Smart Fit perde quase 200 mil alunos em três meses de pandemia

Em meio à pandemia, a Smart Fit têm registrado queda na sua carteira de clientes. Entre julho e setembro deste ano, a rede de academias amargou perda de 198 mil alunos.

Em comunicado a acionistas no último dia 7, o grupo informou que tinha 2,49 milhões de alunos cadastrados em 30 de setembro, queda de 7% em relação ao número registrado em 30 de junho, de 2,69 milhões.

Os números englobam unidades próprias e franqueadas das três marcas do grupo, que incluem a Smart Fit, Bio Ritmo e O2. Em julho, 48 mil alunos deixaram a rede. Em agosto, foram 72 mil clientes a menos. No mês de setembro, o tombo foi ainda maior: 78 mil alunos se desvincularam da rede.

Com maior número de unidades do grupo, as academias da marca Smart Fit foram as que mais registraram queda. Eram 2.637.000 alunos até o dia 30 de junho e, agora, são 2.446.000, desde o último registro apresentado, que considera os clientes até o dia 30 de setembro.

Na avaliação do CFO Global do grupo Smart Fit, Thiago Borges, parte da perda foi compensada com a aquisição de novos clientes no digital. Desde que começou a pandemia, a rede lançou um site com treinos virtuais para os clientes, desenvolveu dois aplicativos fitness e adquiriu a plataforma Queima Diária.

— Em outubro devemos contabilizar 315 mil alunos no ambiente digital. Se formos calcular a perda dos usuários no físico com o ganho que tivemos no virtual, vamos ter um saldo positivo de 117 mil novos usuários. Além disso, no mês de setembro do ano passado tínhamos 2.520.000 alunos. Se compararmos com setembro deste ano em que contabilizamos 2.497.000, é uma diferença menor que 1%. Isso apresenta estabilidade — diz Borges.

A reabertura gradual das academias a partir da flexibilização das atividades acompanhou o crescimento de usuários ativos nas unidades do grupo. Em julho, 402 das 850 unidades do grupo estavam abertas, com a presença de 47,8% dos alunos.

Em setembro, apesar da queda no número de alunos, o grupo inaugurou 15 unidades, e a participação de alunos subiu para 88,3% em relação ao total de alunos contabilizados no mês.

O GLOBO