Bolsonaro destaca queda de 25% dos assassinatos nos dois primeiros meses do ano no Brasil: “Temos que avançar muito”

 

Visualizar esta foto no Instagram.
d

 

Temos que avançar muito!

Uma publicação compartilhada por Jair M. Bolsonaro (@jairmessiasbolsonaro) em

Presidente Jair Bolsonaro(PSL) destacou nesta quinta-feira(18) a queda no número e homicídios no Brasil nos dois primeiros meses do ano. Através da rede social Instagram, disse que apesar da boa redução, o país ainda tem que “avançar muito”, em referência a área da Segurança.

Veja mais: Brasil registra queda de 25% nos assassinatos nos dois primeiros meses de 2019, e RN surge em 2º em redução

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Rick disse:

    Não votei em Fátima, mas tenho visto mais polícia na rua ultimamente.

  2. Rick disse:

    Depois de picos no números de homicídios em um ano, ê entendível que caia. Um exemplo, extremo para se compreender isso é se vc arrasa com toda uma cidade, no ano seguinte não haverá mortes. Morreu um monte de jovem metido com drogas nos últimos anos. Chega a um ponto que esse estoque demográfico, social e etário se reduz muito. E ninguém morre duas vezes.

  3. Fagner disse:

    Mentira!

  4. Manoel disse:

    A redução de homicídios eh mérito só de Fátima do PT! Bolsonaro quer dar um gópi e roubar o mérito de Fátima…

  5. Paulo disse:

    Agoara acabou a proteção que os partidos de esquerda e direitos deshumanos davam aos bandidos. Polícia voltara a ser polícia e bandido voltará a correr ou se esconder enquanto puder!

  6. Anti-Comunista disse:

    PRIVATIZE TUDO. REDUÇÃO DO ESTADO. ESTADO INCHADO. PRIVATIZAÇÃO. ESTADO HIPERTROFIADO. ESTADO GASTA MUITO E GASTA MAL. ESTADO GASTA MAIS DO QUE ARRECADA. ESTADO GASTADOR.

Estilo de vida responde por 63 mil mortes de câncer por ano no Brasil

O fumo contribui para mortes em todo o planeta. Dez por cento da população brasileira é de fumantes (Banco Mundial/ONU)

Um terço das mortes causadas por 20 tipos de câncer no Brasil poderia ser evitado com mudanças no estilo vida. Tabagismo, consumo de álcool, excesso de peso, alimentação não saudável e falta de atividade física são fatores de risco associados a 114 mil casos da doença (27% do total) e 63 mil mortes (34% do total) por ano no Brasil.

Os dados, publicados na revista Cancer Epidemiology, fazem parte de um estudo realizado por pesquisadores do Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) e da Harvard University, nos Estados Unidos, com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

O levantamento aponta, por exemplo, que a incidência de câncer de pulmão, de laringe, de orofaringe, de esôfago, de colón e de reto poderia ser reduzida pela metade caso esses cinco fatores de risco fossem eliminados. Leandro Rezende, pesquisador da FMUSP e um dos autores do estudo, destaca que não se conhece outra forma de prevenir tantos casos.

“O que nos surpreende é a magnitude de casos e mortes que a gente conseguiria evitar a partir da redução desses fatores de risco. Esse número deve chamar atenção para políticas públicas de redução do risco de câncer no Brasil”, disse à Agência Brasil.

Estimativa da Organização Mundial de Saúde (OMS) indica que, em 2025, os casos de câncer cresçam em até 50% no Brasil em decorrência do aumento e do envelhecimento da população. Atualmente, a doença é a segunda causa de morte no país.

O levantamento da FMUSP, contudo, aponta que, além das mudanças na estrutura populacional, o aumento da prevalência desses cinco fatores de risco no estilo de vida do brasileiro pode representar novos desafios para o controle do câncer na população.

Os pesquisadores traçaram estimativas de redução da doença caso esses fatores sejam reduzidos.

“Trabalhamos com algumas metas ou recomendações que são mais plausíveis de serem atingidas em nível populacional e que estão presentes em alguns documentos e recomendações por agências internacionais”, explicou Rezende.

Foi considerado o seguinte cenário: o consumo de álcool com uma redução relativa de 10%, uma diminuição de 1 kg/m2 no índice de massa corporal na média da população, uma dieta de cálcio de 200 mg a 399 mg por dia e a redução de 30% na prevalência do consumo de tabaco.

Essas alterações, do ponto de vista populacional, poderiam evitar 19.731 casos de câncer (4,5% dos casos) e 11.480 mortes (6,1%).

Políticas públicas

Rezende destaca que essas estimativas contribuem para formulação de políticas públicas na área de saúde pública. Ele cita como exemplo o combate ao tabagismo no Brasil que conseguiu reduzir para menos da metade a proporção de fumantes em relação a década de 1990.

“Hoje, aproximadamente 10% da população brasileira fumam [antes, eram mais de 30%]. Quando o Brasil adotou um pacote de medidas, leis e regulamentação do tabaco no Brasil, como a tributação do cigarro, a proibição do consumo em local fechado, a gente teve um impacto bastante positivo na saúde da população”, disse.

O pesquisador aponta que o tabagismo é responsável por 67 mil casos de câncer por ano no Brasil, o equivalente a 15,5% dos casos e 40 mil mortes.

“Tem um debate bastante atual de que se deveria reduzir o imposto dos produtos derivados do tabaco para diminuir o consumo de cigarro contrabandeado. É importante trazer a magnitude do estrago que o cigarro faz na saúde da população quando se estimula o consumo. Hoje, o Brasil é um case de sucesso e a gente, primeiramente, precisa manter isso”, defendeu.

Um grupo de trabalho foi instituído em março deste ano pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública para avaliar “a conveniência e oportunidade” da redução da tributação de cigarros fabricados no Brasil.

Para Rezende, o combate ao tabagismo poderia servir de exemplo para a elaboração de outras políticas no campo da alimentação.

“Rotulagem, restrições de marketing e aumento de impostos de produtos da indústria de alimentos para desestimular o consumo são propostas possíveis de serem implementadas pegando emprestado o case de sucesso do tabaco para tentar reduzir o excesso de peso e obesidade da população no Brasil”, sugeriu.

Ele lembra que o Guia Alimentar para a População Brasileira, do Ministério da Saúde, recomenda que sejam consumidos principalmente produtos in natura e que se evitem alimentos processados, especialmente ultraprocessados.

Metodologia

A pesquisa partiu do consenso na literatura científica de que cinco fatores de risco – tabagismo, consumo de álcool, excesso de peso, alimentação não saudável e falta de atividade física – estão associados a 20 tipos de câncer.

O que o novo estudo fez foi calcular a fração atribuível populacional (FAP) da doença relacionado a dados populacionais sobre o índice de massa corporal (IMC) elevado, consumo de cigarro, álcool, prática de atividade física e informações sobre a alimentação.

De acordo com os pesquisadores, a FAP é uma métrica que estima a proporção da doença possível de prevenir na população caso os cinco fatores de risco fossem eliminados, mantendo as demais fatores/causas estáveis.

Os dados sobre a distribuição dos fatores de risco do estilo de vida foram calculados a partir da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) 2013, para estimar consumo de álcool, índice de massa corporal (IMC), consumo de frutas e hortaliças, atividade física, tabagismo e fumo passivo entre não fumantes no Brasil.

Foi utilizada também a Pesquisa Nacional de Orçamentos Familiares (POF), realizada entre 2008 e 2009 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), para obter o consumo alimentar de fibras, cálcio, carne vermelha e processada.

Agência Brasil

 

MUITO BOM PARA A ECONOMIA: MP pode revolucionar as relações capitalistas no Brasil

O governo Jair Bolsonaro deve editar mais uma MP na área econômica, como parte da agenda dos 100 dias.

Ela visa a livrar os empreendedores de boa parte do entulho estatizante que atravanca o dia-a-dia das empresas. A MP, que deve ter 19 artigos, está sendo elaborada pela equipe de Paulo Guedes e colaboradores. Ontem, o assessor especial do ministro da Economia, Marcelo de Siqueira Freitas, presidiu uma reunião decisiva.

O Antagonista teve acesso a parte do esboço da MP. Trata-se de uma verdadeira revolução nas relações capitalistas vigentes no Brasil.

No artigo 2º do esboço, estão expostos os princípios da MP. Eles são os seguintes:

“I – A presunção de liberdade no exercício de atividades econômicas;

II – A presunção de boa-fé do particular;

III – A vulnerabilidade do particular frente ao Estado; e

IV – A intervenção mínima e excepcional do Estado sobre o o exercício de atividades econômicas.”

O governo já negocia com parlamentares a transformação da MP em lei.

É tudo de bom que o país precisa para voltar a crescer, ao lado da reforma da Previdência.

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Gustavo Barreto disse:

    Boa, BG.
    Concordo integralmente com seu artigo e com os esforços de Paulo Guedes. Liberdade, ainda que tardia.

  2. Alex disse:

    Esse Ceará-Mundão se acha o cara mais inteligente e correto desses comentários, se alguém fala o que ele quer ouvir tá certo, se fala o que ele não gosta, tá tudo errado. Ouvir críticas e aceita-las faz parte do aprendizado humano.

  3. Ceará-Mundão disse:

    Esqueci de mencionar ainda a mudança na política externa brasileira, com a melhoria da imagem do país junto ao mundo democrático e civilizado, através do fortalecimento das relações bilaterais com nações democráticas (a princípio, EUA e Israel) e o distanciamento e a condenação veemente de ditaduras "vermelhas", além da extradição do terrorista comunista italiano (que vinha sendo acobertado pelos governos petistas). E tem mais. Estamos no caminho certo. E o RN?

  4. Ceará-Mundão disse:

    Duas reformas importantíssimas já enviadas ao Congresso (Previdência e anticrime), extinção de milhares de cargos comissionados, cancelamento de vários contratos suspeitos, privatizações bem sucedidas (a de aeroportos apurou quase 1000% acima da previsão), vários outros projetos já anunciados para breve (novo pacto federativo, reforma tributária, socorro financeiro aos estados…), 13° para o Bolsa Família (kkkkkkkk) e corte de muitos benefícios fraudulentos, ministério formado sem "venda" de cargos a políticos… Rapaz, muita coisa para apenas 100 dias. E no RN, o que já foi anunciado? Antecipação dos royalties? Tá de brincadeira!

  5. KAKANENSE disse:

    O Zé, falou, falou, só citou os mantras que a esquerda caviar a a mídia lixo insiste em disseminar. Vejo os 100 dias do Bolsonaro noutro prisma…. é certo que tem alguns desacertos, brigas de egos, falhas nas nomeações. normal em qualquer início de mandato. Em síntese, o objetivo permanece o mesmo, despetizar o país, gerar empregos e melhorar o país!

  6. Teixeira disse:

    Chorar não paga imposto BABACA!!!!!

  7. Ribeiro disse:

    Desastre total.

  8. Zé Raimundo disse:

    100 dias de Bolsonaro
    Bolsonaro chega aos cem dias de mandato sem nada a comemorar: nenhuma realização concreta, más notícias no cenário econômico, falta de organização no governo, sem base de sustentação no Congresso e com a popularidade em franca erosão.

    O que se viu nesse período inicial, longe de serem meras dificuldades de adaptação e conhecimento da máquina, foi um governo que não se preparou para assumir suas funções nem traçou um plano de prioridades estratégicas a perseguir nas diversas áreas.

    Como inexistiu debate programático nas eleições, não há um projeto claro que dê sentido e unifique os esforços da administração. Até mesmo a Reforma da Previdência, teoricamente a pedra angular do governo na economia, aparece como um fim em si mesma – “eu quero 1 trilhão”, nas palavras de Paulo Guedes -, sem descortinar um horizonte de retomada do crescimento. A bandeira do ajuste fiscal a todo custo, distribuindo o peso nas costas do povo para ampliar os privilégios de uma casta de multimilionários, não convence, desmobiliza e enfrenta resistências até mesmo de aliados do presidente.

    A impressão que se cristaliza na opinião pública é a de que o país está à deriva, sujeito a improvisos e amadorismos que poderiam servir, vá lá, para um deputado medíocre como Bolsonaro, mas que são intoleráveis na condução de um país com as dimensões do Brasil. Não à toa, pesquisas de variados institutos apontam o rápido e contínuo derretimento da autoridade presidencial, o aumento da desconfiança dos agentes econômicos e o desânimo da população com as perspectivas do país.

    A sondagem do Datafolha deste final de semana seria para deixar a turma do Planalto de cabelo em pé, se tivessem juízo, claro. Apenas 32% consideram a gestão ótima/boa, ao passo que 30% acham-na ruim/péssima, a pior marca da história para um presidente em primeiro mandato. Uma comparação diz tudo: Fernando Collor, no mesmo período e já com o confisco da poupança em andamento, tinha 36% de aceitação e 19% de rejeição.

    Vale aqui lembrar que Bolsonaro tem queimado capital político sobretudo com temas irrelevantes para o país. Para manter mobilizado um núcleo radical de seu eleitorado, o presidente insiste em pautas que o ridicularizam perante a maior parte da população, como na ordem para comemoração do golpe militar, na vexatória tentativa de vinculação do nazismo à esquerda ou no vídeo pornô-escatológico sobre o Carnaval.

    Que ninguém se engane, não há inocência. Bolsonaro resolveu priorizar a tentativa de reescrever a história com base na mentira, a chamada “guerra cultural”, bem ao gosto de seu guru, Olavo de Carvalho. Mesmo assim, poderia ter procurado mentes menos rudimentares para levar a cabo seu intuito. As áreas mais sofríveis da atual gestão, fontes de permanente desgaste, são justamente as que foram entregues aos delírios olavistas e aos fundamentalistas religiosos. Há ainda a primária mistura entre família e Estado e a constante disputa entre as facções do governo, problemas que o capitão está longe de conseguir arbitrar.

    E o que está bem ruim sempre pode piorar. Graças à política externa lunática de Bolsonaro, o Brasil está ameaçado de receber retaliações comerciais de países árabes inconformados com a provocação feita à Palestina para bajular Israel. Também não estão no momento mais promissor as nossas relações com a China, maior destinatário de nossas exportações. Tudo somado, Bolsonaro, que tanto criticou a suposta ideologização de gestões anteriores, pode prejudicar nosso agronegócio por opções ideológicas, trazendo graves consequências para o setor mais pujante de nossa economia.

    • Curioso disse:

      Lula está preso, babaca!

    • Ceará-Mundão disse:

      Textão desse prá nada de significativo. Pior, prá tentar enganar o povo e transmitir a falsa imagem de um mal governo. O Brasil está melhorando. Estamos no caminho certo. A propósito, meu caro, que tal analisarmos os 100 primeiros dias do governo Fátima? O que houve de real até agora? Qual proposta efetiva para salvar o RN já foi lançada? E os salários atrasados dos servidores? E o pagamento dos fornecedores? O governo federal já divulgou várias propostas importantíssimas. Faça um textão desses prá falar do RN. Coragem.

    • Wendell Dantas disse:

      Caro Zé…

      Seu Texto é um Punhado de Ataques Rasos. Texto bem escrito, de palavras bonitas e bem concatenadas, provavelmente provenientes de um pseudo intelectual de esquerda.

      – Esse discurso de colocar a Reforma da Previdência como um castigo para os pobres e privilégios a Ricos não cola mais. Nossa Previdência é uma das mais bondosas do mundo. Todos os outros países, inclusive os mais desenvolvidos do globo, estão errados?
      Porque que em 14 Anos de Governo PT e 2 Anos de Governo Temer (aliado de primeira linha de Lula e sua Turma) não foram cobrados os grandes devedores da previdência? Porque? Porque?
      A Previdência precisa de ajustes na sua essência, e talvez sejam os loucos do Bolsonaro e do Guedes que cobrem essas grandes empresas; já que o PT, por suas relações espúrias com as mesmas, não teve coragem;

      – Citar o Datafolha pra medir popularidade chega a ser patético. O Senhor deve saber a quem o Data-FOLHA(de São Paulo) pertence, né? Como diríamos lá no Seridó: "pelas caridade"!

      – Já que o Senhor procurou fazer um apanhado de tudo que aconteceu com Bolsonaro em 100 dias, sempre levando pra o lado ruim, terei que concordar "EM PARTES" no tocante ao "vídeo pornô" do carnaval. Em partes porque o Presidente foi impulsivo em publicar em sua rede social. Mas me diga uma coisa: o Senhor foi criado num desmantelo daquele? Sua família te levava para ambientes em que as pessoas faziam sexo explícito e escroto no meio da rua? Foi? Vamos concordar que "parte" da comunidade GLBT está pecando pelo EXCESSO, casais heterossexuais não podem fazer aquilo no meio da rua que serão punidos por Atentado Grave ao Pudor. O que Bolsonaro quis expor foi que não dar pra aceitarmos calados que nossos valores familiares sejam jogados no ralo a toque de caixa. Em Nenhuma Nação do Mundo isso seria aceito;

      – O Senhor falou de Facções de Governo que divergem? Kkkkk! Ainda bem que as facções desse Governo divergem por ideologias. Diferente das FACÇÕES DO GOVERNO PT que meteram a mão em CENTENAS DE BILHÕES DE REAIS nos maiores e mais variados esquemas de corrupção que o Mundo Já Viu!

      – O que a Palestina tem pra nos dar em detrimento de Israel? Senhor Zé Raimundo, o senhor procura se rodear de boas pessoas, que tragam um algo a mais pra o seus dias? Ou se acompanha de gente que não presta(não generalizando todos os palestinos, mas o terrorismo de seus grupos extremistas não pode ser bom parceiro pra nenhuma nação)? Os países Árabes vão chiar porque esse é o "toma lá, dá cá" político-religioso daquela região, mas não deixarão de ser parceiros comerciais porque relações comerciais são baseadas em DINHEIRO e não em ideologias. Veja se a Arábia Saudita abandonou os EUA depois que TRUMP levou sua embaixada pra Jerusalém!

      – E por fim, o Senhor deve saber que Bolsonaro está prejudicando o Agronegócio dando aos produtores as condições que o Governo PT, vergonhosamente, não proveu em 14 anos. Coisas simples, como deixar a BR 163 transitável no Pará. Outras mais ousadas, como a concessão em menos de 100 dias de Governo da Ferrovia Norte Sul, ligando os grandes centros agrícolas a Portos como o de Santos e Paranaguá através de um meio de transporte muito mais barato.

      Sr. Zé Raimundo, que tal um encontro depois de dois anos de governo? Vai que o décimo terceiro do Bolsa Família já tenha chegado; o preço da gasolina e do botijão de gás despencado com o fim do monopólio da Petrobras(que não serve ao povo brasileiro, serviu muito ao PT, PMDB, PSDB…); o Pacto Federativo saído do papel e salvando Municípios e Estados(menos dinheiro em Brasília, menos negociatas, menos corrupção), que as empresas possam trabalhar em paz, com um sistema tributário justo…

      Vamos esperar uns dois anos? Cem dias não são nada perto de 14/16 anos. Um país pra pujar, precisa de emprego, as pessoas precisam de emprego, empregos são gerados por empresas, empresas, empresas precisam de um mercado confiante, que precisa de um Governo que passe uma imagem de Honestidade.

      De uma coisa fique certo: os únicos milionários que constroem seu patrimônio sem muito esforço e muito trabalho, ou são políticos corruptos, ou são atrelados a políticos corruptos. Trabaho! Emprego! É disso que todos precisam pra crescer! Menos daquela velha política bem profissional (bonita aos olhos das câmeras de TV). Estou adorando as caneladas do Bolsonaro!

      Até Senhor Zé Raimundo!

    • Ceará-Mundão disse:

      Parabéns, Wendell. Esse textão sim, falou o certo.

Número de ONGs e associações no Brasil cai 16,5% entre 2010 e 2016, diz IBGE

Entre 2010 e 2016, houve uma redução no número de organizações não governamentais (ONGs) e outras entidades sem fins lucrativos no país. Por outro lado, cresceu o número de pessoas que trabalham nestas instituições. É o que mostra pesquisa divulgada nesta sexta-fera (5) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o IBGE, em 2016 havia no Brasil 237 mil fundações privadas e associações sem fins lucrativos, as chamadas Fasfil. Na comparação com 2010, o número é de 16,5% menor (46.862 entidades a menos). Veja gráfico abaixo:

O número inclui entidades empresariais e patronais, escolas, hospitais, cartórios, condomínios, entidades religiosas ou de defesa de direitos de minorias, entre outras. “Foram utilizados cinco critérios definidos internacionalmente para delimitar um grupo de organizações com uma identidade própria: serem privadas, sem fins lucrativos, institucionalizadas, autoadministradas e voluntárias”, explicou o IBGE.

Apesar da redução do número total de ONGs, entre 2011 e 2016 foram criadas 45,7 mil novas entidades, com um aumento de 3,2%, em média, a cada ano.

O estudo também mostra que o pessoal ocupado nestas instituições cresceu 11,7% entre 2010 e 2016, reunindo 2,3 milhões de assalariados. Segundo o IBGE, essa alta foi puxada, principalmente, por aumentos de trabalhadores nas entidades que atuam na área de saúde (25,5%), religião (23,9%) e de Desenvolvimento e defesa de direitos (11,4%).

As 237 mil ONGs identificadas em 2016 representavam, segundo o IBGE, 4,3% das 5,5 milhões de entidades públicas e privadas, lucrativas e não-lucrativas do Cempre (Cadastro Central de Empresas).

O estudo também mostrou que as entidades sem fins lucrativos são relativamente novas no Brasil: 29,5% foram criadas entre 2001 e 2010 e 19,4% entre 2011 e 2016, correspondendo a 48,9% do total. As instituições mais antigas, criadas até 1980, representavam 13,6% do total em 2016, porém respondiam pelo maior percentual dos assalariados, absorvendo 45,7% do pessoal.

Em 2016, o Sudeste concentrava 48,3% das ONGs. O Sul, 22,2% do total e o Nordeste, 18,8%. Norte tinha 3,9% e Centro-Oeste, 6,8%.

Religiosas são o maior grupo

A pesquisa do IBGE revela que em 2016 as entidades religiosas representavam 35,1% do total de fundações e associações sem fins lucrativos do país. Ou seja, mais de um terço das Fasfil tinham finalidade religiosa.

Na sequência, as mais numerosas eram as ONGs ligadas a cultura e recreação (13,6%), desenvolvimento e defesa de direitos (12,8%), associações patronais e profissionais (12,2%) e assistência social (10,2%).

As entidades religiosas também lideram entre as ONGs mais novas. Segundo o IBGE, entre 2011 e 2016 foram criadas 19,9 mil instituições desta categoria, correspondendo a 43,5% do total das novas entidades. Em seguido, aparecem cultura e recreação (11,0%) e outras instituições privados sem fins lucrativos (9,9%).

Na comparação com 2010, as ONGs ligadas a religião foram as que registraram a menor redução (489 unidades a menos, ou queda de 0,6%), passando de 83,5 mil para 83,1 mil entidades.

Os maiores decréscimos em números absolutos foram verificados nas entidades dos grupos associações patronais e profissionais (-13,7 mil) e desenvolvimento e defesa de direitos (11,8 mil unidades).

Em relação a 2013, os grupos que mais perderam entidades foram habitação (-28,5%), desenvolvimento e defesa de direitos (-25,7%) e associações patronais e profissionais (-24,6 %).

Pessoal ocupado e remuneração

Apesar do aumento do número de pessoal ocupado nestas atividades, em 2016, 64,5% das instituições (152,9 mil) não possuíam sequer um empregado assalariado, apoiando-se em trabalho voluntário e prestação de serviços autônomos. Apenas 1,6% das entidades (3. 732 mil) possuía 100 ou mais assalariados.

As instituições sem empregados assalariados eram mais comuns no grupo religião (37,5% não tinham empregados). Já os que mais empregavam eram saúde, respondendo por 35,7% do pessoal ocupado.

Os trabalhadores de ONGs ganhavam em 2016, em média, o equivalente a 3 salários mínimos por mês. A massa salarial era de R$ 80,3 bilhões.

Os salários médios mensais cresceram 8,2%, em termos reais, entre 2010 e 2016, segundo o IBGE, passando de R$ 2.451,48 para R$ 2.653,33. Já de 2013 a 2016, os salários médios mensais tiveram perda real de 0,7%.

As mulheres eram 66% do total de assalariados. No entanto elas recebiam 24% menos que os homens. Quanto ao nível de escolaridade, 35,4% dos assalariados possuíam nível superior.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Irany Gomes disse:

    Essas ONG's eram pagas para promoverem a PeTralhada e empanturrar vagabundos com dinheiro público.

    • Justiceiro disse:

      Quanta idiotice.
      As ONG's são importantíssimas para executar serviços que os governos não podem fazer. Daí serem não governamentais.
      Sabias que, por exemplo a AMICO é uma ONG? A Casa Durval Paiva, idem?

TCU aponta UFRN como terceiro melhor índice de governança do Brasil

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) foi apontada como a instituição de ensino superior do Brasil com o terceiro melhor índice de governança pelo Tribunal de Contas da União (TCU), estando atrás apenas da Universidade Federal de Lavras (UFLA) e da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).

Em 2017, o índice integrado de governança e gestão públicas (IGG) da UFRN era de 52% e, em 2018, passou para 75%. Para a reitora da UFRN, Ângela Maria Paiva Cruz, a avaliação do TCU é resultado da execução de ações públicas bem planejadas. “Cuidamos das nossas metas e políticas institucionais para que elas não fiquem somente no papel, mas, para que sejam implantadas da melhor forma possível, trazendo benefício para a população e melhorando a educação pública”, considera.

Confira o Levantamento de Governança e Gestão Públicas aqui.

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ceará-Mundão disse:

    Essas universidades custam caríssimo e contribuem com pouquíssima produção científica. Além disso, acentuam a desigualdade social, transferindo renda no sentido inverso. É notório que são majoritariamente frequentadas por quem tem condições de custear seus estudos. O Brasil gasta muito em educação mas de forma errada. Deveríamos ampliar os gastos no ensino básico e transferir o ensino superior para a iniciativa privada. Aos mais carentes, poderíamos distribuir bolsas de estudo. Aos não tão carentes poderíamos disponibilizar financiamentos. Estou certo que os efeitos seriam fabulosos e a um custo infinitamente menor.

  2. MENDES disse:

    Foi herança dos 12 anos do PT. Pois antes do PT a UFRN fazia pena é dó.

  3. Rosa disse:

    Esse mesmo que aprovavam as contas de luladrão e dilmanta? Ah tá.

  4. Amo os Minions disse:

    Exemplo de gestão! Orgulho da nossa universidade.

    Pena que pensam só em atacar a universidade pública.

    • Atento disse:

      Só está faltando palestra na UFRN com Daniela Mercury, Pablo Vittar e Mano Cueca de Lajes. Por que tantos parentes com cargos públicos na UFRN? A inteligência escorre de veia em veia!

Swingar: com pouco tempo de criação, aplicativo que reúne adeptos do swing e sexo a três já conta com 50 mil downloads no Brasil

Objetivo do aplicativo é unir adeptos de swing e ménage no mesmo ambiente. Crédito: Divulgação

Há alguns anos, os analistas de sistemas Artur Costa Iglezias de Paula, 30, e Victor Marcelino Dias dos Santos, 31, solteiros na ocasião, frequentaram algumas casas de swing por curiosidade. Nessas experiências, conheceram pessoas que reclamavam da falta de aplicativos para esse público. Os amigos não sabiam, mas, no futuro, essas experiências seriam o estopim para a criação do Swingar, app para reunir casais e solteiros interessados na prática de ménage e swing.

Tudo começou em 2017, quando Iglezias e Santos criaram um app voltado para propaganda de lojas físicas, inspirado nos pequenos lojistas da rua 25 de março, em São Paulo. A ideia acabou não dando o resultado esperado e foi deixada de lado. “O Swingar surgiu a partir da junção desse aplicativo com a necessidade dos praticantes do swing”, explica Iglezias.

Os sócios pontuam que, apesar do foco da ferramenta serem os casais interessados em swing, é bem comum no meio as pessoas procurarem por outros tipos de relacionamento ou para realizar fantasias sexuais.

Como funciona?

O Swingar oferece aos novos usuários 30 dias grátis para experimentar a ferramenta. Após esse período, é necessário aderir a um dos planos, que se dividem entre mensal, semestral e anual (de R$ 9,90 a R$ 14,90 por mês. Quanto mais longo o plano, mais barato). Passada a fase de teste, a ferramenta desativa algumas de suas principais funções, entre elas trocar mensagens nos grupos ou no privado com outros usuários e adicionar novos amigos.

O aplicativo conta com grupos por região, nos quais o usuário pode interagir livremente e, ao encontrar alguém com quem tenha afinidade, é permitido adicionar e continuar a conversa no modo privado. Além disso, há outros dois tipos de pesquisa: localização por estado e cidade. Nessas pesquisas é possível filtrar as pessoas cadastradas por categorias de interesse, que são preenchidos no perfil de quem adere ao app.

Com quase nove meses de existência, o Swingar conta com 50 mil downloads, número que os sócios veem como muito bom. “O resultado está sendo positivo, pois, conversando com alguns usuários, vemos que vários encontros aconteceram e novas amizades entre pessoas que praticam swing foram formadas”, diz Iglezias.

Visão do usuário do app

O empresário Thiago, que prefere não revelar o nome verdadeiro, 34, usa o aplicativo há cerca de sete meses. Mesmo comprometido, ele diz conversar com muitas pessoas, mas que saiu com apenas uma mulher, cujo marido também usa o Swingar, mas estava viajando no dia do encontro.

“Conheci o Swingar por meio de um amigo que frequenta casas de swing. Visitava locais como esse no passado, mas voltei a curtir o swing só agora porque o app facilita tudo. Não preciso sair. Gosto do aplicativo porque ele dá a possibilidade de localizar pessoas que estejam próximas a mim, com esse interesse em comum”, explica ele. No início, ele conta que penou um pouco para ir e voltar de algumas páginas e no menu do aplicativo. “Com o tempo, eu me acostumei. Ajudaria um pouco se os desenvolvedores simplificassem a interface do app.”

“Às vezes, quando eu ia a casas de swing sozinho o valor da entrada era muito mais caro do que quando ia acompanhado de uma mulher. Por isso, tinha que arranjar uma acompanhante para pagar mais barato. O app ajuda nisso também, porque você arruma uma parceira para ir à casa de swing com você e também pode fazer um swing sem precisar da casa”.

Universa – UOL

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cigano Lulu disse:

    O site não aprovou meu cadastro, alegou que sou muito grande. E agora?

  2. Ricardo França disse:

    Ótimo inovação, só assim nós adeptos a essa fantasia poderemos fazer acontecer o que até em mente sempre ficou.

  3. Valdemir disse:

    É que têm corno nesse Brasil véi!

Casos de dengue crescem 224% no Brasil com 229 mil pacientes este ano

Aedes aegypti é o mosquito transmissor da dengue. Foto: (Arquivo Agência Brasil)

Dados do Ministério da Saúde divulgados hoje (25) apontam que o Brasil registrou 229.064 casos de dengue apenas nas 11 primeiras semanas deste ano. O número significa um aumento de 224% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram contabilizados 62,9 mil casos.

A incidência da dengue no país até 16 e março é de 109,9 casos por 100 mil habitantes. As mortes provocadas pela doença acusaram aumento de 67%, passando de 37 para 62 – a maioria no estado de São Paulo, com 31 óbitos, informou o ministério. O número representa 50% do total de todo o país.

Apesar do aumento expressivo no número de casos, a situação ainda não é classificada pelo governo federal como epidemia. O último cenário de epidemia identificado no país, em 2016, segundo o Ministério da Saúde, teve 857.344 casos da doença entre janeiro e março.

“É preciso intensificar as ações de combate ao Aedes aegypti [mosquito transmissor da doença] para que o número de casos de dengue não continue avançando no país”, destacou o ministério.

Estados

Alguns estados têm situação mais preocupante, com incidência maior que 100 casos por 100 mil habitantes: Tocantins (602,9 casos/100 mil habitantes), Acre (422,8 casos/100 mil habitantes), Mato Grosso do Sul (368,1 casos/100 mil habitantes), Goiás (355,4 casos/100 mil habitantes), Minas Gerais (261,2 casos/100 mil habitantes), Espírito Santo (222,5 casos/100 mil habitantes) e Distrito Federal (116,5 casos/100 mil habitantes).

Regiões

Ainda de acordo com os dados do ministério, o Sudeste apresenta o maior número de casos prováveis (149.804 casos ou 65,4 %) em relação ao total do país, seguido pelas regiões Centro-Oeste (40.336 casos ou 17,6 %); Norte (15.183 casos ou 6,6 %); Nordeste (17.137 casos ou 7,5 %); e Sul (6.604 casos ou 2,9 %).

O Centro-Oeste e o Sudeste apresentam as maiores taxas de incidência de dengue, com 250,8 casos/100 mil habitantes e 170,8 casos/100 mil habitantes, respectivamente.

Zika

Até 2 de março deste ano, houve ainda 2.062 casos de zika, com incidência de 1 caso/100 mil habitantes. No mesmo período do ano passado, foram contabilizados 1.908 casos prováveis.

Entre os estados com maior número de casos estão Tocantins (47 casos/100 mil habitantes) e Acre (9,5 casos/100 mil habitantes). Ainda não foram registrados óbitos por zika no Brasil.

Chikungunya

Até 16 de março de 2019, foram identificados 12.942 casos de chikungunya no Brasil, com uma incidência de 6,2 casos/100 mil habitantes. Em 2018, foram 23.484 casos – uma redução de 44%.

As maiores incidências ocorreram no Rio de Janeiro (39,4 casos/100 mil habitantes), Tocantins (22,5 casos/100 mil habitantes), Pará (18,9 casos/100 mil habitantes) e Acre (8,6 casos/100 mil habitantes).

Em 2019, ainda não foram confirmados óbitos pela doença. No mesmo período de 2018, foram confirmadas nove mortes.

Agência Brasil

 

Anac autoriza britânica Virgin Atlantic a funcionar no Brasil

Foto: Reprodução

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) autorizou a companhia aérea britânica Virgin Atlantic Airways Limited a funcionar no Brasil para “operar serviço de transporte aéreo internacional regular de passageiro, carga e mala postal”. O aval está formalizado no Diário Oficial da União (DOU) desta sexta-feira, 22.

Nesta semana, a empresa informou que a partir do próximo ano terá voos diretos entre São Paulo e Londres. Segundo a companhia, será uma rota diária que ligará Heathrow, o maior aeroporto do Reino Unido, em Londres, a Guarulhos.

Além do voo, a Virgin Holidays, uma empresa do mesmo grupo especializada em lazer, também vai oferecer serviços de turismo para o Brasil.

A empresa pretende lançar pela primeira vez viagens no País, com destinos como o das Cataratas do Iguaçu e o da floresta amazônica, considerados “facilmente acessíveis” a partir de São Paulo.

“Os turistas também podem se conectar a atrações icônicas, como o Rio de Janeiro e as belas praias de Santa Catarina”, disse a empresa no comunicado.

A chegada da Virgin ao Brasil ocorre na esteira de outras empresas de baixo custo, como a Norwegian, que iniciará voos entre Londres e o Rio ainda este mês. Cada trecho sairá por cerca de R$ 1 mil.

A operação da Virgin Atlantic será feita por meio de uma aeronave Boeing 787 Dreamliner. Conforme a companhia, o objetivo é que o novo serviço aproveite a retomada da economia brasileira. As vendas de passagens começam ainda em 2019.

Estadão

Brasil pode se tornar aliado prioritário extra-Otan; saiba o que isso significa

Caça F/A-18 Hornet dos EUA decola de porta-aviões — Foto: Marinha dos Estados Unidos

O presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou nesta terça-feira (19) que pretende tornar o Brasil um aliado prioritário extra-Otan dos Estados Unidos, após reunião com o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, em Washington.

Neste rol, estão países como Israel, Austrália e Argentina – o único sul-americano a integrar a lista. O governo norte-americano confirmou a intenção de incluir o Brasil durante encontro entre os dois presidentes. Eles ainda não oficializaram, porém, os termos da medida.

Veja perguntas e respostas sobre o Brasil se tornar um aliado prioritário extra-Otan dos EUA:

O que é um aliado prioritário extra-Otan?

Ser um aliado prioritário extra-Otan aproxima militarmente o Brasil dos Estados Unidos. Ao entrar nessa classificação, o Brasil consegue:

Tornar-se comprador preferencial de equipamentos e tecnologia militares dos EUA;
Participar de leilões organizados pelo Pentágono para vender produtos militares;
Ganhar prioridade para promover treinamentos militares com as Forças Armadas norte-americanas.

Ao todo, 17 países receberam essa classificação do governo norte-americano. Confira na arte abaixo.

Integrantes da Otan e países aliados prioritários extra-Otan — Foto: Roberta Jaworski/G1

O professor de relações internacionais da Universidade de Brasília (UnB) Juliano Cortinhas diz que os benefícios dessa parceria são mais comerciais do que essencialmente militares.

“O Brasil não tem ameaças concretas à sua soberania. E mesmo se pensarmos em termos comerciais há muitos benefícios, porque o país não tem estratégia para se inserir no mercado de equipamentos de defesa”, avaliou Cortinhas.

Em outra linha, o professor Adriano Gianturco, coordenador de relações internacionais do Ibmec-MG, não se trata apenas de um acordo meramente formal.

“É tudo muito estratégico, e, sendo assim, há um crivo pelos quais as empresas participantes [dos processos de compra e venda] devem passar”, comentou.

O acordo pretendido por Trump precisa ser formalizado – o que não ocorreu, ainda. No entanto, os professores consultados pelo G1 disseram não ser claro o processo de tramitação de uma medida desse tipo. Em 2012, a então secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, declarou, unilateralmente, o Afeganistão como aliado prioritário extra-Otan.

“É meio polêmico. Alguns dizem que o Congresso precisa aprovar, alguns dizem que Trump só precisa comunicar”, analisou o professor Gianturco.

Por outro lado, o professor Cortinhas relembra que tratados de grande porte – como, talvez, a declaração do Brasil como aliado prioritário extra-Otan – precisam da aprovação pelo Congresso. Nesse caso, Trump poderia ter dificuldades porque tem minoria na Câmara dos Representantes. “Além disso, esses acordos passam por tramitação que leva muito tempo”, disse.

E o Brasil pode entrar de vez na Otan?

Dificilmente, responderam os professores ouvidos pelo G1. A dúvida surgiu ao longo do dia por causa da seguinte declaração de Trump durante coletiva de imprensa conjunta com Bolsonaro:

“Eu disse ao presidente Bolsonaro que eu também pretendo classificar o Brasil como aliado prioritário extra-Otan, ou mesmo, se pensarmos, em um aliado Otan”, disse Trump.

No entanto, nem o comunicado oficial da Casa Branca publicado após a coletiva de imprensa nem outras declarações do próprio presidente Bolsonaro indicaram esse passo adiante.

“Nesses casos, o que vale é o documento oficial, que passa por técnicos e assessores”, ponderou o professor Gianturco.

O especialista avaliou que a fala de Trump sobre incluir o Brasil na Otan – e não um aliado prioritário fora do grupo – não significa, necessariamente, que isso vai correr. “Políticos podem errar nos discursos, às vezes cometem erros e atos falhos”, acrescentou.

Além disso, a Otan – sigla para Organização do Tratado do Atlântico Norte – exige que todos os países integrantes aprovem a indicação de um novo membro. Algo que impediria uma decisão unilateral do governo norte-americano.

Há, a possibilidade, no entanto, de que o Brasil participe como um aliado estratégico dos países que integram a Otan – além dos Estados Unidos. Essa seria uma sinalização política, segundo o professor Cortinhas, da UnB.

“Nem tudo conversado entre os presidentes se torna definitivo. Importante lembrar da cúpula entre Trump e Kim [Jong-un, da Coreia do Norte]. Prometeram mundos e fundos e não se chegou a nada concreto”, salientou Cortinhas.

O que é a Otan?

Bandeira da Otan é hasteada em prédio do governo da Macedônia do Norte, em Skopje — Foto: Dragan Perkovksi/AP Photo

A Otan foi fundada em 1949, logo no início da Guerra Fria, como um pacto militar dos países alinhados com os Estados Unidos. Após o esfacelamento da União Soviética em 1991, algumas nações que antes faziam parte do bloco comunista – como Polônia e Hungria – passaram a integrar a organização.

Um dos princípios da organização, hoje com 29 países, garante aos integrantes o princípio de defesa coletiva. Ou seja: um eventual ataque a um ou mais países-membros do grupo será encarado como uma agressão a todos os demais integrantes.

O professor de relações internacionais Carlos Gustavo Poggio, especialista em Estados Unidos, comenta que o interesse de Trump na Otan é reticente desde a campanha presidencial em 2016.

“Trump chegou a chamar a Otan de obsoleta, acusou países europeus de tirarem vantagem do acordo”, relembrou Poggio.

Trump, então, pressionou os integrantes do bloco a investirem mais em segurança – o que foi atendido pelas lideranças da Otan no ano passado, que firmaram um meta de gastos de 2% do PIB com defesa até 2024. O norte-americano, então, elogiou a medida. “A Otan está muito mais forte agora do que há dois dias”, disse Trump, em julho.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Carlos disse:

    E nós precisamos de empregos, esse povo só pensa em guerra, casou migue com bebe

  2. Cidadão Indignado disse:

    Bando de puxa saco. Vocês acham que aquele louco dos Estados Unidos vai favorecer o Brasil em algo. Pobres brasileiros. Americano é a imagem do diabo. Só existem eles no mundo.

    • Daniel disse:

      Tá sabendo mesmo, Coreia do sul, Japão são exemplos de países que os EUA se aliou, e hj são seus escravos. Parte da Europa também. Agora os aliados da esquerda, como Cuba, Venezuela, Nicarágua, Coreia do norte e outras nações prósperas, nunca quiseram ser escravizados pelos EUA.

    • Bruno disse:

      Vai não, melhor se aliar a maduro, os irmãos Castro e o da Nicarágua, mais, emprestar dinheiro subsídiado pelo sangue do povo através do BNDES, melhor até que gerar emprego no Brasil.

  3. Everton disse:

    Trump se promoveu com a boa premissa de acabar com a OTAN, dado que a guerra fria se foi há tempo. Pós-eleição, mudou o tom. O mundo é multipolar, se faz necessário outras organizações.

Golpe em roteadores atinge milhares de casas no Brasil; quase metade das residências no país têm dispositivos vulneráveis

Casas com muitos aparelhos conectados à internet têm mais chances de estarem vulneráveis — Foto: Reprodução/Google Imagens

Um estudo da Avast divulgado nessa segunda-feira (18) aponta alto risco para residências que contam com algum tipo de dispositivo inteligente no Brasil. Segundo o relatório, 45% de todas as casas com muitos aparelhos conectados está vulnerável.

O perigo maior estaria em roteadores: dentre as mais de duas milhões de redes domésticas analisadas no país, 66% dos roteadores apresentam algum tipo de falha de segurança. Estão na lista também boxes multimídia, câmeras e impressoras conectadas à Internet. Entenda o problema e saiba os cuidados que se deve tomar.

Os dados fazem parte do Relatório sobre Casas Inteligentes 2019, realizado a partir de informações enviadas pelos próprios usuários por meio da ferramenta Avast WiFi Inspector, do antivírus Avast, em setembro de 2018. De acordo com a empresa, 45% das casas brasileiras têm mais de cinco aparelhos de uso doméstico conectado à rede e, desses, outros 45% têm pelo menos um dispositivo vulnerável.

Uma das principais razões da insegurança digital dentro de casa, segundo o levantamento, seria o uso de senhas fracas. Das residências analisadas pela Avast, 69% podiam expor dados do usuário por conta de credenciais fáceis demais de adivinhar ou da ausência de login em dois fatores. Smart TVs que rodam Android TV ou a Apple TV, que usa o tvOS, similar ao iOS, devem ter esse recurso ativado para afastar invasores.

Outro motivo relevante estaria relacionado à falta de atualizações constantes. Entre os lares avaliados, 31% estavam expostos a hackers por terem algum aparelho com software antigo que tem falhas conhecidas ainda sem a devida correção.

Os dispositivos residenciais inteligentes mais vulneráveis identificados pela Avast no Brasil são:

Dispositivo de rede (roteador, adaptadores de rede, modem ou hub): 40,6%

Câmera de segurança: 26,7%

Impressoras: 19,1%

Caixa de streaming de mídia (centrais multimídias, Chromecast e similares, gravadores de vídeo): 8,7%

TVs: 2,4%

Riscos e como se proteger

Aparelhos vulneráveis podem servir de porta de entrada para a invasão da rede por hackers. Criminosos podem aproveitar a brecha para aplicar uma série de golpes, que vão desde a alteração de páginas da web para capturar dados bancários, até a infecção de computadores com ransomware para pedir resgate em Bitcoin. Além disso, redes comprometidas facilitam o sequestro de dispositivos para uso em botnets, geralmente com o propósito de praticar algum tipo de invasão à infraestrutura de terceiros.

Para se proteger, usuários devem buscar atualizar o software do roteador (firmware) com frequência, assim que o fabricante disponibilizar. Também é importante usar senhas fortes em suas contas online – um gerenciador de senhas como o LastPass pode ajudar. Além disso, é importante ativar a autenticação em duas etapas de todos os serviços e sistemas operacionais que você utiliza.

Globo, via Avast e Techtudo

 

GOL DE PLACA SE DESENHANDO: Trump apoia entrada do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico(OCDE)

Presidentes trocaram camisas de seleções de futebol.Foto: Kevin Lamarque/Reuters

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira (19), ao se reunir com Donald Trump na Casa Branca, que o presidente dos Estados Unidos quer uma América grande, assim como ele quer um Brasil grande.

Bolsonaro voltou a afirmar que, após décadas, o Brasil deixou de ter um presidente antiamericano e afirmou ter muito a conversar com Trump.

Bolsonaro entregou uma camisa da seleção brasileira ao presidente norte-americano com o nome de Trump nas costas, e também recebeu uma camisa da seleção de futebol dos EUA.

O presidente norte-americano, por sua vez, disse que os Estados Unidos não têm nenhuma hostilidade com o Brasil, mencionou a possibilidade de uma participação brasileira na Otan ou outra aliança estratégica e declarou apoio à entrada do país na OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico).

Em rápidos comentários ao iniciar encontro com o presidente Bolsonaro, na Casa Branca, Trump disse que seu colega brasileiro está fazendo um excelente trabalho e que o Brasil nunca esteve tão perto dos Estados Unidos.

Trump disse ainda que iria discutir com Bolsonaro sobre a situação da Venezuela, que vive uma grave crise político-econômica, e repetiu que todas as opções estão sobre a mesa.

Ontem, o ministro da Economia, Paulo Guedes, deixou claro o descontentamento com a dificuldade dos norte-americanos em darem um apoio claro à entrada do Brasil na OCDE, considerada o clube dos países liberais.

Um apoio explícito era um dos principais pontos na agenda do governo para essa viagem mas, ao contrário do esperado, as conversas não avançaram. Ao contrário, de acordo com fontes ouvidas pela Reuters, o governo norte-americano muda as justificativas para não apoiar o Brasil a cada vez. As chicanas diplomáticas incomodaram Guedes.

Em seu discurso, o ministro acusou os Estados Unidos de ser o principal obstáculo para entrada do Brasil na OCDE.

“Nós precisamos de ajuda. Incrivelmente, os Estados Unidos são o único obstáculo para o Brasil entrar na OCDE. É até compreensível, porque estávamos no lado esquerdo pela maior parte do tempo. Mas agora estamos no lado direito e não merecemos o mesmo tratamento que tínhamos antes”, cobrou Guedes.

Em um sinal de que também não estava satisfeito com as negociações comercias durante a visita, o ministro cobrou o “tit for tat” nas conversas, o que significa uma relação equivalente.

“Quer vender porco, ok, compre minha carne. Quer me vender etanol, compre meu açúcar. Carne por porco, etanol por açúcar, trigo por autopeças. São pequenas coisas”, defendeu.

Os temas citados por Guedes são alguns dos pontos que o governo pretendia resolver durante a visita, mas até agora não avançaram.

Nesta terça, Bolsonaro tem encontro com o presidente norte-americano, Donald Trump, e o Brasil ainda aposta na “química” entre os dois para resolver algumas das questões pendentes.

Reuters

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Tico de Adauto disse:

    Absurdo. Trocou os benefícios da ONC por apoio para entrar na OCDE, estava nada trará para o país. Trump passou a perna no presidente tosco.

  2. Fagner disse:

    Um fracasso esse encontro. Falou apoiar na OCDE em troca de perder influência na OMC, está bem mais importante.

  3. PT Doença disse:

    Bora, petistas bitolados. É melhor o Brasil ou a ptdoença?

    • Roberto disse:

      No caso aí, o pior é a subserviência do Brasil. Modo "Síndrome de Viralata" ativado em advanced.

    • PT Doença disse:

      É melhor a derrama de dinheiro que saía do Brasil na era PT? És doente mesmo!!!

    • Manoel disse:

      Né isso Roberto! Era melhor na época que nosso dinheiro sustentava as ditaduras da Venezuela e Cuba… Aí sim éramos potência KKK

    • Odin disse:

      À PT doença e demais Bolsominion's
      VILLA: VIAGEM DE BOLSONARO AOS EUA É DESASTROSA
      O colunista Marco Antonio Villa, que se notabilizou como uma das vozes mais agressivas da direita brasileira com seus comentários na Jovem Pan, está indignado com a postura e o entreguismo do presidente Jair Bolsonaro nos EUA; "Esta viagem está sendo desastrosa. É um absurdo o que está sendo feito. Você se alia aos EUA e não vai receber nada", disse; "É necessário acabar com essa subserviência"; jornalista ainda bateu duro no deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), para quem os brasileiros nos EUA são uma "vergonha"; "Eduardo Bolsonaro. Você que é uma vergonha para o Brasil. Você que põe o boné do Trump. Você é uma vergonha e não o brasileiro que vai lá trabalhar"

Netflix é punida no Brasil por sugerir ‘roubar Wi-Fi do vizinho’ em propaganda

O Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar), órgão responsável por fiscalizar peças publicitárias no Brasil, puniu a Netflix por conta de uma propaganda que a empresa veiculou em edifícios de São Paulo em dezembro de 2018.

“Hoje é dia de roubar o wi-fi do vizinho para maratonar”, dizia o anúncio exibido no monitor de um prédio residencial em São Paulo, em outubro de 2018, segundo informações do Meio&Mensagem. Um consumidor que viu a propaganda decidiu denunciar a Netflix junto ao Conar.

O argumento apresentado foi o de que a propaganda estava “incitando” o público a cometer um “ato ilegal” – o de “roubar” o Wi-Fi do vizinho, no caso. Em sua defesa, a Netflix argumentou que a linguagem da propaganda tinha “óbvio bom humor”, e não incitação a qualquer crime ou irregularidade.

Na primeira semana de dezembro de 2018, o caso foi julgado pelo Conselho de Ética do Conar, que mandou suspender a veiculação do anúncio. A Netflix recorreu da decisão, e o caso foi analisado de novo pelo Conar no dia 14 de abril. Mais uma vez, porém, os conselheiros negaram o argumento da empresa.

Após mais esta derrota, não resta mais chance de apelação. A Netflix fica proibida de veicular o anúncio sobre “roubar o Wi-Fi do vizinho”, mantendo-se a determinação do Conar de dezembro do ano passado.

Olhar Digital

Antes de construir é preciso ‘desconstruir muita coisa’ no Brasil, diz Bolsonaro nos EUA, ao falar do risco do comunismo/socialismo no país

Bolsonaro acena a brasileiros ao deixar a Blair House, em Washington Foto: Agência O Globo

Num jantar com lideranças conservadoras de domingo à noite, em Washington , o presidente Jair Bolsonaro disse aos presentes que o sentido de seu governo não é construir coisas para o povo brasileiro , mas desconstruir. Depois dessa etapa, na sua visão, é que chegaria o momento de começar a fazer algo pelo país. A fala, “confusamente” descrita em O Globo, refere-se ao risco da implantação do socialismo no país, na visão do capitão.

“O Brasil não é um terreno aberto onde nós pretendemos construir coisas para o nosso povo. Nós temos é que desconstruir muita coisa. Desfazer muita coisa. Para depois nós começarmos a fazer. Que eu sirva para que, pelo menos, eu possa ser um ponto de inflexão, já estou muito feliz”, afirmou.

Na avaliação de Bolsonaro, “o nosso Brasil caminhava para o socialismo, para o comunismo”, mas esse processo foi interrompido com a sua vitória eleitoral — “um milagre”, definiu.

Um vídeo com trecho do discurso do presidente foi também publicado no Twitter por Eduardo Bolsonaro. No mesmo discurso, Bolsonaro disse que estava sentindo-se “quase que em casa”. Ele falou que sempre teve admiração pelo povo americano e que os Estados Unidos sempre lhe serviram de exemplo.

No evento ele fez uma deferência especial ao filósofo e professor Olavo de Carvalho, que estava sentado ao seu lado no jantar. Disse que foi um de seus grandes inspiradores e inspirador de muitos jovens no Brasil. “Em grande parte, devemos a ele a revolução que estamos vivendo”, disse.

Escritor Olavo de Carvalho, à direita do presidente brasileiro, Jair Bolsonaro (de pé), durante jantar em Washington Foto: Divulgação

O jantar foi realizado na residência do embaixador brasileiro em Washington, Sergio Amaral. Além da comitiva do presidente e de Olavo de Carvalho, estavam presentes pensadores da direita americana. Dentre eles, Steve Bannon, o ex-estrategista de Donald Trump; o acadêmico Walter Russell Mead; a colunista do Wall Street Journal Mary Anastasia O’Grady; e o editor da revista literária The New Criterion, Roger Kimball. Foram servidos mousse com ovas de salmão, beef Wellington, purê de nabo e quindim, além de caipirinha.

Segundo o porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, o presidente também afirmou que “democracia e liberdade são os fatores mais essenciais que unem os dois povos neste momento” . Bolsonaro ainda lembrou a atuação do Brasil ao lado de tropas americanas na Segunda Guerra Mundial.

A agenda oficial de Bolsonaro prevê uma visita à Casa Branca na terça-feira, quando deverá se encontrar com o presidente dos EUA, Donald Trump. O presidente nesta segunda faz uma visita à CIA fora da sua agenda oficial .

Com acréscimo de informações de O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Marcos disse:

    Já passou da hora de falar de PT e começar a governar… Milhões de desempregados, a educação, a saúde, a segurança de mal a pior e nenhuma ação concreta desse governo laranja 🍊 O povo quer ação…

  2. Fagner disse:

    O país sem governo. Somente funciona por conta da solidez das instituições.

  3. Jose Gabriel disse:

    Bolsonaro caldo é um poeta e filosofo renomado. Falar em ameaça do comunismo/socialismo. Se por acaso ele se refere ao PT, vale apena perguntar:
    O PT no seu programa de governo devendeu o fim da propriedade privada?
    O PT no seu programa de governo defendeu a estatização das empresas que foram privatizadas?
    O PT defendeu fim dos bancos privados?
    Agora quem pegar os documentos do PT de 1989 ai pode encontrar alguma coisa desse tipo, depois que virou governo rasgou, apagou, mandou queimar tudo isso.
    O PT hoje é um Partido Social Democrata igual ao PSDB, MDB.
    Se intitula de esquerda pq na sociedade brasileira tem 39% do povo que são simpatizantes da esquerda.
    Quero vê até quando Bolsonaro vai ficar neste discurso para esconder suas fragilidades.

    • Ems disse:

      O MST representa o que ?
      Estatizar pra que, se os bancos e empresas eram "cumpanheiros" e ajudavam no enriquecimento ?

    • Ceará-Mundão disse:

      PT foi um dos fundadores do Foro de São Paulo, defende todas as ditaduras socialustas/comunistas mundiais, tendo enviado muito dinheiro nosso para essas porcarias, defende o desarmamento da população (como fizeram todos os ditadores comunistas/socialistas), é a favor da censura à imprensa (que chamam por outros nomes), tentou criar no Bradil os tais "coletivos" (outro hábito dos "vermelhos"), vive a falar mal do capitalismo (embora ame benefíciar-se dos seus luxos), é contra a propriedade privada (a dos outros, que gosta de invadir, depredar e tomar)… Meu caro, eu poderia passar o resto da noite citando exemplos do amor que o PT e seus aliados ideológicos têm pelo comunismo/socialismo. E nem é necessário. Por toda parte vemos militontos vestindo suas camisetas do Che Guevara, escutando o hino da Internacional Socialusta, empunhando suas bandeiras vermelhas com a foice e o martelo e coisas do tipo. Vc acha que engana quem com esse seu papo furado?

    • Ceará-Mundão disse:

      O PT e seus principais sócios, PCdoB, PSOL, PSTU, PSB e boa parte do PSDB são todos socialistas/comunistas. Essa sua conversa mole não engana ninguém. Nem criancinhas. Cadê sua camisa do Che Guevara? E sua bandeira com a foice e o martelo? Francamente…

  4. QUEM? disse:

    Quem conhece Gramsci sabe que ele não esta inventando!

  5. Marcos disse:

    Esse cara acordou do coma depois de 70 anos ? É muita viagem.

  6. Assis carvalho disse:

    A crítica mal feita a Olavo de Carvalho, filósofo renomado e escritor sem igual no Brasil, escreveu 17 livros(700 mil vendidos) por vocês, na 98, mostra bem o nivel intelectual de voces, chamando Olavo de "doidinho do pão". Algum de vocês escreveu algum livro, pelo menos algum artigo no Globo, Folha ou Época? Ele, Olavo, já e nesse tempo morava no Brasil.

  7. André Fortes disse:

    Que imaginação fértil. De onde esse cara tira essas coisas? Quando tivemos comunismo por aqui? O PT era socialista?

    • Bader disse:

      Comunista/socialismo são sinônimos.

      "As expressões “comunismo” e “socialismo” recebem significados nem sempre muito precisos. Numa explicação bem resumida, daria para dizer que, segundo a teoria marxista (veja quadro abaixo), o socialismo é uma etapa para se chegar ao comunismo. Este, por sua vez, seria um sistema de organização da sociedade que substituiria o capitalismo, implicando o desaparecimento das classes sociais e do próprio Estado.

      “No socialismo, a sociedade controlaria a produção e a distribuição dos bens em sistema de igualdade e cooperação. Esse processo culminaria no comunismo, no qual todos os trabalhadores seriam os proprietários de seu trabalho e dos bens de produção”, diz a historiadora Cristina Meneguello, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

      Mas essas duas expressões também pode assumir outros significados. “Pode-se entender o socialismo, num sentido mais limitado, significando as correntes de pensamento que se opõem ao comunismo por defenderem a democracia. Em contraposição, o comunismo serviria de modelo para a construção de regimes autoritários”, afirma o historiador Alexandre Hecker, da Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Assis (SP).

      Os especialistas são quase unânimes em afirmar que nunca houve um país comunista de fato. Alguns estudiosos vão mais longe e questionam até mesmo a existência de nações socialistas.

      https://super.abril.com.br/mundo-estranho/qual-a-diferenca-entre-comunismo-e-socialismo-existiu-algum-pais-realmente-comunista/

    • João disse:

      Não André Forte, o PT é um partido LIBERAL, CAPITALISTA e de EXTREMA DIREITA!!!
      Vitimismo e Fanatismo até um certo ponto, por favor!

    • PT falido. disse:

      Se não era, enganava o povão!

    • Ceará-Mundão disse:

      Não chegamos a esse ponto por muito pouco. Vide a ferrenha defesa que até hoje a petralhada faz da Venezuela e de porcarias semelhantes. Mas ainda não estamos livres desse perigo. Todos nós sabemos que essa sempre foi a intenção desses "vermelhinhos". A educação e a cultura do país já foram totalmente aparelhadas, assim como a grande mídia. O PT e boa parte do PSDB foram fundadores do famigerado Foro de São Paulo, cuja intenção é disseminar essa ideologia nefasta no continente americano. E temos uma miríade de partidos socialistas/comunistas no Brasil. Mas esse jogo está virando e o Brasil está se "endireitando", seguindo uma tendência mundial. O socialismo/comunismo não deu certo em lugar algum do mundo. Isso é algo inquestionável.

VÍDEO: Técnica para descontaminar órgãos pode acelerar filas de transplantes no Brasil

Cientistas brasileiros e canadenses estão conseguindo descontaminar os órgãos, que, antes não poderiam ser doados por causa de infecções. Assista reportagem da Record abaixo.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. […] VÍDEO: Técnica para descontaminar órgãos pode acelerar filas de transplantes no Brasil […]

Alegando alto investimento em tecnologia e produção de filmes e séries, Netflix aumenta preço no Brasil; veja novo valor de cada plano

Netflix anunciou, nesta quinta-feira (14), um novo reajuste de preços para os planos do serviço no Brasil. O valor subiu de 10% a mais de 20%, dependendo do pacote escolhido, e vão de R$ 21,90 a R$ 45,90 na assinatura mais cara. Os novos preços valem de imediato para novos assinantes.

Procurada pelo TechTudo, a empresa de streaming explicou que os usuários que já contam com assinatura ativa terão o preço da mensalidade reajustada de acordo com o ciclo de pagamento. As datas exatas de alteração serão informadas via comunicação por e-mail e notificação no aplicativo ainda este mês.

A assinatura mais básica da Netflix saiu de R$ 19,90 para R$ 21,90, enquanto a assinatura intermediária, que permite dois acessos simultâneos, passou de R$ 27,90 para R$ 32,90. A opção mais avançada, que libera streaming em até quatro telas ao mesmo tempo e conteúdo em 4K, foi de R$ 37,90 a R$ 45,90.

Em comunicado, o serviço de streaming explica que o aumento é consequência do alto investimento em tecnologia e produção de filmes e séries. “Mudamos nossos preços de tempos em tempos para continuar investindo no melhor do entretenimento, além de melhorar a experiência da Netflix para nossos membros no Brasil”, justifica a empresa.

A Netflix opera no Brasil desde 2011. Na época, o serviço oferecia apenas uma assinatura, que custava R$ 15 mensais.

Em julho de 2018, a empresa começou a testar uma quarta modalidade de assinatura, chamada de Ultra, com opção de conteúdo em HDR por preço equivalente a R$ 53,90. O plano experimental funcionou apenas nos EUA e, até o momento, não foi disponibilizado a usuários brasileiros.

Techtudo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. WASHINGTON HENRIQUE disse:

    E A MAIORIA DOS FILMES JA ASSISTI A MUITO TEMPO.

  2. WASHINGTON HENRIQUE disse:

    PODERIA CONTRATAR MELHORES DUBLADORES , AS DUBLAGENS SÃO CHEIAS DE PALAVRÕES . E PODERIA SER MAIS RAPIDO EM ATUALIZAR SERIES .

  3. Everton disse:

    Amazon Prime tá bem melhor, além de mais em conta.

  4. djailson disse:

    ESTA FICANDO CARO, VAMOS PEDIR EM MASSA O CANCELAMENTO DAS ASSINATURAS É A NOSSA UNICA ARMA CONTRA ABUSOS DESSA QUALIDADE.

    • Uthred Bebaburg disse:

      Não acho caro, um filme no cinema e mais caro. E tudo fatalmente vai ter reajuste. Sem investimento não se mantém qualidade. Aumento é ruim mas e justo

Pesquisador da UFRN receberá prêmio “100 Mais Influentes da Saúde” no Brasil

O pesquisador e coordenador do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS), do Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL), da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Ricardo Valentim, receberá esta semana o prêmio “100 Mais Influentes da Saúde”, oferecido pela revista Healthcare Management. A cerimônia de premiação ocorrerá na próxima quinta-feira (14), na cidade de São Paulo/SP.

Chamado de “Oscar da Saúde”, o reconhecimento em nível nacional reúne 10 personalidades indicadas em 10 diferentes categorias, sem ordem de importância entre os escolhidos. O Coordenador do LAIS, Ricardo Valentim, foi eleito na categoria “P, D & I”, que valoriza ações na área de tecnologia aplicada à Saúde.

Para o professor Ricardo, essa premiação pertence à UFRN e é fruto de muito trabalho em pesquisas realizadas na Saúde, por meio de um laboratório que é pioneiro e referência em todo o Brasil e que combina saberes nas áreas de Engenharia, de Tecnologias da Informação e de Comunicação.

Ainda segundo Valentim, o LAIS prova que é possível praticar a Ciência Humanitária. Nesse tipo de ciência, o desafio é pensar em tecnologia, educação e economia de forma humanitária, partindo de um problema que a sociedade precisa resolver, sem pensar apenas na geração de riqueza para pequenos grupos, complementa o professor.

A cerimônia de premiação será transmitida ao vivo pela internet por meio do site e do perfil no Facebook.

Com informações da UFRN