Você conhece suas zonas de freqüência cardíacas? Elas estão entre os melhores parâmetros para periodização de treinos de corrida

Por Breno Perruci/@eaiboracorrer

Se você tem algum objetivo específico com o exercício, como perder peso ou melhorar seu condicionamento, é importante saber e monitorar a intensidade do esforço realizado, e o controle da frequência cardíaca é uma das melhores formas de fazer isso. Assim você sabe o quanto tem que se esforçar para seguir o objetivo do treino e conseguir o resultado que deseja. Compreender as suas zonas de freqüência cardíaca te permite treinar de um jeito mais eficiente e com a intensidade certa para ser eficaz. No instagram @eaiboracorrer sempre falo do uso dessas zonas nas minhas planilhas.

Não quero aqui afirmar que você obrigatoriamente precisa treinar tendo como baliza suas zonas de freqüência cardíaca. Existem métodos mais antigos que até nem as utilizam como parâmetro. Mas se há algo que posso afirmar, é que como indicador do nível de condicionamento dos atletas, a frequência cardíaca tornou-se atualmente um padrão na ciência de treino e é usada como ferramenta para alavancar o desempenho atlético, evitar a estagnação e também para a apoiar a regeneração. Até para a alimentação e suplementação é fundamental já que a qualidade do treino depende também da quantidade e do momento que você ingere seu substrato energético. E por sua vez tanto a quantidade, quanto o momento, vão depender da intensidade do seu treino.

“O corpo humano reage ao exercício físico de acordo com o desgaste provocado por ele. E a melhor maneira de estabelecer uma periodização mais precisa é conhecendo e monitorando a frequência cardíaca. Por isso nós fazemos testes de esforço físico nos alunos a cada 3 meses pra sempre atualizar os dados de cada um. Assim nós aplicamos as doses certas de intensidade, volume e descanso para cada atleta, dentro dos ciclos de treinos, de acordo com a situação e os objetivos de cada um. Ou seja, os treinos serão extremamente individualizados, as chances de evoluir bem são maiores e com menos riscos de lesões”, ressalta Paulo Rafael, triatleta e professor da CB Sports.

Converse com seu treinador sobre isso e busque informações. O ideal é você buscar orientação com alguém de sua confiança. Em primeiro lugar, claro, procure seu cardiologista e faça os exames completos. Em seguida faça seu teste de esforço físico dirigido por um profissional de educação. Jamais faça por conta própria.

Por fim é importante destacar que, obviamente, é recomendável que você use um relógio ou algum aparelho que possua frequencímetro, seja de peito ou de pulso. O importante é que ele seja preciso porque assim os dados para o seu treinador serão mais fidedignos.

E aí, bora correr?