PANCADA NOS GOVERNADORES: Centrão quer tirar Estados de reforma

Antes mesmo do aval da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), os partidos do Centrão começaram a articular nova desidratação da reforma da Previdência na segunda etapa da tramitação do texto no Congresso, a comissão especial que será formada para analisar o conteúdo da proposta.

No alvo da tesourada do Centrão – grupo informal formado por partidos como PP, PR, DEM, PRB, Solidariedade – está a vinculação das regras de aposentadoria proposta aos servidores da União ao funcionalismo de Estados e municípios. Com a retirada da abrangência das regras, as administrações regionais deixariam de economizar R$ 500,8 bilhões em 10 anos.

O grupo também quer mexer nas alterações propostas para o abono salarial, aposentadoria rural e BPC (benefício pago a idosos de baixa renda), que representam juntas R$ 228,5 bilhões, cerca de 20% da economia de R$ 1,1 trilhão prevista pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. Também está na mira a exigência de 60 anos como idade mínima para professoras se aposentarem (hoje, é de 55 anos no setor público).

Os deputados do Centrão direcionaram a artilharia contra os governadores. Alegam que não vão votar a favor de regras que afetam a vida dos servidores dos Estados, enquanto os governadores criticam a proposta de reforma para seus eleitores.

ESTADÃO CONTEÚDO

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. paulo martins disse:

    Tomara que a ideia se consolide e se concretize o quanto antes. Criar-se-á (royalties para o anacrônico e mesoclítico Michel Temer), desse modo, o ambiente ideal para que governantes oportunistas façam suas próprias reformas previdenciárias… "Ou não", como diria aquele cantor baiano amulherengado.

  2. Ceará-Mundão disse:

    Sem dúvida, seria uma excelente medida, benéfica a todos. Daria liberdade aos governantes para escolher o que reputassem melhor. Nos estados governados pela oposição (a tal "resistência"), como o RN, o governante simplesmente deixaria tudo como está, já que insiste que essa reforma é desnecessária e irá prejudicar o povo. Todos seriam livres para exercer sua vontade política e suas convicções. E o governo federal, que diz ser a reforma necessária, implantaria a sua. Seria o fim da hipocrisia que estamos vendo no debate. Todos os governadores sabem que essa reforma é imprescindível mas, insistem em discursar prá militância e posar de bonzinhos, deixando a responsabilidade da solução dos seus próprios problemas nas mãos do governo Bolsonaro. Covardes, hipócritas.

    • Sérgio disse:

      Se o governo federal quer economizar, é só colocar as Forças Armadas dentro da reforma. Do contrário é o mesmo corporativismo e hipocrisia da oposição. Me engana que eu gosto…

    • Ceará-Mundão disse:

      Perdão mas, enganado vc já está. E muito. O regime dos militares é totalmente diferente. Tecnicamente, nem sequer é aposentadoria e não depente de Emenda constitucional. O regime de trabalho dos militares também é absolutamente diferente dos demais trabalhadores. É como comparar alhos com bugalhos.

  3. Wagner Lopes disse:

    Kkk… pancada só nos governadores do PT… e melhor deixar o Nordeste de fora da reforma, o melhor pib do Nordeste não é o nosso?

    • Ricardo Carvalho disse:

      É muito simples, meu amigo, pede pra sua governadora apoiar a reforma e deixar de mimimi, está na hora de começar a administrar o Estado e deixar a pauta do partido que virou bando de lado!

    • Marcelo disse:

      ……. E eu com isso??!!
      Estudei e estou ganhando bem fora do Natal e Brasil… Ae é terra de acomodados qhe ficam esperando os "benefícios"….
      Aqui se trabalha muito, mas, tem saúde, educação, segurança e principalmente qualidade de vida….
      Prefiro esta andando de metrô aqui na Europa do que de evoque blindada por ae…. Fica a dica

    • Ceará-Mundão disse:

      Wagner, entendi sua ironia. E concordo com ela. Kkkkkkkkk

COMENTE AQUI