Rivais, PT e PSL terão 108 assessores cada na Câmara dos Deputados

O PSL, do presidente eleito Jair Bolsonaro, terá direito a contratar 108 pessoas para trabalhar na liderança do partido na Câmara dos Deputados a um custo mensal de R$ 1,2 milhão. O mesmo número de assessores, a maioria sem concurso público, que terá o PT. As siglas rivais poderão preencher o limite máximo de funcionários previsto no projeto de resolução que será votado na próxima semana na Casa. A distribuição tem como base a bancada eleita. Hoje, o PSL tem apenas duas vagas. O PT perderá seis. A sigla tem atualmente 114 cargos.

Pulo do gato. O projeto foi elaborado pela Mesa Diretora, que reúne deputados que comandam a Câmara. O texto garante a siglas do Centrão aumentar o número de assessores. O PP passa de 88 para 95; o DEM e o PR, de 77 para 83 cada.

Cofre forte. O custo mensal da Câmara com funcionários lotados nas lideranças partidárias é de R$ 15,3 milhões. Se o projeto for aprovado, será de R$ 15,9 milhões. Um aumento de R$ 598.201.

Quem não ganha… Caso o projeto seja aprovado, a liderança do Partido Novo terá 27 cargos. Pela regra atual, a sigla, que elegeu oito deputados federais, teria 38 assessores. PSDB e MDB saem perdendo pela nova proposta. O primeiro passa de 106 para 83; o segundo, de 114 para 83.

ESTADÃO CONTEÚDO