EM VOZ ALTA: Palavrões mais pesados aliviam a dor, afirma estudo

Foto:  Erik Von Weber/Getty Images

Existe toda uma área de pesquisa que estuda os efeitos “analgésicos” dos xingamentos. Eles aliviam a dor e podem até ajudar a levantar peso. Os resultados podem variar de acordo com a situação – e a quantidade de dor envolvida. Mas uma coisa é certa: falar “carambolas” simplesmente não tem o mesmo efeito de gritar um belo palavrão quando você bate o dedo na quina do armário.

Diversas pesquisas já mostraram a relação entre os palavrões e a redução na percepção da dor, mas ainda não se sabe exatamente como esse efeito funciona. Um experimento feito em 2009, por exemplo, pediu aos participantes para colocar a mão em um balde de água com gelo. Aqueles que xingaram durante o teste perceberam uma diminuição na dor e aguentaram por mais tempo.

Agora, um novo artigo publicado na Frontiers in Psychology mostra que existem diferenças entre os palavrões. O experimento foi parecido com o outro: 92 participantes colocaram a mão em água gelada, com temperatura entre 3°C e 5°C. Eles podiam repetir uma palavra a cada três segundos. Eram quatro opções: o já conhecido “fuck”, uma palavra neutra, que não designa um xingamento, e dois palavrões inventados.

Um deles era “fouch”, uma mistura de “fuck” com “ouch” (interjeição em inglês equivalente ao nosso “ai”). O outro pseudo-palavrão era “twizpipe” (esse era para distrair e provocar uma reação engraçada, mesmo).

Como era de se esperar, o bom e velho palavrão foi o mais bem sucedido nos testes. O “fuck” aumentou a tolerância à dor em 33%, ou seja, quanto tempo a pessoa consegue deixar a mão na água. Além disso, o palavrão também aumentou o limiar de dor em 32%, contado a partir do momento em que os participantes diziam que estavam com muita dor. As outras palavras não tiveram efeito significativo.

O estudo é inglês, mas os efeitos também valem para os brasileiros. O um equivalente tupiniquim honesto para o “fuck” seria algo como “porra” ou “caralho” (desculpe pelo vocabulário, caro leitor). A frequência com que se fala palavrão também influencia a percepção de dor: quem não costuma xingar percebem um aumento de tolerância a dor nesses testes, em comparação a quem tem a boca suja.

“Ainda não se sabe como os palavrões ganham esse poder. Já foi sugerido que os xingamentos são aprendidos na infância, e que a aversão a eles contribui para esses aspectos emocionalmente estimulantes”, escrevem os pesquisadores.

Basicamente, se alguém ensinar um palavrão para a criança mas tratá-lo como uma palavra normal, sem tabu, a palavra não vai provocar o mesmo efeito. É essa sensação de “proibido” que traz o alívio. “Isso sugere que a maneira e quando nós aprendemos os palavrões são importantes para determinar como eles funcionam”, dizem os cientistas.

Super Interessante

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. ELEITOR E CONTRIBUINTE disse:

    Muita hipocrisia junta !!!

  2. Antonio Turci disse:

    Cada vez mais as pessoas se distanciam dos princípios cristãos. No Evangelho de Matheus, 12:34 vemos que "a boca fala do que o coração está cheio". Palavrões remetem, sempre, a coisas ruins, sujas.

  3. JJ disse:

    Bolsonaro q os diga!!!!

  4. Faça o bem disse:

    MAS AUMENTA OS PECADOS, PREFIRO NÃO PEGAR.

Estudo diz que estar com alguém que você ama pode aumentar a sua tolerância à dor, mesmo sem a necessidade um beijo ou de um abraço

A vida pode proporcionar momentos bastante difíceis, mas ter um parceiro ao seu lado pode nos ajudar a lidar melhor com a dor. Segundo pesquisadores austríacos e espanhóis, a simples companhia da pessoa amada já funciona como um anagésico — e não precisa nem de abraço, beijo, ou outro tipo de contato físico para que isso ocorra.

Publicado no Scandinavian Journal of Pain, o estudo indicou que mesmo sem contato direto entre os corpos ainda assim ocorre uma empatia disposicional, que é, segundo os pesquisadores, quando se fica atento e se interage de certa maneira com as percepções do outro.

Os cientistas pediram que 48 casais heterossexuais respondessem a questionários para medir a habilidade deles em desenvolverem questões relacionadas à empatia. Cada um dos participantes tinha uma média de 25,4 anos de idade e estava junto de seu respectivo parceiro por pelo menos três anos.

Foi testada a habilidade de cada indivíduo em resistir à dor, seja na presença ou na ausência da pessoa amada. Quando cada casal se encontrou não foi feito contato físico. Com isso, notou-se que tanto homens quanto mulheres ficavam mais resistentes à dor pela simples companhia de quem eles amam.

Além disso, quanto mais elevado era o nível de empatia, maior era a tolerância aos desconfortos. “A empatia do parceiro pode amortecer a angústia afetiva durante a exposição à dor”, afirmou um dos autores do estudo, Stefan Duschek.

Os pesquisadores acreditam que alguns fatores podem ter afetado os resultados, já que algumas pessoas podem ter simplesmente se distraído e esquecido da dor devido à presença de outro indivíduo na mesma sala. Mesmo que essa possibilidade não possa ser descartada, os cientistas afirmam que a pesquisa indicou um efeito significativo e evidente dos laços amorosos como um aliado no combate a dores.

Galileu

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Bruno disse:

    O amor entre duas pessoas é uma coisa impressionante.Não é aquele amor de internet ou de uma baladinha, é aquele amor maduro, construído através dos anos, das lutas cotidianas e das alegrias dos momentos bons. Esses pessoas sortudas, a qual eu me incluo, se falam pelo olhar e não precisam conversar muito, só a proximidade já traz uma calma, uma mansidão. Desejo a todos um grande amor.

  2. Maria Ber disse:

    Verdafe!
    Um belo exemplo é seu animalzinho de estação.