Ministro da Educação quer lançar universidades digitais

Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, anunciou nesta sexta-feira (23) que a intenção do governo é lançar um programa de universidades e institutos federais de educação digitais. De acordo com o ministro, a ideia é que boa parte da formação nessas instituições seja realizada por meio de educação à distância. A ideia ainda está em estudos no Ministério da Educação (MEC).

“O nosso projeto é sim EaD [Ensino à Distância] e a gente está preparando uma universidade federal digital e um instituto federal digital. É pra lá que a gente vai caminhar”, disse o ministro durante cerimônia para anunciar repasse para o programa Inovação Educação Conectada, voltado para levar internet banda larga a escolas das zonas rurais do país.

O ministro não deu mais detalhes de como funcionariam as instituições, mas disse que a intenção é levar o debate ao Congresso Nacional. A ideia é alterar partes do Plano Nacional de Educação (PNE). “O Congresso é soberano e hoje eu tenho o PNE e no PNE você tem métricas e metas que preveem isso, a construção de mais campi universitários. Vou fazer o convite para aos parlamentares para a gente rediscutir o PNE. Em vez de colocar metas que não representem o bem estar para toda a sociedade, talvez a gente poderia colocar uma meta de universalizar a internet para todas as escolas do país”, disse o ministro.

De acordo com Weintraub, a ideia é que os estudantes façam módulos de ensino e que escolham durante esse percurso a área de formação. “Isso cai muito o custo com refeitórios, e outras coisas”, disse. “O aluno pode ir eventualmente a simpósios, seminários, aí junta todo mundo para períodos mais curtos e isso barateia o custo”, acrescentou.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Paulo disse:

    Vamos lançar ministros digitais e governos digitais, seria uma ótima. Principalmente com esse governo de grande competência.

  2. Cigano Lulu disse:

    Com uma população idosa em ascensão, o Brasil urge pela ampliação de um ensino a distância de qualidade. Tanto pago – para os que podem pagar – como gratuito, para a população de baixa renda. Esse programa deveria ainda servir para qualificar e reiserir no mercado de trabalho as multidões de desempregados paridas na famigerada era dilmo-petralha.

COMENTE AQUI