Política baseada na raiva vai chegando ao seu limite

As manifestações antissanitárias deste domingo foram marcadas por uma novidade. Jair Bolsonaro e seus apoiadores extremistas ganharam no Rio de Janeiro e em São Paulo o contraponto das extremadas torcidas organizadas de futebol, que se dispõem a sair no braço contra a volta da ditadura.

Na Avenida Paulista, a Polícia Militar dispersou os antípodas com uma chuva de bombas de gás. O pedaço do Brasil que se esconde do vírus constata de longe a falta que faz a sensatez. Bolsonaro ainda não notou. Mas a política da raiva vai chegando ao seu limite.

O presidente tem diante de si duas decisões duras para tomar. Primeiro precisa resolver que preço está disposto a pagar para fugir das investigações que o enroscam. Depois, tem que decidir o que vai fazer com seus filhos.

No primeiro caso, Bolsonaro está numa situação delicada. Ainda não apareceu ninguém capaz de convencê-lo de que, ao regatear a crise, eleva o tamanho do prejuízo. No segundo, tem dificuldades para admitir que os filhos viraram fardos. Sabe que Flávio, Carlos e Eduardo encrencaram-se por agir em seu benefício.

Com uma ignição instantânea instalada na aorta, o mais provável é que Bolsonaro reaja às adversidades com mais raiva. Para se blindar de eventuais pedidos de impeachment ou denúncias criminais, pagará mais caro pela proteção do centrão.

Os filhos, alvejados no inquérito sobre a PF e no caso das fake news, serão usados como peças do enredo em que Bolsonaro faz o papel de vítima de perseguição.

Bolsonaro prioriza o destempero imaginando que, quando a poeira da pandemia baixar, o desemprego cairá no colo dos governadores. Aí estão, a um só tempo, seu erro e sua insensatez.

Com os mortos do coronavírus roçando a casa dos 30 mil e o desemprego vitimando 13 milhões de pessoas, essa ideia de que o presidente não pode fazer nada além de expressar sua raiva está corroendo aos poucos a paciência nacional. Formam-se longe das ruas movimentos e alianças de resistência.

JOSIAS DE SOUZA

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Beto Araújo disse:

    Kkkkkkkkkkkkk. Tem que rir muito, pois chorar, nós brasileiros, já começamos com a primeira vítima do covid-19. Acorda do teu berço esplêndido, POVO!

  2. Cidadão pagador de impostos disse:

    Bolsonaro está destruindo o país

  3. José Macedo disse:

    É só o JB que está promovendo esta guerrra política, o senado, a câmara e o judiciário não.
    Então tá.
    Tem duas hipóteses essa que
    O Bolsonaro é grosso e a outra por não está querendo distribuir cargos do primeiro escalão do governo,
    Qual será?

  4. Anti-Político de Estimação disse:

    É uma pena que ao invés de um líder nós tenhamos na Presidência do Brasil um MOLEQUE que só faz disseminar desunião e ódio, e que além de tudo é alvo de chacota no resto do mundo.

  5. Ítalo disse:

    Torcidas organizadas conhecidas por seusbatos de assassinatos e massacres?! Falando de democracia!! E mesmo que satanás pregando o evangelho!! Homi pelo amor de Deus essa investigação de fale news e uma aberração!!! O corpo do STF que está aí hje deveria ser cassado quero vê eles saírem nas ruas!!!

  6. Jefferson disse:

    A imprensa chega ao fundo do poço. Validar a postura violenta das torcidas organizadas como ato pró democracia. A imprensa de grandes veículos secou sua grande fonte de financiamento no governo Bolsonaro: o dinheiro público. Inconformado por não co seguir achar crimes comuns contra o presidente os veículos de comunicação estão dispostos a transferir a violência motivada pela esquerda junto aos braços das facções criminosas chamados de torcidas organizadas ao ao governo, quando na verdade a imprensa até hoje não aceitou ainda o resultado democrático das urnas.

  7. Antonio Turci disse:

    Infelizmente o Presidente está, cada vez mais, pisando no tomate. Preocupante está situação.

  8. Raimundo disse:

    Convocar torcidas organizaras conhecida pelos atos violentos para um protesto é muito explícito a tentativa de convulsão social similares às do Chile ja alardeada por líderes de esquerda. Querem tocar fogo no país e tomar o poder. Josias de Sousa é um crítico contumaz do presidente no seu programa na rádio jovem pan notasse seu viés parcial.

  9. Pela Paz Social disse:

    Caiu a máscara de uma parte considerável de brasileiros violentos, preconceituosos e intolerantes, que se dizem acima de tudo "cristãos". Considero doentes mentais e espirituais. Mas conheço pessoas totalmente curadas.

    • LULADRÃO disse:

      Sabe de nada, inocente útil. Bota pra torar nessa Ptralhada MITO!

  10. Brasil disse:

    O autor do texto julga as pessoas e não os fatos! Isso é algo temerário. Mistura a pessoa do presidente ao direito de manifestação de milhões de pessoas. Apesar disso, milhões e milhões de pessoas defendem o que acreditam, divergindo de teses impostas pela mídia e pela elite intelectual universitária.
    E isso não possui nenhuma relação com doenças, é algo muito mais profundo.
    Como dizia Winston Churchill:” os fascistas do futuro se auto proclamaram de anti fascistas”.

  11. Severino disse:

    Que artigo pífio !!! "Os fascistas do futuro chamarão a si mesmos de antifascistas…"

    • Gaius Baltar disse:

      O artigo tinha fatos, argumentos e conclusões. O seu comentário só tem adjetivos. Mesmo discordando de alguns aspectos eu prefiro ler o artigo.

    • Renato Rêgo disse:

      Gado, você acreditou no iletrado do Eduardo Bolsonaro…kkkkkkk essa frase jamais foi dita ou escrita por Churchill

    • Carlão disse:

      “A citação nunca foi documentada como tendo sido dita ou escrita por Churchill”, disse David Freeman, editor do “Churchill Bulletin” da ICS.

COMENTE AQUI