FOTOS: Nuvem de gafanhotos desvia do Brasil, mas vai para o Twitter na forma de memes

Foto: Reprodução/Twitter

O anúncio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) de que a nuvem de gafanhotos aparenta mudar de trajetória, seguindo em direção ao Uruguai em vez do Brasil, veio como um alívio para internautas assustados com tantas ameaças em 2020. A hashtag #NuvemDeGafanhotos entrou nos assuntos mais comentados do Twitter nesta quinta-feira, sendo praticamente dominada por memes.

E tom das brincadeiras foi diverso.

Houve quem zoasse o episódio como mais um alerta para o apocalipse.

Foto: Twitter / Reprodução

Quem demonstrasse preocupação disfarçada em meme.

Também não faltou uma já tradicional imagem da Gretchen, rainha dos memes no Twitter, para tratar o evento dos gafanhotos com muita classe.

Foto: Twitter / Reprodução

Apareceram ainda os usuários da rede social com perfil empreendedor, pensando já em que como aproveitar tamanha quantidade de insetos para transformá-los em lanchinhos.

Mas houve internauta ironizando que as receitas com pratos de gafanhotos acabaram os assustando.

Rolou ainda quem pensasse na reação do próprio gafanhoto. Como ele se sentiria virando piada?

Ressaltando que 2020 já está na metade, pintou também uma retrospectiva do que aconteceu de preocupante no mundo só neste primeiro semestre.

Já deixando para trás a história dos gafanhotos, outros internautas chamaram atenção para a nuvem de poeira com risco de se aproximar das Américas.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou nesta quinta-feira, dia, no Diário Oficial da União, uma portaria declarando estado de emergência fitossanitária com duração de um ano nos estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, para implementação do plano de supressão da praga dos gafanhotos (Schistocerca cancellata). A ministra Tereza Cristina explicou que essa prevenção vale para as áreas produtoras e adoção de medidas emergenciais.

“Essa portaria precisa acontecer antes do evento, se acontecer, para que algumas ações possam ser feitas pelos governos estaduais onde há possibilidade de essa nuvem chegar. Estamos monitorando, mas tudo indica que ela vai ficar mesmo no Uruguai por enquanto. Se o clima continuar favorecendo, ela nem chegará ao nosso território”, disse a ministra num comunicado.

O secretário da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural no RS, Covatti Filho, destacou o trabalho conjunto entre as esferas de poder para lidar com a ameaça.

“Estamos trabalhando em consonância com o ministério para deixar o Estado preparado caso precise agir no controle da praga. São medidas que permitem agilizar nossas ações de defesa vegetal e controle”, afirmou, também em nota.

De acordo com o Mapa, o deslocamento da nuvem de gafanhotos é influenciado pela direção dos ventos e a ocorrência de altas temperaturas.

Flávio Varone, meteorologista da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), analisou as condições climáticas do período atual para avaliar os riscos destes insetos chegarem ao Rio Grande do Sul.

“A aproximação de uma frente fria oriunda do sul vai intensificar os ventos de norte e noroeste, potencializando o deslocamento do massivo para a Fronteira Oeste, Missões e Médio e Alto Vale do Rio Uruguai. Contudo, a tendência de queda nas temperaturas e previsão de chuva para todo o Estado nesta quinta-feira tende a amenizar o risco de dispersão da praga”, detalhou.

Um grupo de trabalho do Departamento de Sanidade Vegetal e Insumos Agrícolas (DSV) da Secretaria de Defesa Agropecuária (SDA) do Mapa permanece em situação de alerta e mobilização, em conjunto com as equipes técnicas das Superintendências Federais de Agricultura e dos órgãos estaduais de Defesa Agropecuária nos estados do Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, assim como as unidades de vigilância agropecuária do  Ministério localizadas na fronteira com o Rio Grande do Sul.

Com base neste cenário, estão sendo trabalhadas estratégias passíveis de adoção para um eventual surto da praga no Brasil, caso ocorram alterações climáticas favoráveis ao deslocamento da nuvem de gafanhotos para o país.

Yahoo Notícias com Extra

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Marcos Benício disse:

    Bolsonaro, pandemia, nuvem de gafanhotos.
    Caramba, a gente está preso numa novela da Record!

  2. Arnaldo disse:

    Destruição do meio ambiente causa esse desequilibrio muito grande na natureza. E o pior que se usam veneno pra combater aí devem morrer outras espécies. Agravando o problema.

PARECE COISA DE FILME: Leste da África enfrenta invasões de gafanhotos “sem precedentes”

Foto: (Inaki Relanzon/Nature Picture Library/Getty Images)

Desde dezembro de 2019, enormes nuvens de gafanhotos vêm atacando plantações de países do leste e sudeste da África, acendendo alertas globais em uma das regiões mais carentes do planeta.

A crise foi desencadeada por ciclones na Península Arábica seguidos por chuvas intensas, que criaram condições climáticas propícias para a reprodução desenfreada de enormes populações dos insetos. Do Iêmen, os gafanhotos cruzaram o Chifre da África e chegaram à Somália, onde um novo ciclone potencializou ainda mais a reprodução.

A região está acostumada com invasões do tipo desde sempre – tanto que elas inspiraram a passagem bíblica sobre as “pragas do Egito”. Mas a nova crise, de acordo com a ONU, é “sem precedentes”. Na Somália e na Etiópia as nuvens são as maiores em 25 anos; no Quênia, o problema é o mais grave em pelo menos 70 anos, segundo a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).

No domingo (02/02), a Somália foi o primeiro país a declarar emergência nacional diante as invasões.

Gafanhotos-do-deserto são insetos herbívoros que podem chegar a 10 cm de comprimento. Em busca de alimento, eles invadem plantações e as devoram, e por isso são consideradas pragas agrícolas. O problema é ainda maior na região, que é uma das mais pobres do mundo e que já convive com a segurança alimentar constantemente ameaçada – 19 milhões de pessoas na região sofrem com a fome, segundo a organização Food Security and Nutrition Working Group.

As nuvens invasoras são tão grandes e numerosos que chegam a bloquear a luz do sol. Cada gafanhoto pode comer o equivalente a seu próprio peso em um único dia, e por isso são tão destrutivos. Além disso, os insetos são rápidos, e conseguem percorrer distâncias de 150 km por dia.

Organizações internacionais como a ONU vem considerando o problema como uma de suas prioridades e buscando recursos para ajudar a conter a invasão. O Fundo Central de Resposta de Emergência da ONU já liberou 10 milhões de dólares para lidar com a crise, e a FAO está em processo de liberar mais 70 milhões.

As medidas tomadas até agora, que incluem a pulverização de inseticidas com aviões, não têm tido muito efeito diante as proporções bíblicas das nuvens e precisam ser intensificadas com urgência.

O problema pode aumentar se nada for feito, alertam especialistas, porque um novo ciclo de reprodução dos animais está para começar. Estimativas apontam que o número de gafanhotos pode aumentar até 500 vezes até junho. É provável que as nuvens se espalhem para países vizinhos como Uganda e Sudão do Sul, e algumas previsões dizem que eles podem chegar bem mais longe, incluindo até na Índia.

Em seu Twitter, António Guterres, secretário-geral da ONU, chamou atenção do mundo para o problema, e lembrou que os eventos extremos como esse estão relacionados com as mudanças climáticas.

Super Interessante