Supremo deve julgar mensalão tucano em 2014

O STF começa a ensaiar o julgamento do mensalão do PSDB. A repórter Thais Bilenky informa que o processo pode chegar ao plenário da Suprema Corte no primeiro semestre de 2014. Antes, portanto, das eleições presidenciais de outubro.

A relatoria migrou das mãos de Joaquim Barbosa para as do colega Luís Roberto Barroso, último ministro indicado por Dilma Rousseff para o STF. Ouvido, ele soou assim: “Vou julgar o mais rápido que o devido processo legal permitir.”

Na descrição da Procuradoria da República, a perversão do tucanato mineiro envolve o desvio de verbas públicas de estatais de Minas para financiar, em 1988, o malogrado projeto reeleitoral do então governador Edaurdo Azeredo, hoje um discretíssimo deputado federal do PSDB.

A encrenca do PSDB veio à luz no mesmo inquérito policial que enroscou o PT e seus aliados. São inúmeras as coincidências entre os dois casos. Os mesmos personagens –Marcos Valério e seus sócios— a mesma instituição financeira –Banco Rural— e os mesmos métodos –empréstimos fictícios urdidos para dar aparência legal a verbas desviadas de cofres públicos.

Conforme já noticiado aqui em outubro do ano passado, a severidade com que o STF julgou os envolvidos no escândalo petista deve se repetir no julgamento do caso tucano. Em privado, os ministros insinuam que as punições serão igualmente rigorosas.

MensalaoTucanoArteFolhaJosias Souza – UOL

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Rafael Vale disse:

    Esse julgamento servirá para demonstrar a farsa que foi o mensalão, o que aconteceu em Minas é exatamente igual ao que aconteceu em Brasília, caixa 2 para a campanha eleitoral, o Delúbio Soares tesoureiro do PT aceitou participar do "bem sucedido" esquema de caixa 2 que Marcos Valério criou para o PSDB mineiro, o "mensalão mineiro" já era conhecido e só vai ser julgado para não ficar evidente que a AP 470 foi um julgamento político.
    De qualquer forma o que assombra o PSDB é o esquema de propinas no metrô de SP que faz o dinheiro envolvido no mensalão parecer troco de cafezinho, e um dos diretores da Siemes envolveu Serra diretamente.
    Agora falando em mensalão, que tiver curiosidade pesquise na internet o caso da compra de votos para a Emenda Constitucional da reeleição de FHC, que tive direito a violação do painel do Senado e da Câmara pelo ACM e dois deputados perderam seus mandatos após admitirem ter recebido R$ 200 mil para votarem a favor, infelizmente como de praxe nas administrações do PSDB nada é investigado, tudo é arquivado e convenientemente engavetado.

  2. Francisco Ferdinando disse:

    Com a palavra, Sergio Nogueira e Lucia Morais Gama,

COMENTE AQUI