Questão da Amazônia nasceu com ataques de Bolsonaro, diz ex-diretor do Inpe

Ex-diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) exonerado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL), Ricardo Galvão afirmou nesta quarta-feira (4), em evento na ABC (Academia Brasileira de Ciências), que a questão da Amazônia começou a ser despertada após as acusações, sem provas, do presidente contra ele.

“A repercussão internacional foi enorme. Minha reação ao presidente foi forte. Teve repercussão. Ele disse que eu estava a serviço [de ONGs], no dia seguinte jornalistas estrangeiros me ligavam. Isso começou a despertar a questão da Amazônia”, apontou Ricardo Galvão.

Segundo o ex-diretor do Inpe, não quer dizer que o governo queira o desmatamento, mas lhe chamam a atenção os discursos contra o aquecimento global e contra a importância de manter as florestas em pé. Ele voltou a criticar o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, sobre o tema.

“Sem levar no ponto de vista político, ele [Salles] tem uma visão capitalista destruidora. Absurdo explorar minério em terra indígena. Inclusive, o presidente do Brasil falou que o bom lá é explorar nióbio, mas o Brasil já produz 90% do nióbio mundial, dominamos já o mercado. Para que precisa ir em terra indígena explorar mais nióbio? Tem umas coisas absurdas”, apontou Galvão. “Eles são muito despreparados.”

O ex-diretor do Inpe também acredita que o governo tenha recuado na questão sobre a floresta após a repercussão mundial que o caso ganhou.

“Acho que [o governo] recuou e espero que recue mais, pois vai ser insustentável para o Brasil, fica uma situação instável para um governo frente até à sociedade brasileira. Em todo lugar agora as pessoas perguntam sobre o Inpe, a população já tem a consciência de manter a Amazônia”, declarou Galvão.

Galvão também diz que Salles, caiu no “canto da sereia do vendedor” na adoção de um novo sistema de monitoramento de desmatamento na Amazônia.

“Acredito que o ministro Ricardo Salles, de uma certa forma, tem duas coisas que podem acontecer, uma é comprar isso com interesse não sei de quem. O outro talvez seja uma justificativa pela não ação”, afirmou Galvão, que foi homenageado pela ABC.

O governo pretende adotar um novo sistema de monitoramento privado, nos moldes do oferecido por uma tecnologia americana disponibilizada no Brasil pela empresa Santiago & Cintra. O sistema utilizado é o Planet, que produz imagens mais detalhadas do que as do Inpe. A opção voltou a ser questionada por Galvão nesta quarta.

“Nosso sistema de alerta tem uma faixa de varredura de pouco mais de 860 quilômetros. Se você abre muito o campo de visão, não vê nada em detalhe. Nossa imagem não tem uma resolução para ver em detalhes. Mas as áreas que damos são perfeitas para efeito de fiscalização, de coibir o desmatamento, isso sempre funcionou, o que levou de 2004 a 2012 uma queda abrupta na questão do desmatamento”, disse o ex-diretor do Inpe.

“A questão de resolução maior [como quer o governo], com três metros quadrados, é para ver em detalhes. Quero fazer uma ação legal contra um proprietário, aí eu olho em detalhes. Mas imagine três, quatro metros quadrados. Então, imagine cobrir a Amazônia com seus quatro milhões de quilômetros quadrados em um pedacinho de dois por dois?”, questionou Galvão.

“Você tem é que usar o sistema Deter, aí tem um alerta de desmatamento, vê onde ocorreu, e aí sim você pega essa área e vê em detalhe”, acrescentou. Ele também relatou que o ministro do Meio Ambiente não gostou de sua análise. “Ele ficou muito aborrecido comigo, porque eu disse a ele que não se mede a distância São Paulo-Rio com uma régua de 10 centímetros”.

No último dia 22 de agosto, Salles criticou o sistema mencionado por Galvão. “O Deter não se presta a medir volume de desmatamento, não é preciso e não faz comparações. Para saber se o desmatamento aumentou, é preciso comparar a mesma área em tempos diferentes. O Deter não faz isso”, opinou o ministro do Meio Ambiente.

No último dia 2 de agosto, Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia) decidiu exonerar Ricardo Galvão, após críticas a dados sobre desmatamento considerados sensacionalistas pelo governo. Segundo ele, o motivo de sua exoneração foi porque seu discurso em relação ao presidente Bolsonaro criou constrangimento.

Folhapress

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ivan disse:

    Agora eu sei pq esse bosta foi demitido…
    “Sem levar no ponto de vista político, ele [Salles] tem uma visão capitalista destruidora. Absurdo explorar minério em terra indígena. ”
    Ótima medida do presidente

  2. Emerson Fonseca disse:

    Agora só está faltando ao alertoso barnabé Ricardo Galvão ser carimbado como uma "Marina Silva de cuecas", ou seja, virar senador por algum estado amazônico para deitar falação sem nenhuma proposta concreta de resolução para os problemas do país.

COMENTE AQUI