Polícia

‘Relato horrível’, diz pastora sobre momento em que descobriu abuso do filho

Felipe e Bianca: ela denunciou o marido à polícia

Um dia depois do caso de abuso de seu filho por parte do padrasto, o pastor Felipe Garcia Heiderich, se tornar público, a pastora Bianca Toledo falou com o EXTRA e contou como descobriu o que ocorria. Segundo ela, há dois anos uma babá havia contado que encontrava o menino sem fraldas no berço e que via o patrão entrando no quarto do enteado durante a madrugada. Felipe está preso e nega as acusações.

– Nós nos amávamos muito e quando a babá me contou essas coisas, começou a me alertar, ele passou a odiá-la e dizer que as histórias eram inventadas. Um ano depois, ela parou de cuidar do meu filho – disse Bianca.

Segundo a pastora, na ocasião, ela sequer imaginou que poderia tratar-se de um abuso. Mas com o tempo começou a desconfiar do comportamento do marido pois, seis meses após o casamento – que durou dois anos e meio – Felipe passou a se recusar a manter relações sexuais.

– Ele sempre dava desculpas de que estava com algum tipo de doença e, no mês passado, ele passou a dizer que estava com uma suspeita de tumor na hipófise – relatou a religiosa.

A mulher, então, marcou uma consulta para o marido num médico no Rio:

– Ele falou que queria ir sozinho para falar sobre coisas do passado da vida dele, que não queria que eu escutasse. Quando voltou disse que estava diagnosticado com a doença, mas não mostrou nada comprovando. Foi aí que passei a desconfiar dele. Liguei para a médica, que me disse que ele tinha mentido. Contou também que meu marido tinha dupla personalidade e é homossexual.

Foi então que Bianca lembrou dos alertas da babá e chamou o filho para um conversa.

– Tentei tratar o tema de forma bem lúdica. Perguntei onde ele dormia quando a mamãe viajava. E ele disse que era na cama junto com o papai. Perguntei também se alguma vez o papai tinha dado banho nele. E o relato foi horrível – disse a pastora.

Sem que o marido desconfiasse, ela passou a fingir que estava acreditando na doença que ele teria inventado. Bianca, então, procurou um terapeuta para que o filho contasse mais detalhes sobre os abusos:

– Na primeira consulta, ele disse que tinha muitos segredos a contar. Mas somente na segunda consulta entrou nos detalhes. Eu gravei tudo.

No dia 13 de junho, já com orientação de advogados, segundo a pastora, ela resolveu confrontar o marido.

– Ele num primeiro momento disse que não havia “curado” a sua homossexualidade. Argumentei que já sabia que ele estava abusando do meu filho e que em cinco dia tomaria as providências necessárias – contou Bianca.

No mesmo dia, a pastora saiu de casa e foi para um hotel com o filho. A religiosa acusa o marido de ter simulado um suicídio após sua mudança.

– Ele mandou uma mensagem para um amigo dizendo que tinha desistido da vida e que iria se matar. Ao chegarem ao apartamento, encontraram fotos minhas e do meu filho espalhadas pelo chão e uma carta em que ele dizia que tinha tomado duas caixa de tranquilizante.

Felipe foi levado para a Unidade de Pronto Atendimento da Barra da Tijuca, bairro da Zona Oeste do Rio onde o casal morava. No mesmo dia, ainda de acordo com Bianca, foi transferido para uma clínica psiquiátrica.

– Lá ele foi diagnosticado com dupla personalidade e transtornos de personalidade. Eu queria que ele ficasse internado, mas meu advogado me disse que, se eu não denunciasse o caso à polícia, eu seria cúmplice. No mesmo dia fui à delegacia – afirmou a pastora.

EXTRA

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Arena das Dunas mantém padrão de excelência na sua segurança

Manter o padrão de excelência na segurança da Arena das Dunas é um desafio. Porém, extremamente necessário. E tem sido com muita dedicação, profissionalismo e parcerias que o trabalho de manter um ambiente seguro vem se concretizando desde a sua fundação. A Arena conta com um plano de segurança integrado ao plano de reposta e emergência, atrelado a equipamentos modernos de monitoramento, bem como também com sua própria equipe patrimonial. A estrutura também contribui na formação de novos profissionais de segurança pública.

VÍDEO ABAIXO:

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Com 38 esposas e 89 filhos, indiano com ‘a maior família do mundo’ morre aos 76 anos

Foto: Reprodução/Twitter

Morreu no domingo o indiano Ziona Chana, aos 76 anos. Conhecido como líder de uma seita que prega a poligamia, ele tinha 38 mulheres, 89 filhos, 36 netos e um bisneto, e era apontado no país como o “pai da maior família do mundo”. A informação foi confirmada pelo ministro-chefe do estado de Mizoram, Zoramthanga, no Twitter. Ele lamentou o ocorrido e ressaltou que a região se tornou uma atração turística por causa de Chana e sua família.

Segundo o jornal India Today, Chana estava doente desde o dia 7 de junho e tinha problemas crônicos de saúde, incluindo diabetes e hipertensão. O idoso teria ficado inconsciente no dia 11 de junho, quando foi constatado que precisaria de uma transfusão de sangue urgente. Ele foi então internado em um hospital, e morreu por volta das 15h.

O grupo já chegou a ser formada por mais de 180 pessoas e se tornou uma sensação no país, marcando presença em programas de televisão. Apesar do título, não há registro oficial de qual seria a maior família do mundo.

Segundo a imprensa local, todos vivem juntos em uma casa de quatro andares e cem quartos chamada “Chuuar Than Run”, ou Casa da Nova Geração, na vila Baktawng Tlangnuam, a cerca de 55 quilômetros da capital de Mizoram, Aizawl. Todas as mulheres compartilhavam um dormitório próximo do que era o quarto privado de Chana. Segundo a Reuters, Chana nasceu em 1945 e conheceu sua primeira mulher, três anos mais velha, quando tinha 17 anos.

A seita Chana Pawl tem cerca de 2 mil seguidores e todos vivem ao redor da casa. O grupo foi fundado pelo avô de Chana em 1942.

O Globo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Clima

Instituto Nacional de Meteorologia emite alerta amarelo de baixa umidade para 71 cidades do RN

 Foto: Reprodução/Inmet

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu alerta amarelo de baixa umidade, com grau de severidade “perigo potencial”, para 71 cidades do Rio Grande do Norte. O alerta começou às 12h é válido até 18h desta segunda-feira (14).

Segundo o órgão, a umidade relativa do ar deve variar entre 30% e 20%, que causa baixos riscos de incêndios florestais e riscos à saúde. Como precaução, o Inmet indica que se beba bastante líquidos, que se evite o desgaste físico e exposição nas horas mais secas e quentes do dia.

Em caso necessário de apoio, a recomendação é acionar a Defesa Civil (telefone 199) ou o Corpo de Bombeiros (telefone 193).

Além do Rio Grande do Norte, a baixa umidade atinge parte da Paraíba, Pernambuco, Bahia, Piauí e Ceará.

Veja cidades do RN AQUI em reportagem do G1-RN.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

FOTOS: Ação Pela Vida SESI vacina industriários em Natal registra mais de 120 da Guararapes imunizados nesta segunda-feira

Fotos: Divulgação

Em apenas 1 hora, 120 funcionários da Guararapes foram atendidos e receberam a primeira dose do imunizante contra a Covid-19, na manhã desta quarta-feira, 14, no posto de atendimento do projeto Ação Pela Vida, promovido pela FIERN, SESI, SENAI e IEL, no Ginásio do SESI Clube, em Natal. A vacinação dos industriários, teve início na sexta-feira passada, 11 e está disponível exclusivamente no posto de atendimento do projeto Ação Pela Vida, no SESI-RN, para pessoas a partir dos 45 anos.

Para Maria Elisabeth Cruz de Carvalho, 54 anos, funcionária da Guararapes há 24 anos, que atualmente trabalha na área de controle de qualidade, o momento era de felicidade. “Glória a Deus! Fiquei sabendo na sexta-feira, quando a encarregada falou com a gente. É uma felicidade muito grande”, disse ela que é a primeira vacinada da família.

Apesar da timidez e das poucas palavras, Sidatan Félix da Silva, 49 anos, não escondia a felicidade em receber a primeira dose. Funcionário da Guararapes há 17 anos, também foi informado com antecedência sobre a oportunidade de se vacinar contra a Covid-19. “Eu já estava na expectativa, agora é só aguardar a segunda dose”, disse.

O Plano de Vacinação Contra a Covid-19 da Indústria Potiguar, elaborado pelo programa Mais RN, assegurou as informações e dados necessários para a parceria — entre FIERN, Prefeitura de Natal e Governo do Estado — que garantiu o início da vacinação dos trabalhadores da indústria. Para o planejamento da imunização dos trabalhadores do setor, foi desenvolvido um detalhado atlas da indústria do Rio Grande do Norte, com quantitativos por municípios, números de colaboradores e segmentação por faixa etárias, gênero e o código CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) das empresas industriais. Esse código é importante neste levantamento para a programação da vacinação, porque comprova que a empresa está registrada como atividade empresarial.

Os trabalhadores das indústrias são reconhecidos oficialmente como prioritários no PNI (Plano Nacional de Imunização). Mas, para que sejam incluídos entre os grupos que são vacinados prioritariamente, a imunização deve ser planejada e as doses estarem asseguradas na programação do Estado, que faz a distribuição, e dos municípios, que aplicam as vacinas. “O industriário é considerado prioritário na política nacional de vacinação do Ministério da Saúde. Com esses documentos, os municípios podem planejar se têm as condições para vacinar, definindo a faixa etária e como pode avançar nesta programação”, diz Pedro Albuquerque, assessor técnico do Mais RN.

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Mossoró vacina pessoas com 49 anos ou mais sem comorbidades

Mossoró avança na vacinação de mais uma faixa etária. A partir de agora, pessoas com 49 anos ou mais sem comorbidades já podem receber a primeira dose do imunizante no ginásio do Sesi. Abaixo o anúncio no Instagram da Prefeitura:

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Introdução de bactéria no Aedes aegypti reduz em 77% transmissão de dengue na Indonésia

Foto: frank600/Getty Images

Cientistas que estudam uma abordagem promissora contra a propagação do vírus da dengue acabam de obter resultados animadores. No teste mais completo realizado até agora, a transmissão da doença foi reduzida em 77% em uma cidade da Indonésia após a introdução de mosquitos infectados com uma bactéria do gênero Wolbachia.

A dengue chega a nós a bordo de fêmeas do mosquito Aedes aegypti e infecta de 100 a 400 milhões de pessoas a cada ano, principalmente em regiões tropicais e subtropicais do planeta (como o Brasil). A doença não tem um tratamento específico, e a vacina é recomendada apenas para quem já foi infectado antes.

Uma iniciativa que tenta combater o problema é o projeto australiano World Mosquito Program (WMP). Eles desenvolveram uma abordagem experimental para combater a propagação da dengue, que consiste na introdução da bactéria Wolbachia em mosquitos Aedes aegypti.

A bactéria retarda a reprodução do vírus da dengue no organismo do mosquito. Melhor ainda é que ela é passada de geração em geração: uma vez introduzida na população, todos os Aedes nascerão com ela. Assim, é menos provável que o inseto se transforme em um vetor da doença e a transmita para nós.

Os cientistas infectam os mosquitos e os liberam em locais de teste. Eles já realizaram esse experimento em vários lugares – como aqui no Brasil e em Queensland, na Austrália (onde a dengue foi basicamente erradicada). Mas o sucesso na Indonésia foi inédito.

“Este resultado demonstra como a Wolbachia pode ser uma descoberta empolgante – uma nova classe de produto segura, durável e eficaz para o controle da dengue é exatamente o que a comunidade global precisa”, disse o pesquisador Cameron Simmons, diretor do Centro da Oceania no WMP.

A cidade de Yogyakarta, de 26 km2, foi dividida em 24 regiões pelos pesquisadores. Entre março e dezembro de 2017, eles introduziram mosquitos infectados com a Wolbachia em 12 desses grupos – chamados de grupos de intervenção. Os outros 12 grupos não receberam os Aedes aegypti infectados e se tornaram grupos de controle – que servem para fins de comparação com os grupos de intervenção.

A Indonésia registra cerca de 8 milhões de casos de dengue por ano – por lá, a doença é endêmica. Em todos os grupos de estudo, as medidas locais de controle de mosquitos não foram interrompidas durante a pesquisa.

Ao longo de 27 meses após a liberação dos mosquitos infectados, os pesquisadores recrutaram pessoas com idades entre 3 e 45 anos que apareceram com sintomas suspeitos nas unidades básicas de saúde da cidade. Então, eles testavam essas pessoas para identificar se estavam ou não com a doença. Foram 8.144 pessoas testadas no total.

Os resultados mostraram que apenas 67 pessoas nos grupos de intervenção foram diagnosticadas com dengue – 2,3% da população desses locais. Já nos grupos de controle, 318 casos da doença foram identificados – o que representa 9,4% da população.

No geral, a introdução dos Aedes aegypti infectados com a Wolbachia reduziu a propagação da dengue em 77,1% e não apresentou resultados muito diferentes entre os quatro subtipos de dengue existentes.

Os pesquisadores também notaram que, entre os grupos de intervenção, 86% menos pessoas acabaram no hospital por complicações da doença. Foram registradas 13 hospitalizações nessas áreas, enquanto os grupos de controle tiveram um total de 102.

“Este é um grande sucesso para o povo de Yogyakarta”, afirma Adi Utarini, pesquisadora do WMP. “O sucesso do teste nos permite expandir nosso trabalho por toda a cidade de Yogyakarta e pelas áreas urbanas vizinhas. Acreditamos que há um futuro possível em que os residentes das cidades indonésias possam viver livres da dengue.”

Super Interessante

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Trânsito

Cruzamento da Trairi com Hermes da Fonseca dá novo acesso a Petrópolis

Foto: Alex Régis/Secom

A Prefeitura do Natal, por meio da STTU, instalou um semáforo sincronizado com faixa de pedestre no cruzamento da rua Trairi com a avenida Hermes da Fonseca. Esta mudança melhora o acesso dos motoristas ao bairro Petrópolis que vêm de Mãe Luiza e Via Costeira. O semáforo está funcionando desde esse domingo (13).

No local foi feita toda parte de acessibilidade e abertura do canteiro, tornando uma travessia segura e acessível para os pedestres. Este, era um pleito antigo dos motoristas que sentiam dificuldade de acessar o bairro de Petrópolis vindo da Via Costeira e Mãe Luiza.

Durante a semana os agentes de mobilidade da STTU estarão no local junto com a equipe técnica observando o comportamento da operação.

Opinião dos leitores

  1. Isso vai facilitar a fuga para Mãe Luiza… Agora ficou mais fácil assaltar em Petrópolis. Parabéns Paulo César, novo chefe da STTU.

  2. Secretaria de IMOBILIDADE urbana. Ano após ano, moradores do Tirol (lado do parque das dunas) são cerceados por essa secretaria. Para cruzar a Hermes somos obrigados à rodar quase um quilômetro, isso quando conseguimos sair da rua. Parabéns aos envolvidos.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Turismo

Vão faltar hotéis e aviões na temporada de verão, diz presidente da CVC

Foto: CVC/Divulgação

A CVC já está com a cabeça na temporada de verão. Após a promessa de estados como São Paulo e Rio de Janeiro de vacinar todos os adultos com ao menos uma dose até setembro e outubro, cresce a expectativa do turismo pela retomada do setor. “A volta à normalidade vai coincidir com a alta temporada. Na minha visão, vão faltar hotéis e aviões porque vai haver um boom de viagens”, acredita Leonel Andrade, presidente da CVC. A empresa, assim como as companhias aéreas, afundou, em abril do ano passado, em função da pandemia. A CVC, que já chegou a valer 10 bilhões de reais, em 2019, viu seu valor de mercado despencar para menos de 1 bilhão, em 2020. Hoje, com uma recuperação mais sólida, já está avaliada em quase 6 bilhões de reais.

O tom para a retomada internacional, contudo, é mais cauteloso, já que muitos países só permitem a entrada de brasileiros depois de uma quarentena e outros sequer aceitam brasileiros ainda. “Vai acontecer a mesma coisa no turismo internacional, mas seis meses depois do doméstico. O maior desafio é reabrir as fronteiras, é um problema político que o governo precisa resolver”, diz o comandante da CVC. Os preços, que despencaram com a pandemia, devem acompanhar a demanda e subir, voltando aos patamares de 2019 até o final do ano, segundo o executivo.

Na última terça-feira, 8, a CVC informou ao mercado que contratou os bancos Citi e BTG Pactual para realizar uma nova oferta de ações. É a terceira oferta. A companhia já captou 700 milhões de reais em duas ofertas, realizadas em setembro de 2020 e em fevereiro de 2021. A dívida da CVC, que já foi de 1,6 bilhão de reais, caiu para cerca de 600 milhões no primeiro trimestre do ano.

Radar Econômico – Veja

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Prefeitura de Ceará-Mirim paga R$ 2,3 mi da primeira parcela do Décimo nesta terça-feira

Mantendo a agenda de compromisso com os servidores, a Prefeitura de Ceará-Mirim anunciou que a primeira parcela (40%) do 13º salário será paga nesta terça-feira (15). A confirmação foi dada pelo prefeito Júlio César Câmara, nesta segunda-feira. Serão injetados na economia local aproximadamente R$ 2,3 milhões.

De acordo com o gestor, o pagamento do Décimo inclui os funcionários contratados da saúde, o que não ocorria no passado. “ O pagamento do Décimo é uma ótima notícia. É fruto de muito trabalho e da economia que a gente tem feito ao longo da nossa gestão. Isso acaba resultando em benefícios para os nossos servidores. A luta continua e o trabalho não para”, concluiu o chefe do Executivo municipal.

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

EUA e Israel investigam se vacinas anti-Covid da Pfizer e da Moderna causam inflamação leve no coração

Vacinação na Filadélfia
18/5/2021 REUTERS/Hannah Beier

Foto: Arquivo / Reuters

Autoridades de saúde dos EUA e de Israel investigam se o uso de vacinas contra a Covid-19 baseadas na tecnologia de RNA mensageiro, como os imunizantes da Pfizer/BioNTech ou da Moderna, podem estar gerando casos raros e leves de miocardite, uma inflamação no músculo do coração.

No dia 17 de maio, o CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA) afirmou em comunicado ter registrado alguns poucos casos brandos de miocardite que se seguiram à imunização com uma das vacinas de RNA mensageiro. Nos EUA, são usados dois imunizantes com a tecnologia (Pfizer/BioNTech e Moderna).

O comunicado diz que esse é considerado um potencial efeito adverso dessas vacinas. De acordo com o CDC, os casos ocorrem predominantemente em adolescentes e jovens adultos, é mais frequente em homens e acontecem tipicamente quatro dias após a vacinação com a segunda dose. No país, crianças a partir de 12 anos de idade podem ser vacinadas.

Segundo o CDC, 789 casos foram registrados nos EUA até o dia 31 de maio; 216 ocorreram após a primeira dose e 573, depois da segunda dose.

Em 2 de junho, o Ministério da Saúde de Israel publicou um comunicado afirmando que também investiga a ligação entre o uso da vacina da Pfizer e a ocorrência de miocardite em homens mais jovens.

Segundo a autoridade israelense, 148 casos de miocardite próximos da data de vacinação foram registrados entre dezembro de 2020 e maio de 2021. O comunicado diz que a inflamação acontece com maior frequência em jovens com idades entre 16 e 19 anos, e 95% dos casos são considerados leves.

“Existe alguma probabilidade de uma possível ligação entre a segunda dose da vacina e o surgimento da miocardite em homens com idades entre 16 e 30 anos”, afirma o Ministério da Saúde israelense no texto.

“A recomendação para vacinar adolescentes de 12 a 15 anos deve ser discutida pelo fórum da Força-Tarefa de Contenção da Pandemia e submetido à aprovação do diretor-geral do Ministério da Saúde”, diz o comunicado.

Segundo Jasvan Leite, cardiologista do hospital HCor, uma vez comprovada a ligação entre os imunizantes e a inflamação no coração, o efeito não seria exclusivo das novas vacinas.

O médico diz que em 80% a 90% dos casos de miocardite, alguma infecção viral atingiu o trato respiratório ou o trato gastrointestinal alguns dias antes. O que acontece nesses casos é que a resposta imunológica para combater o vírus pode ser exagerada e as substâncias inflamatórias liberadas pelo organismo chegam a outras partes do corpo e podem prejudicá-las.

“As vacina também pode gerar resposta inflamatória, pois traz a presença de um corpo estranho”, afirma Leite. “É por isso que muitas pessoas têm febre ou dores no corpo após a imunização, e isso é normal.”

Todas as vacinas carregam, de alguma forma, um antígeno —um pedaço do vírus, ou o vírus inteiro inativado, incapaz de gerar doença— que serve para acionar o sistema imunológico e produzir moléculas específicas para combater o patógeno e gerar proteção contra a infecção.

Quando a miocardite é um efeito adverso da vacina, os casos são predominantemente leves e se manifestam com uma dor no tórax, diz o médico. Leite estima que menos de 1% de todos esses casos evoluam para quadros mais graves, gerando arritimias ou insuficiência cardíaca.

Ainda não é possível dizer porque esse tipo de miocardite após a vacinação é mais comum em homens, mas sabe-se que a resposta imunológica é mais intensa em jovens do que em pessoas mais velhas, o que pode aumentar as chances de haver resposta inflamatória associada à resposta imunológica.

O Ministério da Saúde disse não havia nenhuma suspeita de miocardite relacionada à aplicação da vacina da Pfizer no Brasil até a última quarta-feira (9).

“É importante esclarecer que os eventos adversos são associados a qualquer reação após a vacinação, ou seja, não há, necessariamente, relação direta com a vacina. Todos são investigados detalhadamente pelas autoridades de vigilância locais, supervisionadas pelo Ministério da Saúde, com apoio de especialistas”, afirmou a pasta por email.

Para Leite, do HCor, os casos raros não devem trazer desconfiança sobre o uso dessas vacinas. “As vacinas são seguras, e os efeitos colaterais podem acontecer como em qualquer outro imunizante”, diz.

Folha de São Paulo

Opinião dos leitores

  1. Sem avaliação da eficiencia, eficácia e possibilidade de reações e efeitos colaterais sérios, um bando de asnos acham que a vacina é a solução, ledo engano, infelizmente corremos sérios riscos com a aplicação delas (me vacinei) mais os cuidados da ANVISA, são justificados, diferente do quer fazer parecer um bando de ladrões safados, que vivem da miséria dos babacas. O que deveria ser uma discussão seria, virou política barata, inconsequente e perigosa.

  2. Num disse, foi dizer q enviou documentos a Bolsonaro que caso não cumprisse prazo de entrega de vacina, seria passível de multa. Já começou, até amanhã vai aparecer mais. Rsrsrs

    1. Vc deve estar se achando o máximo por esse comentário idiota, faça como eu, tomei a vacina, mais procuro saber dos riscos do meu ato e com certeza vou assumir se algo ser errado. A vacina não é a bala de prata em canto nenhum do mundo.

    2. Quem tá divulgando é o jornal mais inimigo do Bolsonaro. Mas a esquerda prega que Bolsonaro fizesse igualmente ao consórcio do Nordeste. Comprasse no escuro.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *