REFORMA TRABALHISTA: Governo prometeu 2 milhões de vagas; só criou 298,3 mil até agora

Aprovada quando o país tinha 13,3 milhões de desempregados e uma taxa de desocupação de 12,8%, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a nova lei foi vendida pelo governo como solução contra o desemprego e a informalidade.

Ao sancioná-la, Temer repetiu o que disse durante toda a tramitação da proposta: que a reforma era indispensável para a criação de empregos. O então ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, chegou a dar um número: 2 milhões de vagas em 2018 e 2019.

A julgar pelo balanço do primeiro ano de reforma, o país terá que pisar fundo no acelerador para conseguir cumprir a previsão do ex-ministro.

Desde que a reforma entrou em vigor, em novembro de 2017, até setembro deste ano, mês do dado mais recente, o país criou 298.312 vagas com carteira assinada, de acordo com o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do Ministério do Trabalho.

É um cenário muito melhor que o visto entre 2014 e 2017, quando o país perdeu milhões de empregos. Mas está muito aquém dos anos pré-crise econômica, quando o país chegou a abrir mais de 2 milhões de vagas com carteira por ano.

UOL

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. ricardo disse:

    A reforma do Sr. Rogério Marinho só fará aumentar o caos social. Foi a maior traição contra a classe dos trabalhadores e ainda bem que foi dada a resposta a este senhor nas urnas. A precarização do trabalho já começa a ser sentida por boa parte dos trabalhadores e não resolverá o problema do desemprego.

  2. Tarcísio Eimar disse:

    E este número talvez nem seja fruto da reforma. Aconteceu pelo destino, naturalmente.

  3. Eli disse:

    Não me diga uma coisa dessas….tudo isso?
    Até Rogério Marinho perdeu o emprego..kkkkkkk
    #eujasabia

    • Pato Amarelo disse:

      Kkkkkkk, essa reforma foi uma chicotada no lombo do trabalhador e só foi boa para os patrões exploradores. Mas algumas respostas já apareceram nas urnas em 2018, e aparecerão cada vez mais nas próximas eleições.

COMENTE AQUI