Saúde

ARTIGO: As sequelas inimagináveis da Covid

 Foto: Getty Images via BBC

Com mais de 70% da população vacinada com a primeira dose e quase 50% já totalmente imunizados, é maravilhoso vermos as coisas voltando ao normal. As atividades comerciais funcionando normalmente, o retorno dos shows, das aulas (nas escolas privadas), enfim, o retorno a nossa vida de sempre. Quase. Calma, explico.

Tenho-me deparado com algumas sequelas comerciais do Covid que parecem não ter vacina, nem tratamento que resolva. O primeiro, e mais nefasto, é o cardápio QR CODE. Nada mais frustrante do que sentar no restaurante e ter que escolher seu prato num cardápio de 10 cm de altura x 5 cm de largura. Será que um cardápio plastificado e higienizado não resolveria bem? Vamos em frente.

Número reduzido de cadeiras nas recepções. Sejam em clínicas, consultórios ou outros ambientes de espera, deparamo-nos com o “X” vermelho nas cadeiras. No entanto, quem vai chegando pode esperar lado-a-lado no mesmo ambiente, porém em pé.

Não podemos entrar no colégio dos nossos filhos. É proibido assistir aos jogos internos ou qualquer outra coisa. As crianças vivem com os pais, e se a família estiver doente, a simples ida delas ao colégio já não contaminaria a todos? Então, por que os pais não podem entrar com máscara? Podemos entrar em todos os ambientes da cidade, mas os colégios insistem em não permitir a entrada dos pais.

Você tem algum processo no Fórum? Se tem, mesmo sendo parte, não pode ir na vara consultar. — É somente pelo telefone, Senhor!
O problema é que o telefone muitas vezes só chama, ninguém atende. Será que todos que trabalham no Fórum não frequentam os shoppings, cinemas, restaurantes, ônibus, aviões, casas de amigos? Já não basta a lentidão da nossa justiça, ainda querem complicar uma simples consulta de acompanhamento!?

Falando em aviões… Graças a Deus podemos viajar para todas as partes. Podemos ficar ao lado de outras 300 pessoas no mesmo espaço compacto. Mas não podem servir nada. Olhe, olhe, um copo d’água.

Para finalizar, lembro o terrível que é ligar para algum 0800, pois quase todos diminuíram seus atendentes. Curioso é que o número de funcionários nos departamentos comerciais já voltou ao normal, mas nos 0800 é sempre reduzido. É claro que prefiro resolver pela internet, mas às vezes não é possível. — Você já tentou ligar para o 0800 da TAP? Socorro!

Supermercados com redução de caixas é demais. Venderam muito durante a pandemia e diminuir a quantidade de caixas é imperdoável.

— Enfim, a sabedoria.

A Covid já maltratou demais nossas vidas. Vamos nos livrar dessas sequelas da sociedade. O remédio é o bom senso.

Por Marcus Aragão

Opinião dos leitores

  1. Verdade. É triste ver algumas coisas tão mais graves voltando ao normal, enquanto coisas mais necessárias seguem deficientes. Escolas, universidades, funcionamento da justiça… são essenciais para o funcionamento da sociedade

  2. Acredito que tem prazeres na vida que não voltará nunca mais. O Covid levou para sempre. Bom texto 👏👏👏

  3. Pqp… Para de mimimi!
    Pior é quem ficou órfão, perdeu um filho, esposa etc pra essa doença. Como é que um cara perde tempo escrevendo uma bosta dessas… Fico indignado com isso e com vc tbm BG por publicar

  4. Tudo perfeito, mas tente administrar uma empresa com apenas 50% das receitas que você tinha antes da pandemia. Tente pagar aluguel reajustado pelos 37% do IGPM sem poder transferir esse aumento para seu cliente, tente oferecer mais e melhores serviços com uma empresa operando abaixo do ponto de equilíbrio, tente usar um cardápio normal e seja fiscalizado pela agências de saúde, tente fugir das regras e caia nas redes sociais com a reclamação de um cliente. Entendo o seu artigo, mas como diria Belchior “…não se preocupe meu amigo com os horrores que eu lhe digo, isso é somente uma canção, a vida realmente é diferente, quer dizer, ao vivo é muito pior…”

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Assim como a Covid-19, tuberculose pode ser transmitida pela respiração, afirmam cientistas

Foto: Reprodução

Depois de séculos de preceitos médicos estabelecidos sobre a tuberculose, uma equipe de pesquisadores da África do Sul descobriu que a respiração pode contribuir mais para a disseminação da doença que a tosse, seu sintoma mais característico.

Até 90% das bactérias responsáveis pela tuberculose liberadas por uma pessoa infectada podem ser transportadas em pequenas gotículas, chamadas aerossóis, que são expelidas quando a pessoa expira profundamente, estimam os pesquisadores. As descobertas foram apresentadas na terça-feira na Conferência Mundial da União sobre Saúde Pulmonar.

O relatório ecoa uma importante descoberta durante a pandemia de Covid-19: o SARS-CoV-2 (novo coronavírus) também se espalha em aerossóis carregados pelo ar, especialmente em lugares fechados — um modo de transmissão que foi amplamente subestimado no início da pandemia.

A tuberculose é causada por uma bactéria chamada Mycobacterium tuberculosis, que normalmente ataca o pulmão. É a doença infecciosa mais letal do mundo depois da Covid-19, provocando mais de 1,5 milhão de óbitos no último ano — o primeiro aumento em uma década, de acordo com relatório publicado na última semana pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Enquanto a pandemia de Covid interrompia o acesso aos serviços de saúde e cadeias de abastecimento ao redor do mundo, 5,8 milhões de pessoas foram diagnosticadas com tuberculose em 2020. Mas a OMS estima que, na verdade, cerca de 10 milhões de pessoas tenham sido infectadas. Muitas podem inconscientemente estar transmitindo a doença para outras.

— Nosso modelo sugere que, na verdade, a geração de aerossol e a geração de tuberculose podem acontecer independentemente dos sintomas — explica o estudante de pós-graduação da Universidade da Cidade do Cabo, na África do Sul, que apresentou os resultados, Ryan Dinkele.

O estudo

A descoberta ajuda a explicar por que lugares fechados e apertados, como prisões, frequentemente funcionam como criadores de tuberculose, assim como de Covid-19. E a pesquisa sugere que alguns métodos usados para limitar a transmissão do coronavírus — como máscaras, janelas e portas abertas e permanecer o máximo possível ao ar livre — também são importantes para reduzir a tuberculose.

— Aqueles de nós que têm tuberculose olhamos para a Covid e dizemos: ‘Nossa, é apenas como uma versão acelerada da tuberculose’ — disse o epidemiologista da Universidade de Boston, que não estava envolvido com a pesquisa, Robert Horsburgh.

Os pesquisadores anteriormente acreditavam que a maior parte da transmissão da tuberculose acontecia quando uma pessoa infectada tossia, espalhando gotículas carregando a bactéria pelo ar. Até acreditava-se que algumas bactérias eram liberadas quando uma pessoa respirava, mas muito menos do que pela tosse.

A nova descoberta não muda esse entendimento. Uma única tosse pode expelir mais bactéria que uma única respiração. Mas, se uma pessoa infectada respira 22 mil vezes por dia e tosse cerca de 500 vezes, então a tosse significa apenas 7% do total de bactéria emitida pelo paciente infectado, explica Dinkele.

Em um ônibus lotado, na escola ou no trabalho, onde pessoas ficam sentadas em espaços confinados por horas, “simplesmente respirar contribuirá com mais aerossóis infecciosos do que a tosse”, diz Dinkele.

Como funciona a transmissão

Na respiração, a inalação abre pequenos sacos de ar nos pulmões e, em seguida, a exalação carrega as bactérias dos pulmões por meio de aerossóis. Devido ao seu tamanho menor, os aerossóis liberados pela respiração podem permanecer flutuando no ar por mais tempo e viajar mais longe do que as gotículas emitidas pela tosse.

Assim como com a Covid, alguns pacientes com tuberculose espalham a doença para muitas pessoas — e podem liberar muitas bactérias — enquanto outros infectam poucas pessoas ao seu redor. Mas, mesmo que 90% das bactérias expelidas por uma pessoa infectada fossem transportadas em aerossóis, essa via de transmissão não seria necessariamente responsável por 90% dos novos casos, advertiu a médica que estuda a doença na Universidade Brown, Silvia S. Chiang.

Ainda assim, dizem especialistas, as descobertas de fato sugerem que os médicos não devem esperar que pacientes com tuberculose cheguem às clínicas com tosse forte e perda de peso, os sintomas considerados reveladores.

— Nós precisamos apenas rastrear toda a população, assim como você faria se estivesse procurando por muita Covid — disse Horsburgh.

O Globo

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Mais 156 mil doses de vacinas contra Covid-19 chegam ao RN nesta sexta-feira (22)

Foto: Reprodução / Sesap

No início da tarde desta sexta-feira (22), a Secretaria de Estado de Saúde Pública recebeu 156.780 doses do imunizante da Pfizer. O quantitativo será distribuído na manhã de sábado (23) para todos os municípios.

Os lotes garantem a segunda dose e também a dose de reforço dos idosos, pessoas imunossuprimidas e trabalhadores da saúde, além da continuidade da vacinação das crianças e adolescentes entre 12 e 17 anos.

“É importante ressaltar que além da dose de reforço, as pessoas que não procuraram as unidades básicas de saúde para completar o esquema vacinal com a segunda dose, precisam garantir a imunização, procurando o mais rápido possível o posto mais próximo de sua casa. Só assim vamos conseguir avançar ainda mais na imunização da população do Rio Grande do Norte”, alerta a coordenadora de Vigilância em Saúde, Kelly Lima.

De acordo com a plataforma RN+ Vacina hoje existem 205.039 pessoas com doses atrasadas, ou seja, que só tomaram a primeira dose e não completaram o esquema vacinal dentro do prazo estabelecido.

Hoje o Rio Grande do Norte conta com 2.485.217 pessoas parcialmente vacinadas, com a primeira dose, o que representa 78% da população acima dos 12 anos e 1.693.812 pessoas totalmente vacinadas, 53% desse grupo. Até o momento foram aplicadas 4.281.296 doses dos imunizantes contra a Covid-19. É importante sempre destacar que a vacina é a forma mais eficaz de combate à pandemia.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

RN registra 02 óbitos por Covid nas últimas 24 horas; novos casos são 91

A Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) atualizou os números do coronavírus nesta sexta-feira (22). São 371.687 casos totalizados. Na quinta-feira (21) eram contabilizados 371.447, ou seja, 240 novos casos em comparação com o dia anterior, destes, 91 confirmados nas últimas 24 horas.

Com relação aos óbitos no Rio Grande do Norte, são 7.372 no total. Com registro de dois óbitos (Natal e Parnamirim) ocorrido nas últimas 24h. Na quinta (21) eram 7.369 mortes. Óbitos em investigação são 179.939.

Recuperados são 260.484. Casos suspeitos somam 179.939 e descartados são 750.212. Em acompanhamento, são 103.831.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

RN registra taxa de ocupação de leitos críticos para covid de 41,1%

A taxa de ocupação de leitos críticos das unidades públicas de saúde no RN é de 41,1%, registrada no final da manhã desta sexta-feira (22). Pacientes internados em leitos clínicos e críticos somam 128.

Até o momento desta publicação são 106 leitos críticos (UTI) disponíveis e 74 ocupados, enquanto em relação aos leitos clínicos (enfermaria), são 78 disponíveis e 54 ocupados.

Segundo a Sesap, a Região metropolitana apresenta 44,4% dos leitos críticos ocupados, a região Oeste tem 38,6% e a Região Seridó tem 16,7%.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

COVID: RN possui 106 leitos críticos e 78 leitos clínicos disponíveis

O RN permanece com fila zerada de pacientes para UTI Covid conforme levantamento feito por volta das 12h00 desta sexta-feira (22).

Neste período, havia 01 pacientes com perfil para leitos críticos na lista de regulação e 01 aguardavam avaliação. Foram registrados disponíveis 106 leitos críticos e outros 78, sendo clínicos.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

OMS: Covid pode ter matado 80 mil a 180 mil profissionais de saúde

Foto: © 03/07/2020 Reuters / Fabrice Coffrini / Direitos reservados 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) diz que podem ter morrido entre 80 mil e180 mil profissionais de saúde desde o início da pandemia, em todo o mundo. O diretor-geral da organização, Tedros Adhanom Ghebreyesus, defende que os profissionais de saúde devem ter prioridade na imunização e cita críticas ao processo desigual de acesso às vacinas.

O mais recente relatório da OMS estima que dos 135 milhões de profissionais de saúde no mundo, entre 80 mil e 180 mil podem ter morrido de covid-19 no período entre janeiro de 2020 e maio de 2021.

“Dados de 119 países sugerem que, em média, dois em cada cinco profissionais de saúde e cuidadores em todo o mundo estão totalmente vacinados. Mas é claro que essa média mascara as enormes diferenças entre regiões e grupos econômicos”, declarou Tedros Adhanom.

Segundo o diretor-geral da OMS, na África menos de um em cada dez profissionais de saúde foi totalmente vacinado. Diferentemente, na maioria dos países com economias fortes, mais de 80% dos profissionais de saúde estão totalmente vacinados.

“Apelamos a todos os países para garantir que todos os profissionais de saúde e cuidadores tenham prioridade na vacinação contra a covid-19, juntamente com outros grupos de risco”, afirmou o diretor.

Desde que as primeiras vacinas foram aprovadas pela OMS, há mais de dez meses, milhões de profissionais de saúde ainda não foram vacinados. A “denúncia” surge, dirigida aos países e empresas que controlam o fornecimento global de doses, acrescentou.

Annette Kennedy, presidente do Conselho Internacional de Enfermeiros, lamenta as muitas mortes que ocorreram desnecessariamente. “Poderíamos ter salvado muitas vidas”, disse.

“É uma acusação chocante dos governos. É uma acusação chocante da falta de proteger os profissionais de saúde que pagaram o último sacrifício com as suas vidas”, destacou Annete.

“Eles agora estão exaustos, devastados, física e mentalmente. E há uma previsão de que 10% desses profissionais partirão em pouco tempo”, acrescentou a presidente da organização internacional de enfermeiros.

A OMS quer que cada país vacine pelo menos 40% da população até o fim deste ano. Mas o fornecimento insuficiente de vacinas poderá impedir o cumprimento da meta.

Tedros Adhanom disse ainda que 82 países estão em risco de não atingir esse  índice.

Agência Brasil

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Vacina da Pfizer contra covid-19 é 91% eficaz em crianças, aponta estudo

Foto: © Geovana Albuquerque / Agência Saúde DF

Dados divulgados nesta sexta-feira (22) pela Pfizer apontam que doses da vacina contra a covid-19 da farmacêutica para crianças de 5 a 11 anos são seguras e apresentaram eficácia de quase 91% na prevenção de infecções sintomáticas. A divulgação ocorre em meio às análises feitas pelos Estados Unidos para aplicação do imunizante para a faixa etária.

De acordo com a Associated Press, as aplicações no país podem começar no início de novembro se os reguladores americanos derem sinal verde. O Departamento de Saúde e Serviços Humanos (FDA, na sigla em inglês) deve publicar sua revisão independente dos dados de segurança e eficácia da empresa no final do dia.

Os consultores do FDA vão debater publicamente as evidências do imunizante na próxima semana. No país, a vacina é autorizada para maiores de 12 anos, porém pediatras e famílias aguardam a nova aprovação voltada a crianças mais novas como forma de conter as infecções crescentes da variante delta e ajudar a manter as crianças na escola. A administração do presidente Joe Biden comprou doses suficientes para imunizar todas as crianças de 5 a 11 anos de idade.

Estadão Conteúdo

Opinião dos leitores

  1. Por que essa TARA em vacinar crianças q praticamente não tem sintomas dessa praga chinesa?

    1. Bicho de chifres, pode não ter sintomas, mas transmite.

  2. Estudo patrocinado pela própria Pfizer? Puxa vida q surpresa ! Eu q n vacino meus filhos !! Crianças n precisam dessa vacina

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Transmissão do coronavírus mantém ritmo de queda no Brasil, informa Fiocruz

Foto: CRIS FAGA / ESTADÃO CONTEÚDO

Um boletim extraordinário do Observatório Covid-19 da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), publicado na quarta-feira (20), destaca que o Brasil se mantém em um ritmo de queda dos novos casos da doença, assim como de internações e mortes.

Os pesquisadores alertam, no entanto, sobre instabilidades nos dois sistemas do Ministério da Saúde que notificam casos leves de Covid-19: o e-SUS e o Sivep-Gripe.

“Isso se reflete na divulgação de um número abaixo do esperado durante algumas semanas, seguida de um número excessivo de notificações, o que pode gerar interpretações equivocadas sobre as tendências locais da pandemia e a tomada de decisões baseadas em dados incompletos. A irregularidade do fluxo de notificação deve ser levada em conta e serve como alerta para as consequências de decisões, por vezes, inoportunas ou baseadas em dados incompletos e atrasados”, afirmam.

Na semana passada, a média diária foi de 10.200 novos casos e 330 mortes por Covid-19, segundo o relatório. “Esses valores correspondem a uma queda abrupta do número de casos (4,8% ao dia) e do número de óbitos (3,6% ao dia). Considerando a série histórica desses indicadores, os novos dados representam a manutenção da tendência de redução dos impactos da Covid-19 no país”, salienta a Fiocruz.

A ocupação dos leitos de UTI destinados a casos de Covid-19 no SUS está abaixo de 54% em 25 unidades da Federação. Apenas o Distrito Federal está em nível crítico, com 80%. O Espírito Santo está em alerta médio, com 71%.

No caso do DF, a Fiocruz explica que o governo local “vem gerenciando a retirada de leitos de UTI dedicados à Covid-19 há várias semanas, e parece haver algum controle sobre a taxa, apesar do nível elevado”.

Por fim, os pesquisadores destacam que o Brasil ainda não venceu a pandemia e que a vacinação é peça fundamental nesse processo, bem como a adoção do passaporte vacinal.

“Ratificamos a preocupação com a possibilidade de reveses, apesar da melhora consistente que temos observado no quadro pandêmico. O vírus não deixa de circular por decreto, e a falsa impressão de que já vencemos a pandemia, com a flexibilização de medidas que protegem contra a transmissão do vírus, pode retardar o controle mais definitivo da epidemia e remete à necessidade de continuarmos vigilantes sobre a Covid-19.”

R7

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

RN registra nenhum óbito por Covid nas últimas 24 horas; novos casos são 54

A Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) atualizou os números do coronavírus nesta quinta-feira (21). São 371.447 casos totalizados. Na quarta-feira (20) eram contabilizados 371.278, ou seja, 169 novos casos em comparação com o dia anterior, destes, 54 confirmados nas últimas 24 horas.

Com relação aos óbitos no Rio Grande do Norte, são 7.369 no total. Com registro de nenhum óbito ocorrido nas últimas 24h. Na quarta (20) eram 7.368 mortes. Óbitos em investigação são 179.841.

Recuperados são 260.484. Casos suspeitos somam 179.841 e descartados são 749.111. Em acompanhamento, são 103.594.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

RN registra taxa de ocupação de leitos críticos para covid de 37,9%

A taxa de ocupação de leitos críticos das unidades públicas de saúde no RN é de 37,9%, registrada no final da manhã desta quinta-feira (21). Pacientes internados em leitos clínicos e críticos somam 115.

Até o momento desta publicação são 113 leitos críticos (UTI) disponíveis e 69 ocupados, enquanto em relação aos leitos clínicos (enfermaria), são 86 disponíveis e 46 ocupados.

Segundo a Sesap, a Região metropolitana apresenta 38,9% dos leitos críticos ocupados, a região Oeste tem 40,9% e a Região Seridó tem 16,7%.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

COVID: RN possui 113 leitos críticos e 86 leitos clínicos disponíveis

O RN permanece com fila zerada de pacientes para UTI Covid conforme levantamento feito por volta das 11h50 desta quinta-feira (21).

Neste período, havia 03 pacientes com perfil para leitos críticos na lista de regulação e 03 aguardavam avaliação. Foram registrados disponíveis 113 leitos críticos e outros 86, sendo clínicos.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

São Gonçalo: UBS dos Jardins vai funcionar em horário diferenciado para vacinação contra a covid-19

Foto: Divulgação

A Unidade Básica de Saúde do conjunto Cidade das Flores, no bairro dos Jardins, em São Gonçalo do Amarante/RN, vai funcionar, nesta quinta e sexta-feira, dias 21 e 22, em horário diferenciado para vacinação contra a covid-19, das 15h às 19h, atendendo toda região. As demais UBSs seguem com o mesmo horário: 8h às 12h.

Confira os grupos que estão sendo vacinados:

Terceira Dose/Reforço (D3):

Idosos acima de 60 anos e trabalhadores da saúde que completaram cinco meses da segunda dose ou dose única;

Pessoas com imunossupressão que tomou a D2 há 28 dias;

Segunda dose (D2):

Oxford para quem tomou a D1 até 25 de julho;

Pfizer para quem tomou a D1 até 25 de agosto;

Coronavac para quem tomou a D1 há 28 dias.

Primeira Dose (D1):

Adolescentes com ou sem comorbidades acima de 12 anos de idade;

População em geral acima de 18 anos.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Seis em cada 10 internados com Covid no RN não estavam vacinados

Foto: Reprodução

A Secretaria de Saúde do RN divulgou nesta quarta-feira (20) um levantamento com o perfil das pessoas internadas por covid-19 em hospitais do Estado a partir de 1º de outubro de 2021 e que já foram finalizadas por alta médica ou por óbito. Os dados reforçam a importância da vacinação, pois apontam que 64% das internações deste período são de pessoas não idosas e que não estavam vacinadas.

A coordenadora de Vigilância em Saúde da Sesap, Kelly Maia, explica que a comprovação da variante Delta no Rio Grande do Norte a partir de agosto de 2021, demonstra a importância da vacinação. “Já temos a variante Delta sendo predominante no estado e apesar da transmissibilidade desta variante nós temos a clareza de que a vacinação vai sim nos proteger, por isso é fundamental reforçarmos a importância de se completar o esquema vacinal, além da procura pela dose de reforço pelas pessoas dos grupos prioritários”. O estado já soma 173 amostras positivas para variante Delta em 30 municípios.

A Sesap destaca que o vírus predominante atualmente em circulação no Rio Grande do Norte é a variante Delta, uma vez que esta deslocou a variante Gama, tornando-se prevalente na transmissão. Diante disso a Secretaria mantém seu trabalho de vigilância das síndromes respiratórias, sendo o diagnóstico laboratorial e o conhecimento da circulação dos vírus respiratórios fundamentais para o desenvolvimento destas atividades.

Além disso, reforça a necessidade de manutenção das medidas sanitárias, principalmente o uso de máscara e álcool gel, além da vacinação em seu esquema completo.

Municípios do RN registram piora em número de casos

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) registrou esta semana uma piora de 18,6% nos indicadores relacionados ao controle da pandemia do novo coronavírus nas cidades do Rio Grande do Norte. O estudo de indicador composto finalizado nesta segunda (18), leva em consideração diversos fatores como ocupação de leitos, casos ativos e óbitos por covid-19.

Pelo menos 31 municípios tiveram queda na pontuação, que vai de 1 a 5, sendo 1 para a situação mais confortável. Destes, 22 saíram da pontuação 1 para 2. Outros oito municípios passaram da pontuação 2 para a 3, já dentro do sinal amarelo, e um saiu do 3 para a 4, sendo o município de Vera Cruz, o único com essa pontuação em todo o estado.

Estão na faixa amarela com pontuação 3 os municípios de Cruzeta, Goianinha, Itajá, Itaú, João Dias, Lagoa de Velhos, Pedro Velho, Pilões, Santa Cruz, São Tomé e Timbaúba dos Batistas.

“A situação da pandemia ainda é estável em um patamar baixo, mas os indicadores mostram que não é possível relaxar. Temos que manter os cuidados, permanecer usando máscara e as medidas de distanciamento. Não é hora de relaxar“, alerta o secretário de Estado da Saúde Pública, Cipriano Maia.

Pelo boletim epidemiológico mais recente divulgado pela Sesap nesta segunda (18), o Rio Grande do Norte tinha um total de 370.914 casos confirmados e 178.747 casos suspeitos de covid-19. Já são 7.364 óbitos confirmados e 1.319 mortes suspeitas sob investigação. Pelo sistema de Regulação, o Rio Grande do Norte tem 119 leitos críticos (semi-intensivos e UTI’s) disponíveis, sendo a maioria na região metropolitana de Natal.

Na manhã desta terça (19), o Hospital Maria Alice Fernandes estava 100% de seus leitos críticos destinados a pacientes com covid-19 ocupados. No Hospital Rafael Fernandes a ocupação chegava a 80% e em 60% no Hospital Giselda Trigueiro, em Natal. Ao todo, a taxa de ocupação dos leitos críticos no RN é de 37,4%, esse índice se repete na região metropolitana de Natal, passa para 38,6% na região Oeste e baixa para 33,3% no Seridó.

“Temos um contingente grande de pessoas com a segunda dose em atraso. Deixamos aqui um apelo para que procurem os postos de vacinação e tomem a vacina, para garantir a imunidade e alcançarmos os índices ideais de proteção“, lembra Cipriano Maia.

Agência Saiba Mais

Opinião dos leitores

  1. Bastou as autoridades arrancarem as portas do cabaré para haver um ENORME salto nos numeros de INFECTADOS e MORTOS pela variante delta. Isso é só o começo, pois com TANTAS e TANTAS festas e vaquejadas programadas a tendencia é esses numeros SUBIREM e SUBIREM cada vez MAIS. Pois para as autoridades o que Realmente importa são a ARRECARDAÇAO DE IMPOSTOS e o SUPERAVIT NA BALANÇA COMERCIAL(cofres cheios). Que DEUS TENHA NISERICORDIA DE NÓS.

    1. Aí entende de estatística e vacina! No mundo terraplanista de idólatras de político bandido ele se destaca! Muuuuu

    2. Exatamente!! 13 em cada 20 não tomaram vacina. Continua sendo a quantidade de não vacinados maior que a de vacinados. Oww Jesus!! Tem pena do desconhecimento da matemática!! Kkkkk

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Brasil tem 50% da população com vacinação completa contra a Covid-19

Foto: Reprodução / Prefeitura de Jundiaí

O Brasil alcançou, nesta quarta-feira (20), a marca de 50% da população geral com imunização completa contra a Covid-19. A informação é de um levantamento realizado pela Agência CNN com base em dados das secretarias estaduais de Saúde de todo o país.

O índice inclui vacinados com o esquema de duas doses (Pfizer, AstraZeneca e Coronavac) e a dose única (vacina da Janssen). Segundo o balanço, 106.764.063 pessoas já receberam a segunda dose ou dose única no país.

Em relação à população apta para a vacinação, que considera os indivíduos acima de 12 anos, o percentual de totalmente imunizados é de 69,3%. Segundo o Ministério da Saúde, 110.980.594 brasileiros estão com o esquema vacinal completo.

A campanha de vacinação contra a doença causada pelo novo coronavírus teve início no Brasil no dia 17 de janeiro deste ano.

Até o momento, 320 milhões de doses foram distribuídas pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI) aos estados e municípios. Desse total, 262,7 milhões de vacinas foram aplicadas, sendo 151 milhões para a primeira dose e 110 milhões com o esquema vacinal completo.

CNN Brasil

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

SUPERAÇÃO: Goleiro volta a atuar após morte da mãe por covid, leva nove gols, mas é ovacionado pela torcida adversária

Foto: Reprodução / Samara Miranda

O goleiro Edivandro fez o que pode para segurar o Clube do Remo na noite da última terça-feira, no Baenão, e ajudar o Galvez a garantir vaga nas quartas de final da Copa Verde. Até que conseguiu boas defesas, mas saiu de campo goleado por 9 a 0. O resultado, entretanto, acredite, foi um mero detalhe para o jogador. Com uma história de volta por cima na carreira, foi ovacionado pela torcida adversária.

Com 38 anos, Edivandro parou de jogar após ser impactado pela Covid-19. A mãe do atleta acreano foi uma das mais de 600 mil vítimas da pandemia no Brasil até aqui. Desmotivado, preferiu pendurar as chuteiras. Mas voltou um ano e seis meses depois para ajudar o Galvez na temporada.

Os gols foram saindo na capital paraense e, mesmo assim, Edivandro recebia o carinho das arquibancadas do Baenão. A torcida azulina, apelidada de Fenômeno Azul, cantava o nome do jogador entre uma defesa e outra. O arqueiro, inclusive, ainda ajudava a puxar o coro. Muito mais do que lamentar cada bola que pegava no fundo da rede, ele queria aproveitar poder voltar a fazer o que gosta.

– Só tenho a agradecer a Deus. Eu já tinha parado no futebol, um ano e seis meses sem treinar, minha mãe tinha falecido de covid, falei pra mim que não iria jogar mais. É a vida que segue… Pra quem não estava nem treinando, o que fiz hoje já é mérito de Deus. Não pude tirar as que foram gol, se tiro estava com o resultado de 0 a 0, mas as que tirei, tenho certeza, teria agregado mais no placar. Teria sido mais de 14, sei lá – falou Edivandro.

Ao final do confronto pela competição regional, Edivandro recebeu uma camisa do Remo, time que ganhou a torcida do jogador pela conquista da Copa Verde.

GE

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *