Plano de Bolsonaro para Casa Civil consolida retomada de prestígio da ala militar

A ala militar da gestão Jair Bolsonaro consolidou a retomada do prestígio no governo com a decisão do presidente de convidar um general para substituir o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS) na chefia da Casa Civil.

A opção, por outro lado, gerou desconforto entre alguns membros da cúpula do Exército preocupados com o que consideram excessiva identificação com o governo.

A Folha antecipou o convite de Bolsonaro a ​Walter Souza Braga Netto, 62, que ocupa o segundo principal posto do Exército, a chefia do Estado-Maior. Após reunião com o comandante do Exército, general Edson Leal Pujol, ele sinalizou que aceitará o cargo.

Como não houve um anúncio formal por parte do Palácio do Planalto, contudo, fica em aberto a possibilidade de alguma mudança de planos.

Braga Netto, que em 2018 passou dez meses como interventor federal na segurança pública do Rio de Janeiro, resistiu inicialmente ao convite de Bolsonaro. O Planalto, porém, trabalhava com a sinalização de que ele iria aceitá-lo.

Segundo oficiais-generais ouvidos pela Folha, houve um movimento discreto por sua permanência no cargo.

FOLHAPRESS