Estudo mapeia alterações no cérebro de pessoas que pensam em se suicidar e sugere que ao menos duas estruturas funcionam de forma diferente

Ao menos duas estruturas cerebrais funcionam de forma diferente em pessoas que pensam em (ou já tentaram) cometer suicídio. A descoberta foi publicada no periódico científico Molecular Psychiatry por pesquisadoras das universidades de Cambridge, no Reino Unido, e Yale, nos Estados Unidos.

O estudo se baseou na revisão de 131 artigos científicos que envolveram mais de 12 mil pessoas. Em todos os estudos, exames de imagem do sistema nervoso humano estavam em foco. “Esperamos que isso nos forneça mais informações sobre o que pode estar acontecendo em termos de mecanismos cerebrais”, apontou Anne-Laura van Harmelen, uma das autoras, segundo a New Scientist.

Combinando os resultados de todas as análises anteriores, a equipe notou evidências de alterações estruturais, funcionais e moleculares no cérebro das pessoas que haviam tentado cometer suicídio ou pensavam sobre isso. Dessa forma, os cientistas notaram que as conexões entre duas redes neurais do cérebro atuavam de forma diferente nesses voluntários, o que sugere uma correlação com o comportamento suicida.

Segundo eles, a primeira parte do cérebro que atua de forma diferente nas pessoas que pensam ou já tentaram cometer suicídio é o córtex pré-frontal ventral medial e lateral. Esta é a região do sistema nervoso responsável por se conectar às partes do cérebro envolvidas na emoção – logo, alterações nessa rede podem levar a pensamentos negativos excessivos e na dificuldades em regular emoções.

Já a segunda área que age diferente é conhecida como córtex pré-frontal dorsal e sistema de giro frontal inferior. Como explicam os autores, essa é a parte do cérebro que tem o papel de tomar decisões, encontrar soluções alternativas para problemas e controlar o comportamento.

Isso sugere que alterações na estrutura, função ou bioquímica dessas partes do cérebro podem resultar em mais pensamentos negativos sobre o futuro, além de incapacidade de controlar os pensamentos, o que pode levar a situações em que o indivíduo está em maior risco de suicídio.

Vale lembrar que essas alterações no cérebro não são marcadores definitivos, isto é, não definem quem tentará cometer suicídio. Na verdade, essas diferenças podem resultar em angústia e problemas de saúde mental nos indivíduos, envolvendo suicídio ou não.

Como explicou Lianne Schmaal, uma das participantes da pesquisa, artigos como o de sua equipe são importantes para ajudar a previnir a morte por suicídio. “É essencial que intervenhamos o mais cedo possível para reduzir o risco de um indivíduo”, disse ela, em comunicado. “Para muitas pessoas, isso será durante a adolescência. Se pudermos descobrir uma maneira de identificar os jovens em maior risco, teremos a chance de intervir e ajudá-los nesse estágio importante de suas vidas.”

Galileu

Estudo indica que 2019 pode terminar como o 2º ano mais quente desde 1880

Não é a toa que o dicionário Oxford escolheu duas palavras (e não uma, como de costume) para representar o ano de 2019: emergência climática. A coisa está esquentando mesmo!

No último dia 18 de novembro, a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA, na sigla em inglês), agência científica dos Estados Unidos, publicou um estudo que classifica 2019 como possivelmente o segundo ano mais quente dos últimos 140 anos. A NOAA monitora a temperatura global tanto nos oceanos quanto na superfície desde 1880.

De acordo com o levantamento, entre janeiro e outubro deste ano, a temperatura nos oceanos e na superfície ficou 0,94 °C acima do que a média de 14,11 °C para esse período em todo o século 20. O recorde, porém, ainda pertence ao ano de 2016, que registrou nesses meses uma alta de 1,19 °C em relação à média para essa época do ano ao longo do século passado.

Os locais do planeta com a maior alta de temperatura foram Alasca, noroeste do Canadá e a Rússia central – onde os termômetros se mantiveram ao menos 2 °C acima da média. Já o centro-norte dos Estados Unidos e centro-sul do Canadá apresentaram temperaturas 1°C abaixo da média para janeiro e outubro.

Temperaturas acima do normal também foram registradas no centro-sul da África, em Madagascar, na Ásia, na América do Sul e nos oceanos Índico, Pacífico e Atlântico.

Outubro

Também chama atenção no estudo que outubro de 2019 foi um dos mais quentes dos últimos 140 anos. Com uma média de 0.98 °C acima da média para o mesmo mês em todo o século 20, outubro deste ano foi o segundo mais quente desde 1880. O recorde ainda é de outubro de 2015.

Os rankings dos dez meses de outubro mais quentes dos últimos 140 anos está concentrado a partir de 2003 – mas o top 5 fica com os cinco outubros entre 2015 e 2019.

Segundo o levantamento, essa é a 43ª vez consecutiva que a temperatura neste mês fica acima da média em relação a outubros do século 20. Os recordes nos termômetros em outubro deste ano aconteceram principalmente no norte e no oeste do oceano Pacífico, no nordeste do Canadá, no sul do oceano Atlântico, na África, na Europa, no Oriente Médio, na América do Sul e no oceano Índico.

Galileu

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jorge disse:

    Lembrando aos alardeados, que essa matéria não tem nenhuma relação com a farsa do aquecimento global que vcs costumam acreditar. A "temperatura global" tem ciclos de esfriamento e aquecimento com origens naturais, sem a influência do homem, desde milhares de anos. Atualmente estamos no longo ciclo de esfriamento. Não deixem a temperatura pontual de uma região alimentar a farsa do aquecimento global.

Estudo sugere usar bombas nucleares para proteger a Terra contra asteroides

Embora nenhum asteroide conhecido represente uma ameaça iminente à Terra, cientistas estão tentando descobrir qual é a melhor forma de nos proteger de um possível impacto. Explodir com bombas é uma opção, mas isso não é tão simples quanto parece. Na verdade, o asteroide pode ser capaz até mesmo de se reconstruir graças à ação da gravidade com o passar do tempo, de acordo com um estudo publicado em março na revista Icarus.

Agora, um novo artigo publicado no periódico Acta Astronautica por cientistas de vários laboratórios da NASA e da Administração Nacional de Segurança Nuclear investigou a melhor maneira de evitar um impacto. A conclusão deles é que, se o asteroide tiver 300 metros de diâmetro ou mais, a melhor coisa a fazer é destruí-lo – mas não do jeito que você pensa. Nada de colocar uma bomba nuclear na superfície da rocha espacial, muito menos atirar nela com alguma espécie de arma.

De acordo com os pesquisadores, colocar uma bomba diretamente no asteroide pode resultar em várias situações indesejáveis. Por exemplo, em vez de um grande asteroide na nossa direção, podemos acabar tendo que lidar com centenas de pequenos objetos menores. Pior ainda: depois da explosão, eles estarão radioativos.

Então, o que fazer? O estudo sugere a ideia de explodir a bomba a alguma distância do asteroide, entre 50 a 1.000 metros da superfície da rocha. O objetivo não seria quebrá-lo. A bomba iria gerar um enorme pulso de raios X de alta energia, que acabariam penetrando e sendo absorvidos pelo material do asteroide. O pulso seria tão grande, e seria depositada tanta energia na rocha, que parte dela acabaria sendo vaporizada.

Além disso, uma quantidade muito grande de gás se expandiria extremamente rápido, empurrando o que restasse do asteroide e alterando sua velocidade e direção. Com o tempo, o asteroide se desviaria da rota rumo à Terra, e todo esse processo aconteceria em apenas uma fração de segundos.

Claro, tudo isso depende de muitos fatores: a massa do asteroide, sua forma e tamanho, o material na superfície, a porosidade desse material, sua resistência estrutural, o tipo de bomba, e a distância da explosão. A equipe por trás dessa pesquisa usou modelos de computador para descobrir como todos esses fatores contribuem para o desvio.

Para testar, eles escolheram o Bennu, asteroide de 500 metros de largura que atualmente está sendo examinado pela missão OSIRIS-REx, da NASA. Como os cientistas já têm muitas informações sobre esse asteroide, ele se tornou o candidato perfeito para a simulação computacional. Os resultados mostram que a vaporização da superfície via armas nucleares funcionaria muito bem para um asteroide como o Bennu, e causaria um desvio de 6 centímetros por segundo. Se a explosão fosse realizada bastante tempo antes do possível impacto – 3 ou 4 anos de antecedência – a detonação nuclear nos protegeria com sucesso.

Mencionamos no início do texto que esse método é ideal para asteroides com mais de 300 metros de diâmetro. Mas e as rochas menores? Qual é a melhor forma de nos proteger delas? De acordo com o estudo, bastará bater neles o mais forte possível com um foguete. Isso também mudará a velocidade e a direção do asteroide, caso ele seja pequeno o suficiente.

Contudo, um obstáculo para esse método é o Tratado do Espaço Exterior, que proíbe a detonação de armas nucleares no espaço. Felizmente, não há nenhuma ameaça do tipo que seja do nosso conhecimento, então os cientistas ainda têm tempo para continuar pesquisando alternativas a fim defender nosso planeta contra asteroides que, porventura, estejam em rota de colisão com a Terra.

Canal Tech, via LLNL, SyFy

 

Crianças trans se sentem tão meninas e meninos quanto as não trans, diz estudo

Getty Imagens

Os meninos e meninas transgênero não se sentem menos meninos ou meninas do que as não trans, segundo um amplo estudo realizado nos Estados Unidos, que revelou como são ajustadas as normas de gênero.

Em outras palavras, uma criança trans de 10 anos, por exemplo, tratada durante nove anos como menina devido ao sexo de nascimento, se comporta como qualquer outra, afirmam os autores do estudo, feito por pesquisadores da Universidade Estadual de Washington e publicado nesta segunda-feira na revista científica PNAS.

Os pesquisadores recrutaram 317 crianças trans de 3 a 12 anos e 316 crianças cisgênero, ou seja, que se identificam com seu sexo de nascimento.

O objetivo foi ver se as crianças submetidas a transição diferiam das que cresceram como meninos ou meninas, observando quais brinquedos preferiam, quais eram seus principais colegas de brincadeiras e se sua roupa era mais masculina ou feminina que as das outras crianças.

Os pesquisadores observaram grande consistência nas crianças.

“Sempre há pessoas que dizem que estas crianças fingem ou que é uma fase”, diz o principal autor do estudo, o pesquisador de pós-doutorado Selin Gülgöz.

De fato, “não só as crianças transgênero têm uma identidade de gênero e preferências de gênero coerentes com sua identidade de gênero atual, mas também as expressam no mesmo grau que as crianças cisgênero”, acrescenta Gülgöz.

Observou-se uma diferença sutil na escolha das roupas: as crianças trans demonstraram mais probabilidades de escolher roupas correspondentes aos estereótipos masculino ou feminino do que as não trans.

Universa – UOL, com AFP

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Toni disse:

    menina e menino menino e menina porra que esculhanbação agente ta confuso eu não sei mais nada quem e quem ta tudo misturado que deus nos ajude o xente!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  2. max wilamy disse:

    a biblía condena no novo e no velho testamento,a humanidade esta ficando perversa,o inimigo esta usando moda e a mídia para acabar com o conservadorismo,a família e a religião a bíblia diz: « Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; abominação é; .» Levítico 18,22.
    Romanos 1:26-27 Nova Versão Internacional (NVI-PT) “26 Por causa disso Deus os entregou a paixões vergonhosas. Até suas mulheres trocaram suas relações sexuais naturais por outras, contrárias à natureza. 27 Da mesma forma, os homens também abandonaram as relações naturais com as mulheres e se inflamaram de paixão uns pelos outros. Começaram a cometer atos indecentes, homens com homens, e receberam em si mesmos o castigo merecido pela sua perversão.”

  3. Regininha J disse:

    Bem menininhaaaaaaaaaaaa!

  4. Lúcifer disse:

    Menino É MENINO !
    Menina É MENINA !
    O resto é conversa de quem não tem o que fazer.

  5. Olimpio disse:

    Menino nasce menino, menina nasce menina e zefinim.
    Tão querendo mudar o que Deus criou.

Estudo da UFRN investiga novo índice de massa corporal

ILUSTRATIVA/GETTY IMAGES

Uma pesquisa de doutorado do Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas da UFRN (PPGCF) estuda uma nova maneira de mensurar a massa corporal no cálculo de riscos à saúde. Intitulado Pontos de corte no ABSI para risco cardiometabólico, o trabalho tem o intuito de aplicar um indicador mais fidedigno do que o atualmente utilizado no Brasil, o Índice de Massa Corporal (IMC).

De acordo com a doutoranda Elys Costa, responsável pela pesquisa, o ABSI – sigla em inglês para A Body Shape Index – fornece mais dados para uma avaliação física completa. Ela explica que o IMC é uma razão apenas entre peso e altura, enquanto o ABSI também considera a circunferência da cintura para determinar o índice.

Para dar prosseguimento aos estudos, a pesquisa necessita de voluntários. Podem participar estudantes, servidores técnico-administrativos e professores da UFRN de ambos os sexos e com idade entre 18 e 59 anos.

Os testes são divididos em duas etapas. Na primeira, os participantes fazem uma avaliação sanguínea no Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL). Já a segunda é uma avaliação de composição corporal por meio do DEXA – uma espécie de Scanner – para identificar o percentual de gordura e densidade mineral óssea, realizada no Laboratório de Biodinâmica do Departamento de Educação Física, no campus central, em Natal.

Entre os cuidados na preparação para os testes estão o jejum de 12 horas, no caso do exame de sangue, e a utilização de roupas leves e sem partes metálicas durante a avaliação física. Todos os voluntários vão receber os resultados, incluindo taxas de glicose, colesterol e triglicerídeos e dados de funções renal e hepática.

Interessados em contribuir com o estudo devem entrar em contato com a pesquisadora pelo e-mail [email protected] ou pelo telefone (84) 99916-0545. As avaliações acontecem às segundas e quintas-feiras, mediante agendamento.

Com informações da UFRN

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Horácio Betcel disse:

    Parabéns pela pesquisa e estudo sobre este tema.

Só se aprende errando. Mas o quanto é ideal errar? 15%, diz estudo

Foto: (pascalgenest/Getty Images)

“É errando que se aprende”, diz o ditado. E a ciência funciona exatamente assim: você propõe uma hipótese e depois realiza um experimento capaz de refutá-la ou confirmá-la. Mas quanto exatamente é preciso falhar antes de aprender? Será que, se errarmos demais, vamos nos desestimular e acabar chegando a lugar nenhum?

Um estudo recente realizado por pesquisadores dos Estados Unidos investigou a questão e obteve uma resposta matemática. Os cientistas partiram de um pressuposto que é senso comum entre educadores e pedagogos: o estudante precisa ser desafiado para que aprenda de verdade. Imagine colocar um aluno do nono ano para assistir uma aula que ensina a somar e subtrair. É fácil demais, então ele não vai extrair nada de novo dali.

Por outro lado, coloque-o para acompanhar uma aula de física quântica da universidade para ver o que acontece. Das duas, uma: ou vai errar 100% das coisas que o professor perguntar, ou a dificuldade será tamanha que o levará a desistir completamente do desafio. Isso se não pegar trauma da matéria. Fica claro que deve haver um meio-termo em que a nova tarefa ou conteúdo não seja nem tão simples, nem tão complicada.

A pesquisa descobriu que esse ponto ideal em que erramos apenas o suficiente para nos manter estimulados, mas sem nos deixar abater, é falhar 15% das vezes. Ou, na outra face da moeda, dar a resposta certa 85% do tempo – por isso a descoberta foi chamada de “Regra dos 85%”. Para chegar nela, os cientistas conduziram uma série de experimentos de machine learning em que computadores aprendiam sozinhos a executar certas tarefas simples.

Foram coisas como classificar padrões distintos em duas categorias ou então diferenciar números escritos à mão como sendo pares ou ímpares. E foi batata: os algoritmos tiveram o melhor aproveitamento no aprendizado sempre que acertavam 85% das vezes. Estudos prévios feitos com animais também revelaram a mesma taxa, e mesmo para os humanos a Regra dos 85% parece valer – principalmente para a chamada aprendizagem perceptiva.

Ela funciona quando aprendemos algo aos poucos e por conta própria, cimentado em nossas próprias experiências e exemplos. Como quando um médico radiologista está gravando em seu cérebro como identificar uma imagem em que aparece um tumor de uma em que não há tumor algum. Só o tempo e a prática irão ajudá-lo: ele precisa ganhar experiência e colecionar exemplos para aprimorar seu julgamento.

“Se eu dou exemplos fáceis demais, você vai acertar 100% das vezes e não há nada para aprender”, disse em comunicado o líder do estudo Robert Wilson, da Universidade do Arizona. “Se dou exemplos difíceis demais, estará correto 50% do tempo e ainda não vai estar aprendendo nada novo, enquanto que se eu der algo no meio-termo, você vai estar nesse ponto ideal em que extrai o máximo de informação de cada exemplo em particular”, disse o professor de psicologia e ciência cognitiva.

Mas muita calma antes de achar que tirar 8,5 numa prova é melhor do que 10. Wilson e seus colegas por enquanto só investigaram tarefas simples com respostas binárias: correto ou incorreto. Para aplicar os resultados em algo tão complexo como a educação, será preciso aprofundar e refinar o estudo, publicado nesta terça (5) na Nature Communications.

Wilson espera expandir o trabalho para abranger também formas mais complexas de aprendizado. “Se você está assistindo aulas fáceis demais e acertando tudo o tempo todo, provavelmente não está extraindo delas o mesmo que alguém com dificuldades, mas dando um jeito de acompanhar”, ele disse. Agora já dá para deixar aquela famosa expressão um pouco mais científica: “É errando 15% que se aprende”.

Super Interessante

 

INSPIRADOR – (VÍDEOS): Após ser visto estudando em tablet de loja, menino de 10 anos, de família pobre, ganha doações de todo o Brasil

 

Ver essa foto no Instagram

 

📲ESTUDANDO SEMPRE| A história de Guilherme Henrique Santos, de 10 anos, está repercutindo nas redes sociais desde a última sexta, 8, após ele ser flagrado fazendo um trabalho de geografia em uma loja de shopping no Recife (Pernambuco). A atitude emocionou o público e a marca utilizada pelo menino doou dois tablets para ajudá-lo nos estudos. A cantora Anitta, da qual ele é fã, sugeriu que uma empresa de telefonia móvel doasse um plano de internet. Já o enfermeiro Jonata da Silva criou vaquinhas online para ajudar a família a reformar a casa, sonho antigo da mãe de Guilherme, a auxiliar de serviços gerais Roseli, que faz ‘bicos’ como faxineira para sustentar o garoto e seu irmão mais velho. Leia mais no site do @emaisestadao (📽: Instagram / @jhonjhondasaude)

Uma publicação compartilhada por Estadão (@estadao) em

Guilherme Henrique Santos, de 10 anos, está repercutindo nas redes sociais desde a última sexta-feira, 8, após ser flagrado fazendo um trabalho de geografia em uma loja de shopping em Recife, capital de Pernambuco.

De família pobre e sem computador em casa, o garoto aparece no vídeo anotando em pé a pesquisa feita no aparelho de mostruário, o que comoveu o público. A cantora Anitta, da qual ele é fã, ficou sabendo da história e sugeriu que uma empresa de telefonia móvel doasse um plano de internet para a criança. Além disso, a marca utilizada pelo menino doou dois tablets para ele estudar.

“Isso traz esperanças. Sempre dá para encontrar um caminho, não importa as dificuldades que a vida oferece para a gente”, disse a cantora nos stories do Instagram.

“Me identifiquei porque assim foi parte da minha infância. Minha mãe correu muito atrás e tinha a consciência da educação para que eu e meu irmão estudássemos e déssemos valor. Quanto mais você estudar e tiver conhecimento, mais longe você chega. Não importa o quão longe a gente já está, sempre tem coisa nova para aprender”, destacou.

A repercussão do caso não é para menos. Guilherme é filho de uma auxiliar de serviços gerais, Roseli, que faz ‘bicos’ como faxineira para sustentar o garoto e seu irmão mais velho, de 14 anos. A mulher trabalha de terça a sexta-feira na escola onde o pequeno estuda e tenta garantir a renda extra às segundas-feiras.

Na gravação abaixo, Guilherme explica o contexto do vídeo no qual aparece fazendo lição:

Sonhos

Os três moram de aluguel em uma casa de chão batido, sem reboco e com telhas de fibrocimento, que esquentam no calor recifense. O desejo da mãe é dar uma estrutura melhor para os jovens, reformando uma casa que ganharam de herança e que está inacabada, sem condições de ser habitada. Mas não tem condições financeiras para isso.

Além disso, Guilherme disse em entrevista ao enfermeiro Jonata da Silva — que se sensibilizou com a história — que seu maior sonho é conhecer a Coreia do Sul, pois é fã de K-Pop (pop coreano).

Sonhos virando realidade

A simplicidade e o esforço de Roseli e do filho levaram Silva e o site Razões para Acreditar a criarem vaquinhas online para ajudar a família a reformar a casa. A primeira rendeu R$ 1,3 mil até o momento. Já a segunda atingiu o valor de R$ 15,6 mil e a meta é chegar nos R$ 22,6 mil para, assim, conseguir bancar a reformar da casa.

Anitta também aproveitou o momento para sugerir pelos stories do Instagram que a ONG ReforAmar ajude os três a conquistarem um lar. O projeto atende às famílias pobres, oferecendo “um ambiente digno e seguro” para pessoas necessitadas:

 

Ver essa foto no Instagram

 

Assim tentamos melhorar o mundo 🏚️💙🏠 #reforamar

Uma publicação compartilhada por REFORAMAR (@reforamar_) em

Emais – Estadão

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. hbbeto disse:

    Muito legal o gesto de quem o ajudou. Se pudesse, e tivesse acesso a ele, também o ajudaria. A única coisa boa que levamos conosco deste mundo é a satisfação de poder ter praticado boas ações.

  2. Manoel disse:

    Parabéns ao blog por essa matéria, é isso que falta ao jornalismo brasileiro atualmente.
    São situações assim que o povo precisa tomar conhecimento e ver que nesse país ainda tem gente que quer o melhor. Esse menino é um exemplo a ser seguido. Que ele encontre todo apoio que precisa para chegar longe

Estudo mostra que peixe de áreas atingidas por óleo pode ser consumido

Foto: REUTERS / Diego Nigro

Um estudo encomendado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento revelou que o pescado de áreas afetadas por manchas de óleo estão aptos para consumo humano. De acordo com o laudo, amostras coletadas na Bahia, no Ceará, em Pernambuco e no Rio Grande do Norte não contêm níveis significativos de contaminação por petróleo.

As amostras utilizadas no estudo foram coletadas nos dias 29 e 30 de outubro em estabelecimentos registrados no Serviço de Inspeção Federal (SIF) e foram testadas para 37 compostos diferentes de Hidrocarbonetos Policíclicos Aromáticos (HPA) – substâncias que indicam a contaminação por derivados de petróleo. Além de diferentes espécies de peixes, os testes também avaliaram a condição de lagostas.

Ainda de acordo com a nota divulgada pelo ministério, a reavaliação de pescados será contínua e os resultados serão publicados com atualizações das recomendações de saúde.

Agência Brasil

Hospital Universitário Onofre Lopes convida pessoas acima de 40 anos para estudo de prevenção de novo infarto

O Hospital Universitário Onofre Lopes, em Natal, está convidado pessoas acima de 40 anos e que tiveram um infarto recente para participar de um estudo que avalia o efeito da dieta alimentar nos níveis de gordura no sangue e prevenção de um novo infarto. Os participantes farão cinco consultas presenciais mensais com nutricionista, receberão dieta personalizada e farão exames de sangue no início e ao final do estudo. É necessário possuir a comprovação médica do infarto. Maiores informações podem ser obtidas pelos telefones e whats app (84) 99800-0844 ou (21) 98101-3059.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Josefa silvania de Oliveira disse:

    E muito importante está pesquisa

  2. Josefa silvania de Oliveira disse:

    Eu quero participar dessa pesquisa eu tenho 50 e peso 141 kq

Estudo do IBGE em 2018 registrou 38% da população do RN vivendo com menos de R$ 420 por mês

Foto: Guilherme Pinheiro/Arte G1

Um estudo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) sobre o ano de 2018, divulgado nesta quarta-feira(06), informa que 38% da população potiguar estava abaixo da linha da pobreza no período, o que significa que cerca de 1,3 milhão de pessoas vivendo com menos R$ 420 por mês.

Segundo o Síntese de Indicadores Sociais (SIS) do IBGE, este valor mensal equivale a US$ 5,50 por dia, valor estabelecido pelo Banco Mundial para marcar a linha da pobreza em países com rendimento médio-alto. O número corresponde a menos da metade do salário mínimo vigente na época, que era de R$ 954.

No ano passado, os números do SIS apontam que 10,3% da população do Rio Grande do Norte — cerca de 350 mil norte riograndenses — está em situação de extrema pobreza.  O estudo aponta uma leve queda em relação à 2017, que foi de 10,5%.

Nas duas situações o RN superou a média nacional, que foi de 6,5% em 2018 e 6,4% em 2017. O Banco Mundial estipula que está nesta situação quem ganha US$ 1,90 por dia, o equivalente a R$ 145 por mês.

Com acréscimo de informações do G1 e Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. aof disse:

    Quantos são brancos e louros? Deviam informar. Ou então tambem é racismo.

  2. Rosi Sampaio disse:

    Lula pode não ter acabado com pobreza que existe nesse país, mas reduziu de forma significante os seus índices. Isso não é fake, é fato! Já outros, simplesmente ignoram sua existência e declaram publicamente, que no Brasil não existe fome. É muita ignorância, burrice ou falta de informação? A verdade é uma só, a fome e a miséria no Brasil andam de mãos dadas e pelo jeito vão continuar assim, isso se não piorar.

  3. Manoel disse:

    Esse período de 2010 a 2018 foi ruim DILMAis, foi TEMERoso!!!!

  4. Anti-Político de Estimação disse:

    Resultado de DÉCADAS de domínio das oligarquias no Estado. Não chegamos à situação em que nos encontramos hoje por acaso.

  5. Ems disse:

    É mentira !!! Lula acabou com a pobreza !!!

Estudo aponta áreas com maior demanda por formação técnica no RN; confira

Se ligue que o tempo urge. Com o avanço das energias renováveis e do conceito de indústria 4.0, as profissões transversais e ligadas à tecnologia estarão entre as mais buscadas nos próximos cinco anos no Rio Grande do Norte. Neste período, o estado tem o desafio de qualificar 85.901 trabalhadores em ocupações industriais nos níveis superior, técnico, qualificação e aperfeiçoamento. É o que mostra o Mapa do Trabalho Industrial 2019 e 2023, elaborado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e publicado hoje (30).CONHEÇA AS DEMANDAS DE CADA ÁREA:

Em formação técnica no Rio Grande do Norte, as áreas transversais; energia e telecomunicações; metalmecânica; construção; e informática são as que mais irão precisar de profissionais capacitados nos próximos cinco anos.

Áreas com maior demanda por formação – Técnicos

Áreas Demanda 2019-2023
Transversais 3.203
Energia e telecomunicações 2.107
Metalmecânica 1.833
Construção 1.507
Informática 1.493

Veja mais: Rio Grande do Norte terá de qualificar 85.901 trabalhadores para a indústria até 2023

Algumas profissões transversais permitem ao profissional exercer funções em quase todas as áreas e setores econômicos. O estudo mostra as dez ocupações que mais exigirão formação entre 2019-2023. Técnicos em eletricidade e eletrotécnica e Técnicos em eletrônica lideram a lista no Rio Grande do Norte. “São profissionais com qualificação que pode ser aplicada em qualquer área, na indústria, na construção, nos parques eólicos, em diversos campos”, explica Emerson Batista.

Ocupações industriais com maior demanda por formação dentro e fora da indústria – Técnicos

Ocupações Profissionais a serem qualificados
Técnicos em eletricidade e eletrotécnica 1.111
Técnicos em eletrônica 1.007
Coloristas 951
Técnicos em operação e monitoração de computadores 806
Técnicos de planejamento e controle de produção 769
Técnicos de controle da produção 739
Técnicos mecânicos na fabricação e montagem de máquinas, sistemas e instrumentos 708
Técnicos de desenvolvimento de sistemas e aplicações 688
Supervisores da construção civil 579
Técnicos em telecomunicações 541

Já os cursos de qualificação são indicados a jovens ou profissionais, com escolaridade variável de acordo com o exercício da ocupação, e buscam desenvolver novas competências e capacidades profissionais. Ao final, o aluno recebe um certificado de conclusão. As áreas com maior demanda por trabalhadores com nível de qualificação, de acordo com o Mapa do Trabalho Industrial 2019-2023 serão:

Áreas com maior demanda por formação – Qualificação (+200h)

Áreas Demanda 2019-2023
Confecção e vestuário 6.249
Metalmecânica 3.859
Alimentos 3.766
Energia e telecomunicações 1.798
Têxtil 1.615

Áreas com maior demanda por formação – Qualificação (-200h)

Áreas Demanda 2019-2023
Construção 12.325
Logística e transporte 7.024
Transversais 6.226
Metalmecânica 2.772
Alimentos 2.717

Segundo o Mapa, entre as ocupações que exigem cursos de qualificação e que mais vão demandar profissionais capacitados estão operadores de máquinas para costura de peças do vestuário, padeiros e confeiteiros:

Ocupações industriais com maior demanda por formação dentro e fora da indústria – Qualificação (+200h)

Ocupações Profissionais a serem qualificados
Operadores de máquinas para costura de peças do vestuário 5.745
Padeiros, confeiteiros e afins 1.569
Operadores de instalações de captação, tratamento e distribuição de água 1.449
Mecânicos de manutenção de veículos automotores 1.217
Trabalhadores polivalentes das indústrias têxteis 1.217
Mecânicos de manutenção de máquinas industriais 1.208
Trabalhadores de instalações elétricas 946
Trabalhadores na fabricação e conservação de alimentos 901
Instaladores e reparadores de linhas e cabos elétricos, telefônicos e de comunicação de dados 851
Eletricistas de manutenção eletroeletrônica 768

Ocupações industriais com maior demanda por formação dentro e fora da indústria – Qualificação (-200h)

Ocupações Profissionais a serem qualificados
Ajudantes de obras civis 4.993
Motoristas de veículos de cargas em geral 4.843
Alimentadores de linhas de produção 4.258
Trabalhadores de estruturas de alvenaria 3.139
Trabalhadores de embalagem e de etiquetagem 1.959
Trabalhadores operacionais de conservação de vias permanentes (exceto trilhos) 1.412
Trabalhadores da mecanização agrícola 1.349
Trabalhadores da preparação da confecção de roupas 1.209
Apontadores e conferentes 1.170
Trabalhadores da fabricação de cerâmica estrutural para construção 1.152

METODOLOGIA

O Mapa do Trabalho Industrial é elaborado a partir de cenários que estimam o comportamento da economia brasileira e dos seus setores; projeta o impacto sobre o mercado de trabalho e estima a demanda por formação profissional industrial (formação inicial e continuada). As projeções e estimativas são desagregadas no campo geográfico, setorial e ocupacional, e servem como parâmetro para o planejamento da oferta de cursos do SENAI.

Na opinião do diretor-geral do SENAI, Rafael Lucchesi, conhecer as necessidades do mercado é fundamental para o planejamento da oferta de formação profissional. “O SENAI é referência em educação profissional porque está alinhado com as necessidades da indústria e mantém seus cursos atualizados com o que existe de mais avançado em termos de tecnologia”, explica.

A instituição possui o Modelo SENAI de Prospecção, que permite prever quais serão as tecnologias utilizadas no ambiente de trabalho em um horizonte de cinco a dez anos. A metodologia já foi transferida a instituições de mais de 20 países na América do Sul e no Caribe. O método foi apontado ainda pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) como exemplo de experiência bem sucedida na identificação da formação profissional alinhada às necessidades futuras das empresas.

Confira na íntegra Mapa do Trabalho Industrial do RN 2019-2023 

Seinai-RN, com informações de Sara Vasconcelos, jornalista Unicom/FIERN

Como superar o término de relacionamento? Estudo diz que solução é fazer sexo com o ex

shutterstock

Existe uma fórmula para superar o término de um relacionamento? Apesar de cada pessoa viver a fossa da sua própria maneira, um estudo realizado pela Universidade Estadual de Wayne, nos Estados Unidos, dá uma dica: fazer sexo com o seu ex.

Pode até parecer um conselho estranho, mas a pesquisa, publicada no periódico “Archives of Sexual Behavior” , afirma que existe uma razão para isso. Os resultados mostraram que quem procurou se relacionar de novo com o ex usou o sexo não só para “matar a saudade”, também como uma forma de conseguir se reaproximar e criar conexão.

Essa relação despertou sentimentos positivos no cotidiano dessas pessoas, principalmente comparando-as àquelas que não transaram com o ex depois do término . Outra observação foi que não houve diferença emocional entre quem procurou o antigo parceiro e quem manteve distância. Na realidade, todos estavam igualmente apegados.

O estudo foi dividido em duas partes. A primeira fez um acompanhamento de 113 pessoas que estavam tentando transar com o ex no período de um mês, no qual a maioria das tentativas foram bem-sucedidas. Já a segunda foi uma entrevista com 459 pessoas que fizeram sexo com o ex, na qual foi perguntado se a decisão tornou o término mais difícil.

Segundo a pesquisadora responsável, Stephanie Spielmann, as descobertas mostram que há uma necessidade de compreender melhor os términos e o impacto que o fim do relacionamento pode ter na saúde mental de alguém.

IG

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. toni disse:

    e isso mesmo carlos quem sabe vendo o video de uma gata muito gostosa toda nua puta merda e uma boa sacoooooo!!!!!!!

  2. Bruno disse:

    Nos dias de hoje, num é preciso terminar para fazer sexo com o ex…
    Vivemos numa sodoma e gomorra faz tempo!

Estudo do BNDES prevê crescimento dos investimentos no Brasil nos próximos anos

Foto: Ilustrativa

Os investimentos no Brasil devem melhorar no quadriênio 2019/2022, segundo o boletim Perspectivas do Investimento, produzido por analistas setoriais do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e divulgado nesta sexta-feira (13) pela instituição.

A publicação estima investimento total no período de R$ 1,1 trilhão para 19 setores mapeados, sendo 11 da indústria e oito da área de infraestrutura, que respondem por cerca de 25% da formação bruta de capital fixo (FBCF) da economia. O valor revela incremento real de 2,7% em relação aos investimentos previstos no levantamento anterior (2018 a 2021).

De acordo com o boletim, os números consideram investimentos apoiados e não apoiados pelo BNDES. “No conjunto dos setores analisados, o boletim revela crescimento real médio de 3,9% ao ano no período, puxado por uma aceleração do cres­cimento no final do quadriênio. O desempenho é bem superior às projeções atuais para o PIB [Produto Interno Bruto] do boletim Focus [produzido pelo Banco Central]”, destaca o estudo.

O economista Fernando Puga, assessor da presidência do BNDES, ressalta que a perspectiva para 2022 é de forte crescimento do investimento, sobretudo em setores como petróleo e gás e também na energia elétrica.

Os investimentos na indústria justificam a previsão de expansão geral das inversões, destacando o segmento de petróleo e gás, não só em razão da recuperação do preço do petróleo no mercado internacional, mas também pelos leilões de concessão ou de partilha de blocos exploratórios ocorridos nos anos de 2017 e 2018. Já na infraestrutura, o BNDES estima que os segmentos de logística e saneamento terão melhor desempenho dos investimentos nas áreas mais carentes de desenvolvimento, especialmente a partir de 2020.

O estudo prevê também que políticas pú­blicas, mudanças no marco regulatório e programas de concessão de serviços de infraestrutura ao setor privado têm influência positiva sobre os investimentos, enquanto a situação fiscal das unidades da Federação segue sendo fator de inibição de investimentos.

Agência Brasil

 

Mais além de impacto de asteroide: estudo confirma teoria sobre verdadeira causa do fim dos dinossauros

Novas evidências geológicas corroboram para a comprovação de antigas teorias sobre como foram os dias após o impacto do asteroide que dizimou os dinossauros. O novo estudo contou com quase 25 pesquisadores e foi comandado pela Universidade do Texas, nos Estados Unidos.

Cerca de 66 milhões de anos atrás, um enorme asteroide atingiu a Terra na região em que hoje está o Golfo do México. O choque foi tão grande que resultou na extinção de 75% da vida existente à época, incluindo os dinossauros. Para os pesquisadores, isso aconteceu porque o objeto extraterrestre provocou incêndios, tsunamis e lançou tanto enxofre na atmosfera que bloqueou o sol, o que causou um resfriamento global intenso — e mortal.

A teoria é antiga, mas a nova análise, publicada pelo periódico científico PNAS, encontrou evidências concretas de que os cientistas estão certos. Segundo os especialistas, a investigação começou em 2016, quando a equipe extraiu material equivalente a quase 130 metros de altura de detritos geológicos acumulados na região em que ocorreu o impacto.

Para o pesquisador e coautor do estudo Jens Olof Ormö, uma das vantagens de estudar crateras é que os eventos seguintes a um impacto são muito bem conhecidos: “Podemos reconstruir uma sequência de eventos [por exemplo, ver quais sedimentos seguem um acima do outro]. Pelo tipo de sedimento [tamanho dos clastos (fragmentos), tipo e classificação], podemos saber se eles foram depositados rápida ou lentamente, e o tempo que levou”, disse, segundo El País.

Dentro da cratera, os pesquisadores encontraram carvão e um biomarcador químico associado a fungos que, quando presentes dentro ou acima de camadas de areia, sinalizam a existência de água. Como explicaram em comunicado, o achado sugere que a paisagem carbonizada foi varrida para dentro da cratera criada pelo asteroide.

Só isso já seria o suficiente para mudar para sempre os ecossistemas próximos ao impacto, mas foi o que aconteceu a seguir que realmente mudou o mundo. Para compreenderem o que aconteceu depois, os cientistas descobriram uma pista que, na verdade, não estava na composição geológica estudada — e aí reside a maior evidência de que eles estão certos.

Embora a área ao redor da cratera esteja cheia de rochas geralmente ricas em enxofre, a substância não foi encontrada. O fato corrobora a teoria de que o impacto resultou na vaporização dos minerais que continham o elemento, liberando-os na atmosfera.

Resultado? O enxofre — ao menos 325 bilhões de toneladas — refletiu a luz solar para longe da Terra, causando o resfriamento do planeta, o que teve um efeito devastador. “O verdadeiro assassino deve ser atmosférico. A única maneira de obter uma extinção em massa global como essa é um efeito atmosférico”, afirmou Sean Gulick, membro do grupo, em comunicado.

Galileu

 

Estudo explica o que leva uma pessoa a enviar nudes sem ninguém ter pedido

Foto: Ilustrativa

Quem constrói os limites de um relacionamento, a rigor, são as pessoas envolvidas nele. Alguns fetiches podem ser extremamente prazerosos para uns, mas acabar causando constrangimento em outros. E não estamos falando só de práticas incomuns: os famosos “nudes” podem ser extremamente invasivos. Ainda mais quando não são solicitados.

Mas o que leva uma pessoa a enviar fotos da própria genitália sem ninguém ter pedido? Considerando que as “dick pics” (literalmente “fotos de pênis”, em inglês) nunca estiveram tão na moda, pesquisadores do Canadá e Estados Unidos resolveram investigar as razões que levam homens a compartilhá-las.

O experimento fez parte de um estudo científico, e foi publicado na revista The Journal of Sex Research. Participaram, ao todo, 1.087 homens héteros, que forneceram respostas em um questionário online. As perguntas avaliavam quais eram suas motivações para o envio de nudes – bem como as reações que eles esperavam obter da pessoa que estava do outro lado da tela. O questionário envolvia também perguntas sobre personalidade, para medir os níveis de narcisismo e machismo dos voluntários.

De acordo com os resultados, 48% dos marmanjos afirmaram já ter mandado nudes sem a parceira ter pedido. E a principal razão para isso, apontada por 43,6% dos que já enviaram, era simples: eles esperavam receber fotos de volta. A segunda razão mais citada (em 32,5% dos casos) justificava que “essa é uma maneira normal de flertar”. Quanto a reação que eles esperavam enviando as imagens, 22% achavam que elas se sentiriam “valorizadas” ao receber as fotos.

Todos essas respostas, segundo o estudo, consideravam que a mulher poderia responder positivamente à atitude. Mas também apareceram motivações explicitamente negativas para o envio das fotos picantes: 15% dos voluntários afirmaram que enviaram nudes para provocar medo nas destinatárias, e 8% esperava evocar nelas uma sensação de vergonha – o que, convenhamos, é uma péssima forma de se aproximar de alguém.

Alguns participantes mostraram misoginia (6%) e necessidade de estar no controle (9%) como suas principais motivações. No questionário, esses resultados estavam associados a frases como “eu sinto uma sensação de desconforto em relação às mulheres e enviar fotos de pênis é algo que me satisfaz”, ou “enviar fotos de pênis me dá um sentimento de controle sobre a pessoa para quem eu enviei”.

Os resultados da análise das personalidades não surpreenderam ninguém: homens que mandaram nudes gratuitos se mostraram mais narcisistas e machistas do que aqueles que não mandaram. A pesquisa destaca que experimentos sobre o tema se revelam cada vez mais necessários na sociedade atual, “dadas as atuais ansiedades culturais em torno de sexting, pornografia de vingança e outras formas de sexualidade mediada por tecnologia”.

Resumo da ópera? Tenha em mente que a grande maioria das mulheres não acha legal uma foto de pênis recebida de surpresa. Como o estudo concluiu que a maioria dos homens que faz isso espera imagens sensuais de volta, vale a máxima: se quer um nude, peça. Queimar a largada e mandar de sopetão um retrato de seu instrumento não é uma boa forma de quebrar o gelo.

Super Interessante

 

Estudo descobre que envelhecimento pode ser reversível; saiba mais sobre o possível rejuvenescimento

Foto: Reprodução/Clickgratis

Um estudo realizado na Califórnia, nos Estados Unidos, revelou que é possível reverter o envelhecimento e não apenas retardá-lo. Cientistas medicaram um grupo de nove voluntários com um coquetel de três medicamentos comuns por um ano – um hormônio do crescimento e dois medicamentos para diabetes, na esperança de regenerar a glândula timo.

Mas o resultado mostrou que os participantes haviam perdido em média 2,5 anos em seu “relógio epigenético”, medido pela análise de marcas nos genomas de uma pessoa, segundo a revista Nature. O sistema imunológico dos participantes também mostrou sinais de rejuvenescimento.

Os cientistas responsáveis pelo estudo ficaram chocados com a descoberta. “Eu esperava ver a desaceleração do relógio, mas não uma reversão”, disse Steve Horvath, pesquisador da UCLA. “Isso pareceu meio futurista.”

Os pesquisadores alertam que os resultados são preliminares, porém, se novas pesquisas confirmarem as conclusões, o impacto nos cuidados de saúde e na relação da sociedade com o envelhecimento como um todo pode ser enorme.

R7

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Pedro Melo disse:

    Mais uma "tapia" , vamos gastar dinheiro!

  2. Regininha J disse:

    Aiiiiiiiiiiiiiiiiiii, meu BOTOX!