz a queixa.

Ela acabou sendo instruída a resolver seus “problemas de gerenciamento de tempo” com outro supervisor. Segundo a denúncia, o supervisor a acusou de ser “defensiva” e disse que estava “cansado de acomodá-la”. Depois de detalhar seu tratamento várias vezes com recursos humanos, Rios disse que foi dispensada em 2 de junho, com a empresa citando o efeito negativo da pandemia em sua receita como o motivo.

Ela está buscando indenizações monetárias não especificadas da Hub International, incluindo retribuição e indenização por problemas mentais e emocionais.

Em um comunicado, uma porta-voz da Hub International se recusou a comentar o caso.

“Embora não possamos comentar sobre litígios pendentes, a Hub se orgulha de ter conseguido migrar com êxito 90% de seus mais de 12.000 funcionários para trabalhar remotamente em casa durante a pandemia da COVID-19”, disse a porta-voz.

O ex-supervisor de Rios, Daniel Kabban, também está listado como réu. Ele não foi encontrado para comentar.

O GLOBO