Investigação nos “contracheques” milionários dos juízes esquenta clima entre magistrados paulistas e Eliana Calmon

Com o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) no encalço de magistrados com contracheques milionários, Ivan Sartori, presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, maior corte do País, com 360 desembargadores, fez na terça-feira um desafio à ministra Eliana Calmon, corregedora nacional da Justiça.

“Eu até me disponho, se ela quiser mostrar o holerite junto com o meu, eu mostro, os dois juntos. Por que vocês não propõem isso?”, disse a jornalistas que recebeu em seu gabinete. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

A sugestão se deu em meio a um longo desabafo por causa da apuração do CNJ, que mira contracheques milionários concedidos a alguns magistrados paulistas. A verificação do conselho incluirá pesquisas por amostragem no quadro de desembargadores em todo o País.

“Não admito ser colocado como suspeito”, reagiu Sartori.

Eliana Calmon não quis comentar. Por meio de sua assessoria, informou que seu holerite é público. O CNJ decidiu em fevereiro retomar o levantamento na folha de pagamento dos tribunais, depois que venceu no Supremo Tribunal Federal (STF) a queda de braço com as entidades da toga, que se opõem ao rastreamento.

Fonte: Terra