O QUE MAIS FATURA: Nos dez anos de sua morte, não há acusação que faça Michael Jackson ser menos lucrativo

Naquele 25 de junho de 2009, antes de o mundo receber a chocante notícia da morte prematura de Michael Jackson, aos 50 anos, vítima de intoxicação por propofol e benzodiazepina, a expectativa que rondava o Rei do Pop era outra. Após anos de reclusão que sucederam o midiático julgamento por abuso sexual de um garoto de 13 anos (do qual sairia absolvido de todas as acusações, em 2005), ele preparava seu retorno com a turnê “This is it” (teoricamente, sua despedida dos palcos), com 50 shows previamente esgotados na 02 Arena, em Londres. A 17 dias da estreia, Michael Jackson saía de cena.

As principais dúvidas que cercavam aquele recomeço giravam em torno da capacidade do astro americano, dono de três dos quatro álbuns mais vendidos da História até hoje, de retomar de maneira digna uma trajetória artística até então brilhante. Seria ele fisicamente capaz? Uma bateria de exames proposta em contrato pela produtora AEG Live provara que sim. Mentalmente? Essa é uma das tantas questões que seguem sem resposta até hoje, quando se completa uma década de seu adeus.

O fato é que, assim como toda sua vida, os anos que sucederam a morte de Michael Jackson vêm sendo marcados por conquistas artísticas e questionamentos sobre sua conduta pessoal — principalmente após a veiculação, em março, do documentário “Deixando Neverland”, da HBO, em que Wade Robinson e James Safechuck relatam abusos cometidos por Michael Jackson quando ainda eram crianças.

À frente dos Beatles

Um dos artistas mais influentes de sua época, ele segue relevante, seja em reproduções no streaming, meio ainda embrionário em 2009 (é, atualmente, o 85º artista mais ouvido do mundo no Spotify, superando nomes como Beatles, Prince e Madonna), inspirando estrelas como Justin Timberlake, Bruno Mars e Justin Bieber, e dando (muito) dinheiro para aqueles que usufruem de seu espólio. Para ser mais exato, segundo dados da “Forbes”, a família de Jackson já arrecadou US$ 2,4 bilhões desde a morte do cantor, há 10 anos — US$ 400 milhões só no ano passado. Basicamente, mais do que ele acumulou em toda a sua vida — estimado em US$ 2 bilhões, com valores ajustados à inflação. Entre 2010 e 2018, MJ só não liderou a lista anual de celebridades mortas que mais arrecadaram em 2012.

“Por uma perspectiva puramente de negócios, é difícil imaginar que gravadoras e representantes abandonem Michael Jackson. Deixando de lado o debate ‘fez ou não fez’ e falando puramente do lado artístico, o Rei do Pop é a estrela por trás do disco mais vendida da História (‘ Thriller’)”, explicou o veterano advogado da indústria do entretenimento Bernie Resnick.

Além dos direitos autorais, uma série de fatores explica o fato de Michael Jackson ser mais lucrativo após sua morte. O principal deles é que seu patrimônio cresceu consideravelmente após a venda de direitos de músicas de outros artistas adquiridos por ele. Em 2016, a Sony Corporation pagou US$ 750 milhões pela fatia de Jackson na Sony/ATV, que contava, entre outros, com o acervo dos Beatles. No ano passado, a Sony pagou mais US$ 287,5 milhões para o espólio de MJ, dessa vez de sua parte na EMI Music Publishing — os herdeiros seguem tendo direito em cima das canções de Michael Jackson pela Mijac Music.

O nome Jackson ainda faz muito dinheiro a partir de produções que envolvem sua imagem e sua obra. O espetáculo “Michael Jackson: ONE”, do Cirque du Soleil, em cartaz em Las Vegas desde 2013, tem datas confirmadas até dezembro de 2019, pelo menos. Todas as sessões próximas estão praticamente esgotadas, e em novembro já há datas com mais da metade da lotação vendida. E o musical da Broadway “Don’t stop ‘till you get enough”, segue confirmado para 2020. Outro exemplo mais próximo: aprovado pela família, o espetáculo “Tributo ao Rei do Pop”, estrelado pelo paulista Rodrigo Teaser, teve apresentações esgotadas ontem e anteontem no Vivo Rio, com ingressos que custavam até R$ 200. Ao longo do ano, o show terá excursões por outros continentes.

— Como cover, minha imagem está 100% ligada à dele. Nos primeiros dias pós-documentário, fiquei preocupado que o filme pudesse afetar a imagem. Mas percebi que isso não mudou. Quem já achava que Michael Jackson era culpado continua achando. O mesmo vale para quem o vê como inocente — aponta Teaser.

De fato, até agora, pouco se pôde perceber de real impacto após os relatos de Robinson e Safechuck virem à tona. Algumas rádios de países como Canadá e Nova Zelândia anunciaram que não tocariam mais as canções de Jackson, mas foram casos pontuais. No Brasil, segundo relatório enviado pela Crowley Broadcast Analysis, nada mudou: entre janeiro e maio de 2019, a empresa registrou 3.376 veiculações de músicas de Jackson nas rádios monitoradas, contra 3.351 no mesmo período do ano passado — curiosamente, registrou-se um pico de crescimento a partir de março, mês da estreia mundial do documentário.

O mesmo vale para o streaming. Na semana passada, por exemplo, MJ apareceu no top 10 do ranking de artistas com maior aumento de buscas na plataforma Deezer. A marca, como outras do ramo, não costuma mostrar números absolutos, mas um gráfico prova que não houve queda vertiginosa nas reproduções de suas canções pós-denúncias.

Base fiel de fãs

Até mesmo os debates acalorados sobre as fortes acusações de “Deixando Neverland” rapidamente perderam força para a polêmica seguinte — suscetíveis a voltar, claro, em caso de novos depoimentos. Ainda assim, há exemplos de artistas mortos acusados de crimes semelhantes que mantiveram seus ganhos. O “ex-sogro” de Michael Jackson, Elvis Presley, por exemplo, foi alvo de uma reportagem do site “Vice” em 2016 que compilou uma série de denúncias de violência e abuso sexual contra menores que o cantor recebeu ao longo da vida. Dois anos depois, em 2018, Presley só perdeu para Jackson na lista dos mortos mais bem pagos da “Forbes”.

Para o advogado Andy Mayoras, autor do livro “Trial & heirs: Famous fortune fights” (“Julgamentos e herdeiros: famosas brigas por fortunas”), há uma explicação:

— Michael Jackson tem uma base de fãs tão fiel e fanática que ela vai apoiar a pessoa, o legado, sua música e a família, independentemente do que surgir. Isso ficou claro pelos movimentos pós-“Deixando Neverland”, com campanhas publicitárias bancadas por fãs e impulsos nos números de vendas. Ainda veremos, por muitos anos, ganhos significativos chegando para Jackson e sua família.

O GLOBO