Destino do Hotel Reis Magos é debatido em audiência pública na Câmara Municipal

O destino do Hotel Reis Magos, situado na Praia do Meio, foi tema de uma audiência pública realizada, nesta quarta-feira (28), na Câmara Municipal de Natal. Participaram do debate, proposto pelo vereador Sandro Pimentel (PSOL), representantes da Prefeitura de Natal, do Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU/RN), da Universidade Federal do Rio Grande do Norte e de diversos órgãos e entidades que trabalham na documentação, pesquisa e preservação do patrimônio histórico, além da sociedade civil.

Na abertura do debate, Hélio de Oliveira, diretor do Departamento de Patrimônio Cultural da Funcarte, disse que a instituição considera o Hotel Reis Magos relevante para a história da arquitetura moderna do RN e a memória coletiva da capital potiguar. “Agora, acho estranho o principal órgão de proteção ao bem cultural estadual, a Fundação José Augusto, não estar presente, inclusive para falar sobre o tombamento provisório do prédio feito por ela e informar se há possibilidade de acontecer o tombamento definitivo”.

Francisco Rodrigues, da Associação Cristã de Moradores e Amigos da Praia do Meio (AMA-PM), disse que a audiência é importante para mostrar ao Poder Público a urgência de uma solução para a situação de um espaço que está parado e em processo de deterioração.

“A comunidade sofre muito com tudo isso que está acontecendo, haja vista que se o equipamento estivesse funcionando certamente teriam mais oportunidades de emprego e renda para as pessoas. O hotel poderia ser um polo de atração turística na cidade, principalmente naquela orla marítima, um corredor de turistas que se dirigem para o litoral norte”, lamentou Rodrigues. “Defendemos a revitalização do prédio sem perder de vista seu perfil histórico, objetivo que pode ser alcançado através de parcerias público-privadas”, afirmou.

Por sua vez, o presidente do Sindicato dos Arquitetos (Sindarq/RN), Vinícius Galindo, disse que o assunto tem circulado na mídia mas não tem sido debatido com a profundidade necessária. “O Legislativo natalense oferece uma imensa contribuição para a abordagem da temática. Enquanto isso, a Prefeitura não fala oficialmente sobre a situação do Hotel Reis Magos há anos, inclusive durante um tempo chegou a cogitar a demolição da estrutura. Portanto, vamos exigir um posicionamento do prefeito Carlos Eduardo Alve sobre o destino de um prédio que guarda parte da memória da cidade”, cobrou Vinícius.

De acordo com o vereador Sandro Pimentel, a audiência cumpriu sua função de fomentar o debate acerca de uma questão de interesse público. “Chegaram alguns elementos novos, sobre os quais não tínhamos conhecimento. Por exemplo, a informação de que o processo de tombamento do Reis Magos não se encontra mais na Funcarte, e que saiu de lá com parecer favorável, uma das condições fundamentais para avançarmos”, explicou.

“Vamos agora marcar uma audiência com o secretário Homero Grec, chefe da Casa Civil, para sabermos de forma detalhada como anda a situação do tombamento do prédio, a partir do que disse a Funcarte, de que o processo saiu aprovado pelo Conselho Municipal de Cultura, que foi favorável a não demolição do Hotel”, concluiu.

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. paulo martins disse:

    Audiência patética, porém de grande utilidade didática.
    Atestado irrefutável do grau de intransigência de seus proponentes às decisões da Justiça.
    Uma verdeira aula de pedagogia da intolerância.

  2. Val Lima disse:

    Pura perda de tempo…
    A justiça bateu o martelo (Inês tá morta).
    Agora é marcar a data para implodir o q restou da estrutura corroída pela maresia…

  3. Frasqueirino disse:

    É muita falta do que não ter o que fazer. Esse prédio pertence a um empresário pernambucano e ele tem todo.o direito de fazer o que bem entende com aquele monstrengo inserível.

  4. José Dantas disse:

    Só uma pergunta: convidaram os empresários donos do estabelecimento?

  5. Netto disse:

    Enquanto tem gente querendo destravar a economia, desenterrando aquela caveira de burro,
    fica um monte de estatizado enterrando caveira de burro, fazendo graça com o dinheiro
    duzôto. E quando não se quer fazer nada com um prédio, transforma em "espaço cultural", pra
    ser visitado uma vez por mês.

  6. PAULO M JÚNIOR disse:

    QUERO DIZER MARIA BOA

  7. PAULO M JÚNIOR disse:

    O CABARÉ DE MARIA FOI IMPORTANTE PARA A HISTIORIA DO NOSSO ESTADO, FOI DEMOLIDO!

  8. Zedobode disse:

    É muita falta do que fazer,um município com problemas muito mais sérios,por isso nao voto…..

  9. José Neto disse:

    Pelo amor de Deus, tanta coisa séria para discutir, óbvio que a demolição tem que existir totalmente, o prédio está em ruínas, tem que avançar, com uma construção moderna e que gere emprego, não se trata de uma obra secular, apenas um hotel que outrora recebeu famosos, mas importante seria o grande hotel na ribeira. Pensem na população local, aquela orla requer investimentos não gambiarras! Deixem o privado resolver, nada de dinheiro público!

  10. Guga disse:

    Aquilo tem que ser demolido.

  11. Defensordobomsenso disse:

    Impressionante como os "estudiosos" encontram soluções com o bolso alheio. Um prédio que está completamente deteriorado e não demonstra qualquer viabilidade econômica para continuar sendo um hotel, já que temos uma das maiores redes hoteleira do Brasil. Quem em sã consciência investiria um real naqueles escombros ? Domilição já! Parem de se preocupar com seus egos inflados e olhem para as necessidades da população. Tenham vergonha !

    • Netto disse:

      Não precisa ser hotel. Transforma em pocilga, galinheiro, canil, estábulo, curral… transforma em estacionamento… faz um centro comercial. Deixe que quem quiser investir que jogue seu dinheiro
      no mato.

  12. IRAM disse:

    Derrubem aquela bosta pelo amor de Deus. Conjunto arquitetônico horroroso, totalmente destruído e infestado de crakudos.

COMENTE AQUI