Acidente

Avião da Malaysia Airlines pode estar a 5 mil km de área de buscas, diz empresa australiana

 

2014-699723172-2014-699436666-20140321103902310ap.jpg_20140321.jpg_20140322A GeoResonance, uma companhia australiana de exploração marinha acredita ter encontrado o local da queda do voo 370 da Malaysia Airlines na Baía de Bengala, 5 mil quilômetros ao norte da área em que buscas têm sido realizadas, no Sul do Oceano Índico, próximo à costa australiana.

De acordo com a rede de TV australiana, a GeoResonance afirmou que sua pesquisa identificou elementos no fundo da Baía de Bengala, que banha países como Índia e Sri Lanka, no Norte do Oceano Índico, consistentes com materiais usados nos Boeing 777, modelo do avião que desapareceu no dia 8 de março.

— Identificamos elementos como alumínio, titânio, cobre e outros materiais que fazem parte da composição de um Boeing 777 — afirmou o porta-voz da empresa, Pavel Kursa.

Cientistas da GeoResonance vasculharam cerca de dois milhões de quilômetros quadrados de possíveis áreas da queda do avião, usando mais de 20 tecnologias diferentes para analisar dados de satélites e imagens da aeronave, numa tentativa de encontrar o avião desaparecido.

— Nossa equipe encontrou o que acreditamos ser os destroços de um avião comercial, e esses destroços não estavam lá antes do desparecimento do voo 370. Não estamos afirmando com certeza que se trata do mesmo avião, mas acreditamos que é uma possibilidade que deve ser considerada — afirmou David Pope, outro porta-voz da GeoResonance.

O avião, que partiu rumo a Pequim com 239 passageiros, desapareceu dos radares menos de uma hora após decolar do Aeroporto Internacional de Kuala Lampur. O avião foi visto em radares militares dando uma guinada em direção ao oeste pouco após a decolagem. Dados de satélites mostram que o avião não aterrissou, encerrando seu voo sobre o Oceano Índico.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Avião perdido a 5 mil km de área de buscas? Deve estar no Aeroporto de São Gonçalo. Só não encontraram ainda porque não fizeram o acesso até lá.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

VÍDEO: "Supostas" imagens assustadoras das buscas no oceano pelo avião da Malaysia Airlines

destaque-280681-malaVeja aqui imagens impressionantes de um navio realizando supostas buscas ao avião da Malaysia Airlines. Em pleno alto mar, a sensação é que o barco vai sumir a qualquer momento com o tamanho das ondas.

Não existe confirmação que essas imagens são das buscas do avião da Malaysia. Mas que é tenso, isso é!!!

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Acidente

Malásia revela última mensagem emitida de avião desaparecido

mapa-boeing-777-200-malasiaAs equipes de resgate iniciaram nesta quarta-feira o quinto dia de trabalhos de busca pelo avião da Malaysia Airlines desaparecido na madrugada de sábado com 239 pessoas a bordo. Enquanto o mistério em torno do sumiço do avião se aprofunda, a revelação da última mensagem de rádio emitida da aeronave aos controladores de voo indica que tudo estava normal a bordo minutos antes do avião desaparecer. “Tudo bem, entendido”, foi a mensagem de rádio enviada pelo comando da aeronave, de acordo com autoridades da Malásia.

A aparente tranquilidade da comunicação adiciona mais um ingrediente de mistério ao sumiço do voo MH370. Autoridades da Malásia revelaram a última comunicação do avião em uma entrevista coletiva realizada em Pequim para os parentes dos 154 chineses que estão entre os passageiros desaparecidos. Quando o avião atingiu o limite entre o espaço aéreo da Malásia e Vietnã, o controle aéreo malaio anunciou que estava entregando o controle do voo para as autoridades de Ho Chi Min, mas o avião desapareceu.

Indignada com a condução das investigações pelas autoridades malaias, a China subiu o tom das críticas e pressiona os malaios para agilizar as buscas e dar respostas concretas. O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, afirmou que as informações conflitantes sobre a trajetória de voo do avião eram “muito caóticas”. Apesar de a última localização do Boeing 777 ter sido sobre o Mar do Sul da China, a área de busca foi ampliada para as águas de ambos os lados da península da Malásia.

Em outra confusão, nesta quarta, o chefe da Força Aérea da Malásia, Rodzali Daud, negou declarações atribuídas a ele na imprensa local de que o avião da Malaysia Airlines foi monitorado pelo radar militar no Estreito de Malaca, extremo oeste de sua rota planejada. A informação teve origem no jornal malaio Berita Harian, nesta terça. Segundo o jornal, o último sinal do voo MH370 teria sido detectado por radares militares sobre o Estreito de Malaca, entre Sumatra e a Malásia, às 2h40 de sábado pelo horário local – a aeronave estaria perto da ilha de Pulau Perak, na costa oeste da península onde fica a Malásia.

Otimismo – Sem conseguir dar respostas às famílias dos passageiros e à comunidade internacional, resta aos malaios o otimismo. O ministro de Defesa da Malásia, Hishammuddin Hussein, disse as equipes de busca “nunca perderão a esperança”. Após cinco dias de busca, Hishammuddin reconheceu, no entanto, que nada tinha sido encontrado.

Neste momento, uma frota internacional de 42 embarcações e 39 aviões vasculhar uma superfície de 500.000 milhas náuticas quadradas (1,71 milhões de quilômetros quadrados, área um pouco menor que o estado do Amazonas), em uma operação da qual participam Austrália, China, Estados Unidos, Filipinas, Índia, Indonésia, Malásia, Nova Zelândia, Cingapura, Tailândia e Vietnã.

O voo MH370 decolou no sábado de Kuala Lumpur e deveria chegar em Pequim após seis horas de voo, mas desapareceu do radar cerca de uma hora depois da decolagem. No avião viajavam 239 pessoas: 227 passageiros, incluídos dois menores, e uma tripulação de doze malaios.

Veja

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *