Bolsonaro: vou à ONU nem que seja de cadeira de rodas; evento ocorre no dia 24, e cirurgia no próximo fim de semana

Foto: Edu Garcia/R7 – 1.9.2019

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que a cirurgia que fará no próximo final de semana não o impedirá de discursar na abertura da Assembleia Geral das Nações Unidas, no dia 24 de setembro, em Nova York.

Se for preciso, Bolsonaro disse que irá até “de cadeira de rodas ou de maca”, porque quer falar sobre a Amazônia ao restante do mundo. Tradicionalmente, o Brasil abre o evento. Esta será a primeira participação de Bolsonaro como presidente da República.

“Eu vou comparecer à ONU, nem que seja de cadeira de rodas, de maca. Eu vou comparecer porque eu quero falar sobre a Amazônia. Mostrar para o mundo com bastante conhecimento, com patriotismo, falar sobre essa área ignorada por tantos governos que me antecederam”, disse Bolsonaro na saída do Palácio da Alvorada, na manhã desta segunda-feira (2).

A cirurgia do presidente está programada para o próximo domingo, dia 8 de setembro. Nesta segunda, Bolsonaro confirmou que a ideia é que ele compareça à cerimônia de comemoração do 7 de setembro, em Brasília, e, ao fim do dia, siga para São Paulo, para se internar para a preparação da cirurgia. Segundo Bolsonaro, o motivo da “pressa” é porque ele deve estar Estados Unidos para a Assembleia Geral no dia 22 de setembro.

Bolsonaro considera que citar a Amazônia no discurso é uma chance que possui para falar ao mundo sobre o assunto. “Eu vou deixar essa oportunidade?”, questionou.

O presidente voltou a criticar uma suposta ingerência externa na Amazônia, que, na visão dele, tem sido vendida para outros países. “A Amazônia foi praticamente vendida para o mundo. Eu não vou aceitar esmola de país nenhum do mundo com o pretexto de preservar a Amazônia, sendo que na verdade ela está sendo loteada e vendida”, disse.

Sobre a cirurgia, ele avaliou que todo procedimento desse tipo “é um risco”, inclusive por envolver anestesia geral, mas que essa será a “menos invasiva” em relação às últimas três que realizou após a facada. “Essa é a que oferece menor risco, mas eu que estive do outro lado da morte vou passar por um momento igual novamente.”

Estadão

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ivan disse:

    Tenho a impressão que a tal cirurgia já vai ser a desculpa para não ir. Aguardem dizer: – Queria ir, mas os médicos aconselharam que não.

  2. LULADRÃO disse:

    Bota pra lascar nestes Ptralhas grande MITO. Eles vão a loucura! Nao conseguem mais mama.

  3. Joselito disse:

    Ir para a ONU e só falar merda!!!

    • Waldemir disse:

      Voce esta confundido o BOLSONARO nao é nem lula ou dilma seu encantado

Bolsonaro fala que fim da obrigatoriedade de empresas publicarem balanços pode fechar jornal “Valor”, e reclama que há briga da mídia na questão de deturpar informações

FOTO: ADRIANO MACHADO (REUTERS)

O presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar a imprensa nesta quinta-feira, 22, e afirmou que o jornal Valor Econômico “vai fechar”. O motivo, segundo o presidente, é o fim da obrigatoriedade de empresas de capital aberto publicarem seus balanços em jornais, previsto em medida provisória editada pelo seu governo no início do mês.

O comentário do presidente foi feito durante café da manhã com representantes da Associação Catarinense de Emissoras de Rádio e Televisão (ACAERT), no Palácio do Planalto. “Sabe o que eu posso fazer? Chamo o presidente da Petrobrás aqui e digo: ‘Vem cá, (Roberto) Castello Branco. Você vai mostrar seu balancete este ano no jornal O Globo’”, disse o presidente, acrescentando que, mesmo que custasse R$ 10 milhões, poderia determinar.

“Posso fazer ou não? Vinte páginas de jornais para isso (publicação de balanços).E o jornal Valor Econômico, que é da Globo, vai fechar. Não devia falar? Não devia falar, mas qual é o problema? Será que eu vou ser um presidente politicamente correto? Uai. É isso daí aqui no Brasil”, afirmou Bolsonaro durante o encontro.

A MP permite a empresas com ações em bolsa a publicação de seus balanços no site da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) ou no Diário Oficial gratuitamente. Ao anunciar a medida, no dia 6 de agosto, Bolsonaro afirmou que era uma “retribuição” ao tratamento que recebeu da imprensa. Uma lei sancionada pelo próprio presidente em abril previa que os balanços fossem publicados de forma resumida nos jornais a partir de 2022.

“Há uma briga com a mídia tradicional, com a grande mídia, na questão de deturpar (informações)”, disse o presidente no encontro.

Mais cedo, Bolsonaro falou sobra a MP durante conversa com jornalistas. “Tirei de vocês (jornalistas) R$ 1,2 bilhão de reais com publicação de balancetes. Não é maldade. É bondade e Justiça com os empresários, que não aguentam pagar isso para publicar páginas e páginas que ninguém lê. Então, publica no site oficial, CVM, a custo zero”, disse.

O presidente afirmou ainda que “a imprensa” está acabando como acabou a profissão de datilógrafo. “Já estamos ajudando assim a não ter desmatamento, porque papel vem de árvore. Estamos em uma nova era. Assim como acabou no passado o datilógrafo, a imprensa está acabando também. Não é só por questão de poder aquisitivo do povo que não está bom. É porque não se acha a verdade ali.”

Com informações do Estadão

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Diego Nobrega disse:

    Bolsonaro além de ameaçar a PF para livrar o filho Flávio está fazendo acordo para emplacar Eduardo embaixador. Sério, põe o chinelo da humildade e assume logo que acreditou numa farsa. Não seja como petista que morra abraçado com Lula para não aceitar a desilusão. Tenham dignidade!