Clima

Previsão de mais chuvas em todas as regiões do Estado durante a Semana Santa, destaca Emparn

Webdesigner/EMPARN

A Gerência de Meteorologia da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN), informa, após o levantamento dos próximos dias – que poderão ocorrer mais chuvas no feriado da Semana Santa. “Haverá predominância de céu parcialmente nublado em todas as regiões, com chuvas mais concentradas a partir desta terça-feira (16)”, disse o gerente Gilmar Bristot.

Conforme a previsão, os maiores índices deverão ocorrer na região de Mossoró, Alto Oeste e Litoral Leste. “As instabilidades serão ocasionadas pela presença da Zona de Convergência Intertropical (ZCIT). No litoral Leste, as chuvas poderão ocorrer à qualquer hora do dia. No interior a ocorrência de chuva é mais comum no período da tarde e inicio da noite”, acrescentou Bristot.

Fim de semana

No acumulado do fim de semana, desde a manhã da sexta-feira até a manhã de hoje (15), as chuvas mais fortes foram registradas em Felipe Guerra, 75,0 milímetros (mm); Carnaubais, 42,7mm; Grossos, 33,9mm e Apodi, 32,5mm, entre outros municípios da mesorregião Oeste. Choveu mais forte na região Central em Bodó, 14,4mm e Cerro Corá 3,5mm. No Leste choveu mais forte em Baia Formosa, 32,3mm e Ceará-Mirim, 16,0mm.

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

MOSSORÓ: Genivan Vale diz que Lawrence é esquerda e está abraçado com o governo do PT

Em entrevista ao Diário do RN nesta quarta-feira (22), o pré-candidato do PL à Prefeitura de Mossoró, Genivan Vale disse que que Lawrence Amorim é esquerda, é vermelho, está abraçado com o governo do PT e com Isolda Dantas.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Senado eleva de 20% para 30% cota para minorias em concursos públicos e inclui quilombolas e indígenas

Foto: Jonas Pereira/Agência Senado

O Senado aprovou nesta quarta-feira projeto de lei que prorrogar a reserva de vagas para negros em concursos públicos, a ser extinta em junho deste ano, por mais 25 anos. O texto eleva a cota dos atuais 20% para 30% e inclui outras minorias, como quilombolas e indígenas. O texto segue agora para apreciação da Câmara dos Deputados.

O projeto, uma das prioridades da pauta social do governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), sofreu forte resistência da oposição que queria tirar a medida da pauta de votação do dia.

Se nós, como Estado brasileiro, precisamos implementar uma política de reparação e de equiparação, façamo-lo pelo critério social. Os mais pobres e os mais fragilizados sejam ajudados pelo Estado, e não essa divisão, que não é boa para o Brasil — afirmou o líder da oposição, senador Rogério Marinho (PL-RN).

A regra atual tem validade até junho deste ano. O texto é de autoria do senador Paulo Paim (PT-RS) e o relator é o senador Humberto Costa (PT-PE). Uma versão anterior do texto já havia sido aprovada pela Comissão de Direitos Humanos da Casa, sob relatoria do senador Fabiano Contarato (PT-ES).

Todos nós sabemos que a pobreza no Brasil é negra, é parda, é indígena, principalmente, o que não significa que não existam pessoas brancas que sejam pobres também, mas o grosso da pobreza no Brasil está concentrado nesses segmentos. E, mesmo entre pessoas de mesma classe social, de mesmos rendimentos, que não são medidos nesses concursos, é sempre mais provável, estatisticamente demonstrável, que alguém de cor branca tenha mais possibilidades de ser aprovado em um concurso como esse — disse Humberto Costa.

O senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) chegou a apresentar uma emenda para mudar o critério das cotas para sociais, mas a sugestão foi rejeitada por 32 a 29 votos.

A votação do projeto chegou a ser adiada diversas vezes nas comissões do Senado.

A principal preocupação da ministra da Gestão é o prazo. A lei atual perde vigência no início de junho, em um ano em que o governo de Luiz Inácio Lula da Silva promove uma série de concursos públicos.

O Globo

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Fugitivos de Alcaçuz participaram de roubo avaliado em R$ 1 milhão, diz delegada

Foto: Polícia Civil

Capturados por policiais civis na noite de terça-feira (21), os criminosos foragidos da penitenciária Rogério Coutinho Madruga, Gustavo da Rocha Dias, 29 anos, e Ricardo Campelo da Silva, de 43 anos, prestaram apoio logístico para uma associação criminosa em um roubo, cometido em Natal, cujo prejuízo chegou a R$ 1 milhão. A informação foi divulgada pela delegada Isabela Turl, da Delegacia de Furtos e Roubos (Defur). A investigação deflagrada em função do crime ajudou as forças policiais a encontrar o paradeiro dos homens.

De acordo com Isabela, o crime em questão ocorreu na última semana e foi cometido contra uma pessoa física. “Durante a investigação deste roubo, surgiu uma linha investigativa de que os foragido haviam prestado apoio logístico para que a associação criminosa cometesse o roubo. A partir daí, a gente conseguiu diligenciar, confirmar e localizar o paradeiro dos dois”, relatou. A delegada também informou que as informações policiais apontam que eles estavam na comunidade Novo Horizonte (antiga favela do Japão), localizada na zona Oeste de Natal, há alguns dias.

Além de Gustavo e Ricardo, uma outra mulher (foragida por furto e rompimento de tornozeleira eletrônica) foi presa durante a ação de terça-feira. Os criminosos também foram enquadrados por porte ilegal de armas, durante a captura. Quanto ao apoio recebido pela dupla foragida, a delegada relatou que outros indivíduos além da mulher presa os ajudaram com comida e moradia, mas ainda não foram identificados. A investigação do roubo milionário cometido na capital potiguar segue em andamento.

O secretário da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), Elton Edi Xavier, afirmou que depoimentos da dupla ajudará as forças penais na prevenção a novas fugas. O secretario reforçou a condição de um dos fugitivos, que ainda não havia sido classificado, dentro da norma penitenciária, como apto. “Ele prestava um serviço dentro da unidade, mas ainda não havia passado pelo nosso processo de classificação. Caso tivesse passado, certamente não estaria apto para exercer qualquer atividade dentro do sistema prisional”, lembrou.

A fuga gerou ações dentro da penitenciária Rogério Coutinho Madruga. Xavier informou que todos os presos dentro da unidade que prestavam algum serviço foram classificados. A ideia é realizar a classificação de todos os detentos do sistema prisional do Estado até o fim de 2024. “Os presos que se encontravam na mesma condição dentro da unidade já foram classificados. Nós classificamos 2 mil em um universo de 12 mil. Mas até o final do ano, queremos classificar toda a população (carcerária) para trazer mais segurança no trabalho penal”, disse.

Tribuna do Norte

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Governo Lula aumenta limite de gastos em R$ 15 bilhões e mantém previsão de déficit na meta em 2024.


Foto: REUTERS/Ricardo Moraes

Os ministérios da Fazenda e Planejamento anunciaram um incremento no Orçamento da União na ordem de R$ 15,8 bilhões. Com isso, o governo reverteu o contingenciamento de R$ 2,9 bilhões feito em março.

Os números constam no segundo relatório bimestral de avaliação de despesas e receitas do ano, divulgado nesta quarta-feira (22). A publicação acontece a cada dois meses e tem o intuito de avaliar quanto o governo pode gastar.

A equipe econômica também publicou outras projeções, como déficit primário que passou de R$ 9,3 bilhões (0,1% do PIB) para R$ 14,5 bilhões, mas ainda dentro da banda de tolerância da meta fiscal que prevê um rombo máximo de R$ 28,8 bilhões, ou 0,25% do PIB para mais ou para menos — lembrando que o alvo é zero.

A publicação ainda destaca o aumento de R$ 24,4 bilhões em despesas primárias e R$ 20,1 bilhões em despesas obrigatórias. Segundo a equipe econômica, R$ 13 bilhões desse montante foi a resposta ao desastre ocorrido no Rio Grande do Sul.

A ampliação dos gastos foi permitida pela lei que retomou o seguro para vítimas de acidente de trânsito, conhecido como DPVAT.

Em março, a estimativa de gastos ultrapassou o limite de R$ 2,089 trilhões estabelecido para 2024.

Segundo a publicação, o aumento do limite de despesas já constava no novo arcabouço fiscal que determinou a abertura do crédito suplementar apenas no segundo relatório bimestral, mas condicionando que deveria haver uma evolução de receitas melhor que a do ano anterior.

Com o DPVAT sancionado, foi possível permitir a antecipação dessa liberação.

CNN Brasil

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

REVIRAVOLTA em GOSTOSO !! Caio Fernandes será candidato a Prefeito

Foto: Cedida

O empresário Caio Fernandes, apaixonado declarado pela cidade, impaciente com a falta de gestão e abandono dos distritos, conseguiu unir todo o grupo de oposição da atual gestão em torno do seu nome.

Inclusive Miguel Teixeira, maior líder politico da cidade e Tiquinho, jovem liderança local, abriram mão de suas próprias candidaturas para apoia-lo. Sendo Tiquinho o pré candidato a vice na chapa de Caio, contando ainda com o importante apoio de João Wilson, primeiro prefeito e responsável pela emancipação do município com uma folha extensa de realizações por GOSTOSO.

A eleição de gostoso virou briga de gente grande.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polêmica

Comissão da Câmara aprova moção de repúdio ao show de Madonna no Rio

Foto: Reprodução instagram

A Comissão de Previdência, Assistência Social, Infância, Adolescência e Família da Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (22/5), uma moção de repúdio ao show da cantora Madonna, feito em 4 de maio na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro.

O requerimento foi apresentado por deputados bolsonaristas: Chris Tonietto (PL-RJ), Cristiane Lopes (União-RO), Clarissa Tércio (PP-PE), Dr. Allan Garcês (PP-MA) e Julia Zanatta (PL-SC).

O texto requer moção de repúdio à própria Madonna, além de Anitta e Pabllo Vittar, que fizeram participações especiais durante o show. Também foram incluídos o governador do Rio de Janeiro, Claudio Castro (PL), e o prefeito Eduardo Paes (PSD).

Os autores justificam o pedido dizendo que a apresentação da The Celebration Tour promoveu “vilipêndio à fé da maioria da população brasileira, e do conteúdo nocivo apresentado, de forte viés erót1co”.

“Em sua apresentação, a referida cantora utilizou-se de símbolos e elementos de ritos satânicos, em claro deboche à religião cristã, majoritária em todo o território nacional. Ademais, o caráter erótico e de inspiração pornográfica de suas coreografias – que simulavam posições s3xuais e verdadeiras org1as no palco –, além de torná-las impróprias à audiência mais jovem da apresentação – que foi transmitida em rede nacional, sendo acompanhada por milhões de brasileiros de todas as idades, inclusive crianças –, ofende gravemente os princípios morais da maioria da população brasileira, e mesmo o mínimo padrão de decência necessário a uma convivência social harmoniosa”, argumentam os parlamentares.

O show gratuito de Madonna na praia de Copacabana foi pago em parte pelo banco Itaú, como parte da campanha comemorativa de 100 anos da empresa.

Fonte: Metrópoles

Opinião dos leitores

  1. Vixe, vixe, vixe que será que o Senador Bolsonarista Jorge Seif vai achar disso, o coitado foi ao XOU e tudo segundo ele por que a esposa pediu e teve até choro e ranger de dentes depois, já o Fábio Wangartem foi por q Madonna defende Israel, e agora ?

  2. Dizem que Madonna não dorme desde de qd isso foi posto, o nome disso eh desocupação. Ou povo desocupado.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

[VÍDEO] Servidores técnicos da UFRN veem proposta do Governo Lula como “desrespeitosa” e mantêm greve

Os servidores técnico-administrativos da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) decidiram nesta quarta-feira (22) rejeitar a proposta do governo e continuar a greve. A paralisação da categoria foi iniciada em 14 de março, para cobrar reajuste salarial.

A decisão aconteceu durante assembleia geral do Sindicato dos Estadual dos Trabalhadores em Educação no Ensino Superior (Sintest-RN). Mais de 500 servidores participaram do encontro.

Os técnicos classificam a última proposta do governo como “desrespeitosa” e cobram percentuais mais elevados de reajuste salarial. Eles afirmam que a gestão do presidente Lula está oferecendo “migalhas” para os funcionários públicos.

Na última reunião de negociação com os técnicos-administrativos das instituições federais de ensino, o governo não propôs nenhum percentual de correção neste ano, mas ofertou reajustes para os dois anos seguintes.

Proposta do governo e o que querem servidores

Em relação à primeira proposta, apresentada em 19 de abril, foi mantida a oferta de 9% em 2025 e houve um incremento para 2026, que subiu de 3,5% para 5%.

Servidores reclamam da falta de reajuste em 2024 e dizem que a proposta não distingue as categorias, além de manter as mais baixas muito defasadas e discrepantes. A reivindicação dos técnicos administrativos é de 37% de reajuste em três anos.

Fonte: Portal 98Fm

Opinião dos leitores

  1. Pessoal deve estar no 5% do topo da pirâmide de renda.
    Tudo bem que passou numas provas faz um tempão. O Estado prometeu renda boa. Ajoelhou….Mas cá pra nós, estão reclamando de barriga cheia.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

[VÍDEO] Haddad bate boca com deputado do PL na Câmara: “Faz exame de DNA para saber quem deu calote”

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, protagonizou um bate-boca com o deputado Filipe Barros (PL-RS) durante uma audiência na Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (22).

deputado do PL acusou o governo de maquiar os dados relacionados às contas públicas, enquanto o ministro disse que “não vale a pena trabalhar com fake news”.

Segundo Haddad, o parlamentar estaria colocando na conta do governo do presidente Lula (PT) o pagamento de precatórios herdados da gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

“Só tiveram dois presidentes que deram calote: Collor e Bolsonaro. Aí vem o presidente e paga o calote, ‘ah, olha o déficit que o presidente Lula fez’. Esse déficit, deputado, não é nosso. O filho é teu, tem que assumir a paternidade, faz o exame de DNA que vai saber quem deu calote. Eu não quero polarizar com o senhor, não vim para cá para isso, vim para restabelecer a verdade”, disse Haddad.

Filipe Barros afirmou que o País está vivendo uma “pandemia econômica” e que os números atuais do ministério da Fazenda são “piores” que os registrados na crise sanitária da Covid-19.

Em seguida, o deputado chama Haddad de “ministro Paulo Guedes”. E se retrata: “Se fosse o Paulo Guedes, estaríamos bem melhor”.

Fonte: Portal 98Fm

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

[VÍDEO] Pega o microfone e fala mal do Tarcísio, diz Haddad a Kataguiri

O fim da isenção para compras em sites internacionais de até US$ 50 gerou tensão entre o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e o deputado federal Kim Kataguiri (União Brasil-SP) na Câmara dos Deputados. O líder da equipe econômica do governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) esteve na Comissão de Finanças e Tributação nesta quarta-feira (22).

Kataguiri questionou Haddad sobre o posicionamento do governo no que se refere ao aumento da arrecadação por meio da alta de impostos, e apontou suposta briga entre deputados do PT e o governo na última semana sobre o tema.

O ministro da Fazenda reagiu, respondendo que é necessário um tempo maior para o governo tomar um posicionamento sobre a retomada do imposto federal sobre as compras internacionais. Também destacou que a decisão dos governadores de subir o Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) estadual foi correta.

Atualmente, as compras do exterior de até US$ 50 são taxadas apenas pelo ICMS estadual, com alíquota de 17%.

Para Haddad, a indagação de Kim seria uma forma de tentar “ideologizar” a discussão. O chefe da equipe econômica reforçou que é preciso “saber o que está acontecendo nas feiras, nas periferias”.

“Pega o microfone e fala mal do Tarcísio [de Freitas, governador de São Paulo]. Fala! O varejo brasileiro é honrado, feito de empresário honrado, a indústria é honrada. As pessoas que mandaram esse documento para nós são honradas, merecem ser ouvidas. Feche a porta para ouvir e parar de lacrar na rede”, indagou Haddad.

Entidades do setor de varejo divulgaram nota nesta semana afirmando que a tributação nas compras em sites de e-commerce poderia corrigir uma “grave desigualdade tributária”.

Como resposta ao ministro da Fazenda, Kim Kataguiri afirmou que Haddad foge dos questionamentos sobre o imposto de 60% para as compras em sites internacionais.

“Ele [Haddad] também disse que eu não recebo representantes [do setor industrial], que é [uma fala leviana], que eu não teria feito questionamento, que estaria lacrando. De três questionamentos que eu fiz, ele não respondeu: sobre privilégios, elite do funcionalismo público, paternalismo. O ministro está fugindo de responder qual é o posicionamento do Ministério da Fazenda sobre a imposição de imposto de importação em 60% para as compras on-line”, enfatizou o deputado.

Neste momento, o fim da isenção para as compras internacionais de até US$ 50 está presente no Projeto de Lei (PL) nº 914/2024, que institui o Programa de Mobilidade Verde e Inovação (Mover). O relator da proposta, deputado Átila Lira (PP-PI), disse ao Metrópoles que pretende manter a taxação no texto.

A discussão se estendeu também ao deputado Abilio Brunini (PL-MT). O ministro da Fazenda acusou a oposição de se negar a acreditar nos fatos, como é o caso da vacinação e a discussão sobre a terra ser redonda ou não.

“Essa é a prática do bolsonarismo: não ouvir, não querer saber o que está acontecendo. ‘Ah, vacina, sou contra ’ – não quer ouvir um cientista. Não aponta caminho, é só na desinformação”, ressaltou Haddad.

“O senhor me chama de negacionista. Eu defendi a vacina o tempo todo. Eu defendi a terra redonda o tempo todo, a terra redonda o tempo todo, e vocês negam que a terra é redonda, vocês negam que a vacina previne, vocês negam essas coisas, vocês negam que deram um calote, vocês negam que deram um calote em precatório”, completou o ministro da Fazenda.

Fonte: Metrópoles

Opinião dos leitores

  1. Hahaha o boy “arregou” na mesma hora, me acabei de rir, o Ministro ainda deu uma aula ao desprovido de inteligência.

    1. Sendo roubado e achando bom , e o jumento são os outros, sei !!!

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *