OBSOLETOS: Após corte de 21 mil comissionados, funções e gratificações, Governo Federal extingue mais de 13 mil cargos efetivos que já estão vagos ou que devem vagar nos próximos meses

Foto: Marcello Casal Jr.

Passado um mês do decreto presidencial que extinguiu 21 mil cargos comissionados, funções e gratificações da esfera federal, o governo Jair Bolsonaro anunciou o fim de 13.231 vagas. Desta vez, são cargos efetivos da administração pública federal que já estão vagos ou que devem vagar nos próximos meses.

De acordo com o texto publicado no Diário Oficial da União, mais de 93% desses cargos já estão vagos. Apenas 916 aguardam a desocupação pelos órgãos aos quais estão submetidos.

Assessores do governo explicaram que as funções aplicadas a estas vagas estão obsoletas para a atual dinâmica. Entre cargos incluídos no decreto figuram os de jardineiro, técnico em radiologia, guarda de endemias, mestre de lancha e operador de máquinas agrícolas.

As vagas elencadas no texto oficial deixam de existir a partir de 12 de junho de 2019, reduzindo organogramas dos Ministérios da Economia e da Saúde, da Advocacia Geral da União, da Fundação Nacional de Saúde e do Sistema de Pessoal Civil da Administração Federal (Sipec).

O enxugamento da máquina pública e a ampliação da eficiência dos serviços prestados à população têm sido reforçados pela equipe de Bolsonaro desde o início do governo. No caso de cargos comissionados, funções e gratificações extintos com o decreto de 13 de março deste ano, a expectativa do governo era de economia de mais de R$ 190 milhões anuais.

Agência Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ed disse:

    Enquanto isso isenta o agronegócio em 30 bi.

  2. paulo martins disse:

    Excelente notícia. Já passava mesmo da hora de se conter a escalada ininterrupta dessa que é tida como a "profissão dos sonhos" de todo brasileiro acomodado e sem compromisso com a produtividade: o emprego público.

  3. paulo martins disse:

    Excelente notícia. Já passava mesmo da hora de se conter a escalada inicial terrupta dessa que é tida como a "profissão dos sonhos" de todo brasileiro acomodado e sem compromisso com a produtividade: o emprego público.

  4. Rômulo disse:

    Queria ver a cara dos concurseiros aduladores do senhor Bozo ao se depararem com essa notícia!

    Faz sinal de arminha com a mão que a decepção passa!

    • João Marcelo disse:

      Vc nem leu a notícia e já foi logo falando merda. Idiota, extinção de cargo efetivo vago gera vacância, gerando vacância tem que ser preenchida por meio de concurso público, sacou? Ou seja, serão ai mais 13 mil cargos que deverão ser preenchidos por meio de concurso público

  5. #Lula na cadeia disse:

    Já no governo estadual o negócio e inchar a máquina pública…colocar toda a CUMPANHEIRADA no cabide de emprego