‘Tinha que ter apanhado mais’, diz Eduardo Bolsonaro a jornalista

‘Tinha que ter apanhado mais’, diz Eduardo Bolsonaro a jornalista

Resultado de imagem para Patrícia de Oliveira Souza Lélis e Eduardo Bolsonaro

Na denúncia aberta contra o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSC), nessa sexta-feira (13), a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, detalha a acusação da jornalista Patrícia de Oliveira Souza Lélis de que ele disse, através do aplicativo Telegram, que iria acabar com a vida dela e que ela iria se arrepender de ter nascido.

Vários prints das conversas foram anexados, em que é possível acompanhar a evolução das ameaças, feitas após Bolsonaro postar no Facebook que estaria namorando Patrícia Lélis e ela ter negado.

BOLSONARO: “Sua otária! Quem você pensa que é? Tá se achando demais. Se você falar mais alguma coisa eu acabo com sua vida”

PATRICIA: “Isso é uma ameaça???”

BOLSONARO: “Entenda como quiser. Depois reclama que apanhou. Você merece mesmo. Abusada. Tinha que ter apanhado mais pra aprender a ficar calada. Mais uma palavra e eu acabo com você. Acabo mais ainda com a sua vida”

PATRICIA: “Eu estou gravando”

BOLSONARO: “Foda-se. Ninguém vai acreditar em você. Nunca acreditaram. Somos fortes”

PATRICIA: “Me aguarde pois vou falar”

BOLSONARO: “Vai para o inferno. Puta. Você vai se arrepender de ter nascido. O aviso está dado. Mais uma palavra e eu vou pessoalmente atrás de você. Não pode me envergonhar.

PATRICIA: “Tchau”

BOLSONARO: “Vagabunda”

PATRICIA: “Resolvemos na justiça. É a melhor forma”

BOLSONARO: “Enfia a justiça no cú”

Neste domingo (15), a jornalista postou um vídeo feito por ela enquanto trocava mensagens com o deputado.

A operadora do telefone registrado nas conversas confirmou que ele está vinculado a Bolsonaro desde 12/12/2013. Raquel Dodge considerou ser ‘clara a intenção do acusado de impedir a livre manifestação da vítima, valendo-se de ameaça para tanto’.

“Relevante destacar que o denunciado teve a preocupação em não deixar rastro das ameaças dirigidas à vítima alterando a configuração padrão do aplicativo Telegram para que as mensagens fossem automaticamente destruídas após 5 (cinco) segundos depois de enviadas. Não fossem os prints extraídos pela vítima, não haveria rastros da materialidade do crime de ameaça por ele praticado. A conduta ainda é especialmente valorada em razão de o acusado atribuir ofensas pessoais à vítima no intuito de desmoralizá-la, desqualificá-la e intimidá-la”, escreveu.

A pena mínima estabelecida a Eduardo é de um ano de detenção, ele pode ser beneficiado pela Lei de Transação Penal, desde que não tenha condenações anteriores, nem processos criminais em andamento. Se cumprir as exigências legais, a proposta de transação penal é para que Eduardo Bolsonaro indenize a vítima, pague 25% do subsídio parlamentar mensal à uma instituição de atendimento a famílias e autores de violência doméstica por um ano, além de prestação de 120 horas de serviço à comunidade. O relator do caso no STF é o ministro Roberto Barroso.

O Estado procurou o deputado Eduardo Bolsonaro por meio de seu celular e de seu gabinete, mas não obteve resposta nesta sexta-feira, 13. Com informações do Estadão Conteúdo.

DO BLOG: Patrícia Lélis é a mesma jornalista que afirmou que foi assediada pelo pastor Marco Feliciano e se envolveu numa caso de extorsão com o assessor de Feliciano. Inclusive o delegado do inquérito está requisitando a prisão dela.

Comentários:

  1. joao disse:

    Nao gosto do bolsonaro, embora ele seja infinitamente melhor que qualquer petista bandido e condenado. Mas convenhamos, a mentirosa Patrícia Lélis???? Aquela pessoa que o laudo psiquiatrico diz ter transtorno de mentir igual ao criminoso lula??? Nao sei se uma pessoa pertubada, que ja era pra estar presa por mentir em outras denuncias, tem valor na palavra agora. Ela pode ate ter forjado o conteudo pra dar esse entendimento com ajuda de algum petista bandido. E o que ela foi fazer atras dele???

  2. Anderson disse:

    Voto no Bolsonaro, ele é autêntico, fala a verdade, o que pensa, sem medo da imprensa e da repercussão midiática, arca com as consequências do que diz e defende o que pensa, tem coragem.
    Só uma pessoa como ele para por este Brasil de volta aos trilhos!!!

  3. Rodrigo disse:

    jornalista perigosa essa, deve ser aquele tipo que torra tanto o saco da pessoa insistindo por uma super noticia p/ ver se ganha algum tostao. Vida sofrida a da maioria dos jornalistas, ne vida facil nao, aí vale tudo p/ ganhar dinheiro. Triste realidade

  4. Benga disse:

    Lixo. Ainda tem quem vote nesse povo

  5. andre disse:

    Boa educação esse filho do pai da maldade teve em casa kkkkk. Idiota quem acha que são honestos e cristãos

  6. Lutemberg disse:

    Não me surpreende, mas basta uma rápida pesquisa pra saber quem é essa suposta jornalista chamada Patrícia Lélis. Pra quem não lembra, foi a mesma que acusou o Marcos Feliciano de estupro, e algum tempo depois, ao se ver confrontada com a verdade, negou tudo. Então, muito cuidado nessa época de fake news a pleno vapor.

  7. gorete disse:

    Nojento…

  8. Geraldo Luiz da Silva disse:

    Que presidensiavel o Brasil tem! Onde vamos parar?

    • Bolsonaro Junior disse:

      o presidenciável é o Jair, esse é o Eduardo. Mas vamos esperar o fim das investigações assim como fizemos com Lula. Ela não é flor que se cheire.

  9. Bonsabore disse:

    Isso são os petralhas junto com o Telegram e a Claro, querendo derrubar Dudu, juntos com a feminista Raquel Doge.