Agentes penitenciários do RN trabalham sem coletes à prova de bala por falta do equipamento

Deu na Tribuna do Norte

Segundo o Sindicato dos Agentes Penitenciários do Rio Grande do Norte (Sindasp/RN), a categoria está tendo que trabalhar desprotegida – sem coletes à prova de bala – por falta do equipamento. Há um déficit de mais de 800 coletes.

Atualmente, 914 pessoas trabalham na função no estado, mas só estão disponíveis para elas 100 coletes. Os agentes são obrigados a revezar o uso do equipamento.

Ontem, o agente que fazia a escolta de um preso em Parnamirim e foi morto não estava utilizando o colete.

A presidente do Sindasp/RN, Vilma Batista, diz que além do agente estar sem colete, a operação foi feita de forma inadequada.

“Não há coletes suficientes. E além disso, não era para somente dois agentes fazerem a escolta de um preso. Para a segurança dos agentes e do preso, deveria haver batedor na frente e atrás do veículo, com quatro agentes no veículo, sendo um dirigindo, outro comandando a operação e dois na parte traseira do carro com o preso. Mas não há estrutura para isso”, afirma a dirigente sindical.