Brasileiro é cotado como potencial candidato para suceder Bento XVI. Missa foi realizada em italiano neste domingo

“Que maravilha, veio muita gente hoje”, disse Dom Odilo após saudar os jornalistas, que eram maioria, no início da missa. Ele lembrou o grande interesse que a Igreja tem gerado no mundo por conta da presença dos cardeais em Roma. Apesar da missa ter sido realizada em italiano, Dom Odilo agradeceu em português o embaixador do Brasil na Santa Fé, Almir Franco de Sá, que estava presente no local.

000_dv1434136

Além de quase toda a imprensa brasileira que está em Roma, a missa de Dom Odilo foi acompanhada por dezenas de jornalistas de outros países – italianos, norte-americanos,  e espanhóis, por exemplo. Assim como o cardeal brasileiro, os outros cardeais também são titulares de uma igreja na capital italiana, e muitos celebraram missas ao longo do domingo.

Realizada no quarto domingo do período da Quaresma, que precede a Páscoa, o assunto geral dos textos lidos e também do sermão feito por Dom Odilo foi a misericórdia e a reconciliação com Deus. O cardeal brasileiro estava sereno e tranquilo, e sorriu em muitos momentos da missa – mesmo a celebração tendo sido filmada e fotografada.

“Tem muita gente que vive como se Deus não existisse ou não tivesse importância”, afirmou durante o sermão que durou 22 minutos. “Convido a orar para a Igreja fazer bem sua missão nesse tempo. Seguramente um tempo difícil, mas também alegre”.

No momento da comunhão, Dom Odilo e outros padres se posicionaram para entregar a hóstia consagrada aos fieis. A fila para receber a comunhão das mãos do cardeal, um dos que escolherá e poderá se tornar o novo Papa, foi muito maior que a dos outros padres, o que fez com que o momento se prolongasse um pouco.

A missa, entretanto, não atraiu apenas jornalistas. Estavam presentes também muitos religiosos – brasileiros e italianos – além de fiéis que costumam frequentar a Igreja. Alguns até fizeram uma pequena viagem. Foi o caso da freira brasileira Maria Salete de Oliveira, da congregação das Irmãs Carmelitas Missionárias de Santa Terezinha do Menino Jesus.

A freira mora em uma cidade a cerca de uma hora de Roma e saiu antes das 7h de casa para não perder a missa de Dom Odilo – que ela contou já conhecer pessoalmente.  “Dom Odilo já foi na congregação várias vezes, é muito próximo dela no Brasil, temos três comunidades em São Paulo. Se ele for Papa, vamos rezar por ele eternamente. Ele é jovem, missionário, fala mais de uma língua, é carismático”, afirmou Maria Salete, citando as virtudes do cardeal – que ela disse não ser tão duro quanto aparenta ser. “Ele tem uma mão de ferro e uma de veludo, tem o equilíbrio.”

O cardeal falou muito sobre a possibilidade de se renovar a fé em Deus durante o sermão – uma referência ao texto lido na missa, conhecido como a parábola do filho pródigo, e também um tema recorrente durante a Páscoa. “Quem se afastou de Deus pode voltar, terá o perdão e a misericórdia dele. Deus está pronto a perdoar (…) Deus vai ao encontro de todos os pecadores, até dos que não se sentem pecadores”, afirmou. “Deus não esta sempre pensando no pecado do nosso passado”, disse em uma das últimas frases da homilia.

Durante o momento em que são feitas as orações dos fiéis, foi pedido que todos orassem “pelos cardeais que vão eleger o Papa, para que sejam iluminados pelo Espírito Santo”, e também “pelo Papa Emérito Bento XVI, que guiou o povo de Deus com caridade apostólica.”

No fim da cerimônia, o brasileiro ainda reservou um tempo para homenagear um casal de italianos que completava 70 anos de casados. Após renovar o sacramento do matrimônio, ele brincou: “Há 70 anos eu não tinha nem nascido”.

Globo