Servidores da saúde em greve farão um novo “apagão” em Natal e interior nesta segunda-feira

A saúde do RN terá um novo apagão na próxima segunda-feira (15). A iniciativa foi aprovada por unanimidade em assembleia do dia 10, que também aprovou a continuidade da greve. O apagão na saúde terá início às 6h, em frente ao hospital Walfredo Gurgel. Assim como o apagão que ocorreu na última segunda (9), os servidores irão reduzir o atendimento e apenas casos de urgência e emergência serão encaminhados à unidade. Uma equipe de servidores fará a triagem dos pacientes que chegarem no hospital para encaminhá-los à outras unidades de saúde.

A ideia do novo apagão é protestar contra a proposta de negociação do governo do Estado que em audiência com o Sindsaúde-RN, no dia 9, se comprometeu em pagar os salários de dezembro e adiantar o de janeiro na próxima semana, no entanto, deixa de fora os servidores inativos (aposentados e pensionistas).

“Queremos sim receber os nossos salários, mas entendemos que o governo não pode excluir os aposentados que tanto fizeram por esse Estado. O tratamento deve ser o mesmo para ativos e inativos, os aposentados fizeram história na saúde do RN e devem ser valorizados”, disse Manoel Egídio, coordenador-geral do Sindsaúde-RN.

Os servidores da saúde de Pau dos Ferros também irão realizar um apagão no hospital Regional. O apagão está previsto para iniciar às 7h e encerra às 10h da manhã.

A greve da saúde que completa dois meses hoje, reivindica o pagamentos do salários em dia, o pagamento do 13º e um calendário de pagamento para 2018. Além disso, se opõe ao pacote de ajuste fiscal enviado pelo governo Robinson Faria (PSD), enviado à Assembleia Legislativa em caréter de urgência.

Na terça-feira (16), entidades sindicais estão convocando uma Greve Geral no RN contra o atraso de salários e o pacote de ajuste fiscal do governo. Nesse mesmo dia, será iniciada a discussão das Mensagens na Assembleia Legislativa.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Dilson Soares disse:

    Só quem sai prejudicado nessa queda de braço entre o governo eo sindicato da população que não pode pagar um plano de saúde sofrendo no corredor dos hospitais