“Não há outra solução”, diz Cláudio Santos sobre ajuste proposto pelo governo do RN

O desembargador Cláudio Santos, do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN), considera que “não há outra solução” para conter os efeitos da crise econômica a não ser a adoção, pelo Governo do Estado, de um conjunto de medidas de ajuste nas contas. O magistrado soltou a afirmação ao comentar o envio de um pacote fiscal para apreciação da Assembleia Legislativa pelo governador Robinson Faria (PSD).

“Eu acho que sempre é hora de se fazer os ajustes necessários. O Estado só pode gastar aquilo que arrecada. Tivemos um aumento brutal da carga tributária e isso não resolveu. Temos uma despesa sempre crescente, maior que a receita. Isso precisa ser ajustado. Acho que não há outra solução”, destacou.

Para Cláudio Santos, todos os poderes e órgãos do Estado devem ser integrados às medidas de arrocho. “A conta tem de ser paga por toda a sociedade. Quanto mais demorar, pior. Temos de fazer os ajustes necessários para que o Estado readquira seu poder de investimento”, frisa o desembargador.

CRISE NA SEGURANÇA

Na entrevista, o magistrado comentou ainda o agravamento da crise na segurança pública provocado pela paralisação de agentes das polícias Civil e Militar. Na opinião de Cláudio Santos, a “greve branca” é reflexo da “excessiva politização ideológica das polícias no Brasil”.

“Este é um movimento concatenado de esquerda no Brasil todo. Querem desmilitarizar a Polícia Militar. Isso é um risco muito grande, porque a polícia, como força pública, é baseada na hierarquia. Neste movimento paredista, a autoridade pública do governador foi agredida”, afirmou Cláudio.

O ex-presidente do TJRN acrescentou que defende, a despeito do acordo assinado entre representantes do governo e de associações que representam policiais, a adoção de procedimentos para apurar a ocorrência de crimes durante a paralisação.

“O Ministério Público não pode renunciar ao seu dever de abrir procedimentos de ocorrências de crimes por parte de todos. Eu, como magistrado, não perco minha autoridade. Isso [paralisação] não pode ir de encontro à Constituição da República”, finaliza.

AGORA RN

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Fernando Antonio disse:

    Respeitoso Desembargador será que dispensa de servidor vai resolver o problema. Com todo respeito, acho que essa não é a melhor solução.

  2. Jose A.C.Nascimento disse:

    O melhor mesmo e acaba de vez com o duodécimo, valores obrigatório que o executivo tem que enviar, tem que se faze uma legislação que obrigue os poderes a receber um salario minimo por mês , igual a muitos trabalhadores brasileiros, isso tem que valer para o TJ, MPE, TJ E AL, principalmente os politicos não era pra ter remuneração, era bom também que o TJ devolva ao executivo o saldo de mais de 500.000, milhões de reais tiraria o estado desta penúria.

  3. Leonardo disse:

    Vamos começar com uma bela contribuição do poder judiciário!!! O que acha sr. Cláudio Santos???

  4. David32 disse:

    Farinha pouca meu pirão primeiro! Este senhor está feliz da vida pq as reformas so atingem o trabalhador do executivo, os intocáveis continuam intocáveis e os pobres mortais do executivo perdendo o pouco dos direitos conquistados e vergonhoso !

  5. Roberto disse:

    Farinha pouca, meu pirão primeiro… né "dr"

  6. Luigi disse:

    Se nesse estado estava o Sérgio moro ia pegar tds esses banditos do colarinho Branco políticos e magistrados

  7. Eudes disse:

    Ha sim outras saídas !!! Como por exemplo diminuir o revilegio do TJ nadando em dinheiro com padrão de vida e condição de trabalho exuberante sem prestar conta da produção a sociedade

  8. carlito disse:

    com certeza o reajuste é necessário, até por questão de justiça, mas a excelência esqueceu que a corda só tá quebrando nos pequenos. esqueceu de falar do combate aos privilégios que quebram o estado; esqueceu de falar do reenquadramento dos duodécimos dos poderes; esqueceu de falar na diminuição dos cargos comissionados nos três poderes; esqueceu de falar no enquadramento dos super-salários e congelamento dos mesmos… kkkk me faz de palhaço que eu gosto !!!

  9. Tomaz disse:

    O novo q se apresenta mas q na prática é no velho metodo

  10. Mito disse:

    Esse Desembargador que recebe uma baba de auxílio mordia fala muito bem sobre economia e política quando não envolve suas finanças ou a dos seus pares. Eu lembro quando ele foi presidente do TJ e promoveu aquela mega reforma os vencimentos dos servidores comuns que foi perguntado numa entrevista de TV pq não foi mexido nas regalias e coisas absurdas que os juízes recebem, ai ele disse que era assim mesmo, juiz ganha bem no mundo todo, ou algo do tipo. Olha, não vai ter jeito. ou esses arrochos caem pra dentro das regalias do TJ, MP e TContas e AL ou vão matar o Estado por inaninção do executivo.

  11. Junior disse:

    Outras medidas do ajuste deveriam ser o auxílio-moradia e os 2/3 de férias de uma casta de servidores.

  12. Maria de Fátima disse:

    Cláudio, renuncie seu auxílio moradia, vai ser uma ajuda muito grande para o Estado, inclusive o que você recebeu retroativo e indevido!

  13. Andinho disse:

    Esse homem já deu um tiro no pé na sua "tão sonhada" carreira política quando mandou prender os Policiais que estavam sem receber seus salários, agora parece que resolveu amputar as duas pernas quando insiste nesta perseguição imoral, inoportuna e desnecessária. Não vejo ele se pronunciar sobre o indecente auxílio moradia para os abonados membros da magistratura, isso já mostra quem ele é e o que ele quer. É mais um dos mesmos!!!!

COMENTE AQUI