Geral

EDITORIAL: Menos, doutora Roberta Lacerda, menos…

Foto: Reprodução/ Instagram

A médica Roberta Lacerda ganhou os holofotes da mídia graças à sua competência, aos seus conhecimentos e posições claras e definidas. Ao longo da pandemia se notabilizou pela defesa de medicamentos que compõem o tão polêmico “tratamento precoce” contra o Sars Covid-19, o vírus surgido na China e que já matou alguns milhões de pessoas ao redor do mundo e perto de 390 mil brasileiros.

Como tudo nessa pandemia, no Brasil o “tratamento precoce” também virou motivo de polêmica. Nada mais natural e previsível.

Então, um bom conselho a quem está disposto a assumir posições sobre qualquer coisa neste País é: saiba conviver com as críticas, aceite os questionamentos e não leve para o lado pessoal o que você pode encarar de forma profissional.

A competente médica Roberta Lacerda, no entanto, passou do ponto. Enquanto emplacava uma entrevista atrás da outra e ocupava espaços cada vez mais generosos na mídia convencional e nas redes sociais, estava tudo bem. Depois, quando suas ideias e posições passaram a ser alvo de questionamentos, Roberta Lacerda deixou os argumentos e desceu do salto, partindo para a agressão aos profissionais da área de comunicação.

Chamou os jornalistas de ignorantes, despreparados, mentirosos e outras coisas mais. Dizendo falar em nome dos médicos que “cansaram de estar sendo usados”, a médica esqueceu de algo básico: jornalistas não são e estão longe de ser donos da verdade, mas reproduzem questionamentos sobre tratamento precoce que não são seus, mas elaborados por médicos, pesquisadores, cientistas e entidades de várias parte do mundo.

Em vez de dar seu show de arrogância – que desagradou muitos dos seus colegas médicos – Roberta Lacerda deveria aprender a conviver com o contraditório, fundamental para quem desejar ocupar e manter espaços na mídia e nas redes sociais.

Uma regrinha básica do jornalista Armando Nogueira cairia muito bem nessa hora: “elogiar não é bajular e criticar não é agredir”.

NÃO EXISTE “VERDADE” ABSOLUTA.

BG

Opinião dos leitores

  1. Concordo com a Dra Roberta e quem nao a apoia se contrai a covid fiquem em casa tomando agua. Kkkkkkkkkk

  2. A doutora está certissima. O jornalismo morreu. Virou press release.

  3. BG você perdeu em todos os sentidos, parabéns a Dra Roberta que desmascarou muitos de seus colegas, que aliás convivivem com você quase que diariamente, e, você e´incapaz de reconhecer que estes muitas das vezes diz o que não deve com quem não merece, e pior não temos a quem recorrer, é fato infelizmente

  4. Calminha aí, “mestre”!!! Não vista essa carapuça, não lhe cai bem!! Você sabe que seu público lhe acompanha pelo fato de você ter credibilidade! Não jogue esse crédito fora porque perde! A Dra. tem credibilidade e falou TUDO o que nós achamos da grande parcela dos “jornalistas” aqui de Natal. Assim, mesmo com grifo!!
    Então, menos, menos! BG.

  5. Totalmente alucinada essa médica. A Dra. Ivermectiners ldefende tratamento já amplamente deslegitimado pela classe científica mundial. Claro, a médica procura sim se destacar visando a um futuro cargo politico. Pior: com esteiro em teorias e alucinações sem nenhuma base científica.

    1. Primeiro comentário lúcido. Extamente isso… Quer dizer que os cientistas do mundo todo estão unidos para boicotar Ivemerctina e cloroquina!? Essa médica é a dona da verdade? Não é pelo fato de ser médica, que a sua teoria é verdadeira. Arrogância e alucinação… Comprou uma briga e vai até o fim. A cegueira também está estudiosos.

    1. Acho que vc se doeu BG. Se você se ofendeu então você faz parte desses jornalistas que querem ser os donos da razão. Infelizmente muitos como você acham que sabem tudo. Cada um no seu lugar é melhor.

  6. Dra. Roberta está coberta de razão. Siga com suas convicções e não dê trela para esses “jornazistas comunistas” 👏👏👏👏👏👏👏

  7. Esse é um exemplo, na trilha da ciência do debate (sim, há regras científicas para que se estabeleça um debate científico e profícuo), que são diferentes das regras que a imprensa usa quando abre espaço para opiniões. As opiniões são diferentes de argumentos. Todos podem ter opniões sobre o geocentrismo, evolucionismo, terraplanismo e teoria gravitacional. Argumentos têm, por definição, necessariamente de serem respaldados cientificamente. E nesse assunto, usando os critérios científicos que definem as limitações, inadequações e qualidade dos artigos científicos, não há dúvidas sobre a ineficácia e até, no caso da HCQ, dos riscos dessas medicações de reposicionamento.

  8. Dra Roberta disse a vdd. Infelizmente! Sabemos q assim como tda regra ha exceções, assim tda fala q parece generalizar sobre o ponto q quer atingir. Infelizmente vidas foram perdidas a míngua! Vamos ter calma e ir na essência da msg! Toda profissão merece respeito, não tds profissionais… são coisas bem distintas! Força dra guerreira Roberta! Parabéns pela competência, força de estudar e aprender! Deus a abençoe! 🙏

  9. A doutora parece uma fanática militante do PSTU, só que da Extrema Direita. Está no seu direito de liberdade de expressão e pensamento, mas a gente não pode é achar que porque ela é médica sabe o mesmo que aqueles que estão REALMENTE fazendo pesquisa, e que a contradizem em massa. O discurso dela, mais do que científico, é político e ideológico. A sua pregação se parece muito mais com o que diz Olavo de Carvalho do que com o que está nos arquivos da Lancet.

  10. concordo com tudo que a Dra. Roberta falou, nossos jornakistas, em sua maioria são seres voltados para a politicagem barata, se vendem fácil e não estão preocupados em informar um conteúdo de qualidade, informam o que é conveniente para eles na ocasião, o que está incomodando tanto é que a Dra. falou a mesma linguagem da maioria da população.

  11. Bacana, BG, o seu trabalho censurando os comentários. Parabéns para você, só seja mais honesto quando falar sobre liberdade de expressão, seu hipócrita.

  12. Adorei o que a médica disse. Arrasou !!!!! 👏🏻👏🏻👏🏻❤️❤️ Tem Uma boa parcela dos jornalistas e radialistas que sinceramente são uns ridículos !!

  13. Está certíssima!!!! Jornalista NÃO é médico, desçam vcs do salto e cada um no seu quadrado!!! Se é que se pode chamar de jornalismo o que existe hoje em dia!! Ponto!!!

  14. Roberta foi muito infeliz nos comentários que Fez Não vi por nenhum momento jornalista querendo medicar, eles fazem o papel deles, mas não sei qual o problema que ela tem, que não permite que ninguém fale.Tem uma verborreia intensa e precisa ter maior controle do seu emocional. Gosto dela, conheço desde criança, amiga da minha filha mais nova e estou fazendo uma crítica construtiva.

  15. Desculpe, BG, mas a Dra. Roberta direcionou os comentários para certos jornalistas e não a você. Parabéns Dra. Roberta.

  16. Que tristeza que mesmo depois de inúmeros relatos da ineficácia do tratamento precoce(ivermectina, cloroquina) alguns profissionais insistem no uso de tais medicamentos.
    Deus me livre cair na mão de uns desses caso contraia o vírus.
    Prepotência e ignorância gera miséria, violência e descaso com a vida alheia.

  17. Bem,
    Não vejo Dra. Roberta Lacerda arrogante, desculpe BG por sua posição pessoal.
    Não creio q se trata de disputa de opinião com os jornalistas, estou cansado de ver na Globo, CNN e Band NEWS, jornalistas que nada sabem de medicina, pegarem veementemente, a negação do tratamento precoce, por não ter comprovação científica (pura falácia).
    Ela está corretíssima, pois a Grande mídia nunca levou um médico que defenda o tratamento precoce.
    Vc, como jornalista das redes sociais, precisa dizer em que lado vc está, pois esse assunto, não trata-se de futebol ou religião, onde cada um tem sua opinião.
    Medicina se faz com evidências, e evidências do tratamento precoce já salvou a minha e de outros seis familiares, além de centenas de milhares de pessoas, da Covid 19.
    Nunca seguirei o protocolo “Mandetta”, do fique em casa e vá tomando Parecetamol até piorar…

    Alcyr

  18. Parabéns Dra. Roberta, está corretíssima – Crítica restrita ao mal jornalismo…. Mais nem isso querem lê ou ouvir

  19. Parece que existe dentro da medicina, argumentos contrário as convicções da dr. Roberta. Então cada um fica com seu livre arbítrio, para acreditar no que quer. Conheço vários médicos muito conceituados em Natal, que são terminantemente contra o uso de medicamentos para o tratamento precoce da Covid. Acho muito importante a posição dos jornalistas de esgotarem o tema, questionando todas as opiniões. Por sinal esse é exatamente o que se estuda na universidade. Mostrar todos os lados do fato. Se a dr. Roberta, não aguenta questionamento, sinto muito. Esse é o papel da imprensa.

  20. Parabéns DRA ROBERTA! A senhora sofre agressões todos os dias, de jornalistas medíocres, militantes ideológicos, nada mais aliviador do que falar a verdade na cara deles.

  21. Ela está certíssima, a maioria desses jornalistas não se dão a pesquisar, estudar sobre o que vai comentar. Comenta o que ouviu e leu em qualquer veículo. Ficam dizendo besteira e tem muito jornalista no Brasil, tomando a famosa “mijada” ao vivo qdo entrevistam eles e dizem besteira.No RN não é diferente.

  22. Concordo plenamente com sua crítica, Bruno. Opiniões diferentes todos podemos ter, mas com respeito e civilidade.

  23. BG,acompanho seu blog e escuto todos os dias seu programa e gosto muito por sinal,agora o que alguns jornalistas fazem com esse pessoal que tenta salvar vidas é imoral vivem chamando os médicos de loucos e quando recebem respostas duras aí bem com esse mimimi todo? Tenha santa paciência falou certo a doutora se não aceitam o que os médicos prescrevem então vão eles estudar medicina pra se auto medicar. Existem ótimos jornalistas mais existe outros que só Jesus na causa.

  24. A Doutora está certíssima. Falou para o PÉSSIMO JORNALISMO que vem imperando. Disso tudo e mais um pouco.

  25. Postagem muito infeliz da dra. Roberta. Ela pensa – acho que tem certeza – que sabe de tudo!

  26. BG ela reproduziu uma imagem de críticas fortes ao jornalismo, mas no post dela, no texto que é feito por ela, fica claro que ela restringe essa opinião a uma parte da imprensa.
    Na minha modesta visão não existem críticas, na verdade existe é campanha para desmoralização pública a todos que ousam a abordar qualquer coisa que não seja entubação ou vacina.

  27. Dra Roberta tá usando o vírus, como Styvenson usou a Lei Seca. Nosso vácuo político agradece. Ano que vem teremos uma novo senador ou talvez outra senadora.

  28. Meu apoio vai pra a Doutora. O que veja hoje sãocertas emissoras com midias manipuladora e deconteúdo e propagação lixo.

  29. Dra. Roberta falou o que esta engasgado na garganta de vários Brasileiros. Medico que cruza o braço e manda pra casa e so volte quando estiver com falta de ar é o verdadeiro GENOCIDA. Vivi esta experiencia e so superei graças a médicos conhecidos, que não eram infectoligista, que sugeriram eu desconsiderar esta orientação e deram outras orientações.
    Devo minha vida a estes “anjos”.

    1. Concordo. Essas pessoas que sao contra tratamen precoce quando contrair o virus fiquem em casa tomando agua como a outra doutora recomendou.

  30. Dra Roberta está certíssima. Pra vocês do jornalismo, quanto pior melhor. Vivem de desgraça, discórdia e lenha na fogueira.

  31. Avisa a Dr. Lacerda que ela é médica e não cientista, que diz tudo ao contrário que ela diz. Confio na ciência. Confio em médicos que seguem a ciência. Confio no jornalismo isento e imparcial.

    1. JA VI Q VC ACREDITA EM PAPAI NOEL

    2. “Jornalismo isento e imparcial”… kkkkkkkk Olha ali, seus coleguinhas estão brincando de massinha, pode ir pra lá brincar com eles. Os adultos estão conversando.

  32. A doutora frisou bem no início do seu argumento que a crítica é destinada ao “mau jornalismo militante de pauta ideológica”. Para essa turma o que importa não são os fatos, mas o cancelamento dos adversários ideológicos. Dra. Roberta tem meu apoio !!!

  33. A maioria esmagadora dos jornalistas só aceitam e aprovam discursos que são de esquerda. Isso não é arrogância e autoritarismo?

    Além disso a maioria dos jornalistas se acham deuses inexoráveis, inalcançáveis, que jamais podem serem questionado a.

    Sempre que alguém crítica um jornalista acontece isso. Isso aí não é arrogância?

  34. Meu apoio total à Dra. Roberta Lacerda quem vem apanhando de parte da imprensa por salvar vidas.

  35. Falou a verdade. Conte com meu apoio Dra., a população sendo usada como objeto de barganha em todos os meios profissionais, numa época difícil como essa, o ser humano ainda consegue surpreender para atos cada vez mais indignos. Uma pena. Deus tenha compaixão, a nós, humanos, só resta rezar.

  36. Estou ao lado da médica. Parece que se mexer com jornalixo eles ficam todos em polvorosa. São deuses agora, tomaram um pouco do elixir do STF? Do mesmo jeito que se critica a médica pode se criticar tbm os jornalixos, ou não? São imunes ? E tem mais, ela fala de mal jornalixos e não de todos! São muitos os casos de pacientes q se incomodam com receitas, diagnóstico e análises medicas hj em dia, baseado em matérias de jornal ou de conceitos ideológicos. As críticas da médica são pertinentes, ora

  37. Infelizmente hoje é mais fácil pesquisar no google em vez de estudar. Cada vez mais uma narrativa ou fake news se torna mais importante que um fato. Lembro que a Dra Roberta frisou e destacou que essa resposta foi para o mau jornalisa militante e lacradou, quem se ofendeu assumiu a carapuça. O médico tem liberdade e é o profissional especialista para diagnosticar e prescrever o tratamento, em comum acordo com o paciente. Jornalistas são formadores de opinião, mesmo que indiretamente, por isso a crítica justa da Dra aos lacradores de plantão…. PARABÉNS Dra ROBERTA, infelizmente a imprensa, em sua maioria, ESTÁ co taminada por ideologias partidárias e pelo veneno mortal( dinheiro) em suas pautas.

  38. É isso meu caro. Falou tudo. Parabéns pela sua posição. Ela e todos nós precisamos buscar o equilíbrio e ter serenidade pra estar “em campo”. Caminho do meio, paciência e equilíbrio são fundamentais. Além do respeito e de aceitar o contraditório.

  39. Discordo, o que o jornalismo vem fazendo é imperdoável, se Dra. Roberta passou do ponto os jornalistas já passaram há muito tempo.

    1. Concordo. A Dra Roberta Lacerda é segura, corajosa e científica ao expor e prescrever seus protocolos médicos de tratamento da covid19. Enquanto isso, a imprensa é espetaculosa, divergente, subjetiva e discordante de tudo o que possa parecer solução para o tão grave problema que vivemos.

    2. Aquele famoso mexeu com um mexeu com todos… Kkkkk parabéns Dra…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Turismo

“Crise no turismo do RN ameaça futuro do Estado”, diz vereador Aldo Clemente

Foto: Divulgação

A crise econômica enfrentada pelo setor turístico do Rio Grande do Norte pode se transformar, também, em uma forte ameaça ao futuro do Estado. Esta é a opinião do vereador de Natal, Aldo Clemente (PDT), que cobra maior atenção do poder público com a atividade, apontada como a principal da economia potiguar.

“São milhares de empregos diretos e indiretos que estão em jogo. E a retomada após a pandemia ainda será lenta. Se algo não for feito urgentemente pelo poder público, poderemos comprometer desde já as finanças dos próximos anos também. A crise no turismo do RN é uma forte ameaça ao futuro do Estado”, disse o vereador.

Aldo Clemente já apresentou ao prefeito Álvaro Dias (PSDB) uma série de propostas para socorrer o setor e tentar preservar os empregos. Os dados mais atuais são assustadores. Cerca de 40% dos trabalhadores que ficaram desempregados na pandemia em Natal são ligados ao turismo. Isso falando apenas dos empregos diretos. “Isso fica ainda mais preocupante se levarmos em conta as pessoas que dependem da visitação turística, mas que são invisíveis aos olhos da sociedade, como o vendedor de picolé na praia, o rapaz da água de coco ou o artesão que vende lembranças da nossa terra”, completou.

O vereador é autor do projeto que torna bares e restaurantes serviços essenciais em Natal na pandemia, recentemente aprovado pela Câmara Municipal. A proposta tem como objetivo estabelecer regras e protocolos rígidos de segurança sanitária para garantir o funcionamento destas atividades, que também são importantes para a manutenção do turismo.

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Segurança

Número de assaltos a ônibus tem redução de 79,5% no RN

Fotos: Divulgação/Sesed-RN

O sistema de transporte público da capital potiguar fechou o mês de abril com mais uma excelente notícia: o número de assaltos a ônibus voltou a cair, fazendo deste o melhor quadrimestre dos últimos quatro anos. Nos primeiros quatro meses de 2018, foram registrados 191 roubos a ônibus em Natal. Este ano, de janeiro a abril, foram 39 crimes da mesma natureza, o que corresponde a uma redução de 79,5%.

Os dados são do Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros do Município do Natal (SETURN), e foram repassados à Coordenadoria de Informações Estatísticas e Análises Criminais (Coine) da Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social (SESED), que filtrou e consolidou as informações.

Para o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Alarico Azevedo, a soma de vários fatores explica o motivo para uma queda tão significativa. “A cada mês reavaliamos as manchas criminais, e isso nos possibilita uma maior eficácia na distribuição do policiamento preventivo e um melhor monitoramento dos principais corredores de transporte público da cidade. A abnegação dos nossos policiais militares, que estão diuturnamente nas ruas cumprindo a missão de proteger o cidadão”, ressaltou.

“Investigações concentradas na Delegacia Especializada em Furtos e Roubos (DEFUR) de Natal, no ano de 2019, foram de extrema importância para uma repressão uniforme e qualificada, que levou à prisão de criminosos que estavam determinando e executando os roubos. Por meio de diligências, como identificação do modo de agir e vigilâncias em pontos de ônibus onde costumavam atuar, foi efetuada a prisões de criminosos, que acarretaram, logo após, significativa redução dos índices”, acrescentou a delegada-geral da Polícia Civil, Ana Cláudia Saraiva.

Redução ano a ano

Assaltos a ônibus no primeiro quadrimestre de 2018: 191
Assaltos a ônibus no primeiro quadrimestre de 2021: 39
Redução: 79,5%.

Assaltos a ônibus no primeiro quadrimestre de 2019: 128
Assaltos a ônibus no primeiro quadrimestre de 2021: 39
Redução: 69,5%.

Assaltos a ônibus no primeiro quadrimestre de 2020: 93
Assaltos a ônibus no primeiro quadrimestre de 2021: 39
Redução: 58%.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

RN registra mais leitos críticos Covid disponíveis do que pacientes que necessitam

Foto: (Reprodução/Regula/Sesap)

O RN voltar a ‘zerar’ a fila de pacientes para UTI Covid nesta quinta-feira (06). Por volta das 12h30, eram 22 pacientes com perfil para leitos críticos na lista e 38 leitos disponíveis, ou seja, mais leitos disponíveis do que pacientes necessitando.

A maior parte dos pacientes é da região metropolitana de Natal.

Opinião dos leitores

  1. Se a governadora não tivesse dado descaminho em 5 milhões de reais de respiradores e construído hospitais de campanha com UTI, teríamos passado a pandemia sem essas filas de aflição, também o tinha
    reduzidos os números de óbitos. Muito lamentável e revoltante esse descaso com vidas humanas.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

RN registra taxa de ocupação de leitos críticos para covid de 90,2%

Foto: (Reprodução/Regula/Sesap)

A taxa de ocupação de leitos críticos das unidades públicas de saúde no RN é de 90,2%, registrada no fim da manhã desta quinta-feira(06). Pacientes internados em leitos clínicos e críticos somam 611.

Até o momento desta publicação são 38 leitos críticos (UTI) disponíveis e 351 ocupados, enquanto em relação aos leitos clínicos (enfermaria), são 127 disponíveis e 275 ocupados.

Segundo a Sesap, a Região metropolitana apresenta 87,3% dos leitos críticos ocupados, a região Oeste tem 93,3% e a Região Seridó tem 100%.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Butantan entrega 1 milhão de doses da CoronaVac ao Ministério da Saúde; nas próximas semanas, outras 4 milhões deverão ser enviadas

Foto: Reprodução/TV Globo

O Butantan entrega nesta quinta-feira (6) mais 1 milhão de doses CoronaVac, vacina contra Covid produzida pelo Instituto em parceria com o laboratório Sinovac, ao Ministério da Saúde.

Do montante, 226 mil ficam em São Paulo e o restante irá para o depósito do Ministério da Saúde Guarulhos para ser enviado ao estados.

Com o novo carregamento, o total de vacinas oferecidas por São Paulo ao Plano Nacional de Imunizações (PNI) chega a 43 milhões de doses desde o início das entregas, em 17 de janeiro.

De acordo com o Instituto, nas próximas semanas, outras 4 milhões deverão ser enviadas ao Programa Nacional de Imunização (PNI) por meio de três remessas.

Com os novos envios, o Butantan concluirá o primeiro contrato firmado com o governo federal para o fornecimento de 46 milhões de doses, que sofreu atraso de alguns dias após problemas com a entrega de Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) vindos da China, e começa a entregar as 54 milhões previstas no segundo acordo.

A CoronaVac representa 75,3% das vacinas aplicadas no país, com 33,89 milhões de doses (dados atualizados às 21h desta quarta-feira (5).

Matéria-prima

Nesta quarta-feira (5), o instituto afirmou que foi solicitado à Sinovac o envio de 6 mil litros, para produzir aproximadamente 10 milhões de doses, mas espera receber minimamente os 3 mil que não foram liberados no prazo por conta de questões burocráticas do sistema de exportação chinês.

O Butantan é parceiro do laboratório, e responsável pela etapa final de produção da vacina no Brasil.

“Nossa expectativa é a de que o IFA chegue no Brasil até o dia 15. Esse é o planejado, programado para que não haja atraso nenhum nas entregas da segunda parte do mês de maio”, disse Cintia Lucci, diretora de projetos estratégicos do Instituto, durante coletiva de imprensa do governo estadual.

Com G1

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Não fui orientado pelo presidente sobre uso de cloroquina, diz ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, na CPI da Covid

Foto: Edilson Rodrigues – 6.mai.2021/Agência Senado

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta quinta-feira (6), em depoimento à CPI da Pandemia, que não foi orientado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre o uso da cloroquina em pacientes com Covid-19.

“Não recebi [orientação]. Essa é uma questão técnica que tem que ser enfrentada pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec). Eu sou instancia final decisória, e posso ter que dar um posicionamento acerca disso”, disse Queiroga.

A resposta do ministro foi interrompida pelo presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), que pediu respostas objetivas. “O senhor é testemunha aqui. Tem que dizer sim ou não. O senhor está aqui como ministro e médico. Peço para responder, se não vamos encerrar essa sessão agora”, disse Aziz.

“Existem correntes, uma defende e outra é contraria. Precisa de um protocolo técnico, e isso tem que ser avaliada quanto ao mérito da evidência cientifica, isso é colocado em audiência pública e o ministro é a instância final”, reiterou o ministro.

Questionado pelo relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL) sobre se compartilhava ou não da opinião de Bolsonaro sobre o medicamento, Queiroga disse que não cabia a ele “fazer juízo de valor sobre opinião do presidente”.

“Essa é uma questão de natureza técnica, essa medicação foi suscitada no tratamento e o uso compassivo foi feito em diversas situações e estudos já mostram que o medicamento não tem efeito em vários âmbitos.”

Queiroga disse ainda que “não houve qualquer tipo de pressão” sobre uso de qualquer remédio e que está em elaboração um protocolo clínico para substituir a atual orientação sobre o uso de cloroquina.

Ele também afirmou que não autorizou e não tem conhecimento sobre a distribuição do remédio na sua gestão à frente da pasta.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Marrapaz….é capaz do Bozolóide também negar que recomendou o tal “tratamento precoce”…
    Bozo falando que não defendeu a cloroquina em 3, 2, 1….
    Bota pra lascar, CPI…kkkkkkkkkk
    A bozolandia pira….muuuuuuuuummmmm

    1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      03 dias a CPI dos corruptos querendo impor fala e ordem que Bolsonaro não deu!
      03 ministros falando a verdade e a esquerdalha querendo colocar fala que não existiu. Bolsonaro pode ser a favor da medicação precoce, é direito dele, assim como a esquerda obrigou politicamente a anvisa aprovar a coronavac sem a comprovação científica necessária. Senadores ficha suja querendo jogar o Presidente na mesma conta que eles fazem política

  2. Ô medo grande da CPI…kkkkkkkkkkkkkk
    O MInTO tá se desfazendo aos poucos…ninguém acredita mais nas bravatas do inepto, só faz latir pra mover a boiada burra…Acabou porra!
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

VÍDEOS: Operação policial contra o tráfico de drogas no Jacarezinho, no Rio de Janeiro, deixa 23 mortos, provoca intenso tiroteio e tem fuga de bandidos

Foto: Reprodução/TV Globo

Uma operação da Polícia Civil do RJ contra o tráfico de drogas no Jacarezinho, na Zona Norte do Rio, deixou 23 pessoas mortas e provocou um intenso tiroteio no início da manhã desta quinta-feira (6).

Segundo a corporação, o policial civil André Frias, baleado na cabeça, e 22 suspeitos morreram na ação. Dois passageiros do metrô foram baleados dentro de um vagão da linha 2, na altura da estação Triagem, e sobreviveram. Dois policiais civis também se feriram.

Vídeos registraram o som de rajadas, e explosões de bombas foram registradas em diferentes pontos da favela (veja vídeo AQUI em matéria na íntegra).

Moradores contaram que não conseguiam sair de casa — como uma noiva de casamento marcado e uma grávida com cesariana agendada, ambas para esta manhã (veja vídeo sobre a noiva AQUI).

Aliciamento de crianças e adolescentes para o crime

A Operação Exceptis investiga o aliciamento de crianças e adolescentes para ações criminosas, como assassinatos, roubos e até sequestros de trens da Supervia. A polícia afirma que o tráfico da região adota táticas de guerrilha, com armas pesadas e “soldados fardados”.

O Jacarezinho é considerado uma base do Comando Vermelho, a maior facção do tráfico de drogas em atividade no Rio. A comunidade é predominantemente plana, repleta de ruelas e cercada de barricadas instaladas pelo crime — o que dificulta o acesso de blindados, por exemplo.

O Globocop flagrou às 6h45 policiais avançando pelos trilhos da Supervia e do metrô — que cortam o Jacarezinho na superfície — e se abrigando em postes. Helicópteros da polícia, em apoio às equipes em terra, davam rasantes na comunidade (veja abaixo).

Às 7h30, criminosos com fuzis foram vistos pulando de laje em laje, em fuga. Os homens passavam as armas de mão em mão pelos muros enquanto corriam pelos telhados das casas.

Não havia movimentação de moradores nas ruas e vielas do Jacarezinho.

A troca de tiros afetou a circulação da Linha 2 do metrô e dos ramais de Saracuruna e de Belford Roxo da Supervia — trens da Central não partiam para esses destinos.

Escutas identificaram 21 criminosos

Com a quebra dos dados telemáticos autorizada pela Justiça, foram identificados 21 integrantes do grupo criminoso, todos responsáveis por garantir o domínio territorial da região com utilização de armas de fogo.

A polícia identificou uma estrutura típica de guerra provida de centenas de “soldados” munidos com fuzis, pistolas, granadas, coletes balísticos, roupas camufladas e todo tipo de acessórios militares.

G1

Opinião dos leitores

  1. Pensei que Lewandovisk tinha proibido operacoes policiais nas favelas do RJ. Nada contra a operacao. Apenas pensei…..

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

RN contabiliza 19 óbitos por covid nas últimas 24h, sendo 13 dentro do dia; novos casos são 883

A Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) atualizou os números do coronavírus nesta quinta-feira (06). Foram mais 883 casos confirmados, totalizando 228.077. Até quarta-feira (05) eram 227.194 infectados.

Com relação aos óbitos no Rio Grande do Norte, são 5.599 no total, sendo 13 mortes registradas nas últimas 24h: Natal(04), Mossoró(02), Parnamirim(02), Campo Redondo(01), Jucurutu(01), Areia Branca(01), Várzea(01) e Pedro Velho(01).

A Sesap ainda registrou outros 06 óbitos ocorridos após a confirmação de exames laboratoriais de dias ou semanas anteriores. Óbitos em investigação são 1.137. Na quarta-feira (05) o número total de mortes era 5.580.

Casos suspeitos somam 52.670 e descartados 455.943. Recuperados são 150.649.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Rússia aprova versão em dose única da Sputnik e fala em eficácia “superior ao de muitas vacinas de duas doses”

Foto: Getty Images via BBC News Brasil

A Rússia anunciou na quinta-feira (5/5) o registro de uma nova versão da vacina Sputnik de uma dose só em vez de duas.

O anúncio foi feito pelo Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF, na sigla em inglês), que é administrado pelo governo russo e financiou a criação do imunizante; pelo Instituto Gamaleya, que também é público e foi responsável pela pesquisa; e o Ministério da Saúde do país.

O RFID explicou que a nova vacina, batizada de Sputnik Light, usa apenas a primeira dose da Sputnik V, a original.

Os testes mostraram que ela teve uma eficácia de 79,4%, de acordo com o fundo. Isso “é superior ao de muitas vacinas de duas doses”, ressaltou.

“O regime de dose única permite a imunização de um maior número de pessoas em um menor espaço de tempo, favorecendo o combate à pandemia na fase aguda.”

Nenhum evento adverso grave foi registrado na pesquisa, informou o RDIF.

A Sputnik V vem sendo questionada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A agência vetou pedidos de importação da vacina russa porque diz que não pode confiar na segurança, eficácia e qualidade do imunizante diante da ausência de informações que foram requisitadas.

Uma das principais questões é que não deveria haver vírus capazes de se replicar em sua composição, e, segundo a Anvisa, os dados das pesquisas mostram que a Sputnik V tem isso.

O RDIF negou e disse que mais de 20 milhões de pessoas no mundo já receberam ao menos uma dose do imunizante.

O uso da Sputnik V foi aprovado em 64 países até agora, afirma o fabricante. Mas a Anvisa diz que só uma minoria deles está aplicando de fato a vacina na população.

O assunto será tema da CPI da covid-19 nesta quinta-feira (06/5), quando o presidente da Anvisa vai depor.

O que se sabe sobre eficácia

O fundo soberano russo disse no novo anúncio que a Sputnik Light gerou anticorpos em 96,9% dos participantes do estudo, e, em 91,67%, também produziu os anticorpos neutralizantes, que impedem a infecção das células humanas.

A taxa de eficácia de 79,4% foi calculada com base em dados de russos que foram vacinados com a primeira dose da Sputnik V e não receberam a segunda por algum motivo, entre 5 de dezembro de 2020 e 15 de abril de 2021.

O fabricante não informou no comunicado quantas pessoas fizeram parte do grupo analisado.

A vacina Sputnik original teve uma eficácia de 91,6% nos testes clínicos e de 97,6% no mundo real, de acordo com o fundo russo.

O RDIF divulgou com o anúncio de hoje que um estudo com 7 mil pessoas sobre a eficácia da Sputnik Light está sendo feito desde fevereiro na Rússia, nos Emirados Árabes, em Gana e em outros países.

Mas não ficou claro se os dados apresentados nesta quinta-feira fazem parte dessa pesquisa. A BBC News Brasil questionou os responsáveis, mas não recebeu uma resposta até a publicação desta reportagem.

Como funciona

A Sputnik V usa dois tipos de adenovírus diferentes, um em cada dose, que devem ser administrados em uma sequência certa.

Esses vírus causam resfriados em humanos e foram modificados em laboratório para carregar as instruções genéticas do novo coronavírus até nossas células.

Isso faz com que elas comecem a produzir uma proteína do Sars-CoV-2, disparando o processo que nos deixa imunizados.

Esses adenovírus também foram alterados pelos cientistas para não serem capazes de se reproduzir. Se fizerem isso, diz a Anvisa, podem fazer mal à saúde, e esse efeito não teria sido investigado.

Mas a agência afirma que só um tipo de adenovírus, o que é usado na segunda dose, teria conseguido se replicar de novo.

A Sputnik Light usa o primeiro tipo, que não teria esse problema — e essa é a principal preocupação da Anvisa com a segurança da vacina russa.

Isso não resolve no entanto as outras questões apontadas pela agência, que colocou em dúvida sua eficácia (porque faltariam dados) e sua qualidade (porque os métodos usados não seguem os padrões internacionais).

Sputnik será alvo da CPI

O fundo russo ameaçou processar a Anvisa por difamação, depois que a agência disse não ter testado doses da vacina russa. A Anvisa teria duvidado da Sputnik V sem fundamento, afirmou o RDIF, e manchado sua reputação.

“Após a admissão do regulador brasileiro Anvisa de que não testou a vacina Sputnik V, a Sputnik V está iniciando um processo judicial de difamação no Brasil contra a Anvisa por espalhar informações falsas e imprecisas intencionalmente”, disse o fundo russo pelo Twitter.

A Anvisa reagiu convocando uma coletiva de imprensa para mostrar que a informação sobre os adenovírus replicantes estava nos relatórios do Instituto Gamaleya.

Também disse ter questionado os cientistas do instituto sobre isso e exibiu trechos de um vídeo de uma reunião como prova disso. O Brasil “foi achincalhado”, disse o presidente da Anvisa, Antônio Barra, para justificar a decisão inédita da agência de mostrar a gravação.

O RDIF respondeu que o vídeo foi muito editado e não confirma nada. Também afirmou que a Anvisa errou e que novos testes feitos na Rússia e no Brasil mostram que não há vírus replicantes na Sputnik V.

Em nota divulgada na quarta-feira (5/5), a agência voltou a se defender, afirmando que ainda faltam dados. O que está sendo pedido aos russos é o mesmo que foi solicitado a outros fabricantes das vacinas que já foram aprovadas, disse a Anvisa.

“O que vem sendo exigido são questões básicas para uma vacina e não são motivos para indignação e tentativa de difamação do Brasil e dos seus servidores”, afirmou a agência.

O presidente da Anvisa irá depor nesta quinta-feira (6/5) na CPI da covid-19 no Congresso Nacional e será questionado sobre o veto à importação da Sputnik V.

Vários governos estaduais e prefeituras, além do próprio governo federal, já fizeram acordos para comprar milhões de doses da vacina russa, em meio ao problema crônico de falta de vacinas no Brasil.

BBC

Opinião dos leitores

  1. Falar é simples, só precisa mostrar a comprovação científica.
    A esquerda já obrigou o brasileiro a tomar a coronavac sem os testes comprovando a eficácia. Mas não pode tomar a medicação precoce por falta de comprovação. Essa é a esquerda.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

VÍDEO: Açude em Rafael Fernandes-RN é abençoado com sangria

O açude Santana, também conhecido como Gangorra, localizado no município de Rafael Fernandes(distante 407 km de Natal), sangrou nesta quinta-feira, 06 de maio. O reservatório tem capacidade para 7 milhões de metros cúbicos. O destaque é do Instituto de Gestão das Águas do RN (Igarn).

Confira vídeo abaixo:

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por IGARN (@igarnrn)

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *