Política

Regina Duarte pede desculpas a Lula por propagar fake news

A atriz Regina Duarte usou as redes sociais para se retratar publicamente depois de ser condenada por propagar uma notícia falsa sobre a ex-primeira dama Marisa Letícia Lula da Silva (1950-2017), que foi casada com o ex-presidente Lula. “Nunca foi minha intenção divulgar uma inverdade ou propagar fake news. Infelizmente, neste caso, fui induzida a erro e quero por isso estender, pelo sucedido, um sincero pedido de desculpas à memória de dona Marisa Letícia e a sua familia”, escreveu Regina Duarte, na noite da última sexta-feira (7/5), em sua conta no Instagram.

 

O juiz Manuel Eduardo Pedroso Barros, da 12ª Vara Cível de Brasília, havia condenado parcialmente a atriz em processo ajuizado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e seus filhos em 2020.

Em abril do ano passado, quando ocupava o cargo de secretária nacional de Cultura do governo de Jair Bolsonaro, ela publicou a afirmação de que foram encontrados R$ 256 milhões em uma conta da ex-primeira-dama. O valor correto era de R$ 26.281,74.

Se não cumprisse a decisão, a atriz poderia receber multa diária de R$ 150, até o máximo de R$ 50 mil. Em sua argumentação, o magistrado ressaltou que Regina “propalou fake news a respeito do patrimônio da falecida Marisa Letícia”, mas entendeu que ela foi “induzida a erro” pelo fato de o valor errado ter sido informado pela Justiça, e não concedeu a indenização pedida por Lula e seus filhos. O magistrado considerou, porém, que havia a necessidade de retratação.

 

Na tarde deste sábado (8/5), o ex-presidente Lula celebrou a retratação pública de Regina Duarte em sua conta no Twitter. “Aos poucos, a mentira e o ódio serão reparados com justiça”, escreveu ele, em seus perfis no Twitter e no Instagram.

Gatos, flores e negacionismo

Em sua conta na rede social, Regina Duarte tem se dividido entre fotos de crianças, gatos e flores, mensagens de apoio a Bolsonaro e postagens negacionistas, que contestam o isolamento social e os números de mortos pela pandemia. Há uma semana, Regina postou uma foto sua recebendo a segunda dose da vacina contra o Covid-19.

Em 2020, a atriz encerrou relação contratual que tinha com a Rede Globo desde 1969, e assumiu a secretaria de Cultura do governo de Jair Bolsonaro no dia 4 de março. Sua gestão foi breve e ela ocupou o cargo por apenas 77 dias, após um intenso processo de fritura política. Foi afastada com a promessa de Bolsonaro de ser deslocada para o comando da Cinemateca Brasileira, em São Paulo, o que não aconteceu até hoje.

O GLOBO

Opinião dos leitores

  1. Já imaginou se a mentira da vida do LADRÃO DO LULA fosse só essa, não fossem aquelas que encantam JUMENTOS e destroem o país?

  2. Quem se alia a esse governo, perde a credibilidade, respeito, tudo.
    Essa não faz novela nem record como figurante.

    1. Nada é vc que se esconde num apelido. Regina Duarte é uma das maiores atrizes deste país e não é doente feito os esquerdopatas fdp.

    2. Não será esse engano, já retratado, que destruirá toda uma vida de honradez e trabalho. Diferente de um monte de ladrões que roubaram o Brasil por décadas, responsáveis pelo sofrimento de muita gente. Para esses bandidos canalhas não há salvação nem desculpas.

    3. Pedir desculpas a bandido? Deixa de ser besta Regina. Vagabundo como Luladrão tem que se lascar.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Braga Netto lembra derrota nazista e diz que “cobra pode fumar” de novo

O ministro da Defesa, general Walter Braga Netto, disse em nota divulgada na 6ª feira (7.mai.2020) sobre a data conhecida como “Dia da Vitória” que “a ‘cobra fumou’ e, se necessário, fumará novamente”. É uma referência à participação militar do Brasil na 2ª Guerra Mundial, que não foi decisiva para o conflito.

Também o assinam os comandantes do Exército, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, da Marinha, almirante Almir Garnier Santos, e da Força Aérea, tenente-brigadeiro Carlos de Almeida Baptista Jr.

O então presidente Getúlio Vargas, à época comandando a ditadura do Estado Novo, adotava uma posição ambígua até o início da Guerra, flertando ora com os Estados Unidos e ora com a Alemanha de Adolf Hitler e com a Itália de Benito Mussolini.

Em 1944, após sofrer pressão dos EUA e conseguir extrair benefícios, Getúlio enviou a FEB (Força Expedicionária Brasileira) para lutar na Europa ao lado das forças aliadas. As principais eram os EUA e Reino Unido pelo front ocidental e a União Soviética no oriental.

Os principais inimigos eram Alemanha e Itália, além do Japão, que fazia um esforço de guerra em outra região do planeta.

Dizia-se que era mais fácil uma cobra fumar do que o Brasil entrar na guerra. Quando as tropas brasileiras foram enviadas à Itália, a cobra fumou. E a expressão “a cobra vai fumar” entrou para o vocabulário brasileiro.

 

O fim oficial da guerra na Europa é em 7 de maio de 1945. Hitler já havia se suicidado, e a Alemanha nazista se rendeu naquele dia. O conflito continuaria no Oceano Pacífico entre Estados Unidos e Japão. Em agosto os americanos atacaram Hiroshima e Nagasaki com bombas atômicas e semanas depois a guerra acabou.

Apesar de a rendição nazista ter sido em 7 de maio, o Dia da Vitória é comemorado em 8 de maio porque foi quando os países vencedores comemoraram o fim do conflito em solo europeu. “Anualmente, nessa data, celebramos o Dia da Vitória, representando o marco final do amplo esforço aliado na defesa dos ideais democráticos”, disse Braga Netto na nota.

“O conflito foi uma reação do mundo contra os ideais totalitários do nazi-fascismo. No início, o Brasil manteve-se neutro até que navios mercantes foram afundados na costa brasileira”, escreveu o ministro da Defesa.

“O conflito cobrou um alto custo do Brasil: 3 navios de guerra foram perdidos e 33 navios foram atacados, causando mais de 1450 mortes no mar; 22 aviões abatidos e cerca de 500 brasileiros tombaram em combate na Europa”, segundo o general.

“Hoje retratamos a vitória dos valores da democracia, da justiça e da liberdade. A história se sucede de fatos e de ensinamentos. A ‘cobra fumou’ e, se necessário, fumará novamente”, escreveu Braga Netto.

A nota não cita Getúlio Vargas e nem Mascarenhas de Morais, que comandou a FEB. Naquela altura do Estado Novo a relação do ditador com os militares, que o haviam apoiado, já estava degradada.

PODER360

Opinião dos leitores

  1. Veremos!levantando uma hipotese:o atua presidente da república do Brasil provavelmente derrotado nas urnas e sem o voto impresso,por seguinte a força armada consuma uma intervención militar depois da eleição de outubro 2022,e por seguinte,poe fim a vida democrática do Brasil,ABSOLUTAMENTE,isso jamais sería aceito pela ordem hemisferial e a partir disto a força armada brasileira seria logo derrotada nessa possivel batalha militar em poucos minutos pela força armada desse poder hemisferial,felizmente os seus inocentes soldados rendidos seríam totalmente perdoados,porém,os seus soberbos oficiales conspiradores não teriam a mesma sorte,estés oficiales arrogantes e prepotentes não mais sentiriam nem sede e nem fome e nem alegría e nem tristeza.

  2. Kkkkkkkkkkk

    Pegue whisky 18 anos e lagosta

    O charuto vai fumar

    E os alienados seguem juntos sem saber o que apoiam

  3. Uma porção de comentários desrespeitosos de alguns vermesxeswuerdopatas, que nunca fizeram qualquer coisa pelo país, por qualquer pessoa, nem sequer por si mesmos. Elementos totalmente dispensáveis, nocivos à sociedade, um peso enorme para o cidadão de bem. E, ainda pior, coniventes e até beneficiários (cúmplices, comparsas) da enorme roubalheira que assolou a nossa pátria por muitos anos e que está sendo combatida pelo atual governo. Esses “lixos” não devem ser sequer considerados brasileiros. Por que não vão embora daqui?

    1. Direita Cabeça de Prego, e as rachadinhas? E Queiroz? E os 29 anos no congresso sem nada fazer?

    2. Brincadeira! será que não inchergam que nem carne o povo consegue comer…aumento de mais de 40% do gás natural. Quem coloca gás natural é o pobre. Governo de ricos, só observar🤔👆

    1. Seria a glória do Brasil, os militares retomar o poder, e colocar essa cambada maldita de parasitas ptralhas na PQP.

    1. Deve ter decidido isso regado a milhares de cervejas, toneladas de picanha e milhões de leite condensado.

  4. E a cobra vai fumar mesmo. Passei na avenida lateral do Armazém Pará, em direção ao Campus, e vi que estavam realizando manobras militares à margem da área militar. Uns 30 soldados estavam aprendendo a manejar a estrovenga, instrumento de larga escala pela turma.

  5. Militares das forças armadas voltaram a mamar nas tetas do governo. Agora, não vão querer largar, vão ameaçar, etc.

  6. Tomara que essa cobra fume mesmo contra inimigos externos a nossa pátria! E não proteja general nem capitão frouxos e ineptos que temos por aí….

    1. De preferência vocês que ganham 10,000 / 15.000 / 20.000 vão na frente para fazer jus ao que recebem.!

    1. Seu texto está sem pontos e vírgulas, além de palavras erradas. Seria: “Esquerda frouxa. Não serve para nada, além de quebrar o país.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Renan diz que Pazuello usa Exército como “biombo” para não depor na CPI

O senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid-19, disse neste sábado (8.mai.2021) que o general Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde, usa o Exército como “biombo” para não depor ao colegiado.

O depoimento de Pazuello é um dos mais aguardados na CPI. Estava marcado para 4ª feira (5.mai). O general, porém, não compareceu sob o argumento de que teve contato com pessoas contaminadas pelo coronavírus nos dias anteriores.

Renan Calheiros afirmou que Pazuello está “criando uma crise nas Forças Armadas”. “Por que? Porque ele tem usado o fato de ser um general da ativa para ter o Exército, que é uma instituição nacional respeitável, como biombo para que ele não vá depor na CPI”, declarou o relator.

 

O relator da comissão também disse que as Forças Armadas não são investigadas. “Quem precisa ter receito são os aliados da pandemia”.

Ele também declarou que os aliados do governo na CPI não têm acrescentado nada ao trabalho do colegiado e que utilizam uma estratégia errônea para defender o poder Executivo. “De uma forma tosca começam a dizer que nós queremos transformar a CPI em palanque eleitoral quando continuam a obstruir os seus trabalhos”, afirmou Renan.

“Ora, na medida em que você dificulta o trabalho, vai levar a CPI para as proximidades da próxima eleição”, disse o senador. A CPI tem prazo inicial de 90 dias para encerrar seus trabalhos, mas pode haver prorrogação.

Os participantes da transmissão sugeriram a Renan que fosse ouvido a pesquisadora Deisy Ventura, da USP. Ela é responsável por um estudo que apontaria Jair Bolsonaro como executor de uma política institucional de propagação do coronavírus. Renan disse que apresentaria requerimento para ouvi-la.

O senador disse que no momento não é possível responsabilizar o “o presidente da República” nem ninguém pela quantidade de mortes causadas pela pandemia. Mas também declarou que: “Se o governo tivesse feito tudo certo certamente também nós não teríamos tido que conviver com esse morticínio todo, transformado o Brasil no cemitério do mundo”.

O governo federal não queria que a CPI fosse instalada. Houve determinação do STF (Supremo Tribunal Federal) para que o Senado instalasse a comissão. Os governistas conseguiram, ao menos, incluir o uso de recursos repassados pela União a Estados e municípios no escopo de investigação.

Além da CPI da covid-19 a conversa teve críticas à operação Lava Jato, elogios à decisão do STF de tornar o ex-presidente Luiz Inácio Lula elegível novamente, vídeos com participações do ex-presidente José Sarney (MDB) e da presidente do PT, Gleisi Hoffmann. E também protestos contra a ação que deixou 29 mortos no Rio de Janeiro nessa semana.

PODER360

Opinião dos leitores

  1. Que país é esse que onde um ladrão com vários processos de corrupção é um relator de uma cpi, onde chegamos, tudo culpa do STF e do fórum de SP.

  2. General Pezadello eh vergonha nacional de frouxidão moral e retal fugindo de depor na CPI! A vergonha se torna maior ainda por ser na semana que comemora a atuação dos pracinhas na vitória contra o nazismo na Europa…

    1. Qual foi o crime esclerosado?, condução coercitiva é para CORRUPTOS condenados por CORRUPÇÃO que desviaram milhões de recursos públicos, tal qual uns que a polícia federal foi buscar em casa.

    2. Deixa de ser burro, quem saiu em cima de um pau de arara, passando fome, foi para o Abc Paulista fazer greve, entregar os colegas a repressão, depois roubou, mentiu, foi conduzido, julgado em três instâncias e condenado, tem nome e sobrenome é outra pessoa, inclusive foi delatado por 179 colegas de empreitada, até seu braço direito Palocci, bateu com a língua nos dentes. Chora e pede para ele sair na rua kkkkk.

    3. General Pazuelo foi o melhor ministro da saúde nos últimos trinta anos, além de não roubar nem deixar roubar

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Projeto de lei no Congresso puniria Gentili e libertaria Daniel Silveira

A Câmara dos Deputados aprovou na 4ª feira (4.mai.2021) a Lei de Defesa do Estado Democrático de Direito, que será analisada pelo Senado. O texto será um capítulo do Código Penal e revogará a LSN (Lei de Segurança Nacional), usada por diferentes segmentos para reivindicar na Justiça punição quando se sentem atacados.

O novo texto levaria à punição de algumas pessoas não alcançadas pela LSN hoje, enquanto isentaria algumas que tem sido punidas, na avaliação da relatora do projeto na Câmara, Margarete Coelho (PP-PI).

O humorista Danilo Gentili, por exemplo, estaria na mira das novas regras. “Ele seria enquadrado no crime de insurreição”, disse a deputada ao Poder360.

Em seu perfil no Twitter, o humorista e apresentador sugeriu que a população entrasse no Congresso para “socar” deputados que discutiam a PEC da imunidade parlamentar. A direção da Câmara pediu providências ao STF (Supremo Tribunal Federal), mas Gentili não foi punido.

Por outro lado, o texto possivelmente deixaria livre, a depender da interpretação do juiz, o deputado Daniel Silveira (PSL-RJ). Ele está preso por ofensas a ministros do STF. A decisão do ministro Alexandre de Moraes usa a LSN. A nova lei atingiria o congressista se alguma declaração atentasse contra a existência do tribunal. “Crimes contra a honra o Código Penal já prevê”, afirmou Margarete Coelho.

Uma controvérsia é o uso 5 vezes no texto do termo “grave ameaça“, considerado ambíguo. Um risco é que isso leve ao cerceamento da liberdade de expressão. A deputada acha que não haverá dúvidas quanto à interpretação. “É usado fartamente no Código Penal”.

Outro ponto incomodou especialmente parte dos apoiadores do governo que são mais próximos ao Planalto: a punição a disparos de mensagens em massa.

“Minha defesa é muito veemente desse dispositivo. Não estamos falando da Tia do Zap nem de grandes influenciadores digitais, como Felipe Neto. O que nós tipificamos foi a conduta de contratar uma empresa que trabalha com instrumentos que fazem disparo em massa de mensagens com vistas a acabar a democracia”, afirmou a deputada.

REGRAS ELEITORAIS

Margarete Coelho é também relatora de um grupo de trabalho que fará proposta de lei sobre mudanças nas regras eleitorais até o fim de maio. A ideia do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), é que sejam aprovadas até setembro para valer na próxima eleição, em 2022.

Uma das mudanças a ser propostas será provavelmente ampliar a liberdade à propaganda eleitoral. “Por que não posso pintar o muro da minha casa?”, disse a deputada. O que importa, na avaliação dela, é que seja respeitado o limite para gastos com essas atividades. Mas ela discorda de que showmícios sejam autorizados.

A volta da permissão de doações de empresas a campanhas políticas é outra mudança que poderá ser proposta. Margarete Coelho é favorável, desde que haja um limite por empresa, a ser dividido entre o candidato ou os candidatos que se queira apoiar. Mas ela tem dúvidas de que a proposta seria aprovada. “Não vejo disposição para isso na Casa”, afirmou.

A deputada defende outro ponto mais ousado: a regulamentação de mandatos coletivos. “Eu gostaria de ver isso no projeto”, disse. Ela não sabe ainda se o item poderá ser estabelecido em uma lei.

Nos mandatos coletivos, várias pessoas dividem uma cadeira de vereador ou deputado, por exemplo. Hoje isso é feito informalmente. Só uma pessoa assume o mandato de fato, mas divide as decisões com os outros membros do grupo.

PODER360

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

42 pessoas foram mortas em Macaíba de janeiro até maio

A Coordenadoria de Informação Estatística e Análise Criminal da Secretaria de Segurança Pública do Estado apresentou na manhã deste sábado números que mostram um aumento significativo nos casos de crimes violentos letais intencionais registrados nos últimos cinco meses na cidade de Macaíba, região metropolitana de Natal. Segundo o estudo 42 pessoas foram mortas de maneira violenta entre 1º de janeiro ao dia (09) de maio na cidade, totalizando um acréscimo de 42,9% em comparação ao mesmo período do ano de 2020.

De acordo com o que foi apurado pela Coordenadoria os homicídios dolosos, aqueles os autores tiveram intenção de cometê-los, cresceram em 50,0%, isso por que em 2020 foram registrados 22 casos e até agora já somam 33. Nos primeiros cinco meses do ano passado quatro pessoas foram vítimas de latrocínio, roubo seguido de morte e já este ano, até o dia seis de maio, cinco indivíduos foram vítimas do mesmo crime. Em relação as intervenções policiais, dois casos foram notificados este ano, diferente do ano de 2020 que não houve registro.

A reportagem do PortalBO conversou com o secretário de segurança pública do Estado sobre o assunto, o Coronel Araújo Silva afirmou que a atuação das facções criminosas provoca esse efeito nos números de assassinatos na cidade de Macaíba. “Todo o trabalho possível das forças de segurança para combater a onda de violência em Macaíba e em outras regiões do Estado está sendo feito. No que diz respeito a cidade de Macaíba sabemos que a guerra entre facções promove esses conflitos”, explicou.

O delegado da cidade, Cidorgeton Pinheiro aponta também a interiorização do crime e o comportamento violento das facções como fatores preponderantes que geram esse cenário preocupante, porém combatível. É bem verdade que esses grupos promovem o que estamos testemunhando, mas estamos encarando de frente toda essa realidade, concluímos inclusive a 17ª fase da operação Parabellum que visa frear justamente as ações das facções criminosas que insistem em violar a lei e a ordem”, disse.

No ano de 2013 outra onda de violência assombrou o município de Macaíba, naquela ocasião mais de 100 pessoas foram assassinadas em 12 meses entre elas uma criança de 10 anos, Clayton Osório dos Santos foi usado como escudo durante uma troca de tiros entre criminosos. Durante oito anos a cidade estava viveu dias de uma guerra silenciosa, mas que agora ressurge gritante e com índices sangrentos que podem superar o passado.

 

PORTAL BO

Opinião dos leitores

  1. As polícias no governo Fátima têm desenvolvido um excelente trabalho. Inclusive em confrontos. Graças a Deus e ao bom preparo, quando qualquer bandido tenta confrontar as forças policiais em serviço, sempre saem perdendo.

  2. Ué… Num foi o estado do RN que apresentou um pesquisa que o RN era o estado mais seguro? E que aqui as mortes violentas reduziram? Cadê o homem do gatinho que era dono o óbvio e que divulgava constantemente pesquisa no governo anterior sobre a violência? Calaram ele? Como fizeram essa mágica dele ficar manso que nem o gatinho? Será que ele ficou mudo, surdo e cego?

  3. E a Governadora Fátima Bezerra PT, colocando as forças de segurança do estado para prender trabalhadores e fechar comércio.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Brasil já tem doses suficientes para vacinar todos os grupos prioritários

A semana começa com uma ótima notícia: o governo federal já garantiu doses suficientes de vacinas contra a Covid para aplicar ao menos uma dose em todos os 77 milhões de brasileiros incluídos no grupo prioritário. Isso foi possível graças à entrega de quase cinco milhões de doses pela Fiocruz e Instituto Butantan semana passada, elevando a 80 milhões o total de doses disponibilizadas ao Plano Nacional de Imunização. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

Antes da nova entrega, o governo tinha disponibilidade de 75,6 milhões de doses, das quais 66,7 milhões já haviam sido entregues aos Estados.

O Brasil já aplicou ao menos uma dose em 35 milhões de pessoas e agora foca em pessoas de 18 a 59 anos com comorbidades e deficiência.

Esses grupos equivalem, segundo o PNI, a 25,5 milhões de pessoas. Há também professores, empregados de transporte, segurança pública…

Apesar de gerar revolta em muitos cidadãos de bem, criminosos presos também estão no grupo de “prioridade” sobre quem cumpre as leis.

DIÁRIO DO PODER

Opinião dos leitores

  1. Errado. Brasil já tem doses CONTRATADAS. Doses efetivas em poder do público ainda são muito poucas. É bom não fazer fé com o ovo no c* da galinha, haja vista que o GENOCIDA não comprou em tempo hábil quando teve oportunidade. Agora recebemos a conta-gotas. Detalhe: Só me xingue ou fale bem do “mito”se vc estiver vacinado. Valendo…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Paris Saint-Germain anuncia renovação de contrato com Neymar até 2025

Chegou ao fim neste sábado pela manhã as especulações que Neymar deixaria o Paris Saint-Germain ao final da temporada. Em paz, clube e jogador prorrogaram o contrato até 2025 e aposta é que o brasileiro vai conseguir fazer o time conquistar a tão sonhada Liga dos Campeões após ficar no ‘quase’ nas duas últimas edições.

“Neymar 2025” foi o post do PSG anunciando um final feliz nas negociações pela renovação de contrato. Após o vice na Liga dos Campeões passada e a eliminação na semifinal há três dias, o clube tratou de mostrar que a culpa não foi do astro brasileiro, bastante criticado pela imprensa francesa, e negociou para evitar assédio dos gigantes da Europa no jogador.

 

 

O clube usou um vídeo com imagens de Neymar vibrando com a camisa do PSG e ainda o mostrou com uma camisa com o número 2025 às costas. Na França desde 2017, o brasileiro tinha vínculo até junho de 2022.

Aos 29 anos, Neymar terá mais três oportunidades para tentar fazer o sonho do PSG de conquistar a Europa se concretizar. A promessa do clube é de trazer reforços de peso para ajudá-lo nessa missão.

Com a assinatura da extensão do contrato, Neymar vai ganhar em torno de € 30 milhões (aproximadamente R$ 191 milhões) por temporada. Cada minuto de trabalho do brasileiro custará quase R$ 395,00.

Apesar da queda na Liga dos Campeões, o PSG ainda disputa dois títulos na atual temporada. Trava batalha com o Lille pelo Campeonato Francês e está na semifinal da Copa da França, na qual encara o Montpellier. A expectativa é na conquista das duas taças.

ESTADÃO

Opinião dos leitores

  1. Neymar foi contratado para ser protagonista no PSG, o que não conseguira no Barça, sempre à sombra de Messi.
    Por seu destempero fora e dentro de campo, perdeu a credibilidade e carisma, sendo ofuscado por Mbappé.
    Na Champios League, nis jogos decisivos, fica sempre devendo.
    Em reta final de carreira, difícil uma recuperação, tanto lá, quanto cá, na Seleção Beasileira, sem nenhuma conquista relevante.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Mal de Alzheimer pode ser previsto pela forma como escrevemos, mostra estudo

Será possível prever quem desenvolverá o mal de Alzheimer simplesmente observando padrões de escrita, anos antes do aparecimento dos sintomas? Segundo um novo estudo de pesquisadores da IBM, a resposta é sim.

Eles e outros acrescentam ainda que o mal de Alzheimer é apenas o começo. Pessoas com uma grande variedade de problemas neurológicos têm diferentes padrões de linguagem que, suspeitam os investigadores, podem servir como sinais de alerta de suas doenças.

 

Para o estudo sobre o Alzheimer, os pesquisadores observaram um grupo de 80 homens e mulheres com mais de 80 anos – a metade deles tinha Alzheimer e os outros não. Mas sete anos e meio antes, todas estas pessoas eram normais do ponto de vista cognitivo.

Os homens e mulheres participavam do Framingham Heart Study, uma iniciativa de pesquisa federal que, há vários anos, exige testes físicos e cognitivos regulares. Como parte da iniciativa, eles foram submetidos a um teste escrito antes que qualquer um deles desenvolvesse Alzheimer. Nele pede-se que os participantes descrevam o desenho de um menino que está em pé em cima de um banquinho pouco seguro procurando um jarro de biscoitos em uma prateleira alta enquanto uma mulher, de costas para ele, está desatenta, preocupada com uma pia que transborda.

Os pesquisadores examinaram o emprego das palavras pelos participantes com um programa de inteligência artificial que procurava diferenças sutis na linguagem. Ele identificou um grupo de candidatos mais repetitivos em seu uso da linguagem em uma época anterior quando todos eles eram normais do ponto de vista cognitivo. Estes sujeitos também cometeram erros, como erros ortográficos ou o uso inapropriado da letra maiúsculas, e usaram uma linguagem telegráfica, o que significa uma linguagem que tem uma estrutura gramatical simples que carece de sujeitos e de palavras como “o”, “é” e “são”.

Foram os integrantes do grupo que desenvolveram o mal de Alzheimer.

O programa de IA previu com 75% de precisão quem teria a doença, segundo resultados publicados na revista ECinicalMedicine da Lancet.

“Nós não trabalhamos com nenhum pressuposto de que o emprego das palavras mostraria alguma coisa”, disse Ajay Royyuru, vice-presidente de assistência médica e pesquisa nas ciências da saúde no Thomas J. Watson Research Center da IBM, em Yorktown Heights, Nova York, onde foi realizada a análise pela IA.

Os pesquisadores do Alzheimer ficaram intrigados, afirmando que quando existir maneiras de frear ou parar a doença – objetivo que até momento continua fugidio – será importante ter testes simples que possam alertar de antemão que sem uma intervenção uma pessoa desenvolverá uma doença cerebral.

“O que está acontecendo aqui é algo muito inteligente”, disse Jason Karlawish, pesquisador do Alzheimer da Universidade da Pensilvânia. “Considerando um grande volume de comunicações, faladas ou escritas, teremos condições de extrair algum sinal?”

Há anos, os pesquisadores vêm analisando mudanças no discurso e na voz em pessoas que têm sintomas de doenças neurológicas – Alzheimer, esclerose lateral amiotrófica, demência frontotemporal, Parkinson, doenças bipolares, esquizofrenia, entre outras.

Mas, afirmou Michael Weiner, que pesquisa o Alzheimer na Universidade da Califórnia em San Francisco, o relatório da IBM é pioneiro. “Este é o primeiro estudo que eu tenha visto que pegou pessoas completamente normais e previu com certa precisão, qual delas teria problemas anos mais tarde”, afirmou.

Espera-se que seja possível estender o trabalho sobre o Alzheimer para descobrir mudanças sutis no uso da linguagem por pessoas sem qualquer sintoma óbvio, mas que continuarão desenvolvendo outras doenças neurológicas.

Cada doença neurológica produz mudanças peculiares na fala, que provavelmente ocorrem muito antes do momento do diagnóstico, disse Murray Grossman, professor de neurologia na Penn e diretor do centro de demência frontotemporal da universidade.

Ele se dedica ao estudo da fala de pacientes com uma forma de demência frontotemporal comportamental, distúrbio causado pela perda progressiva de nervos nos lobos frontais do cérebro. Estes pacientes apresentam apatia e declínio no julgamento, autocontrole, e empatia que se revelou difícil de quantificar objetivamente.

O discurso é diferente, disse Grossman, porque as mudanças podem ser medidas.

Na instalação da doença, ocorrem mudanças no ritmo da fala dos pacientes, com pausas distribuídas aparentemente ao acaso. Mudanças no emprego das palavras também – os pacientes usam menos termos abstratos.

Estas alterações estão diretamente ligadas a mudanças nas partes frontotemporais do cérebro, segundo Grossman. E elas parecem ser universais, não exclusivas da língua inglesa.

Adam Boxer, diretor da unidade de pesquisa clínica de neurociências da UC de São Francisco, também está estudando a demência frontotemporal. A sua ferramenta é um aplicativo de smartphone. Os seus pacientes são pessoas saudáveis que herdaram uma predisposição genética a desenvolver a doença. O seu método é mostrar aos pacientes uma imagem e pedir que eles gravem uma descrição do que estão vendo.

“Nós queremos medir mudanças muito precoces, de cinco a dez anos antes deles apresentarem os sintomas”, afirmou. “A coisa boa a respeito dos smartphones é que você pode fazer tudo o que quiser”.

Os pesquisadores podem pedir às pessoas que falem por um minuto sobre algo que aconteceu naquele dia, ou repetir sons como tatatatata. Boxer disse que ele e outros se concentraram no discurso porque queriam testes não invasivos, e baratos.

ESTADÃO

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

MPF dá dez dias para Filipe Martins se explicar sobre gesto considerado racista no Senado

A Procuradoria da República em Brasília encaminhou na segunda (3) um pedido de esclarecimento ao assessor para assuntos internacionais da Presidência, Filipe Martins.

O órgão deu dez dias para ele dar suas explicações sobre o gesto feito no Senado, em março, enquanto o presidente Rodrigo Pacheco (-) falava em uma audiência.

O assessor da Presidência também é alvo de outra apuração, instaurada pela Polícia do Senado. Neste caso, como mostrou o Painel, a investigação concluiu que o gesto teve conotação racista.

FOLHAPRESS

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Confiança no Brasil depende de sinais do governo, diz economista do Banco Mundial

A confiança dos investidores na recuperação do Brasil, após o baque provocado pela pandemia de Covid-19, depende do compromisso do governo com a agenda de reformas e da preocupação com a trajetória fiscal, avalia o economista-chefe do Banco Mundial para a América Latina e Caribe, Martin Rama.

À Folha, o uruguaio, que participou nesta semana do Fórum do Desenvolvimento da ABDE (Associação Brasileira de Desenvolvimento), também diz acreditar que a maior parte dos países latinos não tem conseguido exportar uma imagem de compromisso ambiental, o que afasta investidores.

Como o mundo tem avaliado a forma como o Brasil e outros países latinos enfrentam a pandemia? Por um lado, foi uma sorte que a pandemia tenha chegado à América Latina depois que em outros lugares e isso permitiu aprender lições e replicá-las. Muitos países latinos tiveram quarentenas restritivas e de grande duração. E também puderam colocar em marcha planos para que a população ficasse em casa.

Por outro lado, alguns países tiveram grande mortalidade. É cedo para avaliar com clareza. O Uruguai, por exemplo, teve baixa mortalidade em 2020, com menos gente saindo para trabalhar e usando máscaras. Mas neste ano tem uma das taxas de morte mais altas do mundo.

Países como o Chile estão vacinando muito rápido, mais que algumas economias avançadas, e é um país que pode sair mais rápido.

A economia da América Latina e do Caribe foi mais afetada do que se previa pela crise? Sim. A queda foi mais forte no Caribe, em países que dependiam do turismo. Por outro lado, o comércio mundial está voltando ao nível de antes da Covid-19, a China está se recuperando rapidamente e os países que dependem da venda de commodities podem se beneficiar disso.

Onde há mais digitalização da economia os resultados são melhores. Países como o Brasil, estão melhores do que outras partes do continente.

O segredo da recuperação é acelerar a campanha de vacinação? Nos países que vacinam massivamente, a vida começa a voltar ao normal. Para muitos países latinos, no entanto, não há perspectiva de vacinar grande parte da população antes do ano que vem. E para esses países o desafio é aprender a funcionar durante a pandemia.

O Brasil deve se beneficiar de um novo ciclo de commodities? E isso pode ajudar na recuperação do país? Já estamos vendo um crescimento do preço das matérias-primas, mas isso pode não ser suficiente para um novo boom de commodities, como o que começou nos anos 2000. Estamos em uma realidade de juros muito baixos, mas de dívidas públicas altas. Mas temos uma oportunidade para transformar as finanças, o comércio e o mercado de trabalho com a digitalização. Esse vai ser um processo desigual, com alguns países sendo mais beneficiados do que outros.

A dívida pública elevada na região é algo que preocupa? Quase todos os países da região têm neste momento dívidas em níveis elevados. Se por um lado ainda há demandas sociais muito importantes, por outro estamos perto de ultrapassar limites perigosos, e é crucial garantir a consolidação fiscal.

Nós corremos o primeiro ano de Covid-19 como se fosse uma prova de cem metros e agora está claro que é algo maior, uma maratona. Como pensar na consolidação, aumentar a eficiência dos gastos públicos e a arrecadação, seja por aumento de impostos ou por aumento na formalização, são questões importantes a serem colocadas agora.

O caminho seria grandes pacotes de estímulo, como tem feito o governo norte-americano? Em princípio, seria o ideal. Podemos dizer que o setor privado está em espera, sem investir. E se quisermos aumentar o crescimento, as taxas de juros baixas são uma oportunidade. Mas a diferença dos países latinos para os Estados Unidos é que não podemos simplesmente imprimir mais dinheiro. É preciso buscar recursos em algum lugar –e se isso significar aumentar impostos, por exemplo, cada país deve decidir o que é mais importante neste momento.

Os investidores estrangeiros têm interesse no Brasil e em seus vizinhos neste momento? Há boas razões para que eles tenham interesse, uma das transformações da pandemia é que há um apetite por atrair cadeias de valor para outras regiões e reduzir a dependência da Ásia. E há países latinos que poderiam se beneficiar disso, como o México, pelos acordos que tem com Estados Unidos e Canadá. Provavelmente, se os países da região tivessem acordos de integração profundos, como o que se tentou entre Mercosul e União Europeia, isso seria mais fácil.

Outra dúvida é o que deve acontecer com os investidores e o mercado financeiro… Hoje, há uma acomodação, porque o risco-país na região não é muito diferente de antes da pandemia. Os países podem emitir dívida e não há sustos nas Bolsas. Mas se as coisas ficarem mais difíceis em nível global, o mercado vai começar a separar os países que inspiram confiança dos que não dá para confiar. Os responsáveis pela política econômica precisam, portanto, pensar em como manter essa confiança, sobretudo se houver uma alta das taxas de juros mundialmente.

E o Brasil inspira confiança? Os mercados, por agora, estão tranquilos. A queda do PIB no ano passado, em grande parte pelo enorme estímulo fiscal de 2020, não foi tão grave. Acredito que muito da confiança no Brasil vai depender dos sinais que o governo der. Todo o mundo reconhece que a dívida está alta, mas esses também são tempos fora do comum. Depende da clareza sobre as reformas e da trajetória de consolidação fiscal que o Brasil terá no futuro.

A questão ambiental tem atrapalhado a atração de investimentos para a região? Podemos dizer que a região não tem se saído bem em vender uma imagem de sustentabilidade. Ela tem uma matriz energética limpa e baixo peso na emissão de poluentes. Há países, como a Costa Rica, que têm sido eficientes em exportar a imagem de preservação da natureza. Mas é preciso mostrar compromisso por meio de políticas complementares, mostrar que somos grandes produtores agrícolas, mas com a obrigação de preservar o meio ambiente.

RAIO-X
Martín Rama, 64

Economista-chefe do Banco Mundial para a América Latina e o Caribe, nasceu em Montevidéu, no Uruguai. De 2013 a 2018, foi economista-chefe para o sul da Ásia do Banco Mundial. É formado em Economia pela Universidade da República, no Uruguai, e doutor em macroeconomia pela Université de Paris, na França, onde também foi professor visitante do programa de graduação em desenvolvimento econômico.

FOLHAPRESS

Opinião dos leitores

  1. Só pode ser piada, nem o brasileiro confia no país imagine as outras nações.! Kkkkk esse brasil é pura hipocrisia.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Em 10º dia de queda, média de mortes por Covid no Brasil recua 14,7%

Foto: EVANDRO LEAL/ENQUADRAR/ESTADÃO CONTEÚDO – 19.03.2021

Com 2.202 óbitos registrados neste sábado (8/5) no país, a média móvel nacional de mortes por Covid-19 ficou em 2.125. Em relação ao apurado há 14 dias, a redução é de 14,7%. O indicador vem sofrendo quedas e registrando índices menores desde o dia 29 de abril.

Foram confirmados novos 63.430 casos nas últimas 24 horas. Ao todo, o Brasil já perdeu 421.316 vidas para o vírus e computou 15.145.879 casos de contaminação.

Devido ao tempo de incubação do novo coronavírus, adotou-se a recomendação de especialistas para que a média móvel do dia seja comparada à de duas semanas atrás.

Variações na quantidade de mortes ou de casos de até 15%, para mais ou para menos, não são significativas em relação à evolução da pandemia. Já percentuais acima ou abaixo devem ser encarados como tendência de crescimento ou de queda.

Os cálculos são feitos pelo (M)Dados, núcleo de jornalismo de dados do Metrópoles, e se baseiam nos relatórios repassados pelo Ministério da Saúde. Essas informações também alimentam o painel interativo com notícias sobre a pandemia desde o primeiro caso da doença registrado no país.

Metrópoles

Opinião dos leitores

  1. BG faça uma reportagem com o secretário de saúde de natal para ele nos dizer se ainda vai ter a segunda dose da Coronavac pra gente tomar, já passou de 28 dias da primeira e vemos chegar vacinas e sendo direcionadas a públicos diferentes e a gente ficando pra trás. Uma vergonha a gente não saber se ainda há uma esperança ou vai ficar mesmo só uma dose e pronto.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Planalto escala AGU para orientar Pazuello na CPI da Covid

Foto: ALAN SANTOS/PR – 10.03.2021

Em um movimento inédito, o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello passou a ser assessorado pela AGU (Advocacia-Geral da União) para traçar sua estratégia de defesa na CPI da Covid. O general da ativa já se reuniu ao menos duas vezes com advogados da equipe da AGU que estão coletando documentos sobre aquisição de respiradores e fabricação de cloroquina para subsidiá-lo na CPI, no próximo dia 19.

O depoimento de Pazuello é considerado crucial porque, ao deixar o cargo, ele ligou sua demissão a um complô de políticos interessados em verba pública e “pixulé”. Para senadores, Pazuello sabe de escândalos que podem comprometer o governo.

Esta é a primeira vez que a AGU desloca uma equipe para orientar o depoimento de um ex-ministro, segundo o Estadão apurou com servidores do órgão e quatro ex-titulares da pasta. Na CPI do Cachoeira, criada em 2012 para investigar as relações entre parlamentares e o contraventor Carlinhos Cachoeira, foram escalados advogados da União para acompanhar os trabalhos dos parlamentares, mas a situação era diferente.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, também tem a consultoria de advogados da União. Segundo a AGU, tanto Queiroga quanto Pazuello requisitaram auxílio do órgão, o que não ocorreu no caso dos ex-ministros da Saúde Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, que prestaram depoimento à CPI. Os dois apontaram erros do governo na condução da pandemia de covid-19 e disseram que o presidente Jair Bolsonaro não lhes dava autonomia.

Para o vice-presidente da CPI, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), o uso da AGU por parte de Pazuello é “gravíssimo”.

“A Advocacia-Geral da União é um órgão de Estado, não é um órgão de advocacia particular, privada. Não me consta que o senhor Eduardo Pazuello seja, nesse momento, ministro de Estado ou esteja exercendo algum cargo público. É um absurdo a utilização da estrutura de Estado para o benefício privado. Não é só um ato imoral, é um ato de corrupção”, afirmou Randolfe.

Já na avaliação do ex-juiz federal Luciano Godoy, não há, em princípio, “nenhuma ilegalidade”. “Mas os advogados têm de defender a política pública do governo. Se isso leva à defesa do ex-ministro, está dentro da missão constitucional da AGU”, disse Godoy, que é professor da FGV Direito São Paulo.

Os servidores convocados para dar assistência a Pazuello são os advogados da União Diogo Palau, procurador regional da União na 1.ª Região, e Jailor Capelossi, consultor jurídico no Ministério da Saúde. Palau acompanha os desdobramentos do inquérito aberto em janeiro pelo Supremo Tribunal Federal, no auge da crise em Manaus, quando dezenas de pessoas morreram asfixiadas em razão da falta de oxigênio em hospitais da capital amazonense. Após Pazuello perder o foro privilegiado, em março, quando deixou o ministério, o caso passou a tramitar na primeira instância da Justiça Federal.

O depoimento do ex-ministro à CPI estava marcado para quarta-feira passada, mas foi adiado para o dia 19 depois que ele alegou, por meio de ofício encaminhado ao Exército, ter mantido “contato direto” com dois servidores infectados pelo novo coronavírus.

Como o Estadão revelou anteontem, Pazuello “furou” a quarentena que faria no Hotel de Trânsito de Oficiais, onde mora em Brasília, e se reuniu com o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Onyx Lorenzoni, um dos auxiliares de Bolsonaro que o assessoram para o depoimento.

O Comando do Exército silenciou sobre a conduta de Pazuello. O ex-ministro da Saúde foi visto circulando sem máscara no hotel e costuma usar o telefone da recepção. O episódio causou indignação entre os parlamentares, já que as recomendações para quem está com suspeita de ter contraído coronavírus é manter isolamento social. Senadores chegaram a avaliar até mesmo uma “condução coercitiva” para forçar o comparecimento de Pazuello à comissão.

Atribuições

Procurada pelo Estadão, a AGU alegou que pode representar autoridades e ex-autoridades tanto judicial quanto extrajudicialmente.

“Nos termos do artigo 22 da Lei 9.028/1995 (que trata das atribuições da Advocacia Geral da União), a AGU atua na representação de autoridades públicas em função de atos praticados no âmbito de suas atribuições. Por exemplo, até hoje a AGU representa o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o ex-ministro Pedro Malan, dentre outras tantas autoridades”, informou o órgão. Militares das Forças Armadas que respondem a inquérito policial ou processo na Justiça também podem ser defendidos por servidores da AGU.

Mesmo prevista em lei, portarias e um manual do órgão, a medida é considerada sem precedentes no âmbito de uma CPI.

R7

Opinião dos leitores

  1. Não entendo o porquê dessa preocupação toda. O presidente fanfarrão já disse que nada fez de errado.
    Esse general de 10 estrelas com o c* na mão, é uma vergonha ao exército brasileiro.
    Quem mandou se meter em política?
    As forças armadas tem seu papel definido na constituição e não na política.

  2. Isso é um absurdo!! A AGU que é um órgão para defender o Estado Brasileiro, fica a serviço de pessoas.

  3. Pra que isso? O governo perfeito do MINTOmaníaco não fez tudo 100% correto na pandemia? Ou será que o imosec não está dando conta do desarranjo do calça borrada e do general cagao?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Brasil registra mais de 13,6 milhões de recuperados da Covid-19

Foto: Diogo Zanatta

O Brasil registrou neste sábado (8) mais 37.190 pacientes recuperados do coronavírus, totalizando 13.677.668 pessoas curadas da doença.

O número de pessoas curadas representa 90,3% do total de casos acumulados.

A quantidade de pessoas curadas no Brasil é mais de treze vezes superior ao número de casos ativos (1.046.895), que são os pacientes em acompanhamento médico.

No mundo, estima-se que 135,6 milhões de pessoas diagnosticadas com Covid-19 já se recuperaram, de acordo com o site Wolrdometers.

Opinião dos leitores

  1. Vi uma charge que serve para ilustrar essa notícia. O comandante anuncia que o avião está caindo e a bolsoninhada diz por que não fala dos que estão voando?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Clima

Capitania dos Portos emite alerta de ventos de até 60 km/h e ‘mar grosso’ em toda faixa do litoral sul do RN

A Marinha do Brasil, por meio da Capitania dos Portos do Rio Grande do Norte, emitiu um aviso de mau tempo (veja aqui) alertando sobre a possibilidade de ocorrência de ventos fortes de direção sul a sudeste, com velocidade de até 60 km/h, e  mar grosso com ondas de 3,0 e 3,5 m de direção sudoeste a sudeste, em toda faixa do litoral sul do Rio Grande do Norte.

O alerta vale para o período do dia 9 à noite até a tarde do dia 11 deste mês. A Capitania recomenda que as embarcações de pequeno porte “evitem a navegação” durante este período e que as demais embarcações redobrem a atenção quanto ao material de salvatagem, estado geral dos motores, casco, bomba de esgoto do porão, equipamentos de rádio e demais itens de segurança.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Estudo em Israel mostra eficácia de 97% da Pfizer em evitar casos sintomáticos

Foto: TSAFRIR ABAYOV / AP

Um estudo conduzido em Israel junto a profissionais da área de saúde e publicado no Journal of the American Medical Association (Jama) mostrou que a vacina contra a covid-19 produzida pela Pfizer reduziu as infecções sintomáticas pela doença em 97%, ao passo em que diminuiu as assintomáticas em 86%.

O estudo foi conduzido junto a 6.710 profissionais da área de saúde, dos quais 5.953 receberam ao menos uma dose da vacina, 5.517 receberam as duas doses e 757 não foram vacinados. Eles foram acompanhados por um período de 63 dias, entre de 20 de dezembro de 2020 e 25 de fevereiro de 2021.

Entre aqueles que foram totalmente imunizados, com duas does, a infecção sintomática por SARS-CoV-2 ocorreu em 8 profissionais, enquanto esteve presente em 38 que não foram vacinados (taxa de incidência de 4,7 e 149,8 por 100 mil pessoas, respectivamente). Isso representa uma razão de 0,03 (com 95% de confiança) ou 97% de eficácia.

Já a infecção assintomática por SARS-CoV-2 ocorreu em 19 profissionais de saúde totalmente vacinados e 17 profissionais de saúde não vacinados – taxa de incidência de 11,3 a 67,0 por 100 mil pessoas, respectivamente, numa razão de 0,14, o que resulta nos 86% de eficiência.

Assim, o estudo conclui que, entre os profissionais de saúde de um centro de saúde em Tel Aviv, Israel, a vacina da Pfizer em comparação com nenhuma vacina foi associada a uma incidência significativamente menor de infecção por covid-2 sintomática e assintomática mais de 7 dias após a segunda dose.

Estado de Minas

Opinião dos leitores

  1. A militância digital paga está com tudo por aqui. Aproveitem seu resto de desgoverno e recebam seus pixulecos. Essa vagabundagem vai acabar logo.

    1. Ainda assim é melhor que cloroquina e ozônio (que o gado burro adora)…
      🤡🤡🤡🐐🐐🐐🐮🐮🐮

    2. E de quem a culpa? Do MINTOmaníaco que negou comprar outras vacinas! Se não fosse a “vachina” não teríamos nem 10% dos vacinados que temos hoje !

    3. Kkkkkk. Os jumentos petistas ainda querem trocar a Pfizer pela Coronavac. Pqp.

    4. Bolsovac não existe, não compraram. Tem cloroquina e ivermectina.

    5. Confundir vacina com remédio é coisa dos asininos defensores de corruptos. Rsrsrs

    6. Negar vacinas e desacreditar a pandemia e seus 400 mil mortos é coisa de onagras defensores da nova “família real” e todas as suas falcatruas. Risos

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Bolsonaro anuncia distribuição de novo lote de doses da vacina da AstraZeneca/Oxford na próxima segunda; RN receberá 64,5 mil doses

Imagem: reprodução/Twitter

O presidente Jair Bolsonaro anunciou hoje (8) que o Ministério da Saúde enviará 3,9 milhões de vacinas AstraZeneca/Fiocruz para todos os estados e o Distrito Federal.

O estado do Rio Grande do Norte receberá 64.500 doses do imunizante.

A Região Norte receberá 281,4 mil doses, a Região Nordeste terá 984,1 mil doses e a Região Centro-Oeste receberá 294,1 mil doses.

Já as regiões Sudeste e Sul receberão 1,79 milhão e 624,3 mil doses, respectivamente. O comunicado foi feito em redes sociais.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. Deveria vacinar os professores Só assim não teria mais desculpas para não retornar ao presencial

    1. Sou professor e concordo com vc … Nós queremos voltar sim porém vacinados

    2. Fazendo as contas: aguadariam 2° dose daqui a 12 semanas mais 15 dias após essa segunda dose para aumento da eficácia….depois tem feriado 7 de setembro, proclamação da República, padroeira da cidade, festa do boi….. e por aí segue..

  2. Pessoal. Já que ninguém está indo Se vacinar pois os pontos estão sempre vazios, deveria pegar essas vacinas e baixar a idade de quem realmente quer se vacinar.

  3. Quero saber da 2 dose da corona. Já vai fazer 45 dias que tomei a 1 dose. É mesmo que não ter tomado pois não vai ter eficácia de nada.

    1. Vcs não cansam de serem desmoralizados e de passar vergonha. Quem puxou cadeia e foi implicado em falcatruas por 169 comparsas, tem nove dedos 😁😁😁😁😁😁😁😰😰😰😰😰😰😰

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *