Economia

Com pandemia, Brasil tem desemprego de 14,1% no trimestre até novembro, pior resultado desde 2012

Foto: © REUTERS/Amanda Perobelli/Direitos Reservados

A taxa de desemprego alcançou 14,1% no trimestre entre setembro e novembro de 2020. É o mais alto percentual para esse trimestre móvel desde o início da série histórica da pesquisa, em 2012. O total de desempregados no país foi estimado em 14 milhões.

O número é da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgada hoje (28), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.

Na comparação com o trimestre encerrado em agosto, quando registrou 14,4%, o cenário é de estabilidade. Já em relação ao mesmo trimestre do ano anterior, o aumento é de 2,9 pontos percentuais.

O número de pessoas ocupadas aumentou 4,8% entre setembro e novembro e chegou a 85,6 milhões. Esse resultado representa 3,9 milhões de pessoas a mais no mercado de trabalho se comparado ao trimestre anterior. Com isso, o nível de ocupação subiu para 48,6%.

Argumentação

Adriana Beringuy, analista da pesquisa, disse que o crescimento da ocupação é explicado pelo retorno das pessoas ao mercado de trabalho após a flexibilização de medidas restritivas adotadas para o combate da pandemia da covid-19. A sazonalidade de fim de ano, especialmente no comércio, também contribuiu para o resultado.

“O crescimento da população ocupada é o maior de toda a série histórica. Isso mostra um avanço da ocupação após vários meses em que essa população esteve em queda. Essa expansão está ligada à volta das pessoas ao mercado [de trabalho] que estavam fora por causa do isolamento social e aumento do processo de contratação do próprio período do ano, quando há uma tendência natural de crescimento da ocupação”, explicou.

Segundo a pesquisa, o aumento na ocupação atingiu nove dos dez grupos de atividades. No entanto, foi mais intenso no comércio, em que mais 854 mil pessoas passaram a trabalhar no setor no trimestre encerrado em novembro.

“O comércio, nesse trimestre, assim como no mesmo período do ano anterior, foi o setor que mais absorveu as pessoas na ocupação, causando reflexos positivos para o trabalho com carteira no setor privado que, após vários meses de queda, mostra uma reação”, disse a coordenadora.

No aumento da população ocupada houve destaques também para a indústria geral, com alta de 4,4%, ou mais 465 mil pessoas; e administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais com avanço de 2,6%, ou mais 427 mil pessoas.

Trabalho

Para a coordenadora do estudo, os números mostram que a absorção de trabalhadores foi notada em vários setores. “Além do comércio, outras oito atividades econômicas investigadas pela pesquisa cresceram significativamente na ocupação, mostrando que esse processo de absorção de trabalhadores também avançou em outros setores, como construção (8,4%, ou mais 457 mil pessoas), transporte, armazenagem e correio (5,9%, ou mais 238 mil pessoas) e alojamento e alimentação (10,8%, ou mais 400 mil pessoas)”, afirmou.

Segundo a pesquisa, a maior parte da alta na ocupação mais uma vez partiu do mercado informal. O número de empregados no setor privado sem carteira de trabalho assinada, que cresceu 11,2%, somando agora 9,7 milhões, pode explicar o movimento. A Pnad Contínua do trimestre encerrado em novembro indicou, ainda, que a taxa de informalidade chegou a 39,1% da população ocupada, o que representa 33,5 milhões de trabalhadores informais no país. No período anterior, a taxa ficou em 38%.

Adriana Beringuy lembrou que, no começo da pandemia, os mais afetados foram os trabalhadores informais e também os que mais cedo retornaram a esse mercado. Para ela, os resultados evidenciam também a reação dos contratados com carteira de trabalho assinada.

“A população informal neste mês de novembro corresponde a cerca de 62% do crescimento da ocupação total e, no trimestre encerrado em outubro, respondia por quase 89% da reação da ocupação. Então, a informalidade passa a ter uma participação menor em função da reação da carteira de trabalho assinada”, explicou.

Carteira assinada

O número de empregados no setor privado com carteira de trabalho assinada subiu 3,1% ou 895 mil pessoas a mais. Com isso, tem-se 30 milhões de pessoas. Ainda no trimestre, a categoria dos trabalhadores domésticos subiu 5,1%, alcançando 4,8 milhões de pessoas. O contingente de trabalhadores por conta própria também cresceu 1,4 milhão e atingiu 22,9 milhões de pessoas. Apesar disso, na comparação com o mesmo período de 2019, a categoria perdeu 1,7 milhão de pessoas.

“Embora haja esse crescimento na ocupação nesse trimestre, quando a gente confronta a realidade de novembro de 2020 com o mercado de trabalho de novembro de 2019, as perdas na ocupação ainda são muito significativas”, disse, acrescentando, que atividades como alojamento e alimentação, serviços domésticos e o próprio comércio ainda acumulam perdas anuais relevantes.

Pessoas ocupadas

Na comparação com o trimestre encerrado em novembro de 2019, o total de pessoas ocupadas no país recuou 9,4%. Isso significa redução de 8,8 milhões de pessoas. Adriana destacou que o avanço da ocupação é significativo, tanto em aspectos quantitativos quanto qualitativos, comprovada pelo crescimento da população com carteira assinada e a disseminação por diversas atividades, mas ainda está bem distante de um cenário pré-pandemia.

Fora da força de trabalho

Ainda conforme a pesquisa do IBGE, a população fora da força de trabalho registrou queda de 3,4%, o que representa uma diminuição de 2,7 milhões de pessoas, se comparada com o trimestre anterior. Em relação ao mesmo período de 2019, o contingente cresceu 17,3%, ou 11,3 milhões de pessoas a mais.

A força de trabalho potencial, que inclui pessoas que não estavam nem ocupadas nem desocupadas, mas que possuíam potencial para se transformar em força de trabalho, também caiu. O grupo apresentou retração de 15,8% frente ao trimestre anterior. Isso significa uma redução de 2,1 milhões de pessoas.

Os desalentados, que são um subgrupo de pessoas da força de trabalho potencial, foram estimados em 5,7 milhões. O número é estável se comparado ao último trimestre, mas em relação ao mesmo trimestre do ano anterior, houve um crescimento de 22,9%. Lá, havia no país 4,7 milhões de pessoas desalentadas.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. Todos do "fique em casa" são da esquerdalha e tem seu salário ou rendimentos religiosamente em dia. Aí ficam querendo quebrar a economia, sonhando com à volta do PT ao comando da Nação e o retorno da roubalheira.

  2. Ficar no saldo anual positivo, em um ano de queda de PIB, de umm desastre mundial que botou de joelhos países ricos e estruturados, é surpreendente. Muita gente vai odiar isso… Esse ódio de vcs enche a minha alma. Odeiem mais que tá pouco.

    1. Amai-vos uns aos outros, meu irmãozinho. Lembra dessas palavras? Ou nunca levaste a sério?

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

APENAS ISSO: A convite de Fábio Faria, Ellon Musk chega ao Brasil e terá encontro com Bolsonaro

Foto: Reprodução

A convite do ministro das Comunicações, o potiguar Fábio Faria, Ellon Musk, o empresário mais rico do mundo, desembarca hoje, 20, no Brasil. Vai se encontrar com Faria, de quem é amigo pessoal, e com o presidente Jair Bolsonaro para discutir conectividade e proteção da Amazônia.

A vinda de Musk, que tem conquistado enorme sucesso na área da tecnologia, inclusive com a exploração do espaço sideral, é mais uma iniciativa de Fábio Faria para incluir o Brasil na trilha da alta tecnologia.

Fábio Faria está encerrando sua atuação na vida pública. Não concorrerá mais a cargos eletivos e deixará o Governo Federal mesmo que o presidente Bolsonaro venha a ser reeleito. Fábio se dedicará integralmente à iniciativa privada.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Com capitalização, potencial de investimento da Eletrobras vai a R$ 13 bi por ano

Foto: Divulgação/Eletrobras

Visando melhorar sua eficiência e desempenho, uma série de medidas podem ser tomadas pela Eletrobras após sua capitalização, aprovada na quarta-feira (18) pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

Atualmente, a empresa investe R$ 3 bilhões por ano, o que não é suficiente para cobrir a amortização e perdas que a empresa sofre. Fontes consultadas pela analista de Economia da CNN Thais Herédia no Ministério da Economia e especialistas em infraestrutura apontam que, com a desestatização da companhia, esse número pode subir a R$ 13 bilhões.

Além disso, atualmente, cada uma das subsidiárias da Eletrobras possui sua própria diretoria e seu próprio conselho. Segundo Herédia, esse formato não existe em nenhuma holding privada do mercado, e deve ser reestruturado com a capitalização.

Essa redução do custo operacional pode trazer maior eficiência em seus investimentos, tanto para o setor de geração quanto de transmissão de energia, onde ela mais opera.

Por fim, existe a possibilidade de uma expansão na energia renovável, que é a essência da operação da Eletrobras, já que essa está fundamentada nas usinas hidrelétricas. Isso empurraria o Brasil à fronteira da transição para energia verde.

CNN Brasil

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Taxa de abandono escolar no Ensino Médio na rede pública mais que dobra em 2021, aponta Inep

Foto: Reprodução

Dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) mostram que a taxa de abandono escolar no Ensino Médio na rede pública mais que dobrou no ano passado. Em 2020, o percentual de estudantes que abandonaram instituições foi de 2,3%, enquanto que, em 2021, a taxa foi de 5%.

Os números foram divulgados nessa quinta-feira (19) pelo Inep e integram os resultados finais da segunda etapa do Censo Escolar da Educação Básica 2021.

No ensino fundamental, a taxa de abandono escolar foi de 1%, em 2020, para 1,2%, em 2021. A única rede que não apresentou elevação foi a privada.

Ainda, segundo o levantamento, a região Norte do país foi a que mais sofreu com o abandono dos alunos. Enquanto o país teve um índice de 5% no ensino médio, juntos, os estados do Norte acumularam uma taxa de 10,1% de abandono. Já na etapa do ensino fundamental, o valor foi de 2,5% nesta região.

g1

Opinião dos leitores

  1. Culpa dos malandros professores PTralhas 🤮ganhando salário sem trabalharem, veja se houve evasão nas escolas privadas ?,,

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Meio Ambiente

Cerca de 30 árvores caíram em menos de cinco meses em Natal, diz Semsur

Foto: Vinícius Marinho

No dia 7 de maio, uma árvore que ficava no canteiro central da Avenida Hemes da Fonseca caiu sobre um motociclista, que foi socorrido em estado grave para o Hospital Walfredo Gurgel.

No dia 13, uma árvore desabou sobre um carro na Avenida Prudente de Morais. No dia 18, um galho caiu e quebrou o para-brisa de um carro no bairro Tirol e uma árvore desabou e interditou a Avenida Ayrton Senna, na Zona Sul.

Os recentes casos de acidentes desse tipo passam a integrar um número que é de aproximadamente 30 quedas de árvores em Natal entre os meses de janeiro e maio deste ano, de acordo com dados da Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (Semsur).

Segundo a Semsur, os casos acontecem com mais frequência nos períodos chuvosos – com incidência maior nos meses de janeiro e maio neste ano. A pasta disse ainda que possui um cronograma contínuo de manejo arbóreo na cidade e que realiza os serviços no período entre dezembro e maio, meses que antecedem às chuvas.

A secretaria informou que o número de acidentes recentes se deve também às chuvas com vento, que não são comuns no mês de maio, mas disse que a média de casos se mantêm em queda na comparação com anos anteriores.

g1 RN

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Quatro a cada dez brasileiros aptos estão sem terceira dose de vacina contra a Covid

Foto: Evandro Leal/Enquadrar/Estadão Conteúdo

O mês de maio já pode ser considerado o de menor avanço da vacinação contra a Covid-19 no Brasil em 2022, refletindo a estagnação do patamar de cobertura atingido. Nos primeiros 15 dias, a média diária de doses aplicadas foi de 250 mil, uma queda de 40,7% em relação ao mesmo período de abril.

A aplicação da terceira dose caiu 57,6% na primeira quinzena deste mês, em comparação com abril, apesar de quatro a cada dez brasileiros aptos (acima de 18 anos e que tenham tomado a segunda dose há mais de quatro meses) ainda não terem recebido o reforço.

Dos 143 milhões de pessoas que tomaram as duas doses ou a dose única e, portanto, estariam elegíveis para a terceira dose, 86,5 milhões (60,5%) tomaram o reforço.

Cerca de 56,5 milhões de indivíduos estão com apenas duas doses. Outros 18,5 milhões tomaram somente a primeira dose até agora.

R7

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Pesquisa eleitoral: Lula tem 46% e Bolsonaro 39% em um segundo turno

Foto: Getty Images/Miguel Schincariol/Nelson Almeida/AFP

Se o segundo turno da eleição presidencial fosse hoje, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) teria 46% das intenções de voto, e o presidente Jair Bolsonaro (PL) teria 39%, segundo a pesquisa eleitoral EXAME/IDEIA divulgada nessa quinta-feira, dia 19 de maio. A distância entre os dois é de 7 pontos percentuais, a menor em um ano.

Na série histórica, considerando a simulação de segundo turno, Bolsonaro tinha vantagem sobre Lula até abril do ano passado, quando o petista ultrapassou o atual presidente na preferência dos eleitores. A maior distância entre os dois chegou a 17 pontos percentuais no fim do ano passado, mas desde então começou a diminuir. Na pesquisa feita em abril, a diferença entre os dois foi de 9 pontos.

A sondagem ouviu 1.500 pessoas entre os dias 14 e 19 de maio. As entrevistas foram feitas por telefone, com ligações tanto para fixos residenciais quanto para celulares. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral com o número BR-01734/2022. A EXAME/IDEIA é um projeto que une EXAME e o IDEIA, instituto de pesquisa especializado em opinião pública.

Exame

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Bolsonaro vai encontrar Elon Musk em SP nesta sexta-feira (20)

Foto: Reprodução

 

O presidente Jair Bolsonaro (PL) terá encontro no final da manhã desta sexta-feira (20.mai.2022) com o empresário Elon Musk, dono da Tesla e da SpaceX, em Porto Feliz (SP).

Musk vem ao Brasil para reunir-se com empresários que integram o projeto Conecta Amazônia. Seu interesse está focado nas operações da Starlink, a divisão de satélites da SpaceX, na região amazônica. Quer prover serviços de banda larga.

Em live na noite de quinta-feira (19.mai), o presidente afirmou que teria um encontro reservado com “pessoa muito importante, reconhecida no mundo todo”. Não mencionou o nome de Musk. “Essa pessoa veio para ajudar nossa Amazônia”.

Bolsonaro será acompanhado pelos ministros Ciro Nogueira (Casa Civil), Augusto Heleno (Segurança Institucional), Paulo Sérgio Nogueira (Defesa), Carlos França (Relações Exteriores) e Fábio Faria (Comunicações).

Musk negocia neste momento a aquisição do Twitter. O acordo não foi formalizado. Além do valor, questionado pelo empresário, há dúvidas sobre a quantidade de robôs e de contas falsas na rede social. Musk já perdeu US$ 49 bilhões desde que anunciou interesse no negócio.

Poder360

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cidades

Urbana recolhe 8 mil pneus descartados em Natal e mais da metade com foco de Aedes aegypti

Foto: Divulgação

As equipes de limpeza da Urbana recolheram quase 8 mil pneus nas últimas três semanas em Natal e 60% deles tinham foco do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, da chikungunya e do zika vírus.

Os dados foram revelados nessa quinta-feira (19) pela Secretaria Municipal de Saúde de Natal (SMS), segundo a Inter TV Cabugi.

Natal vive uma epidemia de arboviroses, declarada no último dia 11 de maio, e a prefeitura decretou situação de emergência por causa do aumento de casos das doenças na quarta-feira (18).

A orientação da Secretaria Municipal de Natal é de que as pessoas não descartem pneus em locais onde eles fiquem expostos à chuva, pois podem acumular água, onde o mosquito consegue procriar.

Os pneus devem ser descartados, de preferência, no ecoponto da prefeitura na Cidade da Esperança ou em borracharias cadastradas na prefeitura, que podem ser consultadas através do telefone 3232-8234.

g1 RN

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Estados estimam perda de R$ 100 bilhões com teto para ICMS

Foto: REUTERS/Amanda Perobelli

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), disse nesta quinta-feira (19), que vai colocar em votação na próxima terça-feira (24) a lei que classifica combustíveis, energia elétrica, telecomunicações e transportes como bens e serviços essenciais, com alíquota máxima de ICMS de 17%.

O anúncio vem menos de 24 horas depois do encontro entre Lira e o ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida. O parlamentar cobrou uma ação da pasta para evitar novos reajustes na conta de luz, já aprovados pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

“Vamos ver em um debate altivo a participação da Câmara, do Senado, e de outros poderes, para que a gente desonere e diminua os impostos sobre esses setores que se tornarão essenciais”, disse Lira.

Hoje, o imposto sobre energia varia em cada estado. Roraima tem a menor alíquota: 17%. A média no país é de 26%. Mas alguns estados como Minas Gerais e Rio Grande do Sul cobram 30% de ICMS. O Rio de Janeiro tem a maior alíquota: 32%.

Significa que o teto proposto deve trazer algum alívio na conta de luz. A Associação Brasileira de Distribuidoras de Energia Elétrica (Abradee) estima uma redução de 10% para o consumidor.

A alíquota máxima de 17% do ICMS também fica abaixo da média nacional para a gasolina, que hoje é de 27% e de 18,7% no etanol. Mas acima da incidência média para o diesel, que é de 13,8%. Mesmo assim, a iniciativa é criticada pelos secretários de Fazenda estaduais, que preveem perdas bilionárias com a queda na arrecadação de energia e combustíveis.

CNN Brasil

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

VÍDEO: Bolsonaro não garante reajuste de 5% a funcionários públicos

Foto: Reprodução/Twitter

O presidente Jair Bolsonaro (PL) disse nesta 5ª feira (19.mai.2022) que o reajuste salarial de 5% para os funcionários públicos ainda é incerto. “Não estou dizendo que vai acontecer”, declarou durante sua live semanal.

Em abril, o presidente se reuniu com o ministro da Economia Paulo Guedes e outros integrantes do governo para preparar reajuste para todos os funcionários públicos federais.

Veja o vídeo abaixo:

Segundo Bolsonaro, o governo não tem os recursos necessários para o reajuste de 5%, que deve equivaler a R$ 7 bilhões em cortes nos ministérios.

O chefe do Executivo destacou não ter como “ir além” e disse que, se tivesse de onde retirar os recursos, daria reajustes de 10%, 15% e 20%. “Estou no limite aqui”, acrescentou Bolsonaro.

Ele ainda reiterou que o orçamento é pequeno porque o país passa por um “momento difícil” devido à pandemia – que, de acordo com ele, reflete na inflação. Bolsonaro disse que vai esperar por uma próxima reunião com os presidentes dos sindicatos dos funcionários.

Poder360

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *