Livro de Leide Câmara documenta a relação de Luiz Gonzaga com a música potiguar

O compositor seridoense Severino Ramos foi o principal parceiro musical  potiguar de Luiz Gonzaga. Os dois assinaram nada menos que doze parcerias, entre as quais uma das mais conhecidas músicas do repertório final de Gonzaga: Ovo de codorna, que enfrentou problemas com a censura durante a ditadura militar mas foi gravada três vezes (1971, 1978 e 1979) pelo Rei do Baião.

A parceria com Severino Ramos é um dos destaques do livro Luiz Gonzaga e a Música Potiguar, que a pesquisadora Leide Câmara autografa nesta terça-feira, às 19h, na Pinacoteca do Estado (Praça 7 de Setembro – Cidade Alta). O título é o número 36 da coleção Cultura Potiguar, editada pela Secretaria Extraordinária de Cultura do RN e Fundação José Augusto, através da Gráfica Manimbu.

A obra traz um minucioso levantamento das relações entre Gonzaga e os músicos potiguares. De acordo com a pesquisadora, as músicas de Gonzaga foram gravadas por 54 cantores ou grupos potiguares. Em contrapartida, o pernambucano gravou desde 1945, além de Severino Ramos, cinco compositores locais — Henrique Brito, Frei Marcelino, Janduhy Finizola, Chico Elion e Celso da Silveira. Finizola também foi parceiro de Gonzaga.

Luiz Gonzaga e a Música Potiguar documenta as andanças do velho Lua por todo o Rio Grande do Norte, ao longo de várias décadas. O livro registra homenagens fora da música — seminários, publicações em livro e folheto de cordel, eventos oficiais — e uma vasta iconografia que ilustra a presença de Gonzaga na cena artística potiguar.

A autora é uma das mais importantes pesquisadoras musicais do estado e criadora do Instituto Leide Câmara Acervo da Música Potiguar (AMP). É autora de obras referenciais sobre o tema, como o Dicionário de Música do Rio Grande do Norte, com cerca de 600 verbetes que cobrem mais de um século de história, e de estudo sobre o pioneirismo bossanovista do compositor macauense Hianto de Almeida.

Mostras na Pinacoteca

O lançamento do livro de Leide Morais é parte de uma ampla programação na Pinacoteca do Estado nesta terça-feira, a partir das 19h. Serão abertas duas mostras de fotografia — Ser-Tão Seridó, de Paula Geórgia Fernandes, e Ecos Híbridos, de Eustáquio Neves, Alexandre Siqueira e Pedro David. As duas ficam abertas até o dia 21 de junho. A programação inclui ainda a exposição Obras-primas da Gravura, com parte do acervo da própria Pinacoteca, e o lançamento do edital do III Salão de Arte Popular Chico Santeiro.