Jornalismo

Trabalhador teria de contribuir 44 anos para ter teto da aposentadoria

FOLHAPRESS

A nova proposta de reforma da Previdência, apesar de facilitar o acesso à aposentadoria em relação à versão anterior, pode vir com uma regra que reduz o valor do benefício de quem ganha acima do salário mínimo.

A fórmula de cálculo em estudo pelo governo e pela Câmara, à qual a Folha teve acesso, exigirá 44 anos de contribuição previdenciária para o trabalhador receber o valor máximo do benefício.

A regra prevê que o benefício para quem completar idade mínima e 15 anos de contribuição seja equivalente a 50% da média salarial do trabalhador. A mudança não afeta quem tem direito a um salário mínimo, que tem o valor integral garantido.

O texto já aprovado pela comissão especial na Câmara exige 40 anos de contribuição para ter acesso ao valor máximo do benefício. O relatório do deputado Arthur Maia (PPS-BA) reduziu os 49 anos previstos na proposta original do governo. Agora uma nova proposta está sendo elaborada para compensar a redução de economia prevista para os próximos.

Arthur Maia anunciou, na semana passada, que ele e o governo negociam com líderes da base uma nova versão da reforma. Ele adiantou que vai retirar a exigência de 25 anos de contribuição e manter os atuais 15 anos. Afirmou, ainda, que manterá a proposta de idade mínima de 65 anos (homem) e 62 (mulheres).

A expectativa é que mudanças na aposentadoria rural e no benefício assistencial pago a pessoas com deficiência e idosos de baixa renda também sejam retiradas.

Nesse contexto, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, declarou que a redução da proposta não pode ser superior a 50% da economia prevista originalmente. O texto do governo previa cerca de R$ 800 bilhões de ganho com a reforma, mas o relatório aprovado na comissão prevê 75% da economia original.

‘OSSO’

Em entrevista à Folha, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, afirmou nesta terça-feira (14) que não é possível fazer mais flexibilizações na reforma previdenciária e que ela “já chegou no osso”.

Segundo ele, não haverá redução na idade mínima para mulheres, de 62 para 60 anos, apesar da pressão da base. “O governo cumpriu seu papel quando aceitou fazer flexibilizações, agora é hora do Congresso votar.”

A mudança na idade mínima tem sido reivindicada por deputadas e senadoras governistas. No governo, há assessores que consideram a redução como uma carta na manga caso a proposta enfrente resistências no plenário.

Opinião dos leitores

  1. Onde anda o pessoal da família, dos bons costumes, cristãos, ex eleitores de Aecio, seguidores de um pato amarelo e propensos a votarem em um fascista?

  2. E Prefeito, Vereador, Governado, Deputado, Senador e Presidente so 8 anos…..Pode isso Arnaldo ?

  3. Mais Temer, mais Temer….bote pra lascar nos trouxinhas….100 anos de trabalhos forçados tá bom. ..huahuahuahua…..

  4. kkkkk…mais Temer, mais Temer….bote pra lascar nos trouxinhas….100 anos de trabalhos forçados tá bom. ..huahuahuahua…..

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Deputado rebate parlamentar do PT do RN: “Estou fora dessa bandidagem aqui do estado do PT”

O deputado estadual do MDB do RN, Nelter Queiroz, não gostou nada da entrevista da deputada estadual Isolda Dantas (PT), em que ela mostrou repugnância de possível aliança de seu partido com o emedebismo.

– “Posso engolir, para cuspir amanhã” – engulhou a parlamentar.

Em comentário que fez à postagem do Canal BCS (Blog Carlos Santos), Queiroz afirmou:

– “Eu também estou fora dessa bandidagem aqui do estado do PT“.

Grande Ponto

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Diretor da Fundação José Augusto chama Moro de “analfabeto” por confusão com artigo “o” e “a”

O diretor da Fundação José Augusto (FJA), Crispiniano Neto, que equivale a um secretário de cultura no RN, utilizou um tweet do ex-Juiz Sérgio Moro para chamá-lo de analfabeto.

Moro, que é pré-candidato a presidente da República e que deve enfrentar o ex-presidente Lula, esse com apoio de Crispiniano, se referiu à doença causada pelo vírus SARS-CoV-2 como “O Covid”, e não como “A Covid”. Foi o suficiente para ser tachado como analfabeto por Crispiniano.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Contaminações por ômicron triplicaram esta semana no Brasil, mas letalidade é baixa

O boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, divulgado na noite desta sexta-feira (14), mostra que as novas contaminações pela Covid triplicaram somente nesta semana.

Foram registrados 112.286 casos, na última segunda-feira (10) este número foi de 34.788 pessoas contaminadas pelo vírus. O aumento computado pela pasta corresponde a 222,8%.

Estima-se que a maior parte dos casos seja devido à chegada da variante ômicron ao país. O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou nesta semana que a nova cepa já é responsável pela maior incidência das contaminações.

Apesar do estágio inaugural das pesquisas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) acredita que existam evidências suficientes que provam que a nova cepa seja menos mortal que as anteriores e que a maioria dos contaminados deverão apresentar sintomas mais brandos.

Diário do Poder

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Covid: RN é um dos estados com menor percentual da população vacinado com a dose de reforço

O Rio Grande do Norte é um dos estados brasileiros que menos aplicou a dose de reforço contra a Covid-19 com apenas 11,93% da população vacinada.

Ou seja, os elegíveis para mais uma dose dos imunizantes ainda não compareceram aos postos de vacinação.

Mas esse problema não é restrito ao RN. Um levantamento feito pelo Metrópoles mostra que apenas três estados conseguiram aplicar a dose de reforço das vacinas contra a Covid-19 em mais de 20% de suas populações: São Paulo (26,7%), Mato Grosso do Sul (26,4%) e Espírito Santo (22,2%).

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

”Fátima deixou crianças sem estudar, Walfredo está um caos e todos os dias temos assassinatos”, pontua Fábio Faria

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, fez críticas ao governo Fátima Bezerra lembrando dos problemas encontrados diariamente na educação, saúde e segurança.

Em entrevista à Tribuna do Norte, Fábio Faria foi enfático nas críticas à governadora: “Deixou as crianças um ano e meio sem estudar. Ela é professora. O Hospital Walfredo Gurgel é um caos. Todo dia há assassinatos, mortes, explosão de farmácias. Vejo que o governo fechou as portas para o Brasil todo. Não vejo ninguém conversando com o Rio Grande do Norte”, diz.

Ele ainda afirmou que tem, neste fim de semana e na segunda-feira, uma série de conversas com lideranças da oposição ou que podem aderir a uma articulação contrária à reeleição da governadora Fátima Bezerra. Nos diálogos, pretende fazer uma convocação para a unidade em busca de um nome que agregue e unifique quem estiver disposto a integrar essa aliança política. “Estou fazendo uma convocação das oposições a Fátima Bezerra no Estado para que a gente saia com um nome. Neste fim de semana, vou ter várias conversas, e na segunda-feira também, para que a gente possa buscar um nome”, disse o ministro. Ele está convicto de que, com essa unidade, a oposição terá possibilidade de sair vitoriosa na campanha eleitoral.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Deslizamentos: Natal não tem plano municipal de redução de riscos

Passados oito anos desde o deslizamento de terra que atingiu 171 casas, destruindo 26 destas por completo, no bairro de Mãe Luíza, na zona Leste da capital potiguar, Natal ainda ainda não tem um Plano Municipal de Redução de Riscos atualizado e em execução. Isso deve ocorrer com a sanção do novo Plano Diretor, que abrange outros planos complementares. Sem estudos robustos que possam prever desastres nas já conhecidas áreas de risco, os órgãos municipais têm atuado para reduzir danos, através de um Plano de Contingência e agora podem contar com informações sistematizadas das áreas de risco, a partir de um estudo do grupo Georisco da UFRN, que compilou informações obtidas pela Defesa Civil e recomendou formas de otimizar o trabalho.

Atualmente, a Prefeitura não tem contabilizadas quantas famílias estão vivendo nas áreas de risco e também não dispõe de um orçamento específico para prevenir tragédias. As áreas de riscos mais conhecidas são aquelas de encostas onde podem ocorrer desmoronamentos de terra, como no bairro de Mãe Luíza, na Comunidade do Jacó e na divisa entre os bairros Alecrim e Passo da Pátria. Além disso, as lagoas de captação que podem transbordar também representam risco para a população que mora perto.
Ainda não há previsão sobre a atualização do Plano Municipal de Redução de Riscos (PMRR) do Município de Natal que foi publicado em outubro de 2008, na gestão da ex-prefeita Micarla de Sousa, apontando a existência de 74 áreas críticas, divididas nas quatro zonas administrativas da cidade. O estudo tinha como objetivo auxiliar a Defesa Civil e a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo (Semurb), além de melhorar a prevenção de desastres socioambientais.

Tribuna do Norte

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Covid-19: Brasil tem 22,9 milhões de casos e 620,9 mil mortes

Balanço divulgado neste sábado (15) pelo Ministério da Saúde registra 48.520 novos casos de covid-19 em 24 horas. O dado eleva para 22.975.723 o número de pessoas infectadas pela doença no país desde o início da pandemia. Ontem (14), o painel de estatísticas marcava 22.927.203 casos acumulados.

As mortes pelo novo coronavírus ao longo da pandemia aproximam-se de 621 mil. Em 24 horas, as autoridades de saúde notificaram 175 novos óbitos, totalizando 620.971. Ontem, o painel de informações marcava 620.796 mortes acumuladas.

O balanço apontou também 656.934 pacientes em acompanhamento e 21.697.818 recuperados da doença.

Agência Brasil

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Acidente

[VÍDEO] SUSTO GRANDE: Explosão em turbina de avião interrompe decolagem em Curitiba

Passageiros de um voo da Latam Airlines passaram por um susto, por volta das 6h da sexta-feira (14), no Aeroporto Afonso Pena, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. A decolagem foi interrompida por conta de uma colisão com pássaros em uma das turbinas. O voo vinha para Brasília.

Um vídeo, que circula nas redes sociais, mostra o momento em que o avião se prepara para decolar, ainda na pista do aeroporto, quando a turbina apresenta uma pequena explosão por conta da colisão com os animais. Imediatamente, o piloto freia a aeronave e pede para a tripulação permanecer sentada.

De acordo com a Latam, o voo LA3533 partia de Curitiba em direção em Brasília por volta de 5h55 quando o problema aconteceu.

“A LATAM lamenta os transtornos causados e esclarece que prestou toda a assistência necessária aos clientes. Todos os passageiros foram reacomodados em outros voos da LATAM desta sexta-feira (14)”, afirmou a companhia por meio de nota.

Leia a nota completa:

A LATAM Airlines Brasil informa que a aeronave do voo LA3533 (Curitiba-Brasília), que tinha previsão de decolar às 5h55 desta sexta-feira (14), interrompeu seu procedimento de decolagem sobre a pista devido à colisão com pássaros. Este é um procedimento padrão de segurança na aviação e a LATAM reforça que segue as mais rigorosas normas, atendendo a regulamentação das autoridades brasileiras e internacionais.

A LATAM lamenta os transtornos causados e esclarece que prestou toda a assistência necessária aos clientes. Todos os passageiros foram reacomodados em outros voos da LATAM desta sexta-feira (14). Por fim, reitera que a segurança é um valor imprescindível e que todas as suas decisões visam garantir uma operação segura.

Com informações de Metrópoles e UOL

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Casos de síndrome respiratória aguda grave têm alta de 135% no Brasil, diz Fiocruz

Foto: arquivo/Agência Brasil

Os casos notificados de Srag (Síndrome Respiratória Aguda Grave) no Brasil tiveram um salto de 135%, quando comparadas as últimas três semanas de novembro e as três semanas mais recentes.

Os dados são do boletim Infogripe, da Fiocruz, que não era divulgado havia mais um mês por causa do apagão de dados da Covid-19 no país. A publicação tem sido um dos principais termômetros da evolução da epidemia de coronavírus no Brasil.

Com a alta, o número de casos passou de 5.600 para 13 mil no período. Segundo a Fiocruz, apenas em 2022 foram notificados 6.849 casos de Srag, sendo 1.735 (25,3%) com resultado positivo para algum vírus respiratório e 1.798 (26,3%) negativos. Há ao menos outros 2.667 (38,9%) casos aguardando resultado laboratorial.

O boletim observa que houve um aumento significativo de casos associados ao vírus da gripe no final de novembro e ao longo do mês de dezembro do ano passado, chegando a ultrapassar registros de Covid-19. O quadro, porém, já se inverteu.

“Os dados relativos ao final de dezembro e primeira semana de janeiro já apontam para a retomada do cenário de predomínio da Covid-19”, afirma o documento. Segundo a Fiocruz, praticamente todos os estados apresentaram sinal de crescimento antes mesmo das semanas do Natal e do Ano Novo.

No início de dezembro do ano passado, a Fiocruz já havia alertado para o fato de as internações por síndrome respiratória no Brasil terem voltado a crescer depois de um período de estabilidade.

“O cenário de aumento de casos graves, tanto de influenza quanto de Covid-19, anteriores às festas de final de ano sugere que tais eventos podem ter representado risco significativo para a população, especialmente em eventos com muitas pessoas”, afirma a instituição.

De acordo com o coordenador do Infogripe, Marcelo Gomes, a manutenção da divulgação dos dados durante o período de festas “teria dado melhores condições para a população tomar decisões adequadas ao momento epidemiológico”.

O apagão de dados oficiais sobre a Covid-19 completou um mês nesta semana, e o Brasil segue sem saber o tamanho real da nova onda de contaminações provocada pela variante ômicron.

Os pesquisadores afirmam que os dados servem de alerta para a retomada de ações de conscientização da população e para minimizar o impacto da doença no início de 2022.

Eles destacam, ainda, que os dados do boletim devem ser cruzados com outros indicadores relevantes —como a taxa de ocupação de leitos em hospitais, por exemplo.

Com o avanço da cobertura vacinal na população adulta e a queda de imunidade entre os que receberam o imunizante há mais tempo, as faixas etárias de 60 anos ou mais voltaram a ser os grupos com maior incidência semanal de casos e óbitos por Srag com diagnóstico de Covid-19.

A alta de casos notificados de Síndrome Respiratória Aguda Grave é observada em 25 das 27 unidades federativas, e também em todas as faixas etárias a partir dos dez anos.

A publicação afirma que, entre aqueles com idades entre dez e 19 anos, é possível que o volume de diagnósticos já tenha atingido valores similares aos registrados nos picos de março e maio de 2021, quando houve a segunda onda da epidemia no país.

“Tal cenário só não é observado na faixa de zero a nove anos, que ao final de dezembro apresenta interrupção de crescimento que se mantinha desde o mês de outubro de 2021”, diz a Fiocruz.

FolhaPress

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Clima

[VÍDEOS] Muita chuva pelo Seridó do RN provoca sangrias de barragens

E não para de chover pelo Rio Grande do Norte. O Blog do BG recebeu mais registros das chuvas que caem na Região Seridó do estado neste sábado (15).

São imagens de São Fernando (Barragem no Sítio Bonito), São Vicente (Sítio Jucurutu), mostrando beleza e a força das águas em sangrias de barragens e ainda a chuva que cai em São José do Seridó.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *