Estudo aponta os melhores países para se viver, e Brasil fica em ranking não muito para baixo; veja lista

Uma pesquisa recém-publicada pela empresa de consultoria BAV Group e pela Wharton School da Universidade da Pensilvânia (EUA) aponta os melhores países para se viver em 2020 – e os indicadores analisados vão muito além de renda per capita e qualidade do sistema público de saúde. (VEJA RANKING AQUI).

O ranking, que engloba 73 lugares, foi montado a partir das respostas de mais de 20 mil pessoas de diferentes nacionalidades. Os participantes tiveram que considerar o quanto eles relacionavam cada nação com 65 atributos diferentes. Quanto mais representativo de uma característica fosse um país em relação aos restantes, maior seria a sua nota nessa categoria, e vice-versa.

Os atributos também foram reunidos em nove rankings menores: aventura (se o país é amigável e divertido; se tem um clima agradável), cidadania (relação com direitos humanos, meio ambiente, igualdade de gênero, progresso e liberdade religiosa), influência cultural (se o país é culturalmente significante e influente em termos de entretenimento), empreendedorismo (ligação com o resto do mundo, nível de educação da população, como é a força de trabalho qualificada), herança (se é culturalmente acessível; se tem uma história rica e muitas atrações culturais), abertura para negócios (corrupção, práticas transparentes de governo, impostos e burocracia), poder (liderança, influência econômica e política, fortes alianças internacionais e forças armadas), qualidade de vida (se tem bom mercado de trabalho, boa estabilidade econômica e política, bom nível das redes públicas de saúde e educação, bom ambiente familiar e segurança) e expectativa de crescimento econômico considerando-se a paridade do poder de compra.

O peso de cada um desses subrankings na lista global de melhores países foi calculado a partir dos dados de produto interno bruto (PIB) em paridade de poder de compra (PPC) divulgados pelo Fundo Monetário Internacional em 2017: categorias menores que tivessem uma relação mais forte com esse medidor de riqueza ganharam um peso maior.

Suíça ficou com o topo da lista – posição que manteve de 2019 – seguida de Canadá, Japão, Alemanha, Austrália e Reino Unido. Os países europeus, sobretudo os escandinavos, se saíram melhor no ranking. China e Coreia do Sul também se destacam nas 15ª e 20ª posições.

Brasil não ficou muito para baixo: foi considerado o 28º melhor lugar para se viver. “É um dos principais destinos turísticos do mundo. Porém, o país do século XXI enfrenta questões sérias que envolvem pobreza, desigualdade, governo e meio ambiente”, considerou a pesquisa.

Já no fim da lista ficaram UcrâniaTunísiaBielorrússiaOmãSérvia e Líbano. O estudo explicou que a guerra civil na Síria “desencadeou uma violência sectária no Líbano”, e afetou os índices de bem-estar e desenvolvimento econômico do país.

“O projeto Best Countries foi desenhado para ajudar cidadãos, líderes de negócios e políticos a entenderem melhor como suas nações são vistas em uma escala global”, diz uma seção da pesquisa. “As informações por trás da lista podem ajudar a se determinar as possibilidades atuais e futuras do sucesso econômico, político e cultural de um país, e podem ser usadas como uma ferramenta de tomada de decisões estratégicas.”

Galileu

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Antonio Turci disse:

    Faltou incluir a petista Coréia do Norte.

  2. Bento disse:

    Se falta nessa relação de Cuba e Venezuela tava com vontade de passar umas férias lá.

  3. WASHINGTON disse:

    O EUA NÃO APARECE NESSAS LISTAS , TUDO BEM, MAS ME FAÇO UMA PERGUNTA? NÃO APARECE, E AINDA PARECE MUITOS CRITICOS DO EUA, MUITOS FALAM MAL DO EUA. ENTÃO POR QUE TODO MUNDO QUE FUGIR DO SEU PAIS PRA LA, MUITOS VÃO PASSAR FERIAS LA , E MUITOS QUEREM E VÃO MORA LA. UE MAS O EUA NUM É UM LUGAR RUIM?

  4. Joarimar disse:

    Kd os EUA? Xiiiii pesquisa comunista! Kkkkkkkkk

    • Soares disse:

      Só porquê Bolsonaro é o presidente, o Brasil se tornou um ótimo País pra se viver

COMENTE AQUI