“Por que precisa conceder aumento para essa gente?”, diz Gleisi sobre STF

Geralmente adversárias ferrenhas, nesta quinta-feira a senadora Ana Amélia (PP-RS), candidata a vice-presidente na chapa de Geraldo Alckmin (PSDB), e a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), presidente nacional do PT, mostraram concordância ao criticar a proposta de reajuste dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Em discursos no plenário do Senado, ambas destacaram ser inoportuno falar em aumento para os magistrados. O PT fez um apelo para que o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), devolva projeto ao STF.

Gleisi Hoffmann chamou de “triste” a atitude dos ministros do STF e questionou porque a população, que “ganha muito pouco”, precisa “conceder aumento para essa gente”.

— Uma proposta dessa é uma proposta desrespeitosa com o povo brasileiro. A nossa população ganha muito pouco. Por que precisa conceder aumento para essa gente? Por que juiz precisa ter aumento num momento como este do país? Será que não tem sequer solidariedade com o sofrimento do povo brasileiro? Estamos com 13 milhões de desempregados no Brasil. Queria fazer um apelo ao Poder Judiciário: não envie esse projeto de lei para cá. Retire. Não envie. E também falar ao presidente da Casa para devolver o projeto, não o colocar para votar. Vai ser escandaloso se o projeto vier para cá e esta Casa aprovar o aumento do Judiciário — disse Gleisi.

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) completou: — É uma completa falta de senso, Senadora Gleisi.

Ana Amélia lembrou que o vencimento dos ministros do STF é o teto do funcionalismo e vai provocar um efeito-cascata dentro do Poder Judiciário e levará a um aumento dos salários de deputados e senadores, que vão querer a paridade com os ministros do Supremo. A senadora chamou de “inadequada” a decisão do STF de prever o reajuste em seus gastos para 2018.

— É preciso lembrar à sociedade que, quando o Supremo aumenta o salários dos 11 ministros, esse aumento vai direto repercutir no aumento dos nosso vencimentos aqui, no Senado, na Câmara, nas Assembleias Legislativas, nas Câmaras de Vereadores, na administração federal. A ministra Cármen Lúcia teve sensibilidade Tomar essa decisão agora não é uma atitude de compreensão do momento difícil do ponto de fiscal que estamos vivendo. É muito complicado. E sabe quem vai pagar essa conta? Vai ser o contribuinte brasileiro, com o aumento dos impostos — disse Ana Amélia.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Augusto disse:

    "Se portaram verdadeiramente como "empresários públicos"!

  2. Zeca disse:

    O pt como mandou por 13 anos poderia ter tomado uma iniciativa pra bloquear isso. Tem nada não, Bolsonaro com o general vão fazer e eles não vão dá um píu. Hehehe

COMENTE AQUI