Judiciário

Relator: ‘Meu voto é pela cassação da chapa eleita (Dilma-Temer) em 2014’

Após quase quatro horas de exposição nesta sexta-feira (9), o ministro Herman Benjamin, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), votou pela cassação da chapa Dilma-Temer.
Relator do processo que investiga a campanha de 2014, Benjamin foi o primeiro a votar no julgamento sobre o mérito do caso. Após o voto do relator, a sessão foi suspensa para um intervalo de almoço. Após o intervalo, votarão os outros seis ministros.

Benjamin começou a apresentar o voto na tarde desta quinta-feira. Ele se manifestou até as 20h03, horário em que o julgamento foi suspenso. Na retomada, nesta sexta, o ministro deu continuidade às 9h28 e anunciou o voto às 13h19.

Ele considerou pertinentes as acusações de abuso de poder político e econômico na disputa, que teriam desequilibrado o pleito em favor da chapa vitoriosa.

A decisão final sobre o mandato de Temer e a inegibilidade de Dilma depende ainda dos votos de outros seis ministros do TSE: Napoleão Nunes Maia Filho, Admar Gonzaga, Tarcísio Neto, Luiz Fux, Rosa Weber e Gilmar Mendes.

Petrobras

Durante seu voto, Benjamin entendeu que a primeira demonstração de abuso foi a acumulação ao longo do tempo, por PT e PMDB, de recursos de propina paga por empreiteiras contratadas pela Petrobras, usados posteriormente, segundo a acusação, no momento da disputa eleitoral.

“Os partidos que encabeçaram a coligação Com a Força do Povo acumularam recursos de ‘propina-gordura’, ou ‘propina-poupança’, que lhes favoreceram na campanha eleitoral de 2014. Trata-se de abuso de poder político e ou econômico em sua forma continuada, cujos impactos sem dúvida são sentidos por muito tempo no sistema político eleitoral”, afirmou.

O ministro também considerou ter ocorrido abuso num episódio envolvendo o pagamento de US$ 4,5 milhões ao casal de marqueteiros João Santana e Mônica Moura, a partir de uma propina paga pelo Grupo Keppel Fels para obter contratos de construção de navios-sonda para a Petrobras e a Sete Brasil.

“Temos uma contratante da Petrobras, temos pagamento tirado de um crédito rotativo, de uma conta poupança de propina da Keppel Fels para o partido do governo, e esses recursos foram utilizados para pagamento de marqueteiros de 2014. Que os pagamentos sejam relacionados a débitos de 2010, 2012, isso é irrelevante, porque sem esses pagamentos, os marqueteiros não fariam a campanha de 2014”, afirmou o relator.

Uma terceira prova de abuso estaria no repasse da Keppel Fels para o PT, que, por sua vez, repassava para a campanha de Dilma em 2014. “O partido foi apenas uma espécie de entreposto entre quem efetivamente estava pagando e quem efetivamente estava se beneficiando”.

Sobre esses três pontos, o ministro insistiu tratavam-se de repasses à campanha com dinheiro oriundo da Petrobras, para reforçar a tese de que não teria extrapolado o que foi pedido para ser investigado na ação do PSDB. A ampliação da investigação para incluir casos envolvendo a Odebrecht é um dos principais questionamentos das defesas para anular provas do processo e esvaziar o caso.

“Nós estamos falando aqui só de contratos da Petrobras. Estou fazendo essa leitura até cansativa, pulando páginas e páginas, mas apenas para demonstrar meu compromisso com aquilo que é o polo central da petição inicial, a Petrobras”, disse o ministro.

Odebrecht

Num quarto ponto, porém, o ministro também demonstrou que houve recursos de propina da Odebrecht para a campanha, baseando-se em depoimentos de seus executivos ao TSE.

“Não há como investigar financiamento ilícito de campanha no Brasil sem se investigar a Odebrecht, mesmo que a Odebrecht não tivesse sido citada expressamente, ainda assim nós não teríamos como esquecer a matriarca da manada de elefantes. Isso se não estivesse mencionada, mas está”, afirmou.

Ele lembrou da revelação de Marcelo Odebrecht da formação, desde 2009, de uma poupança alimentada pela empresa a pedido dos ex-ministros da Fazenda Antonio Palocci e Guido Mantega em troca de favores prestados pelo governo. Benjamin disse que a conta chegou a R$ 150 milhões, disponibilizados exclusivamente para a campanha presidencial de 2014.

Benjamin explicou não ser possível saber se todo o dinheiro foi utilizado, porque o próprio Marcelo Odebrecht não soube informar. “Se foram utilizados R$ 10 milhões, R$ 30 milhões – e foram muito mais, só para Mônica Moura foram muito mais – , se foram utilizados R$ 40 milhões, isso é suficiente para desestruturar uma campanha política presidencial”, disse.

Antes, Benjamin mostrou vários e-mails apreendidos nos quais o dono da empresa manda funcionário do setor de propinas liberar parcelas dos recursos para a campanha durante o ano de 2014.

“Entendo plenamente comprovado o abuso de poder econômico por força da conta corrente permanente, que eu chamei de conta propina ou conta caixa 2, mantida pela Odebrecht a favor do partido do governo, cujos valores repercutiram diretamente na campanha eleitoral da chapa Coligação Com a Força do Povo em 2014”, concluiu o ministro.

Compra de partidos

Benjamin também levou em conta repasses de propina a quatro partidos de cerca de R$ 24 a R$ 27 milhões para se coligar com o PT e assim aumentar o tempo de TV da campanha de Dilma em 2014.

O relator disse que tais negociações foram confirmadas em depoimento pelo próprio marqueteiro da campanha, João Santana, principal fornecedor da coligação. Mencionou o tesoureiro Edinho Silva, que confirmou responsabilidade em arrecadar para os outras siglas.

“Nós temos a palavra do dono do dinheiro, a palavra dos que participaram da entrega do dinheiro e a documentação, impossível de ser forjada, da correspondência do dono do dinheiro e do gerente principal deste evento, que era o senhor Alexandrino Alencar e o Fernando Reis”, disse Benjamin, após ler vários depoimentos e documentos confirmando as transações.

Benjamin acrescentou que os partidos tinham “pouca representatividade”, sem candidatos majoritários com chance real de vitória e, portanto, sem capacidade de arrecadação com as grandes empresas. “Em outras palavras, os R$ 25 milhões distribuídos no evento em análise não são valores compatíveis com a realidade de tais partidos. É muito dinheiro para esses partidos pequenos que estão aqui mencionados”, disse.

Caixa 2 da Odebrecht para marqueteiros

Benjamin também considerou abuso no repasse de recursos da Odebrecht diretamente para João Santana e Mônica Moura para pagar despesas de propaganda na campanha.

O casal teria acertado o recebimento de R$ 105 milhões, sendo R$ 70 mi de forma oficial e R$ 35 mi de forma não declarada, em conta na Suíça.

O relator disse que Mônica era “bastante diligente” para cobrar os recursos e chegou a pedi-los diretamente no setor de propina da Odebrecht. Ela narrou que R$ 10 milhões lhe foram pagos em espécie, conforme havia combinado com o ex-ministro Guido Mantega.

“Ao longo do tempo o casal João e Monica recebeu recursos de caixa 2 em uma conta na Suíça e em petição protocolada em 20/4/17 o MPE juntou aos autos extratos da conta de 2009 a 2014, revelando que muitas transferências foram feitas por offshores da Odebrecht”, registrou.

Gastos com gráficas

Benjamin ainda considerou irregulares gastos da campanha com gráficas que não comprovaram a prestação de serviços. No total, a Rede Seg, VTPB e Focal receberam R$ 56 milhões da chapa, mas não comprovaram a entrega de tudo o que foi contratado, o que indica desvios para outros fins.

“Os valores com gráficas são muito elevados. A Rede Seg, que não tem nenhum funcionário, recebeu pouco mais de R$ 6 milhões em 2014”.

O ministro chamou a atenção para R$ 5,8 milhões repassados pela Rede Seg para terceirizadas, que, segundo a investigação, não tinham condições de entregar os produtos, porque não tinham funcionários. “É um desvio muito perigoso, esse pagamento de valores elevadíssimos a pessoas jurídicas”, disse.

O ministro destacou também a VTPB, que recebeu R$ 28 milhões, dos quais apenas R$ 5 milhões em subcontratações foram comprovados. Benjamin não descartou o desvio dos recursos para outras finalidades.

“Quando se nota que a quase totalidade do faturamento da empresa foi oriundo de repasses da campanha, resta concluir que ao fim e ao cabo houve desvios”, disse.

Acusações retiradas

Na última parte de seu voto, Benjamin listou outras cinco infrações eleitorais que decidiu retirar da condenação. Esclareceu que, embora houvesse provas de abuso, tais casos foram desconsiderados porque não faziam parte da ação inicial proposta pelo PSDB.

O relator não levou em conta:

repasses da cervejaria Petrópolis à campanha a pedido da Odebrecht, chamado “caixa 3”;
propina na campanha oriundo de desvios nas obras da Usina Angra 3;
propinas na campanha a partir de desvios na Usina Belo Monte direcionada ao PMDB;
pagamento via caixa 2 a Mônica Moura e João Santana pelo empresário Eike Batista, a pedido de Mantega;
pagamento da Gráfica Atitude pela Setal.

‘Propina-gordura’ ou ‘propina-poupança’

Benjamin descreveu como os partidos e políticos eram abastecidos com recursos de empresas ao longo do tempo e que eram usados posteriormente para campanhas, o que chamou de “propina-gordura” e “propina-poupança”.

“Os autos mostram que os acordos eram ‘diferidos’, jogados para o futuro, implementados, pela criação pelos financiadores, de verdadeiras contas-correntes, para depósitos continuados de valores de propina e caixa 2, que ficavam disponíveis para agentes políticos para uso futuro”, disse, acrescentando tal prática era realizada por vários partidos.

Em troca, empresas obtinham favores, como leis propostas pelo Executivo e aprovadas no Legislativo que beneficiavam seus respectivos setores, o que Benjamin caracterizou como “compra do Estado”.

Benjamin também disse que não seria preciso provar doação de propina à campanha para condenar a chapa. Para decretar a perda de mandato, bastaria a comprovação da entrada de recursos não declarados na campanha, o chamado caixa 2.

Antes de se aprofundar nas acusações, Benjamin também expôs três “premissas teóricas” de seu voto.

Explicou, primeiro, considerar irrelevante a fonte de financiamento das campanhas, se partidário ou eleitoral: “Os partidos políticos acabam se tornando grandes doadores de seus candidatos, sobretudo na eleição presidencial”.

Depois, disse que o dinheiro se mistura na campanha: “Não é possível separar as moedas jogadas em um cofrinho no momento em que se abre esse cofrinho”. Por fim, argumentou que a propina paga ao partido pode ser usada em momento posterior, para abastecer a campanha.

Preliminares

Herman começou a ler seu voto na terça (6), rebatendo as preliminares levantadas pelas defesas de Dilma e Temer. Já no primeiro dia, o plenário do TSE rejeitou quatro desses questionamentos, que contestavam a regularidade do processo.

Na quarta e quinta, a discussão se concentrou noutra preliminar que buscava retirar do julgamento depoimentos ao TSE de executivos da Odebrecht que também fizeram delação premiada na Operação Lava Jato.

A maioria dos ministros considerou que provas derivadas desses relatos não poderiam ser analisados, porque teriam extrapolado o havia sido apontado inicialmente na ação do PSDB.

G1

 

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

LEMBRA DELE? Após causar prejuízo milionário a vítimas e sumir, ‘Crente Trader’ volta a oferecer seu ‘método’ para operar no mercado financeiro

O BLOGDOBG foi procurado por duas vítimas de Mário Borges, que ficou conhecido como o ‘Crente Trader’, mostrando que ele está de volta. Após um período sumido, alegando ter passado dificuldades, dizendo que vendeu bombom pra sobreviver, agora ele diz que está de volta, pedindo que acreditem nele e dizendo que dará a volta por cima, mesmo após ele ter feito várias pessoas perderem milhões investidos meses atrás.

O fato é que quem foi ludibriado pelo ‘Crente Trader’ e perdeu muito dinheiro agora está se sentindo pior ainda.
A sensação de ter sido feito de otário e trouxa é maior entre as vítimas, pois o ‘Crente Trader’ agora voltou a oferecer nas redes sociais adesão ao ‘método’ dele de operar no mercado financeiro, como se nada tivesse acontecido.

Diante da novidade, vítimas do ‘Crente Trader’ estão se organizando para pedir providências à Justiça, inclusive para pedir também a prisão dele.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

VÍDEO: Após dizer que ‘se o cara é corintiano, tudo bem’ ao citar violência contra mulheres, Lula agora diz que ‘homem que é homem’ não bate em mulher

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) voltou a falar neste sábado (20) sobre violência contra mulher ao dar a largada nos atos eleitorais do pleito municipal deste ano. O “homem que é homem”, disse, “não pode nunca levantar a mão para agredir uma mulher”. A declaração vem 4 dias depois de o presidente ter dito ser “tudo bem” se a violência partisse de um corintiano.

Em uma reunião na terça-feira (16), no Planalto, Lula afirmou: “Hoje eu fiquei sabendo de uma notícia triste. Eu fiquei sabendo que tem pesquisa, Haddad, que mostra que depois de um jogo de futebol aumenta a violência contra a mulher. Inacreditável. Se o cara é corintiano, tudo bem, como eu, mas eu não fico nervoso quando perco, eu lamento profundamente”.

Em evento neste sábado (20), no seu berço político, a cidade de São Bernardo do Campo, em São Paulo, o petista retomou o assunto. “O homem que é homem, o homem que tem fé em Deus, o homem que é fraterno e solidário não pode nunca levantar a mão para agredir uma mulher, não pode. E tem aumentado muito a violência. A violência contra a mulher é muito grande”, declarou o presidente.

Lula participou da convenção que oficializou a candidatura do deputado estadual Luiz Fernando (PT-SP) à Prefeitura de São Bernardo do Campo, com o ex-prefeito do município William Dib (PSB) como vice. O deputado é irmão do ministro Paulo Teixeira (Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar).

Com informações de Poder 360

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

VÍDEO: PF prende tcheco com quase 5 kg de cocaína no aeroporto de Natal


A Polícia Federal prendeu em flagrante na madrugada deste sábado, 20/7, no aeroporto internacional Governador Aluízio Alves, em São Gonçalo do Amarante, na Grande Natal, um aposentado de 72 anos, natural da República Tcheca, que pretendia embarcar levando camuflado na bagagem 4,73 kg de cocaína. O homem viajava sozinho e se destinava a Lisboa/Portugal.

A prisão ocorreu durante uma fiscalização de rotina na área de embarque internacional, com o auxílio da cadela Kiara, que detectou um volume suspeito na mala de mão do passageiro. Ao ser abordado, o estrangeiro alegou não compreender as perguntas e disse não saber falar inglês. Desconfiados, os policiais fizeram um pequeno orifício na mala, revelando uma substância esbranquiçada que, após o narcoteste, confirmou-se como cocaína.

De imediato, o cidadão recebeu voz de prisão e seguiu escoltado para a sede da Polícia Federal, onde a bagagem foi desmontada e encontrado em um fundo falso, dois pacotes de um invólucro de cor preta contendo a droga.

Autuado em flagrante por tráfico internacional de drogas, o homem alegou durante o depoimento que foi contratado por uma pessoa desconhecida para levar a mala até a cidade de Paris, França, onde deveria ser entregue em um estabelecimento bancário. Ele alegou ainda que a bagagem foi deixada por um taxista no hotel onde ele estava hospedado em São Paulo, mas afirmou não saber que a mala continha droga.

Após exame de corpo de delito no Instituto Técnico-Científico de Perícia (ITEP), o suspeito foi encaminhado para a carceragem da Polícia Federal, onde aguarda audiência de custódia e está à disposição da Justiça.

Somente este ano, a Polícia Federal já apreendeu 37 kg de cocaína no aeroporto Aluizio Alves e prendeu cinco pessoas acusadas de tráfico de drogas.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Solidariedade de Kelps indica vice de Jaime Calado

O partido Solidariedade de São Gonçalo do Amarante (RN) selou neste sábado, 20, a aliança com o pré-candidato a prefeito de Jaime Calado.

O presidente do Solidariedade no município, vereador Flávio Henrique, será o vice de Jaime Calado na eleição para reconstruir a cidade que está sofrendo com a atual o gestão da Prefeitura.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Diretório Municipal do PSOL em Natal emite nota contra intervenção da direção nacional do partido que cancelou convenção eleitoral

O Diretório Municipal do PSOL em Natal emitiu uma nota contra a direção nacional do partido em razão de uma intervenção que cancelou a Convenção Eleitoral com menos  de 24h de sua realização.

A vereadora Camila Barbosa foi às redes sociais e gravou um vídeo afirmando que defenderá a pré-candidatura dela à Prefeitura de Natal. “Não serei intimidada pelos que se proclamam donos do partido”, disse.

Leia a íntegra da nota abaixo:

Assinam a nota:

Diretório Municipal do PSOL Natal
Robério Paulino – Vereador do PSOL em Natal
Sônia Godeiro – Pré-candidata a vereadora pelo PSOL Natal
Sabrina Denielle – Pré-candidata a vereadora pelo PSOL Natal
Lourenço Capriglione – Pré-candidato a vereador pelo PSOL Natal
Juntas por Natal – Pré-candidata a vereadoras pelo PSOL Natal
Fábio Costa – Pré-candidato a vereador pelo PSOL Natal
Margareth Souza – Pré-candidata a vereadora pelo PSOL Natal
Carlinhos do Gás – Pré-candidato a vereador pelo PSOL Natal
Geomar Maia – Pré-candidato a vereador pelo PSOL Natal

Opinião dos leitores

  1. Oura…oura…a ordem é do alto da hipocrisia…a ordem não é do PSOL… é do PT.
    O bom é que a Ilustre vereadora discorre sobre o perfil da esquerda.
    Antidemocrático é só uma das características!

    Cobra de duas cabeças!

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Finanças

85% dos consumidores que atrasaram contas em junho são reincidentes

Foto: Freepik

Dentre os consumidores que atrasaram contas em junho, 85,16% são devedores reincidentes, ou seja, já haviam aparecido no cadastro de inadimplentes nos últimos 12 meses.

Os dados são da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) e do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito).

“Neste cenário existem tanto as questões sociais do país em relação à renda e ao emprego da população, mas também os consumidores que têm dificuldade no controle dos gastos”, afirma o presidente da CNDL, José César da Costa.

O número de devedores reincidentes com participação mais expressiva no Brasil em junho foi da faixa etária de 30 a 39 anos (26,28%). A participação dos devedores reincidentes por sexo é melhor distribuída, sendo 53,23% mulheres e 46,77% homens.

Em relação à abertura por faixa etária dos consumidores que quitaram suas dívidas, o número de recuperados com participação mais expressiva foi da faixa etária de 50 a 64 anos (24,21%). A participação dos consumidores recuperados por sexo também é melhor distribuída, sendo 51,83% mulheres e 48,17% homens.

Nos 12 meses encerrados em junho, houve crescimento de 1,77% no número de consumidores que conseguiram sair das listas de negativados. A comparação é com os 12 meses anteriores.

Poder 360

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mundo

Com mais de 18 mil atrasos em voos, companhias aéreas retomam serviços gradualmente após apagão cibernético

Foto: JUSTIN TALLIS / AFP

Companhias aéreas de todo o mundo retomam gradualmente seus serviços, um dia após o apagão cibernético que interrompeu atividades em bancos, aeroportos, estações de trem e até hospitais. De acordo com o site FlightAware, até as 11 horas da manhã deste sábado, 18.198 voos já haviam sido atrasados no dia e 1.436 cancelados.

O incidente, causado por uma atualização corrompida de um programa antivírus do grupo de cibersegurança americano CrowdStrike Falcon nos sistemas operacionais Windows, provocou 4.674 cancelamentos e 42.013 voos em atraso globalmente nesta sexta.

Nos Estados Unidos, várias companhias aéreas relataram que já retomaram as operações. Na sexta-feira, ao menos três estados sofreram interferências nos seus serviços de emergência e pelo menos 2.400 voos no país foram cancelados.

Na Ásia, os aeroportos de Hong Kong, Coreia do Sul e Tailândia anunciaram o restabelecimento dos seus serviços. As operações também voltaram ao normal nos aeroportos da Índia, Indonésia e Singapura. Os aeroportos de Pequim não foram abordados, informou a televisão estatal chinesa.

Os principais aeroportos da Europa – incluindo Berlim, que teve todos os voos na sexta – informaram que as partidas e chegadas de aviões foram retomadas.

No Brasil, alguns voos foram afetados na sexta com atrasos pontuais, já que empresas aéreas enfrentaram dificuldades operacionais, resultando em atraso de voos e formação de filas para os passageiros.

O Ministério de Portos e Aeroportos (MPor) informou que o problema não afetou o controle de tráfego aéreo, impactando apenas operações de check-in de algumas companhias aéreas. Além dos voos, o Brasil também teve plataformas bancárias e outros setores afetados com o apagão, como hospitais e plataforma do STF.

A CrowdStrike afirmou que a situação pode levar alguns dias para voltar ao normal.

O Globo

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Mais de 30 congressistas democratas pedem para Biden desistir, 12 deles nas últimas 24 horas

Foto: Jacquelyn Martin/AP

A lista de políticos democratas que pedem para o presidente dos EUA, Joe Biden, desistir da corrida presidencial não para de crescer.

Até o momento, 34 congressistas do partido pediram publicamente para Biden encerrar sua candidatura à reeleição –12 deles apenas nas últimas 24 horas.

Eles representam mais de um em cada dez democratas no Congresso americano, em que o Partido Democrata de Biden controla 213 cadeiras na Câmara dos Deputados e 51 no Senado.

Biden se encontra em um dos momentos de maior pressão sobre sua candidatura. Apesar dos esforços de sua equipe para apaziguar os ânimos no Partido Democrata, em crise desde o mau desempenho do presidente no debate contra Donald Trump, cada vez mais políticos do partido pedem sua desistência. Atualmente, Biden está refletindo se deveria deixar a corrida à Casa Branca, segundo fontes próximas a ele.

Ao todo, 12 desses 34 congressistas democratas se juntaram ao coro pela desistência apenas nesta sexta (19), um dia depois da Convenção Nacional Republicana, que consolidou o contraste de momento entre os dois maiores partidos dos EUA, e aos relatos de que Biden aparenta ter aceitado a ideia de que deva desistir, segundo fontes próximas a ele.

Com informações de g1

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Homem é encontrado morto com marcas de tiros ao lado de carro em chamas na BR-101 no litoral Norte potiguar

Foto: divulgação

Um homem foi encontrado morto ao lado de um carro em chamas na noite desta sexta-feira (19) na BR-101, entre as cidades de Rio do Fogo e Touros, no litoral Norte potiguar.

A vítima estava com os pés, braços e pescoço amarrados, e tinha marcas de tiros nas costas, segundo o Instituto Técnico-Científico de Perícia (Itep) e a Polícia Militar. A polícia informou que foi acionada por volta das 20h.

A identidade do homem não foi confirmada pelas autoridades até a atualização mais recente desta reportagem. Segundo o Comando de Policiamento Regional do RN, ele tinha na faixa de 30 anos de idade.

O Corpo de Bombeiros também precisou ir até o local para conter o fogo, que destruiu completamente o veículo, do tipo celta, de cor verde, com placas de Brasília (DF). O carro estava no acostamento da pista.

O Itep informou que não houve conclusão, até a manhã deste sábado (20), da necropsia, mas confirmou que o corpo deu entrada, por volta das 23h de sexta, com marcas de tiros nas costas, além das amarrações.

O caso vai ser investigado pela Polícia Civil.

g1-RN

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Michelle Bolsonaro aciona Gleisi no STF para esclarecer publicação ligando ela a ‘roubo de joias’, ‘rachadinha’ e ‘golpe’

Foto: Isac Nóbrega/PR e Jorge William/Ag. O Globo

A ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro acionou o Supremo Tribunal Federal (STF) contra a presidente nacional do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann (PR), para que ela seja notificada a dar explicações sobre uma publicação na internet em que menciona a esposa do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e acusa sua família de “roubar joias para pagar as contas”.

O post foi feito no X (antigo Twitter), no dia 10 de julho, quando Gleisi afirmou que Michelle e os filhos de Bolsonaro – senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) e vereador do Rio Carlos Bolsonaro (PL) – “vão se lançar em peso para o Senado”. “Mais um negócio de família!”, escreveu a presidente do PT.

Imagem: reprodução/X

Na sequência, Gleisi citou um histórico de investigações da Polícia Federal (PF) contra membros da família e os acusou de ter cometido os crimes mencionados. “Depois de roubar joias para pagar suas contas, fazer ‘rachadinhas’ para comprar imóveis, tentar golpe [de Estado] para se manter no poder, vão atacar a política com estratégia familiar. Para eles o que importa é isso, se garantir. Não é sobre Deus, Pátria e Família, é só a própria, com muito dinheiro e poder”, publicou Gleisi.

No pedido ao STF, a defesa da ex-primeira-dama argumentou que a dirigente partidária “tenta, ardilosamente, relacionar Michelle Bolsonaro com a prática de fatos gravíssimos como ‘roubo de joias’, ‘rachadinhas’ e ‘golpe de Estado’ para levar o seu nome ao descrédito público, com o intuito de macular a sua honra”.

Os advogados de Michelle justificaram ainda que o pedido de explicações tem como objetivo esclarecer afirmações equivocadas, ambíguas e dúbias e que é “essencial para a correta delimitação do alcance objetivo e subjetivo de futura queixa-crime”.

SBT News

Opinião dos leitores

  1. Com todo o aparelhamento, todas essas acusações já foram vistas, revistas, requentadas, devassadas , objeto de raios-x, tomografia, ressonância, ultrassonografia, com centenas de investigados e não viraram uma mísera denuncia. Bom, eu sei que é mais fácil atacar (basta uma frase) do que se defender (leva mais trabalho, e muita gente nem lê mesmo). 1-Tentativa de golpe avaliando o que está na Constituição? Faça o favor, né? 2- Joias e relógios eram presentes personalíssimos. Sem caráter artístico ou historiográfico. Bolsonaro poderia fazer o que lhe aprouvesse, mesmo assim devolveu ao Tesouro; 3- Imóveis foram comprados e vendidos em ‘moeda corrente nacional’, que escrotamente tentam tomar como sinônimo de dinheiro vivo, e ao longo de décadas, por vários parentes e ex-parentes de Bolsonaro.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *