O curioso caso do Vietnã: como o país pobre venceu a Covid-19 e deve ter crescimento econômico em 2020

Foto: Reprodução/Veja

Enquanto o Brasil acumula mais de 290.00 casos confirmados e mais de 19.000 mortes pela Covid-19, e nações desenvolvidas como os Estados Unidos, Reino Unido e Itália perderam o controle sobre a epidemia, uma nação pobre do Sudeste Asiático vem espantando o mundo.

Trata-se do Vietnã.

Com 1.100 quilômetros de fronteira com a China, origem da pandemia, o país registrou apenas 324 infectados e nenhuma morte. Isso mesmo, não houve vítimas fatais. A estratégia foi tão bem sucedida que o país deve ser um dos poucos do mundo este ano a não ter recessão. Segundo análise feita pelo economista especialista em Ásia Sian Fenner, da Universidade de Oxford, na Inglaterra, o PIB deve ter expansão na casa dos 2%.

Um resultado espantoso, que coloca o Vietnã no restrito clube dos que conseguiram debelar o surto antes que ele se espalhasse. São eles Coreia do Sul, Alemanha, Nova Zelândia, Portugal, Islândia e China.

Há, porém, diferença importante em relação aos seus pares. O Vietnã é pobre, tem uma população de 95 milhões de habitantes, cidades extremamente densas e infraestrutura precária. Além disso, foi arrasado por uma guerra contra os Estados Unidos há menos de 40 anos, que até hoje traz consequências.

Como o Vietnã conseguiu? O segredo está na seriedade: poucos levaram a ameaça da epidemia tão a sério quanto os vietnamitas.

Ainda em janeiro, durante as celebrações do Ano Novo lunar, o governo federal afirmou que estava “declarando guerra” ao coronavírus. Isso quando o surto ainda estava restrito à cidade de Wuhan, na China. Em reunião do Partido Comunista, o primeiro-ministro Nguyen Xuan Phuc disse que o problema logo chegaria ao território.

“Combater essa epidemia significa lutar contra o inimigo”, disse. Em seguida, o premiê suspendeu todos os voos para a China, emitiu restrições de visto a estrangeiros e reforçou a passagem de fronteira com seus vizinhos.

A principal arma dos vietnamitas contra o patógeno foi a forma mais rigorosa da quarentena, o lockdown. A medida foi decretada logo no início, antes mesmo do vírus se espalhar. Em Hanoi, segunda maior cidade do país, entrou em vigor quando haviam somente 10 casos confirmados.

É o contrário do que fizeram chineses e italianos, que só apelaram para o lockdown como último recurso, quando as infecções já se contavam aos milhares.

O governo mobilizou ainda um exército de rastreadores para ir atrás e isolar todos os possíveis infectados. Outro contingente de 90.000 médicos foi colocado de prontidão para cuidar dos casos.

O esforço hercúleo do Vietnã evitou que o país sofresse com suas deficiências. O governo sabia que não poderia contar com uma rede de saúde pública robusta para conter a infecção, como fizeram alemães e chineses. Ho Chi Mihn, a maior cidade do país, com 8 milhões de habitantes, tem apenas 900 leitos de emergência. Ou seja, no caso de uma epidemia, o colapso da rede hospitalar aconteceria já nos primeiros dias.

Também não conta com tecnologia de ponta, como os coreanos, que puderam cadastrar e rastrear infectados através de aplicativos criados em poucos dias.

Nesse caso, apelaram para a ajuda das Forças Armadas, instituição nacional mais respeitada. Há soldados de prontidão em praticamente toda esquina nas grandes cidades para checar se as medidas de isolamento social e proteção estão sendo cumpridas.

O Partido Comunista, que controla o governo e é a única legenda política do país, passou a utilizar a mídia estatal para campanhas massivas. Celebridades do país foram convocadas para protagonizar vídeos explicativos e cartazes.

E, numa medida que provocaria grande polêmica em países do Ocidente, quem é infectado pelo novo coronavírus tem sua identidade divulgada nas redes sociais oficiais e na imprensa. A violação da identidade, defende o governo, tem como objetivo localizar todos que tiveram contato com o doente.

O Vietnã também tornou-se exemplo de solidariedade internacional. Desde janeiro, já enviou 500.000 máscaras para a Europa, assim como equipamentos de proteção para médicos do Camboja, Laos e China.

Até os Estados Unidos, algozes na dura guerra travada entre os anos 1960 e 1970, vem sendo ajudados. O Partido Comunista despachou milhares de kits de testagem para os americanos. Cada kit custa 25 dólares e apresenta o resultado em 90 minutos.

Uma tremenda ironia do destino.

Veja

 

Related Post

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Daniel disse:

    Essa é a estratégia de eliminação: fechar tudo antes da transmissão comunitária. Sem dúvidas que foi efetivo ATÉ AGORA, mas não se sabe o resultado a longo prazo, com uma população grande e totalmente vulnerável imunologicamente. Continuará em lockdown até ter vacina?

  2. Jean da Silva disse:

    Mas aí é fácil. Queria ver eles fazerem isso com um Bolsobosta na cadeira de presidente.

    • Medeiros disse:

      Eu diria que seria impossível fazer com um lularapio de e um esquerdalha roubando os recursos públicos …..
      Se bolsonaro a fizesse algo assim era nazista…. fascista…. ciclista… Louco assassino…. Ele tentou suspender o Carnaval e quase pediram o Impeachement de dele….

  3. Oswaldo disse:

    Ô povo para gostar de conta de país comunista, no mesmo nível de informação tá a Coreia do Norte, China, Cuba e Venezuela! E uma galera aqui elogiando o protocolo do Vietnã

  4. Morais disse:

    Vige! Nenhum comentário ainda?
    Medidas drásticas, mas o isolamento social é inquestionável diante da falta de recursos. O que importa são as vidas poupadas.

  5. quem disse:

    APRENDAM IGNORANTES: recuperação mais rápida da economia, com poucas mortes. a DIFERENÇA É A CONSCIÊNCIA DO POVO.

COMENTE AQUI