“Greve Geral” convocada para esta sexta está mantida mesmo após liminar da Justiça, dizem centrais sindicais

Justiça determina 100% do Metrô no horário de pico. Foto: Tércio Teixeira (P)/Folhapress

A “greve geral” convocada para esta sexta-feira (14) está mantida, de acordo com líderes de centrais sindicais, mesmo após a Justiça ter concedido liminar que obriga o funcionamento do Metrô e da CPTM e a circulação de ônibus em São Paulo. A Prefeitura de São Paulo suspendeu o rodízio nesta sexta.

Segundo a Secretaria de Transportes Metropolitanos (STM), a Justiça determinou que o Metrô mantenha 100% do quadro de funcionários nos horários de pico e 80% no restante do dia e, na CPTM, 100% do quadro de servidores em todo o horário de operação.

A pauta principal da “greve geral”, segundo centrais sindicais, é manifestar repúdio à proposta do governo para a reforma da Previdência, mas também estão entre as reivindicações maior geração de empregos formais, retomada do crescimento da economia e protestar contra o contingenciamento na Educação.

O presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), Antonio Neto, afirma que a expectativa para a greve é que os trabalhadores da categoria de transportes mantenham a adesão. “A liminar é esdrúxula, vai contra a Constituição. Os trabalhadores decidiram por ela. Eles vão enfrentar a greve apesar disso”, disse.

Para Neto, a liminar não deve afetar a convocação da sexta-feira já que a ideia é que as categorias e a população parem. “Não estamos preocupados com a manifestação. Queremos as ruas vazias, o povo em casa.”

O secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves Juruna, ressalta que a convocação à greve não é só para o setor de ônibus, metrô e trem. Segundo ele, engloba todas as categorias. “Não estão fazendo greve para prejudicar a população. Não há motivo para gastar combustível e eletricidade se o povo não vai trabalhar. Com todo respeito aos juízes, foi precipitada a decisão.”

O presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT), Ricardo Patah, afirmou que a decisão de manter 100% do quadro de funcionários do Metrô e CPTM trabalhando no dia da greve é “incoerente com a legislação brasileira”. “Como podem exigir numa greve que se trabalhe 100% dos funcionários? Eu nunca vi isso, vamos tentar sensibilizar”, disse.

O posicionamento da UGT, segundo Patah, é tentar reverter a situação na Justiça até a meia-noite desta quinta-feira (13).

O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, reforça que o setor de transporte estará de greve. Porém, ele afirma que, caso haja multa para a categoria, por causa da liminar concedida, o prejuízo financeiro será diluído entre todas as centrais sindicais, “em solidariedade”. João Juruna, da Força Sindical, também informou que o custo será diluído. “Se chegar multa para eles, as centrais vão discutir os valores e o que será feito.”

Com informações do R7 e Estadão

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. M. Vinicios disse:

    Estão praticando o seu melhor, a democracia. A diferença é que são Marxistas e acreditam que os patrões é quem têm a obrigação de sustentar os seus vícios. Um deles, não gostam de trabalhar!

  2. Luciana Morais Gama disse:

    Até hoje não entendo pq esse povo não vai pra Venezuela

    • Lourdes disse:

      Agora poff…

    • Anti-Robô disse:

      Quer dizer que todo mundo que protestar e fizer greve tem que ir para a Venezuela? Os coletes amarelos, o pessoal de Hong Kong, o verdadeiro panelaço argentino…
      É cada comentário…

    • Ivan disse:

      Ná Venezuela já acabou o dinheiro pra mamata, aqui ainda tem…

    • Aranha disse:

      Esses Minions falam cada besteira. Pqp