Pela segunda vez, Catarina Migliorini tenta leiloar sua virgindade; jovem pretende faturar cerca de R$ 3.500 milhões

16_16_44_707_file

Sabe aquela frase “tente outra vez”? É perfeita para a história de Catarina Migliorini. A brasileira ficou famosa ao participar de um documentário australiano sobre a virgindade. O homem que desse mais dinheiro em um leilão levaria a primeira noite íntima da morena. Não deu certo e agora ela tenta de novo. Só que dessa vez ela quer o dobro do preço!

Catarina Migliorini não desistiu de ganhar dinheiro com sua virgindade. Ela, que trancou a faculdade de medicina em Buenos Aires, capital da Argentina, inaugurou um site para leiloar sua primeira vez. Sim, a história se repete.

Mas, agora, quem comanda o leilão é a própria catarinense, que assumiu as rédeas do novo projeto. O leilão vai até o próximo dia 12 e Catarina pretende faturar US$ 1,5 milhão, cerca de R$ 3,5 milhões, pela sua primeira vez.

Além de cuidar do site, a estudante está escrevendo um livro, em que contará detalhes do documentário sobre o primeiro leilão de sua virgindade e de tudo o que aconteceu nas gravações, até mesmo, do polêmico encontro com o empresário japonês que deu o maior lance por ela.

Em outubro de 2012, um empresário japonês desembolsou US$780 mil, cerca de R$ 1,7 milhão, pela primeira noite de Catarina. Mas, na hora do encontro, a brasileira percebeu que havia algo errado com a transação, realizada pelo diretor australiano do documentário, Justin Sisely.

Chegando ao encontro, que foi realizado na Austrália, o empresário japonês não era bem o que imaginava. A catarinense desistiu e se sentiu enganada pelo diretor do documentário. De volta ao Brasil, Catarina posou como ninfeta para as lentes da Playboy, com direito a um ursinho de pelúcia, no maior estilo do romance Lolita.

Catarina Migliorini se afastou do diretor Justin Sisely, depois que ele foi acusado de prostituição por causa dos leilões de virgindade que organizou. Além da estudante, um rapaz chamado Alex Stephanov também participou das gravações e teve sua primeira vez comprada.

O bafafá em torno do documentário foi tanto que há projetos para transformar a história em um reality show semanal.

Em entrevista ao jornal Diário de S. Paulo, a mãe da estudante mostrou-se surpresa com o projeto da filha.

—  Nem sei o que falar sobre isso.

R7