Policiais se rebelam contra Evo Morales na Bolívia e se negam a reprimir protestos

Unidades da polícia nas cidades bolivianas de Cochabamba (centro), Sucre (sudeste) e Santa Cruz (leste do pais) se rebelaram nesta sexta-feira (8) contra a polêmica vitória eleitoral de Evo Morales e afirmaram que não reprimirão mais os manifestantes da oposição que exigem a renúncia do presidente.

A revolta teve início em Cochabamba, quando um policial com o rosto coberto anunciou, no Quartel-General da Unidade Tática de Operações (Utop): “Estamos amotinados”. Outro policial acrescentou: “Vamos estar com o povo, não com os generais”.

Imagens de TV mostraram ao vivo cerca de 20 policiais no alto do edifício do quartel da polícia da Utop de Cochabamba, agitando uma bandeira boliviana, enquanto dezenas de jovens opositores se amontoavam nos arredores, saudando-os da rua.

Os manifestantes estouraram fogos e içaram em um mastro uma bandeira boliviana, entoando o hino nacional.

Assim como os rebelados de Cochabamba, os agentes do comando de Santa Cruz fecharam a unidade e vários policiais subiram no teto do prédio com bandeiras bolivianas.

Em Sucre, capital de Chuquisaca, um policial com o rosto coberto deu entrevista à TV dizendo que a polícia da região “está se unindo aos camaradas já rebelados em Cochabamba”. “Não podemos seguir com este ‘narcogoverno’, com esta democracia injusta”, afirmou.

Milhares de manifestantes foram às unidades policiais de La Paz, Potosí (sudoeste) e Trinidad (nordeste) para incentivar os policiais à revolta.

Após o início da revolta, o ministro do Governo, Carlos Romero, fez um pronunciamento em que evitou tratar o ato como uma rebelião, mas disse que estabelecerá mecanismos para contatar os representantes das tropas e “redirecionar essa situação de agitação”.

Romero também afirmou que a revolta de agora não terminará como o ocorrido na praça Murillo, em La Paz, onde se encontram o Palácio de Governo e o Parlamento, em fevereiro de 2003. Na ocasião, a polícia, que reivindicava melhores salários, entrou em confronto com a guarda militar presidencial. “Não há fevereiro de 2003 e não haverá”.

Nas últimas horas, circularam versões, segundo a imprensa, de que há queixas e reivindicações de militares contra o comandante da Polícia de Cochabamba, Raúl Grandy, por maus-tratos e por supostamente ter se inclinado a favor de manifestantes governistas durante os confrontos de rua contra opositores.

No último conflito, na quinta-feira, foram registrados um morto e de 80 a 90 feridos. Segundo versões extraoficiais, os policiais receberam ordens de Grandy de reprimir os manifestantes da oposição e favorecer o grupo de seguidores do presidente Evo.

O comando policial nacional nomeou um novo comandante da polícia de Cochabamba, o coronel Javier Zurita.

O governo de Evo Morales emitiu um comunicado à comunidade internacional de que o país é alvo de uma tentativa de sofrer um golpe de Estado.

“Alguns dirigentes de movimentos cívicos sob a liderança de Luis Fernando Camacho e a aliança política Comunidade Cidadã, sob chefia de Carlos Mesa, impulsionam um plano de golpe de Estado com a tomada da Casa Grande do Povo (Palácio do Governo).”, diz o texto.

PROTESTOS

A Bolívia vive a terceira semana de violentos protestos, com greves e bloqueios de ruas, contra a reeleição do presidente para um quarto mandato.

Iniciadas em Santa Cruz, as manifestações foram se espalhando gradualmente pelo país. Nesta sexta-feira, uma multidão tomou as ruas de La Paz, sede dos Poderes Executivo e Legislativo.

As atividades no centro da cidade de 800 mil habitantes foram virtualmente paralisadas, assim como na nobre Zona Sul.

Várias avenidas foram bloqueadas. Ônibus, micro-ônibus e táxis se moviam por trechos curtos, e apenas o teleférico (público) circulou normalmente em suas dez linhas.

Em torno da Casa Grande do Povo, a torre onde fica a sede do Executivo no centro de La Paz, um grande dispositivo de segurança impediu a passagem de manifestantes. O prédio foi cercado pela multidão nas últimas três noites.

O edifício de 29 andares contíguo ao Palácio Quemado, a histórica casa de governo, também foi protegido por mineiros e por camponeses aliados ao presidente.

FOLHAPRESS