“Não tem como recuar. Ou é o Proedi, ou nada”, diz secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado

Foto: Igor Jácome/G1

O secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado, Jaime Calado, em entrevista ao portal G1-RN, afirmo que o Estado não tem outra opção. “Não tem como recuar. Ou é o Proedi, ou nada”. O programa criado pelo governo do estado, através de decreto, e concede incentivos fiscais que chegam a 95% de desconto no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) pago pelas indústrias que gerarem emprego. O problema é que as prefeituras reclamam que o desconto também tem afetado a participação de 25% do ICMS que são repassados aos municípios. A redução dos repasses chegariam a R$ 85 milhões anuais. (VEJA MAIS DETALHES COM MATÉRIA NA ÍNTEGRA AQUI).

Pelo menos 82 prefeituras de municípios potiguares entraram na Justiça contra o Programa de Estímulo ao Desenvolvimento Industrial do Rio Grande do Norte (Proedi) – que concede incentivos fiscais às indústrias do estado, até a manhã desta quinta-feira (5), segundo a Federação dos Municípios (Femurn). Os gestores reclamam da redução da participação da redução do ICMS distribuído aos municípios. Outros três municípios tinham previsão de judicializar a questão ao longo do dia e a federação considera que chegará a 90 até esta sexta-feira (6). Eles representam mais da metade dos municípios do Rio Grande do Norte.

Por outro lado, o governo afirma que haverá aumento da arrecadação. “No fim de 2019, 90% dos municípios terão recebido mais que em 2018. Vamos demonstrar isso”, disse o secretário.

Diante do impasse, indústrias que funcionam no estado e se beneficiam dos incentivos fiscais estão suspendendo investimentos, à espera de decisões judiciais.

O governo reconhece que a situação gera um ambiente de insegurança jurídica, mas também afirma que a jurisprudência favorável ao Estado.

Com acréscimo de informações do G1-RN

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Manoel disse:

    Então nada ! Fizeram tudo errado, tiraram o dinheiro das prefeituras pra beneficiar empresários amigos do governo e ainda querem passar por vítimas, ah coitado !

  2. Anti-Político de Estimação disse:

    Na verdade trata-se de uma guerra política onde quem perde é o Estado , os cidadãos e os próprios Municípios, pois sem indústrias não temos emprego, nem dinheiro circulando e nem arrecadação. Depois não adianta chorar o crescimento dos Estados vizinhos, que fizeram a mesma coisa.
    Talvez os Prefeitos e Deputados Estaduais envolvidos tenham um "coelho na cartola" para tirar.

COMENTE AQUI