Comissão do Senado aprova proposta de Aécio Neves que muda Bolsa Família

Depois de muita discussão, a Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado aprovou, nesta quarta-feira, projeto do senador Aécio Neves (PSDB-MG) que altera a lei que criou o programa Bolsa Família e propõe duas mudanças: garante por mais seis meses o pagamento do benefício quando os chefes de família conseguirem emprego com carteira assinada e exige a revisão da lista dos beneficiários a cada dois anos (revisão já prevista em Portaria do Ministério do Desenvolvimento Social). A proposta foi aprovada por 10 votos a favor e nove contra, numa votação apertada. O PT votou contra, alegando que isso afetaria o Bolsa Família.

O texto ainda será analisado pela Comissão de Direitos Humanos. A proposta foi aprovada com votação apertada e com alteração feita pela relatora, senadora Lúcia Vânia, para garantir que os seis meses fossem um prazo adicional e não que acabassem entrando na soma do prazo de dois anos.

O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), apresentou voto separado em contrário à proposta do presidenciável Aécio Neves, mas foi derrotado. O PT votou com Humberto Costa, como o senador Paulo Paim (PT-RS). Na mesma posição, a senadora Vanessa Grazziotim (PCdoB-AM) disse que muitos estavam incomodados com as famílias conseguirem melhorar sua situação de renda

O texto diz que “a elegibilidade das famílias beneficiárias do Programa Bolsa Família deve ser obrigatoriamente revista a cada período de dois anos”.

Além disso, na redação dada pela senadora Lúcia Vânia, a proposta garante o benefício por seis meses: “O beneficiário que, por motivo de elevação da renda per capita familiar, decorrente de atividade profissional ou econômica, vier a perder a elegibilidade na revisão prevista no § 18, terá garantida a concessão dos benefícios por, no mínimo, seis meses”.

Justificativa

O senador Aécio Neves alegou que a proposta é para garantir que os beneficiários do Bolsa Família sejam estimulados a aderir à economia formal. Hoje, muitos não aceitam empregos formais por temos de perder o benefício.

“Para evitar essa instabilidade na renda do trabalhador carente, propomos que, mesmo que a condição de elegibilidade da família seja alterada, ela ainda possa se beneficiar do programa por seis meses, independentemente da revisão cadastral prevista. Esse período adicional é importante para o trabalhador saber se irá manter seu emprego e se a renda familiar permanecerá em patamar satisfatório para garantir sua subsistência”, diz o senador na proposta.

A senadora tucana disse que a proposta de Aécio quer “assegurar às famílias tranquilidade quanto ao período em que poderão contar com o benefício”. Ela lembrou que Portaria nº 617, de 2010, prevê o desligamento da família que, durante o período de dois anos, mantenha uma variação de renda de meio salário mínimo.

– O projeto não mexe em nada no Bolsa Família. É uma garantia de seis meses quando ele sair da informalidade. E vamos acabar com essa âncora da informalidade _ disse o presidente do DEM, senador José Agripino Maia (RN), alegando que muitos trabalhadores não aceitam assinar a carteira de trabalho para não perder o benefício.

– Muito se falou aqui que está se votando na proximidade do pleito eleitoral – reclamou a senadora Vanessa Grazziotim.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. MEDEIROS disse:

    Cunho Político do Tucano
    Mesmo é Dilma de novo
    com a força do Povão.

  2. Rafael Vale disse:

    Assim é o PSDB, hora crítica e seus cozinhas dizem que o programa é uma bolsa esmola para garantir votos, que estimula a vagabundagem…
    Depois dizem que foi FHC quem criou o bolsa família…
    Na semana seguinte diz que é contra novamente…
    E hoje acordamos com essa demagogia de continuar dando bolsa família para quem conseguiu emprego e não mais precisa do benefício.
    Resumindo o que o PSDB e sua demagogia política está dizendo: você que recebe bolsa família, se conseguir um emprego não se preocupe, você vai continuar a receber o bolsa família por 6 meses, depois disso você acerta a demissão com seu patrão e passa a receber seguro desemprego e continua a receber o bolsa família, quando acabar o seguro desemprego você volta a trabalhar e garante mais 6 meses de bolsa família .
    Pense em um partido coerente, pior que isso é a cara do típico eleitor do PSDB

    • sydney disse:

      Aos petista vagabundos, o bolsa família já uma pré-aposentadoria politica criada pelo PT seus radicais ideológicos doentes que fazem parte da assaltante de banco da sequestradora de embaixador com participação até em assassinato de guerrilha a sua excelência a sapateira.. kkkkkkkkkkkkk

  3. Sérgio Sousa disse:

    Só quero ver de onde vai sair o dinheiro pra fechar essa conta.