Delação de dono da Gol mostra acerto de Bolsonaro em não negociar cargos, dizem assessores

Em um momento em que o governo enfrenta novas dificuldades no Congresso e pressões dos partidos do Centrão, a delação do dono da Gol, revelando o uso político da Caixa Econômica Federal, mostra que o presidente Jair Bolsonaro está certo em não admitir negociar com aliados cargos em bancos públicos.

A avaliação é de assessores presidenciais, feita ao blog depois que foi revelado o acordo de Henrique Constantino, um dos donos da Gol, com o Ministério Público, no qual ele diz ter acertado pagamentos de R$ 7 milhões à cúpula do MDB em troca da liberação de empréstimos na Caixa e no FI-FGTS, fundo de investimentos em projetos de infraestrutura, para a companhia aérea.

Segundo esses assessores, a delação de Constantino reforça a posição do presidente Jair Bolsonaro de não querer entrar no toma lá dá cá para garantir a formação de uma base aliada dentro do Congresso Nacional. Durante a fase de transição e depois, no início do governo, partidos aliados chegaram a pressionar o Palácio do Planalto para que fosse aberta uma exceção e aceitasse nomeação de afilhados na Caixa.

Nos últimos dias, o presidente Jair Bolsonaro cedeu às pressões de seus aliados e aceitou recriar dois ministérios, das Cidades e da Integração Nacional, na tentativa de convencer os partidos do Centrão a reduzirem pressões contra a reforma da Previdência e aprová-la o mais rápido possível.

Mesmo assim, porém, esses partidos acabaram derrotando o presidente na votação da medida provisória que reestrutura a Esplanada dos Ministérios, retirando, por exemplo, o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) das mãos do ministro da Justiça, Sergio Moro.

Segundo interlocutores presidenciais, ele continua disposto a entregar o Ministério das Cidades a aliados, mas isso não significaria uma mudança de postura em relação à distribuição de cargos. Um assessor de Bolsonaro disse que seria um caso pontual, para garantir a aprovação do que é mais importante, a reforma da Previdência. Outros cargos, como postos em bancos públicos, continuariam fora das negociações.

Em sua delação, Henrique Constantino citou os nomes do ex-presidente Michel Temer, dos ex-presidentes da Câmara, Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves, e do ex-ministro Geddel Vieira Lima. Eles teriam acertado receber uma propina de R$ 7 milhões em troca da liberação de empréstimos para a companhia aérea.

O acordo do dono da Gol com o Ministério Público, homologado pela Justiça Federal de Brasília, complica ainda mais a vida dos emedebistas. Os quatro estão ou foram alvos de prisão e respondem a mais de um processo. O ex-presidente Temer tentará obter nesta terça-feira (14) liminar no Superior Tribunal de Justiça para sair da prisão.

Blog Valdo Cruz – G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. André Fortes disse:

    E a visita surpresa do Mito ao Bush? A dimensão disso vai entrar para a história. Um chefe de Estado faz uma viagem internacional e visita um ex-presidente americano sem qualquer agenda e sem avisar, só para tirara uma foto. Quem pagou essa viagem? O mito, que chamou os manifestantes de idiotas úteis, disse que entendeu o semblante de Bush.
    Sim, e o filho de Lula?