Brasil terá a maior fábrica de vacinas da América Latina

Foto: Peter Ilicciev/Fiocruz

A Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) e a Companhia de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio de Janeiro (Codin) assinaram na quinta-feira (17) acordo para instalação da maior fábrica de vacinas da América Latina.

O Complexo Industrial de Biotecnologia em Saúde vai ocupar uma área de 580 mil metros quadrados e terá capacidade de produção de 120 milhões de frascos de vacinas e biofármacos por ano e será instalada em Santa Cruz, na zona oeste do Rio de Janeiro.

As vacinas contra meningite, hepatite e tríplice bacteriana, que atualmente são importadas, vão passar a sair do polo. O acordo prevê a construção de nove prédios e a inauguração está prevista para 2023 e deverá gerar 5 mil empregos diretos. O complexo será responsável por toda produção de vacinas da Fiocruz, inclusive a de covid-19, quando esta for aprovada.

Agência Brasil

Cuckold, o fetiche em que o homem tem prazer em ouvir, ver ou liberar a parceira para sexo com outros, é um dos termos mais pesquisados no Google atualmente no país

Foto: Pexels/Reprodução

Há alguns meses um termo novo relacionado a fetiche começou a aparecer com certa frequência nas redes sociais e nas buscas on-line: cuckold. Trata-se da prática em que o homem gosta que sua parceira tenha relações com outras pessoas.

No Brasil, a frequência de busca do termo no Google teve um aumento de cerca de 800% nos últimos 15 anos. A quantidade de pornografia relacionada ao tema também é grande. Só no XVideos, pesquisar por “Cuckold Brasil” aponta mais de 42 mil vídeos sobre a prática.

O que é Cuckold?

Para explicar o que é esse fetiche, o Delas conversou com o psicólogo especialista em sexualidade do Sexo sem Dúvida, Marcos Santos. O termo cuckold é derivado da língua inglesa. Ele explica que se trata de um fetiche de alguns homens em ter a parceira transando com outros homens.

Independente da pessoa ter uma uma relação aberta ou um casamento monogâmico, se o parceiro sente prazer em ouvir, ver ou mesmo ter conhecimento de que sua parceira tem relações deixais com outras pessoas, ele se enquadra nessa fetiche. Não há infidelidade, pois há total consentimento entre as partes.

“No Brasil a figura do ‘corno’ ainda hoje é algo pejorativo e motivo de vergonha para os homens. Ser trocado, sentir-se traído, ser comparado a outros homens, sempre foram temores masculinos. Com o avanço das informações sobre sexo, relacionamentos e o acesso facilitado pela Internet, este fetiche saiu dos bastidores para ganhar fama justamente por despertar antigos medos, mas também possíveis desejos”, acrescenta.

Como o fetiche funciona?

O especialista explica que esse fetiche se enquadra na vertente que envolve masoquismo e voyerismo (quando a pessoa sente prazer sexual em ver ou ser visto por outras pessoas). Existem várias formas e cada casal encontra a que achar melhor para o bem-estar dos dois. Por se tratar do universo das fantasias sexuais, o cuckold pode levar às mais diferentes práticas. Por exemplo:

– A parceira encontra um outro homem e depois conta os detalhes para o parceiro.

– Ela volta para casa com outro homem, enquanto o parceiro fica no ambiente ao lado escutando toda interação.

– A mulher encontra outro homem e grava o encontro. Depois exibe o vídeo para o parceiro.

– O casal também pode usar o voyeurismo, no qual o parceiro apenas observa a relação sexual entre sua mulher e o amante.

Também vale participação ativa do parceiro no sexo, com envolvimento no ato sexual e alternando com a observação.

E quando são as mulheres que gostam de ser traídas?

De fato, o cuckold não é só para homens. As mulheres também têm vez no fetiche. As cuckquean, como são chamadas a mulheres praticantes, gostam de ver os parceiros fazendo sexo com outras mulheres.

Assim como na versão masculina, as mulheres também podem ter prazer em ouvir, assistir e até mesmo participar da relação sexual com o marido e a amante. Há inclusive aquelas que gostam de escolher as mulheres com quem seus parceiros devem sair (seja no swing, entre amizades ou mesmo uma profissional contratada).

É sempre bom lembrar que não existe traição dentro do fetiche cuckold. Toda a prática é acordada por ambas as partes. Se alguém trai fora do combinado, não há fetiche envolvido, e sim falta de consideração.

“Se para o homem pensar em sua parceira com outro cara gera ameaça e sofrimento, então o cuckold não se aplica. Para este tipo de prática é muito importante ter uma relação de muito diálogo, maturidade e sinceridade. Se estão a fim de experimentar, regras também se aplicam a este tipo de fetiche. Qualquer coisa que envolva sexo necessita do consentimento das duas partes.”, encerra.

Existem brinquedos sexuais para quem quiser fazer isso?

Alguns casais utilizam cintas de castidade, modelos onde o pênis é colocado em sextoys que impedem a masturbação. Nessa situação, o homem pode ver sua parceira transando, mas não é permitido se masturbar enquanto assiste. Pode também ser algemado e vendado para apenas ouvir o sexo rolando.

Existem também casas de swing cuja temática da noite é justamente cuckold. Além disso, existem redes sociais como a Mundo Erótico, Fetlife e Sexlog que possuem grande audiência vinda justamente dos cucks (apelido dado aos apreciadores-adeptos da prática).

IG

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Macho todo disse:

    Os adeptos de Bolsonaro odeiam falar de sexo. Sobretudo de homem com mulher. Vá entender….

  2. natal sofrida disse:

    PRIMEIRO FOI A VIADAGEM, AGORA É A CORNAGEM. QUEREM TRANSFORMAR O PAÍS E O MUNDO NUM CABARÉ! PQP!!!!!!! O NOME DISSO É CHIFRE MEU FILHO!!!!!!

  3. Paulo disse:

    Isso é doença.
    Ficam dando nomes engraçados em vez de buscar tratamento.

  4. Toni disse:

    GENTE SO MUDOU O NOME CORNAGEM OU CORNO E MUITO FEIO E MELHOR CUCKOLD SOA MAIS LEVE MAIS AGRADAVEL E AINDA MAIS E O CORNO QUE QUER SER CORNO OUTROS TEMPOS GENTE OUTROS TEMPOS TAQUI PARIU!!!!!!!!!!!!!

  5. Manoel disse:

    corno na plateia

  6. Eu e uzotu disse:

    Há muito estão tentando dar normalidade e aceitação na marra de perversões sexuais.

    • Minion alienado disse:

      Provavelmente você deve ser um dos que desejam o fetiche e apenas expressa um discurso conservador.

  7. Onaireves Caba de Pêia disse:

    O caba que tem esse prazer, se projeta na mulher. Gostaria de estar no lugar dela.
    Cuck significa cuco. A ave é tipo um corno-xuxa na cultura anglófona.
    Aquele que fica tomando conta dos baixinhos, enquanto a fêmea se diverte.

  8. Onaireves Caba de Pêia disse:

    Parece a direita isentona, nutella, cheia de prudência & sofisticação, leite de soja, farialimer, isentoleft, que-não-gosta-da-polarização, mas que gosta de apanhar (fetiche?) de esquerdista para parecer progressoca e isentona. É o MBL, RenovaBR, turminha do Huck que adoram elogiar figuras como Molon ou Freixo.

  9. JSL disse:

    Como é o nome desse negócio aí?
    Cu o quê?

  10. Onaireves Caba de Pêia disse:

    Conta pontos como cornagem no prontuário?

  11. Observando. disse:

    Mudou de nome? Eu pensava q era cornagem.

  12. Ton Lopes disse:

    Menos em Natal, aqui não tem isso! Não, não tem! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

IBGE: Taxa de desemprego sobe na pandemia e chega a 14,3%, atingindo 13,7 milhões

Foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press

O desemprego na pandemia atingiu, na última semana de agosto, o maior patamar da série histórica, iniciada em maio, segundo a Pnad Covid19 (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Covid), divulgada nesta sexta-feira (18) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A taxa de desocupação ficou em 14,3% no período, atingindo 13,7 milhões de pessoas no Brasil.

A coordenadora da pesquisa, Maria Lucia Vieira, afirma que, em maio, a taxa era de 10,5% e que a alta foi motivada por variações negativas da população ocupada e pelo aumento de pessoas que passaram a buscar trabalho.

“No início de maio, todo o mundo estava afastado, em distanciamento social, e não tinha uma forte procura [por emprego]. O mercado de trabalho estava em ritmo de espera para ver como as coisas iam se desenrolar. As empresas estavam fechadas e não tinha local onde essas pessoas pudessem trabalhar. Então, à medida que o distanciamento social vai sendo afrouxado, elas vão retornando ao mercado de trabalho em busca de atividades”, afirma Maria Lucia.

O IBGE diz que o número de pessoas ocupadas que estavam afastadas do trabalho por causa do isolamento social foi reduzido em 363 mil e esse contingente passou a 3,6 milhões, o que representa 4,4% de toda população ocupada (82,2 milhões).

Dos 76,1 milhões de pessoas que estavam ocupadas e não foram afastadas do trabalho, 8,3 milhões trabalhavam remotamente.

Atividades escolares

Segundo o IBGE, 7,2 milhões de estudantes não tiveram atividades escolares na 4ª semana de agosto. O número permaneceu estável em relação à semana anterior. As férias foram apontadas como motivo para 970 mil alunos não realizarem atividades escolares.

Já o contingente de estudantes que tiveram essas atividades ficou em 37,4 milhões.

R7

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jailson disse:

    O governo Bolsonaro é o maior desastre q esse país já conheceu

  2. Manoel disse:

    135 MIL MORTOS nao foram suficientes para o gado.
    Pense um povo que precisa tratamento.

    • Ashtar disse:

      Tudo graças aos governadores de esquerda que resolveram peitar o MITO. Tome pra deixarem de ser bestas. Agora consertem a bagunça

  3. Luciano disse:

    Fique em casa! Só procure o médico quanto estiver com falta de ar!

  4. Pixuleco disse:

    Fique em casa , a economia v depois.

Criminoso mais procurado do Brasil tem prisão ‘cinematográfica’

Foto: Reprodução

A polícia prendeu, na manhã desta quinta-feira (17), Luciano Castro de Oliveira, conhecido como o “Zequinha”, o criminoso mais procurado do Brasil. O homem foi encontrado vivendo em um sítio na cidade de Tejupá, no interior de São Paulo.

A ação, considerada cinematográfica, contou com o policiamento náutico para atravessar um rio, uso de drones para ter uma vista aérea do local e várias viaturas. Cães da polícia também foram levados para farejar caso o criminoso fugisse.

Zequinha é suspeito de ser o autor e líder de quadrilhas que atuam em roubos contra empresas de transportes de valores, agências bancárias e redes varejistas de eletroeletrônicos na região de Campinas. Para tais crimes, usava de explosivos e armamentos de grosso calibre.

Casa onde Zequinha foi preso nesta quinta-feira (17). Foto: Reprodução

Currículo extenso

Zequinha, tem 46 anos, e é natural de Campo Mourão, no Paraná. Ele aparece na lista dos criminosos mais procurados do país pelos crimes de roubos e associação criminosa.

Ele é suspeito de envolvimento no assalto que ocorreu no Paraguai em 2018, que deixou um prejuízo de cerca de R$ 120 milhões a uma transportadora de valores.

Segundo o Ministério da Justiça, em 1992, Zequinha foi condenado por roubo ao BIC (Banco Comercial Industrial) em Campinas. Foi libertado em 1994, por indulto presidencial. Ele também foi condenado, em outros processos judiciais, por porte ilegal de arma, uso de documento falso, roubo, formação de quadrilha, latrocínio, extorsão e sequestro.

Em 2005, foi preso novamente por formação de quadrilha e uso de nome falso. A quadrilha estava cavando um túnel em direção a um banco em São Paulo. Logo em seguida, obteve liberdade. Em 2006, foi investigado pela tentativa de furto ao ABN Amro.

R7

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. aof disse:

    Com esse historico, alguem acredita que esse bandido quer se "ressocializar"?

  2. Gérson Canhota disse:

    Já foi solto meia dúzia de vezes… mais uma daqui a pouco.

  3. Cunhaú disse:

    Pelo histórico, será solto quando?

  4. Manoel disse:

    Daqui a pouco essa vítima da sociedade estará solta novamente…

“Brasil está de parabéns pela maneira como preserva o seu meio ambiente”, diz Bolsonaro

 Foto: Marcos Correa / Divulgação

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira (17) que o “Brasil está de parabéns” pela forma como preserva o seu meio ambiente. A declaração foi dada durante a inauguração de uma usina fotovoltaica no interior da Paraíba e acontece em meio ao aumento recorde nas queimadas no Pantanal e um dia depois de um grupo de oito países enviar uma carta ao governo brasileiro afirmando que o desmatamento pode prejudicar as compras de produtos brasileiros.

— O Brasil é o país que mais preserva o meio ambiente e, não entendo como, é o país que mais sofre ataques no tocante ao seu meio ambiente. O Brasil está de parabéns pela maneira como preserva o seu meio ambiente. — afirmou Bolsonaro durante a cerimônia.

Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) indicam um aumento de 208% nas queimadas no Pantanal entre 1º de janeiro e 16 de setembro deste ano em relação ao mesmo período de 2019. Neste ano, foram registrados 15.756 focos de incêndio no bioma, o maior número desde que o monitoramento começou. Segundo o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), pelo menos 2,9 milhões de hectares do Pantanal já foram destruídos pelo fogo, o equivalente a 19% de toda a sua área. Na Amazônia, o aumento das queimadas é de 12%.

Em relação ao desmatamento na Amazônia, o Inpe detectou um aumento de 34,5% entre agosto de 2019 e julho de 2020 em comparação com o mesmo período dos anos de 2018 e 2019.

Na quarta-feira, um grupo composto pela Alemanha, Holanda, Bélgica, Reino Unido, França, Itália, Noruega e Dinamarca enviou uma carta ao governo brasileiro dizendo que a alta no desmatamento no Brasil dificultava investimentos e transações comerciais de empresas desses países como Brasil.

“Enquanto os esforços europeus buscam cadeias de suprimentos não vinculadas ao desflorestamento, a atual tendência crescente de desflorestamento no Brasil está tornando cada vez mais difícil para empresas e investidores [da Europa] atender a seus critérios ambientais, sociais e de governança”, diz um trecho da carta.

O grupo, que, exceto pela Bélgica, faz parte da Parceria das Declarações de Amsterdã, diz que a sociedade civil europeia está preocupada com as taxas de desmatamento registradas recentemente no Brasil.

“Os países que se reúnem através da Parceria das Declarações de Amsterdã compartilham da preocupação crescente demonstrada pelos consumidores, empresas, investidores e pela sociedade civil Europeia sobre as atuais taxas de desflorestamento no Brasil”, disse o grupo.

Na quarta-feira, ao chegar ao Palácio da Alvorada, Bolsonaro já havia feito críticas aos comentários fora do país sobre o aumento das queimadas no país. Segundo ele, as críticas internacionais são “desproporcionais”.

“(Existem) críticas desproporcionais à Amazônia e ao Pantanal. A Califórnia está ardendo em fogo, a África tem mais foco que o Brasil”, afirmou o presidente.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Medeiros disse:

    Os que acreditam na fala dele entendem muito de política ambiental, política externa e política econômica. No primeiro trincado ele muda a tática e diz que não disse bem isso. Ò magote de marmanjo babaca pra ter político de estimação. A maioria é desonesta e Bolsonaro tá no meio.

  2. Medeiros disse:

    Esse piadente é uma piada!

  3. Maria Bernardes disse:

    Cretino! Ainda deboochá…
    Fico indignada com esses débeis mentais idolatrando político ignorante e inconsequente .

  4. Santos disse:

    Em outraa palavras, quer dizer:
    Podem queimar!

  5. Ubaldo disse:

    Esse é meu presidente!!
    Mito até 2026
    Disparado.
    O choro é livre.
    PT acabou!!!

  6. Dinho disse:

    Os anti Bolsonaro ficam malucos… saiam das redomas que vivem, e abram suas mentes. Ele tem razão, mas os incêndios que continuam, são criminosos, para tentar culpar nosso Presidente. E mesmo assim, existe um combate e instrumentos bons pra tanto.

  7. Fernando disse:

    O verdadeiro Nero, o fogo destruído o meio ambiente e ele rindo.

  8. Julia disse:

    Be quiet Magda!!!

  9. Manoel disse:

    Esse senhor é um lixo!
    Pior quem o apoia.

  10. Lula na cadeia já disse:

    O Mito tem razão!!!

    #EuVotoBolsonaroPresidente2022

  11. Cidadão Indignado disse:

    Esse cara é um doente mental mesmo! Que dissimulado! Petistas radicais, direita radical, centro radical e o rebanho de seguidores: TUDO LIXO! Essa é a política porca que temos. Bando de sem futuro.

    • VTNC disse:

      Os ruminantes canhotos sempre revoltados, tudo abstinência das mamatas né ?

  12. Aderbal. disse:

    Piada?

Fome no Brasil: em 5 anos, cresce em 3 milhões o nº de pessoas em situação de insegurança alimentar grave, diz IBGE

Dados do IBGE mostram o número de pessoas em situação de fome em cada unidade da federação — Foto: Economia/G1

Depois de recuar em mais da metade em uma década, a fome voltou a se alastrar pelo Brasil. Em cinco anos, aumentou em cerca de 3 milhões o número de pessoas sem acesso regular à alimentação básica, chegando a, pelo menos, quase 10,3 milhões o contingente nesta situação. É o que apontam os dados divulgados nesta quinta-feira (17) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O levantamento foi feito entre junho de 2017 e julho de 2018 e apontou piora na alimentação das famílias brasileiras. Entram na conta somente os moradores em domicílios permanentes, ou seja, estão excluídas do levantamento as pessoas em situação de rua, o que poderia aumentar ainda mais o rastro da fome pelo país.

Classificado pelo IBGE como segurança alimentar, o acesso pleno e regular aos alimentos de qualidade – em quantidade suficiente, sem comprometer o acesso a outras necessidades essenciais – atingiu o menor patamar em 15 anos.

“Ao olhar para a série histórica, a gente observa que houve diminuição da segurança alimentar e o consequente aumento dos índices de insegurança alimentar entre a população brasileira”, enfatizou o gerente da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) do IBGE, André Luiz Martins Costa.

O pesquisador destacou que a fome está mais presente nas áreas rurais do país, porque “as pessoas que estão em meio urbano conseguem mais alternativas [de alimentação] que aquelas que vivem nas áreas rurais”, afirmou.

De acordo com a pesquisa, 63,3% dos domicílios no Brasil tinham a chamada segurança alimentar, abaixo dos 65,1% apurados em 2004, quando tem início a série histórica do levantamento. O IBGE destacou que este percentual cresceu, consecutivamente, nas duas pesquisas seguintes, realizadas em 2009 e 2013, mas retrocedeu ao mínimo histórico em 2018.

A maior cobertura da segurança alimentar foi registrada em 2013, quando chegou a 77,4% o total de domicílios em que a alimentação podia ser considerada como plena e regular.

Na comparação com 2013, o número de domicílios com segurança alimentar teve queda de 13,7%. Em contrapartida, aumentou em 71,5% o número de domicílios com insegurança alimentar.

O IBGE classifica a insegurança alimentar em três níveis – leve, moderada e grave – da seguinte maneira:

Insegurança alimentar leve: há preocupação ou incerteza quanto acesso aos alimentos no futuro, além de queda na qualidade adequada dos alimentos resultante de estratégias que visam não comprometer a quantidade de alimentação consumida.

Insegurança alimentar moderada: há redução quantitativa no consumo de alimentos entre os adultos e/ou ruptura nos padrões de alimentação.

Insegurança alimentar grave: há redução quantitativa de alimentos também entre as crianças, ou seja, ruptura nos padrões de alimentação resultante da falta de alimentos entre todos os moradores do domicílio. Nessa situação, a fome passa a ser uma experiência vivida no lar.

Foi a insegurança alimentar moderada a que mais cresceu percentualmente entre os domicílios brasileiros entre 2013 e 2018 – uma alta de 87,53%. A insegurança alimentar leve teve alta de 71,5% no mesmo período, enquanto a grave, que caracteriza a fome, aumentou em 48,8%.

Fome tem maior prevalência em áreas rurais

Embora o maior número das pessoas em situação de miséria alimentar viva em áreas urbanas, é nas áreas rurais que a fome é mais prevalente.

De acordo com o IBGE, dos cerca de 10,3 milhões de famintos no país, 7,7 milhões viviam em perímetro urbano, enquanto 2,6 milhões, em regiões rurais. Todavia, proporcionalmente, estes números representavam, respectivamente, 23,3% do total da população que vivia em área urbana e 40,1% da população rural.

“As pessoas que estão em meio urbano conseguem mais alternativas para a sua alimentação, substituindo itens com maior facilidade que na área rural, que tem menor variedade de alimentos disponíveis”, apontou o gerente da pesquisa, André Costa.

Quase metade dos famintos vive no Nordeste

(mais…)

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jailson disse:

    Desde o impeachment de Dilma q o Brasil só desce a ladeira

  2. GCF disse:

    Boa tarde!
    Caros comentaristas,
    A crise econômica vem desde 2009 e, além do componente internacional, houve a "contribuição" nacional. O país vem sendo dilapidado desde que o PT havia assumido o cargo maior do poder executivo federal. Mesmo com a criação do bolsa família, baseado em auxílios sociais do governo Fernando Henrique, entre outras ajudas. Os governos do PT não investiram em educação básica e fundamental. Investiu nas escolas técnicas e um pouco no ensino superior. Adotou política de cotas raciais quando o mais justo e correto seriam cotas por baixa renda. Não ensinou o pescador a pescar. Prefiriu dar o peixe pronto. O pior de tudo foi se utilizar de corrupção para se perpetuar no poder, entregando migalhas nos programas sociais. Mensalão utilizado para aprovar projetos e leis de seu próprio interesse, como já escrevi e repito: se perpetuar no poder. A grande "invenção": a "CLEPTOCRACIA". E a prática se "aperfeiçoou" com o Petrolão e outras práticas mostradas e provadas pela operação Lava-Jato e outras operações da Polícia Federal e do Ministério Público. Toda essa avassaladora corrupção deixou o país muito enfraquecido economicamente. Mas, se Deus quiser, logo sairemos deste lamaçal que a esquerda nos empurrou.
    Deste modo, o entitulado "Historiador" deveria estudar mais para poder ensinar aos seus alunos a real história e não "estórias da carochinha".

  3. Francisco Faz de Contas disse:

    NÃO ERA SÓ TIRAR A DILMA?

  4. Historiador disse:

    Na era PT eu me formei, pos-graduei, passei em concurso do município, vários, estado e federal.

    Se você não tem competência não vem botar a culpa no PT porque eles criaram condições pra quem queria mudar de vida.

    Fica a dica pra os alienados.

    Quando esse governo terminar se tiver sorte ainda haverá cargos públicos pra se ocupar através de concurso.

    Chupa essa bolsolândia.

  5. Cap. Tomahawk disse:

    Esse tal de "em situação de" é o novo "a nível de".

  6. Manoel disse:

    É só tirar o PT do poder.
    Voltamos para as cavernas.
    Parabéns aos envolvidos.

    • Ricardo Carvalho disse:

      O cara é roubado por 16 anos e ainda sonha com a volta do ladrão! Se conforme, a eletrolula faliu e seus postes não acendem mais… kkkkkkkkkkkkkkkkk

    • Cap. Tomahawk disse:

      Se o PT tivessse ainda, seria muito pior.

    • Aldália Jussara disse:

      Se vc não leu direito, foi exatamente na era PT. A pesquisa foi feita entre 2017 e 2018. PT caminhando para deixar o Brasil uma Venezuela, mas os brasileiros acordaram antes!

    • Felipe disse:

      Como é possível? O PT roubando e o Brasil em situação melhor que agora, com o presidente honestao…

    • Cap. Tomahawk disse:

      Pois é, Adália. Tudo na ressaca dos anos de crescimento negativo do PIB nos estertores do PT.

    • VTNC disse:

      Rumina bem !!!

Brasil tem uma das cervejas mais baratas do mundo; veja ranking

(Jack Andersen/Getty Images)

O Brasil está na lista dos países com a cerveja mais barata do mundo. Uma pesquisa realizada pela Numbeo e divulgada pela plataforma de desconto online Cuponation apontou que o Brasil ocupa a 71ª posição no ranking de preços.

A pesquisa calculou o preço do produto tendo como base 0,5 litro. No país, meio litro da bebida custa US$ 1,02, aproximadamente 5,45 reais. O levantamento destaca que o valor é uma média de todos os estados brasileiros. Na grandes capitais, os preços podem chegar a ser o dobro ou até mais pelo mesmo ml do produto.

Entre os países com a cerveja mais barata estão Uzbequistão (US$ 0,57) Irã (US$ 0,59) e Bósnia (US$ 0,69). Já entre os com meio litro da bebida mais cara estão o Catar (US$ 9,00), e a Jordânia (US$ 5,50). Veja ranking abaixo:

Ranking Países Quanto custa mpeeio litro da cerveja em US$
1 Catar 9.03
2 Jordânia 5.50
3 Omã 4.14
4 Austrália 3.96
5 Noruega 3.60
6 Emirados Árabes 3.58
7 Cingapura 3.54
8 Bahrain 3.19
9 Irlanda 3.08
10 Nova Zelândia 3.06
11 Palestina 2.94
12 Bangladesh 2.91
13 Islândia 2.82
14 Finlândia 2.81
15 Israel 2.74
16 Japão 2.56
17 Estados Unidos 2.36
18 Canadá 2.32
19 França 2.31
20 Malásia 2.29
21 Coreia do Sul 2.24
22 Reino Unido 2.20
23 Indonésia 2.18
24 Kuwait 2.16
25 Marrocos 2.12
26 Nepal 2.08
27 Suíça 2.04
28 Dinamarca 2.04
29 Bolívia 1.99
30 Suécia 1.89
31 República Dominicana 1.88
32 Quênia 1.86
33 Costa Rica 1.82
34 Tailândia 1.81
35 Malta 1.81
36 Hong Kong 1.78
37 Líbano 1.78
38 Índia 1.75
39 Jamaica 1.75
40 Turquia 1.70
41 Bélgica 1.64
42 Sri Lanka 1.64
43 1.63
44 Arábia Saudita 1.63
45 Paquistão 1.63
46 Grécia 1.60
47 Trinidad e Tobago 1.60
48 Egito 1.60
49 Croácia 1.59
50 Uruguai 1.59
51 Estônia 1.58
52 Itália 1.58
53 Peru 1.56
54 Iraque 1.54
55 Guatemala 1.51
56 Argélia 1.49
57 Chipre 1.40
58 Letônia 1.34
59 Equador 1.34
60 Lituânia 1.34
61 Honduras 1.32
62 Eslovênia 1.29
63  Holanda 1.29
64 Chile 1.28
65 Áustria 1.28
66 África do Sul 1.24
67 Portugal 1.22
68 El Salvador 1.12
69 Filipinas 1.08
70 Alemanha 1.03
71 Brasil 1.02
72 Montenegro 1.02
73 Espanha 1.01
74 Panamá 1.00
75 Argentina 1.00
76 México 0.99
77 Azerbaijão 0.96
78 Moldávia 0.95
79 Georgia 0.93
80 Tunísia 0.92
81 Eslováquia 0.91
82 Armênia 0.88
83 Hungria 0.88
84 Albânia 0.88
85  Bielo-Rússia 0.87
86 Polônia 0.86
87 Macedônia 0.84
88 Romênia 0.84
89 Colômbia 0.82
90 Rússia 0.81
91 Paraguai 0.80
92 Kosovo 0.79
93 China 0.79
94 Bulgária 0.78
95 Cazaquistão 0.77
96 República Checa 0.77
97 Vietnã 0.76
98 Nigéria 0.75
99 Ucrânia 0.70
100 Sérvia 0.70
101 Bósnia 0.69
102 Irã 0.59
103 Uzbequistão 0.57

Litros de cerveja

Segundo um levantamento anterior realizado pelo Cuponation, os brasileiros consomem cerca de 6 litros de cerveja mensais. Supondo que o valor a ser avaliado com este dado seria o de um salário de R$1.045, foi registrado que os brasileiros gastam em média 6,26% do salário mínimo com a cerveja nacional.

A situação pode mudar. Com a alta do dólar, que acumula ganhos de mais de 30% desde janeiro, os produtores de cervejas podem reajustar os preços. O grupo Heineken, por exemplo, será um deles. Em live realizada pela EXAME, o presidente da companhia, Maurício Giamellaro explicou que cerca de 70% dos insumos usados na produção da cerveja são precificados em dólar, como malte e lúpulo, principais ingredientes das cervejas do grupo, e até o vidro das embalagens.

Além da alta do dólar, outro fator que pode impactar nos preços é a quarentena, que impactou na procura no consumo de bebidas em casa. Isso acarretou uma demanda por latas de alumínio superior à produção da matéria-prima. Apesar do retorno do comércio, o volume de garrafas de vidro retornáveis ainda segue em baixa nos estoques. Os comentários foram feitos por um relatório divulgado pelo Credit Suisse nesta semana. O banco acredita que a cerveja pode subir 5% no mês de setembro.

Exame

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Lucas disse:

    Se as cervejas do Brasil são umas bostas, imagine as do Uzbequistão kkk

  2. Joao Paulo disse:

    Partiu Uzbequistão!

Brasil reconhece situação de refugiado a 7.786 venezuelanos

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O Comitê Nacional para os Refugiados (Conare) publicou nesta terça-feira (15), no Diário Oficial da União, despacho formalizando o reconhecimento da condição de refugiado de mais 7.786 venezuelanos que já vivem no Brasil.

A aprovação destas solicitações de refúgio ocorreu em 28 de agosto, durante a 148ª reunião ordinária do Conare. Como os processos de reconhecimento da condição de refugiados são legalmente confidenciais, o comitê não divulga os nomes ou outros detalhes que permitam a identificação das pessoas cujos pedidos são acolhidos ou indeferidos.

No Brasil, qualquer pessoa que solicite o refúgio é autorizada a permanecer no país até a decisão final sobre o pedido. O solicitante tem o direito de utilizar os serviços públicos universais e pode obter os principais documentos de identificação, tais como Cadastro de Pessoa Física (CPF) e a Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS).

Uma vez reconhecido seu status, o refugiado tem autorização de residência por prazo indeterminado e pode, após quatro anos, requerer sua naturalização como brasileiro. O refugiado também pode solicitar a extensão dos efeitos de sua condição para membros de sua família e solicitar visto de reunião familiar para parentes que estejam fora do Brasil.

Em contrapartida, o refugiado assume o dever de respeitar a legislação brasileira; não exercer atividades contrárias à ordem pública ou à segurança nacional; manter sua documentação com data de validade regular e solicitar ao Conare autorização toda vez que quiser viajar para o exterior – a saída do Brasil sem prévia autorização implica a perda da condição de refugiado.

Segundo o porta-voz da agência da Organização das Nações Unidas para Refugiados (Acnur), Luiz Fernando Godinho, a decisão do Conare oferece maior segurança aos estrangeiros que buscam proteção no Brasil. “É uma decisão muito importante, que protege a milhares de pessoas e demonstra que o Estado brasileiro está comprometido com reconhecer e garantir direitos aos refugiados”, declarou Godinho à Agência Brasil, acrescentando que o reconhecimento formal da condição de refugiados permite que a Acnur e outras instâncias de apoio ajudem os refugiados a se integrarem localmente.

Venezuela

Autoridades brasileiras estimam que mais de 260 mil venezuelanos vivem no Brasil atualmente. Devido à instabilidade política e à crise econômica que há anos afetam seu país, os venezuelanos são, de longe, os mais frequentes solicitantes de refúgio no Brasil. Segundo a Acnur, até julho de 2020, mais de 130 mil venezuelanos tinham pedido refúgio ao Estado brasileiro. Destes, 38.359 tiveram o status reconhecido até junho deste ano, conforme dados disponíveis na plataforma digital mantida pelo Conare e Acnur.

O processo de análise destes pedidos foi favorecido por uma decisão do Conare de junho de 2019. Na ocasião, o comitê classificou a situação que os venezuelanos enfrentam em seu país como uma “grave e generalizada violação de direitos humanos”. Isto teve efeitos práticos. Em outubro, o Conare publicou uma resolução normativa permitindo a adoção de “procedimentos diferenciados” para a avaliação de pedidos de refúgio apresentados exclusivamente por venezuelanos ou apátridas que residiam na Venezuela, eliminando “entraves” e facilitando o processo de determinação da condição de refugiados.

Para o Acnur, tal procedimento é necessário “devido à magnitude dos fluxos de refugiados atuais e aos desafios complexos que sobrecarregaram os sistemas nacionais de refúgio”. A agência da ONU classifica o fluxo de migrantes venezuelanos como o “maior êxodo da história recente da América Latina”. As Nações Unidas estimam que mais de 5 milhões de pessoas deixaram o país nos últimos anos, com destino principalmente à Colômbia.

De acordo com os dados da plataforma digital, dos 46.183 pedidos de refúgio feitos por venezuelanos e analisados pelo comitê até junho deste ano, 34.120 foram protocolados em Roraima e 8.699 no Amazonas. Quanto ao gênero, 26.552 solicitantes são homens, e 19.631 são mulheres. A maioria (23.749) tem entre 30 e 59 anos, seguidos por 19.315 solicitantes de 18 a 29 anos de idade.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Anti PT disse:

    Cada petistas e os que se dizem socialistas deveriam acolher uma família de venezuelanos em suas residências.

  2. Entregador De Pizza disse:

    Como o gado imundo adora julgar. Julga pela nacionalidade, pela cor, pela classe social, por TUDO. Fico imaginando quando encontram um irmão venezuelano pelas ruas, o que devem achincalhar, julgar e zombar, não está escrito. Mas comprar uma cesta básica e amenizar a fome, isso não sabem fazer.

  3. Luciana Morais Gama disse:

    Todos esses venezuelanos conhecem bem o socialismo.

  4. Edison Cunha disse:

    Porque os venezuelanos vieram se refugiar no Brasil?

Taxa de contágio no Brasil da covid-19 é a mais baixa desde abril, aponta levantamento do Imperial College

Praia de Ipanema, na Zona Sul do Rio, lotada no último domingo (13): apesar de estabilização, Covid-19 ainda não foi controlada no país, indica Imperial College Foto: PILAR OLIVARES / REUTERS

A taxa média de transmissão (Rt) da Covid-19 no Brasil é a mais baixa desde abril, aponta levantamento do Imperial College de Londres. Segundo números da universidade britânica, atualizados na última segunda-feira e referentes à semana passada, o índice brasileiro é de 0,90. Os dados reforçam a tendência de estabilização do novo coronavírus no Brasil, apontada anteriormente pelo Imperial College, com leves oscilações para cima ou para baixo.

O atual íindice do Rt, também chamado de R0, indica que cada 100 pessoas contaminadas contagiam outras 90, que por sua vez passam a doença para 88 e assim por diante, freando o contágio. No início da pandemia, esse número era de 2,5.

A taxa de contágio é uma das principais referênciais para acompanhar a evolução epidêmica do Sars-CoV-2 no Brasil. Especialistas costumam ponderar, no entanto, que é preciso acompanhar o Rt por um período prolongado de tempo para atestar a estabilidade, levando em conta o atraso nas notificações e o período de incubação do coronavírus, que chega a 14 dias.

Além disso, por ser uma média nacional, a estabilidade da taxa de contágio não significa que a doença esteja próxima de uma estabilização em todas as cidades e estados do país.

Dentro da margem da universidade britânica, o Rt brasileiro pode variar de 0,8 até 1,21. Em julho, o país apresentou taxa média de 1,01, uma situação definida como “fora de controle”. O Brasil aparece com uma taxa menor do que a de outros países sul-americanos, como Chile (0,96), Paraguai (0,97), Argentina (1,11), Venezuela (1,11) e Equador (1,3).

O Brasil, no entanto, foi o segundo país com mais mortes pela Covid-19 na última semana em todo o mundo, superado apenas pela Índia, e bem à frente dos países vizinhos. De acordo com o Imperial College, 5.007 pessoas faleceram em decorrência do novo coronavírus neste período. Os dados são uma demonstração didática de que a estabilização da taxa de contágios não significa que a epidemia está controlada.

A universidade do Reino Unido projeta que o total de óbitos nesta semana deve se reduzir, mas permanecerá em um patamar ainda elevado: 4,7 mil. O Brasil, que estacionou em um platô alto de casos e mortes pela Covid-19, registrou 132.297 vítimas fatais desde a chegada do Sars-CoV-2 ao Brasil, segundo o último boletim do consórcio de veículos de imprensa formado por O GLOBO, Extra, G1, Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José Macedo disse:

    Essas mídiaslixos procuram sempre uma brecha esdrúxula para manter o índice de óbitos alto , mas estas brechas aos poucos estão se fechando para acabar com as canificinas deles.

Brasil avança no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb); ensino fundamental cumpre meta e ensino médio evolui, embora ainda abaixo do objetivo

Foto: © 04.12.2011/Wilson Dias/Agência Brasil

O Brasil avançou no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) em todas etapas de ensino, mas apenas nos anos iniciais do ensino fundamental, do 1º ao 5º ano, cumpriu a meta de qualidade nacional estabelecida para 2019. Os resultados foram divulgados nesta terça-feira (15) pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

Medido a cada dois anos, o Ideb é o principal indicador de qualidade da educação brasileira. Oíndice registrado nos anos iniciais no país passou de 5,8 em 2017 para 5,9, em 2019, superando a meta nacional de 5,7 considerando tanto as escolas públicas quanto as particulares. Nos anos finais do ensino fundamental, do 6º ao 9º ano, avançou de 4,7 para 4,9. No entanto, ficou abaixo da meta fixada para a etapa, 5,2. No ensino médio, passou de 3,8 para 4,2, ficando também abaixo da meta, que era 5.

O Ideb é calculado com base em dados de aprovação nas escolas e de desempenho dos estudantes no Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (Saeb). O Saeb avalia os conhecimentos dos estudantes em língua portuguesa e matemática. O índice final varia de 0 a 10.

O índice tem metas diferentes para cada ano de divulgação e também metas específicas nacionais, por unidade da federação, por rede de ensino e por escola. A intenção é que cada instância melhore os índices para que o Brasil atinja o patamar educacional da média dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Em termos numéricos, segundo o Inep, isso significa progredir da média nacional 3,8, registrada em 2005 na primeira fase do ensino fundamental, para um Ideb igual a 6 em 2022, ano do bicentenário da Independência. Para os anos finais do ensino fundamental, a meta nacional é 5,5 e, para o ensino médio, 5,2. Esta é a penúltima divulgação do Ideb antes do fim das metas previstas. A próxima será em 2022, referente a 2021.

Desigualdades

Mesmo tendo cumprido a meta de 2019 e estando muito próximo de atingir a meta nacional de 2021, até mesmo os dados dos anos iniciais do ensino fundamental mostram que o país ainda tem uma série de diferenças educacionais quanto analisados os dados regionais, estaduais e municipais.

Na Região Norte, apenas 36,4% dos municípios atingiram a meta para a rede pública, que concentra a maior parte das matrículas na etapa de ensino. O que significa que cerca de seis a cada dez municípios não atingiram a meta. Nessa região, apenas 4,9% das redes públicas municipais têm um índice 6 ou maior. Na Região Sudeste, 73,9% das redes municipais têm Ideb 6 ou mais. A maior porcentagem de redes municipais com Ideb 6 ou mais está no estado de São Paulo, 91,3%.

O Ceará tem a maior porcentagem de municípios que atingiram a meta do Ideb 2019 para as escolas públicas municipais, de 98,9%, seguido por Alagoas, com 92,1%. Por outro lado, no Amapá, Amazonas, Maranhão, Pará, Rio de Janeiro, Rondônia, Roraima, Sergipe e Tocantins menos da metade dos municípios alcançou a meta esperada.

As diferenças seguem pela trajetória escolar. Nos anos finais do ensino fundamental, na rede pública, 631 municípios alcançaram ideb igual a 5,5 ou mais, maior nível considerado. Um a cada três desses municípios está no estado de São Paulo. No outro extremo, 373 municípios têm o índice até 3,4, o nível mais baixo. Desses, 28,7% são municípios da Bahia.

No ensino médio, apenas 9,3% das escolas públicas estaduais, que concentram a maior parte das matrículas na etapa, têm Ideb 5,2 ou mais, nível mais alto considerado para a etapa. Norte e Nordeste estão abaixo da média nacional com, respectivamente, 2,6% e 7,6% das escolas públicas com os maiores índices.

Municípios abaixo da meta

Com o avanço do tempo, as metas ficam também mais ambiciosas e mais escolas acabam ficando para trás. No ano passado, menos municípios conseguiram cumprir as metas sugeridas. Considerando as metas para os anos iniciais do ensino fundamental para as escolas públicas municipais, em 2017, 3,6 mil municípios cumpriram a meta, o equivalente a 70%. Em 2019, esse número caiu para 3,2 mil, ou 62%.

Nos anos finais do ensino fundamental, 1,2 mil, o equivalente a 23% dos municípios conseguiram alcançar a meta para 2019 para as escolas públicas. Em 2017, foram 2,1 mil, o equivalente a 38,5%. Esses dados não foram disponibilizados para o ensino médio.

Avanços na escola pública

Embora o Ideb da rede pública seja, em todas as etapas de ensino, inferior ao da rede particular, foi entre as públicas que o ele apresentou mais avanços. Nos anos iniciais do ensino fundamental, o índice passou, na rede pública, de 5,5 em 2017 para 5,7 em 2019, extrapolando a meta de 5,5 para o ano. Nas privadas, permaneceu 7,1, inferior à meta para essas escolas, que era 7,4 para o ano.

Nos anos finais do ensino fundamental, a rede privada também manteve, em 2019, o Ideb de 2017, que era 6,4 e ficou abaixo da meta de 7,1. Já as públicas passaram de 4,4 para 4,6. Também não cumpriram a meta, que era 5.

O ensino médio foi a única etapa que apresentou avanço também entre as escolas particulares, cujo Ideb passou de 5,8 para 6. O índice ficou, no entanto, abaixo da meta, que era 6,8. Entre as públicas estaduais, índice teve um aumento maior, de 0,4, passando de 3,5 em 2017 para 3,9 em 2019. Mesmo assim, a rede estadual ficou abaixo da meta 4,6.

Agência Brasil

 

Novo ciclone bomba se forma no Sul do Brasil; ventania pode chegar a 80 km/h

Foto: Reprodução/CNN (14.set.2020)

Um novo ciclone bomba está em formação no Sul do país. Mas, diferentemente do fenômeno que causou mortes e destruição em julho, o novo ciclone irá ocorrer longe da costa, o que diminui a chance de catástrofe.

À CNN, o meteorologista André Madeira, da Climatempo, explicou, nesta segunda-feira (14), que o ciclone está em alto-mar e não provocará ventania na mesma intensidade da ocorrida em julho, quando a velocidade dos ventos chegou a 120 km/h.

“Vai provocar rajadas de moderada a forte, especialmente no extremo sul e leste do Rio Grande do Sul e também no leste de Santa Catarina. A gente espera rajadas entre 70 km/h a 80 km/h”, classificou, frisando que “não veremos imagens tão duras” como em julho. “A influência sobre o continente é mais leve.”

Ainda segundo o especialista, “a formação desses ciclones extratropicais é comum nessa época do ano”. Apesar de não trazer riscos, a formação do novo ciclone deve trazer uma massa de ar polar, que causa um frio mais intenso nos estados do Sul do país.

Chuva escura

Água com coloração escura foi coletada por moradores no Rio Grande do Sul. Foto: Reprodução/CNN (14.set.2020)

O especialista ainda explicou outro fenômeno observado no Sul do país. Moradores de São Francisco de Assis, no interior do Rio Grande do Sul, compartilharam imagens de água da chuva com coloração escura.

“Toda essa fumaça provocada pela queimada vai para a atmosfera, e estamos com uma situação em que a circulação dos ventos é de norte para sul, então levanta essa pluma de fumaça em direção ao sul do Brasil”, esclareceu.

Apesar das evidências apontarem para a relação entre a chuva turva e as queimadas que consomem o Pantanal, Madeira afirmou que é necessária uma apuração mais precisa para comprovar essa ligação.

“Mas as chances são grandes e é quase certo que tenha origem nas queimadas no Centro-Oeste do Brasil”, concluiu.

De acordo com imagens do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), a fumaça das queimadas que devastam a Amazônia e o Pantanal começou a chegar nos últimos dias às regiões Sul e Sudeste do país.

Dados do instituto indicam que entre janeiro e agosto deste ano foram registrados 10.153 focos de incêndio no Pantanal – número superior ao total registrado entre 2014 e 2019 (10.048).

CNN Brasil

 

Conmebol fecha acordo com a Band para criar PPV da Libertadores e da Sul-Americana

Foto: Divulgação / Conmebol

A Band e a Conmebol fecharam na manhã deste domingo (13) acordo para a transmissão, em TV por assinatura, da Libertadores e da Copa Sul-Americana. Mas a forma de exibição será diferente e inédita no Brasil, combinando a entidade, junto com Newco, o braço de TV por assinatura do Grupo Bandeirantes, e a FC Diez Media, empresa da IMG que produz conteúdo para as competições nas redes sociais. Este grupo vai montar um canal de pay-per-view para oferecer as partidas que não teriam exibição no país até então. A estreia será na próxima terça (15).

A informação foi publicada inicialmente pelo Máquina do Esporte e confirmada pelo UOL Esporte. A iniciativa é inédita e, neste pacote que será oferecido para o público, terão os jogos que eram até então do Sportv na TV por assinatura, antes de a Globo rescindir o contrato que tinha até 2022.

Ao todo, somente pela Libertadores, serão cerca de 27 jogos exclusivos só na fase de grupos. As partidas da Copa Sul-Americana na TV paga também serão exibidas nesse sistema a partir de outubro, quando o torneio for retomado.

Esse acordo pela Sul-Americana, no entanto, não impede uma janela na TV aberta. A reportagem apurou que RedeTV! e Conmebol continuam conversando por jogos da segunda competição mais importante do continente. Novidades podem acontecer nas próximas semanas.

Inicialmente, os clientes de Net/Claro e Sky, as duas maiores operadoras de TV paga no Brasil, vão carregar inicialmente a nova iniciativa por assinatura. Negociações com a Vivo também ocorrem.

Fontes afirmam que o valor ainda não está fechado, mas será abaixo do que cobra por exemplo o Premiere, serviço de pay-per-view do Campeonato Brasileiro produzido pelo Grupo Globo. A intenção da Conmebol com a iniciativa é aumentar a arrecadação com as competições, já que a entidade perdeu dinheiro com a recente rescisão contratual com a Globo e com o DAZN pelas duas competições. Neste canal premium, além de jogos, programas serão feitos e produzidos pela Band.

Para a Band, é mais um ponto positivo. A emissora está recobrando sua tradição esportiva e vai reviver, a partir do próximo dia 20 deste mês, a maratona esportiva “Show do Esporte”, que exibirá os campeonatos Alemão e Italiano, além do Brasileirão feminino e Sub-20. A apresentação será de Glenda Kozlowiski, ex-Globo e que teve passagem rápida pelo SBT, e Elia Júnior, que comandou a atração em sua fase clássica na emissora do Morumbi, nos anos 1980 e 1990.

No pay-per-view da Conmebol, jogos do contrato de Disney e Facebook não estarão disponíveis. Algumas partidas exibidas no SBT terão transmissão, mas não todas. O canal de Silvio Santos vai mostrar a Libertadores na TV aberta com Palmeiras e Grêmio na próxima quarta (16).

Já a Disney manteve o seu contrato e vai exibir a Libertadores com partidas exclusivas também a partir de terça. O Facebook perdeu a exclusividade dos todos os jogos na quinta, mas continua com partidas apenas com exibição na rede social, com transmissão da equipe do Esporte Interativo.

Entre os jogos já certos para transmissão no serviço de PPV a partir de terça (15) estão compromissos envolvendo Santos e Athletico Paranaense. Partidas de Flamengo e Grêmio, mas próximas rodadas, também estão previstas.

Veja os jogos que serão mostrados pelo pay-per-view da Libertadores AQUI.

UOL

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Observador disse:

    Chupa cabeça de toro.
    Chupa entregador de pizzas.
    Kkkkkkk
    A Globo LIXO vai acabar.
    Tá colhendo os frutos que plantou.
    É Muito bem empregado.
    Kķkkk

  2. Paulo disse:

    Em bares, padarias, clínicas exija que não exibam a rede globo.
    A população não gosta da Globo.
    A população tem que exigir.
    Se não desligar, perde o cliente.

    • Tiago disse:

      Eu gosto mais duma novela que rola beio gay doque uma procaria de uma missa.

  3. Anti PT disse:

    A cada dia que passa a Globo se afunda no mar de lamas que ela mesmo criou.

  4. Edison Cunha disse:

    Rede Globo de Televisão, dá merda ela veio, para a merda ela voltará.

UB-612: Nova vacina contra Covid-19 que apresenta resultados animadores será testada no Brasil

Foto: SIPHIWE SIBEKO / REUTERS

A rede de laboratórios clínicos brasileira Dasa anunciou hoje uma parceria com a Covaxx, divisão da United Biomedical, para testar mais uma vacina contra Covid-19 no Brasil em no mínimo 3.000 voluntários.

O imunizante, chamado de UB-612, é uma vacina baseada em um peptídeo — uma biomolécula relativamente pequena, composta de uma sequência de aminoácidos — que imita a estrutura de proteínas do novo coronavírus e serve como antígeno: faz o sistema imune gerar anticorpos capazes de neutralizar o patógeno.

A vacina está ainda em estágio de conclusão da fase 1, que avalia segurança do produto, num teste em Taiwan. O Brasil vai abrigar pacientes de um teste combinado de fases 2 e 3, que avaliarão simultaneamente a imunogenicidade (a capacidade de induzir produção de anticorpos neutralizantes) e a eficácia (capacidade de proteger de fato contra o vírus).

As empresas afirmam que esperam começar a recrutar pacientes em novembro, após o relatório sob a fase 1 ser submetido à aprovação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

— Nossas equipes já estão discutindo os detalhes para desenhar o protocolo e a logística para acelerar esse processo, mantendo a segurança — afirmou Mei Mei Hu, co-CEO da Covaxx.

A vacina da Covaxx é a décima do mundo a anunciar planejamento de fase 3 e a quinta a entrar em testes clínicos no Brasil. As outras que já anunciaram trabalhos no Brasil são a da AstraZeneca/Universidade de Oxford, a da chinesa Sinovac, a do Instituto Gamaleya (Rússia) e a da multinacional Pfizer.

Segundo Gustavo Campana, diretor médico da Dasa, a rede de laboratórios usará sua base de dados para recrutar os pacientes para o teste. Segundo ele, a empresa já processou mais de 1,5 milhões de exames de Covid-19, e possui os dados necessários para o trabalho.

A Covaxx é uma iniciativa ligada ao bilionário Peter Diamandis, criador da Fundação X Prize, que promove inovação em diversos setores, notadamente no setor espacial.

O teste clínico de fase 2/3 no Brasil será bancado em parte por um aporte de R$ 15 milhões da Dasa e do grupo Mafra Hospitalar e outros R$ 15 milhões das empresas MRV, Localiza e Banco Inter.

Peptídeo sintético

Segundo Diamandis, que participou da entrevista coletiva, os resultados iniciais são animadores.

— Na fase pré-clínica de teste verificamos que o título [concentração] de anticorpos neutralizantes que essa vacina é capaz de gerar é de 100 a 400 vezes maior que aquela vista em plasma de indivíduos convalescentes [imunidade gerada por pessoas que se infectaram com o vírus em si] — afirmou o empresário.

Mei Mei Hu afirma que os dados de segurança da vacina devem ser publicados em breve em um revista científica e submetidos em seguida a autoridades sanitárias brasileiras.

— Por se tratar de um peptídeo sintético, significa que nunca nem sequer encostamos no vírus para produzir a vacina, por isso ela é extremamente segura — afirmou a líder da Covaxx.

Segundo a CEO da empresa, como a vacina se trata de uma molécula relativamente simples, ela é fácil de produzir em grande escala. A Covaxx afirma que já produz mais de 5 milhões de doses de produtos similares destinados a uso veterinário, e está alavancando a infraestrutura para abrir espaço de produção à vacina nova.

Com o início do recrutamento de pacientes em novembro, a Dasa e a Covaxx afirmam que esperam ver o resultado dos testes após um ano. Uma avaliação parcial de resultados pode ser comunicada ao longo do caminho.

A Dasa diz que está negociando parcerias com centros de pesquisa públicos e privados do Brasil para conduzir o teste, mas ainda não anunciou quais são.

— Os centros de pesquisas escolhidos serão baseados nas regiões onde a prevalência do vírus for adequada para o teste no seu início — afirmou Campana, da Dasa.

O Globo

Embaixador dos EUA apoia adesão do Brasil à OCDE e exalta reformas

Foto: NurPhoto via Getty Images

O embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Todd Chapman, reforçou hoje o apoio à adesão plena do Brasil à OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico) e exaltou reformas em sistemas brasileiros como sendo importantes para atrair investimentos estrangeiros. Parte dessas reformas está em tramitação no Congresso Nacional, como a tributária e administrativa.

“Os Estados Unidos já anunciaram publicamente o forte apoio à adesão do Brasil à OCDE. Ao atingir os marcos importantes e necessários para a adesão plena, o Brasil se tornará uma economia mais competitiva e aumentará sua capacidade de atrair investimentos nacionais e estrangeiros. Como os maiores investidores no Brasil, para os Estados Unidos, a competitividade é de extrema importância”, afirmou.

Os Estados Unidos formalizaram o apoio à condição do Brasil como membro pleno na OCDE, uma espécie de “clube de países ricos”, em janeiro deste ano após negociações entre as chancelarias de ambos os países. Em troca, o Brasil aceitou começar a abrir mão do tratamento especial e diferenciado nas negociações da OMC (Organização Mundial do Comércio).

A declaração foi dada em evento organizado pela Câmara Americana de Comércio (Amcham Brasil) para debater a relação entre Brasil e Estados Unidos. Segundo o embaixador, as conversas com empresários e as perspectivas de crescimento dos negócios têm sido positivas e há mais espaço a ser explorado.

O embaixador disse, por exemplo, esperar anunciar um “progresso substancial” em temas como facilitação de comércio, medidas de combate à corrupção, boas práticas regulatórias e comércio digital até o final do ano.

Chapman falou que o dólar de Wall Street é direcionado a lugares com segurança e retorno financeiro, e o Brasil tem de atrair cada vez mais esses investimentos. Para tanto, considera as reformas importantes, pois são critérios avaliados na tomada de decisões de empresas e fundos.

“Tenho muitas conversas com o Congresso e ministros. Esse processo de reformas é essencial para atrair investimentos. O Brasil, pelo seu tamanho, sempre vai atrair uma certa porcentagem de investimento, mas, para realmente fazer esse furo para um crescimento muito maior, essas reformas são essenciais’, declarou.

Para Chapman, o comércio entre Brasil e Estados Unidos pode até dobrar em cinco anos.

“Com US$ 105 bilhões em comércio, acredito que possamos dobrar nosso comércio bilateral em cinco anos”, afirmou. “E por que digo isso? Veja os exemplos de outros países sul-americanos. O volume do comércio bilateral com Chile, Peru e Colômbia é equivalente a mais ou menos 10% do PIB desses países. […] Com o Brasil, com uma economia de US$ 2 trilhões, nosso comércio é de somente 5% do PIB.”

Segundo o portal do Ministério da Economia, a corrente de comércio entre Brasil e Estados Unidos foi de US$ 59,8 bilhões em 2019 – soma de importações e exportações. A Embaixada dos Estados Unidos informou que o valor de US$ 105 bilhões em 2019 citado por Chapman foi fornecido pelo departamento de comércio do país e considera bens e serviços. Por isso, a diferença nos valores.

UOL

 

COVID-19: Ministro da Saúde diz que em janeiro começa a vacinar “todo mundo” no Brasil

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello​, afirmou nesta terça-feira (8) que o país dará início em janeiro à vacinação da população contra o novo coronavírus.

Em reunião ministerial, o ministro disse que as primeiras doses devem chegar a partir do início do próximo ano e que o plano é já imunizar “todo mundo”.

“A gente está fazendo os contratos com quem fabrica a vacina e a previsão é de que essa vacina chegue para nós a partir de janeiro. Em janeiro do ano que vem, a gente começa a vacinar todo mundo”, disse.

A pasta prevê que, inicialmente, chegarão ao país 100,4 milhões de doses da vacina, produzida em parceria com a Fiocruz. A estimativa é de que a segunda dose seja disponibilizada no segundo semestre do próximo ano.

Na semana passada, o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Elcio Franco,​ disse, no entanto, que a vacina não deve ser para toda a população. “Dentro dos dados da epidemiologia, não há previsão de vacinar 100% da população. Isso não é o normal, mas sim os grupos de risco”, disse.

Pazuello fez a afirmação ao ser indagado pela blogueira Esther Castilho, uma menina de 10 anos que foi convidada pelo presidente Jair Bolsonaro para participar da reunião ministerial.

Com Folha de São Paulo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Minion alienado disse:

    E o Messias, esbravejou que não pode obrigar ninguém a se vacinar. Cuidado General, tem que Capitão dando ordens por aí.

  2. Lucis disse:

    Ministro de saúde q não é médico falando de vacina?

    • Marcos disse:

      Todos os ministros da saúde nos mandatos de Lula e Dilma eram médicos?

  3. Rui disse:

    De Origem Chinesa,nem papel higiênico eu uso….!!!!!!

  4. Edison Cunha disse:

    Se for a vacina Chinesa ou a Russa, eu não tomo.

    • Jr disse:

      A vacina chinesa está sendo testada em brasileiros e a russa começará a ser testada no Paraná. Kkkkkkkk!
      Eu torno a russa, chinesa, americana, inglesa. Pode aplicar as quatro de uma vez na testa!

    • Moca disse:

      É nóis!!!

    • Tonhão disse:

      Eu só tomo com o aval de Dr. Bozo.

    • Birigui disse:

      Você deveria é tomar ozônio com aplicador tamanho GG, faz mais seu estilo.

  5. Tarantinio disse:

    Brazil já tem ministro da saúde?

    • Gabriel disse:

      Tem não. Continue esperando. Quando tiver, você volta aqui pra criticar.

Estações da Rede Sismográfica Brasileira operadas pela UFRN registraram mais de 50 tremores na região Nordeste nos últimos quatro meses

Foto: Reprodução/UFRN

No começo da semana, um terremoto sacudiu o sossego de milhares de baianos, que ainda despertavam para mais um domingo lento de quarentena. O forte tremor de magnitude 4.6 e seus efeitos devastadores foram percebidos em várias cidades do interior da Bahia: Paredes racharam, tetos caíram, estoques desabaram. O evento que pegou moradores de surpresa foi no mesmo instante identificado e classificado, a quase 220 quilômetros de distância dali, por uma das estações da Rede Sismográfica Brasileira (RSBR) operadas pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Desde a década de 1970, o laboratório tem trabalhado em parceria com entidades públicas e privadas, como a Defesa Civil, a fim de informar e auxiliar as populações locais sobre eventos sísmicos, uso da sismologia para entender a estrutura e evolução da Terra e a formação de recursos humanos de alto nível. Atualmente, o LabSis conta com estações de monitoramento sísmico em todos os estados do Nordeste para detectar as menores vibrações que ocorrem na região. Após as últimas ocorrências na Bahia, por exemplo, já está prevista a instalação de uma rede sismográfica local pelo LabSis/UFRN, com financiamento do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Estudos Tectônicos.

Sismograma do dia 30 de agosto. O início do registro do evento está em azul a partir das 21:22 UTC. Acima desse evento estão os dois sismos da Bahia, incluindo o tremor de magnitude 4.6 marcado em vermelho. Foto: Reprodução.

O trabalho do LabSis é desenvolvido através de monitoramento contínuo das estações sismográficas instaladas. Também são feitas visitas periódicas em campo para manutenção das estações e coleta de dados, que serão estudados na UFRN. Além disso, é desenvolvido um trabalho social de esclarecimento às populações locais sobre causas, danos e consequências de um terremoto.

Estações

O Brasil tem mais de cem estações como essas mas deveria ter pelo menos o dobro, defende o coordenador do LabSis, o geofísico e professor Aderson Nascimento, para quem o monitoramento precisa aumentar. “No Brasil temos terremotos com potencial de prejudicar grandes estruturas, como barragens, por exemplo. Esse conhecimento é importante para quem faz análise de risco, estuda o cenário para exploração de riquezas ou busca subsídios para prospecção mineral e petróleo”, afirma.

A UFRN monitora quatro estações sismográficas no Estado: A unidade de Pau dos Ferros, Paraú, Pedro Velho e a unidade do município de Riachuelo, que é parte de um acordo de comodato com o serviço geológico dos EUA. Mas como funcionam essas estações? elas trabalham como sistemas autônomos, com painéis solares ou baterias. Cada estação tem um sensor abrigado em uma caixa de concreto aterrada, que vibra junto com a terra e que é chamado de registrador. Esses dados serão então acessados remotamente através de uma transmissão online.

É comum ouvir dizer que o Brasil é um país abençoado por não ter terremotos, mas a realidade trazida pelos sismógrafos desmente essa versão popular. Apenas nos últimos quatro meses – maio, junho, julho e agosto de 2020 – o LabSis registrou mais de 50 tremores na região Nordeste, a maioria imperceptível. Lembrando que a terra não treme forte apenas no interior do Nordeste mas também ao mar. No mesmo dia do terremoto na Bahia, um tremor de magnitude 6.5 ocorreu próximo do arquipélago de São Pedro e São Paulo, em Pernambuco. O epicentro foi localizado a 40 quilômetros das ilhas, dentro do limite das 200 milhas ou 370 quilômetros da Zona Econômica Exclusiva), e a 960 quilômetros de Natal.

Mapa de localização de onde foram instaladas redes locais para estudo de atividade sísmica desde 1986. Cada triângulo vermelho indica uma rede. Foto: Reprodução.

João Câmara

A ocorrência na Bahia é similar embora menos impactante ao que aconteceu no município norte-rio-grandense de João Câmara há 34 anos. Entre agosto e novembro daquele ano, teve início, como explicado nas palavras do professor do LabSis Joaquim Ferreira, “a mais espetacular sequência sísmica já registrada no Brasil”. O estudo e a documentação dos tremores em João Câmara mudou para sempre o direcionamento das pesquisas sobre sismologia do Brasil.

Para quem não recorda, o primeiro dos grandes tremores de 1986 aconteceu no dia 21 de agosto e alcançou a magnitude 4.3. No mês seguinte, em setembro, mais dois tremores parecidos foram registrados, um com 4.3 e outro com 4.4 de magnitude. O terremoto principal ocorreu às 03h32 do dia 30 de novembro do mesmo ano, alcançando magnitude de 5.1, e seguido por dezenas de réplicas. A sequência de abalos sísmicos foi o suficiente para destruir casas e deixar moradores desabrigados.

Depois das ocorrências na cidade, Joaquim Ferreira descreve que foi possível à sismologia da UFRN se equipar, contratar mais pessoas e atuar em vários estados da região, estudando os tremores de terra tanto do ponto científico quanto esclarecendo a população e ajudando a Defesa Civil a atuar nessas situações. “Isso levou à criação do Laboratório Sismológico da UFRN (LabSis), que funcionou inicialmente no Departamento de Física Teórica e Experimental, sendo transferido em 2009 para o Departamento de Geofísica, no Centro de Ciências Exatas e da Terra”, relata Joaquim, em texto postado no site do departamento.

João Câmara continua sendo monitorada pelo LabSis, que ainda registra tremores frequentes na região. Uma das causas para o fenômeno é que o município é atravessado pela Falha de Samambaia, a maior falha geológica do Brasil, que tem 38 quilômetros de comprimento por cerca de quatro quilômetros de largura e que atravessa também os municípios de Parazinho, Poço Branco e Bento Fernandes. Estima-se que a sua profundidade varia entre um e nove quilômetros. Uma outra falha geológica, chamada de Falha de Poço Branco, também contribui para as ocorrências sismológicas na região, embora com menos intensidade.

45 anos

Os laços entre a sismologia e a Universidade Federal do Rio Grande do Norte, no ano de 2020, completam 45 anos. Essa parceria começou quando a estação sismográfica localizada na capital potiguar, que pertencia à rede sismográfica global WWSSN, passou a ser comandada pela instituição de ensino, sendo de responsabilidade do Departamento de Física da universidade, onde apenas um docente era formado na área de Geofísica. Com a sequência sísmica de 1986, em João Câmara, os olhos de todo Brasil se voltaram para o estado do Rio Grande do Norte e, consequentemente, para os profissionais da área de Geofísica da UFRN.

Além da página oficial, o LabSis também possui outros canais de comunicação como sua página do Facebook, onde são publicadas informações sobre os tremores de terra analisados pela equipe do laboratório, e que recebe também perguntas e informações sobre os possíveis sismos que ocorreram na região. O blog Sismos do Nordeste, alimentado pelo professor Joaquim Ferreira desde 2011, também divulga notícias sobre os eventos sísmicos que ocorreram na região.

A página do laboratório, desde maio deste ano, também fornece um boletim atualizado semanalmente de tremores com magnitude igual ou maior a 1.5 na aba ‘boletins’ localizada no menu principal do portal. O prédio do Laboratório abriga discentes de graduação, mestrado e doutorado, que acabam tendo à disposição salas equipadas com equipamentos e também o auxílio dos próprios professores orientadores, que têm suas salas individuais, e técnicos que trabalham no laboratório.

UFRN