Por que tantas mulheres jovens não se identificam como ‘feministas’

BBC NEWS BRASIL

Nos últimos anos, movimentos feministas têm atraído cada vez mais atenção na Europa e na América do Norte. Por que então tantas jovens mulheres ainda não se identificam com o termo?

Pesquisas nos Estados Unidos e no Reino Unido revelam que menos de uma em cada cinco mulheres se declara feminista.

Isso pode ser uma surpresa, considerando que o feminismo – a defesa dos direitos das mulheres com base na ideia de igualdade entre os sexos – tem estado sob os holofotes.

Um dia depois da posse do presidente Donald Trump, em 2017, milhões de pessoas se uniram à Marcha das Mulheres.O objetivo da passeata era chamar atenção para a defesa dos direitos das mulheres, que muitos acreditavam estar sob ameaça.

Outro momento marcante para o movimento foi quando surgiram as denúncias de assédio sexual feitas por mais de 80 mulheres – que ele nega.

A atriz Alyssa Milano pediu que qualquer pessoa que tivesse sofrido assédio ou ataque sexual respondesse ao seu tuíte com a hashtag #MeToo, dando novo ímpeto a um movimento iniciado em 2006 pela ativista Tarana Burke.

Meio milhão de mulheres responderam ao tuíte apenas nas primeiras 24 horas, e a hashtag foi usada em mais de 80 países.

Muitas celebridades passaram a apoiar o feminismo publicamente, como a atriz Emma Watson, que lançou uma campanha por equidade com a ONU (Organização das Nações Unidas).

Movimentos como #everydaysexism (sexismo de todo dia, em tradução) e temas de discussão como o Ted talk da autora Chimamanda Ngozi Adichie, Todos Nós Deveríamos ser Feministas, tiveram repercussão mundial.

Rejeição ao feminismo

Eventos como esses ajudaram a trazer atenção para o feminismo. Por que então a autoidentificação como “feminista” não ganhou mais popularidade entre mulheres jovens no ocidente?

No Reino Unido houve um pequeno aumento no número de mulheres que se identificam como feministas.

Uma pesquisa de 2018 do instituto YouGov revelou que 34% das mulheres do país responderam “sim” à pergunta “você é feminista?”, um aumento de 7 pontos porcentuais em relação à 2013, quando cerca de 27% das entrevistadas respondiam “sim”.

Na Europa a situação é parecida: menos de metade dos homens e mulheres questionados em cinco países se dizem feministas, variando de 8% na Alemanha a 40% na Suécia.

No entanto, as pessoas não rejeitam o termo feminismo porque são contra a igualdade de gênero ou porque acreditam que ela foi atingida.

A mesma pesquisa revelou que 8 em cada 10 pessoas disseram que homens e mulheres devem ser tratados com igualdade, com muitos concordando que o machismo ainda é um problema.

Um estudo com 27 mil pessoas nos EUA em 2016 mostrou que dois terços dos entrevistados acreditavam que a igualdade de gênero é importante, um aumento em relação a 1977, quando pesquisas similares apontavam que um quarto dos entrevistados pensava assim.

Em uma pesquisa feita no Reino Unido em 2018, 8% das pessoas disseram concordar com papéis de gênero tradicionais – que o homem deve trabalhar e que as mulheres devem cuidar da casa. O índice era de 43% em 1984.

Se muitas pessoas acreditam que a igualdade de gênero é importante, e ainda não foi atingida, porque não há mais pessoas – especialmente jovens mulheres – se identificando como feministas?

Pode ser que elas não se sintam representadas pelo termo. Segundo as pesquisas, mulheres de baixa renda tendem a se identificar menos com a palavra “feminismo”.

Cerca de uma em cada três pessoas entre as classes mais altas se consideram feministas, de acordo com uma pesquisa feita na Grã-Bretanha em 2018. Em comparação com uma em cada cinco pessoas de classes mais baixas.

Mas pessoas de baixa renda são tão propensas a apoiar direitos iguais para homens e mulheres quanto pessoas de classes mais altas. Em todas as faixas socioeconômicas, em cada 10 pessoas, oito concordam que homens e mulheres devem ter os mesmos direitos, de acordo com uma pesquisa britânica de 2015.

Isso sugere que pessoas em estratos sociais menos favorecidos tendem a apoiar o princípio por trás do feminismo, mas não gostam da palavra em si.

A questão racial também parece afetar a maneira como a palavra é vista. Pesquisas com jovens dos EUA mostram que cerca de 12% das mulheres latinas se identificam como feministas, mas que o índice sobe para mulheres negras (21% se consideram feministas), asiáticas (23%) e brancas (26%).

Três quartos de todas as mulheres disseram que o movimento feminista fez “muito” ou “algo” para melhorar a vida das mulheres brancas.

O índice cai para 60% quando a pergunta é se o feminismo conquistou muito para mulheres de todas as etnias. Entre as mulheres negras, só 46% acham que o feminismo melhorou a vida de mulheres de todas as etnias.

Lutando contra estereótipos

Mas a principal questão provavelmente são os estereótipos e visões equivocadas que, ao longo dos anos, foram associados ao feminismo.

Na introdução do livro recém-publicado Feminists Don’t Wear Pink and Other Lies (Feministas Não Usam Rosa e Outras Mentiras, sem edição no Brasil), Scarlett Curtis cita estereótipos como o de que feministas não usam maquiagem, não se depilam e odeiam homens.

São rótulos que persistiram por anos. Na década de 1920, feministas eram chamadas de “solteironas” e eram comuns artigos especulando sobre suas preferências sexuais. Quase um século depois, esse tipo de visão continua, de certa forma, existindo.

Para meu trabalho de pesquisa acadêmica, entrevistei um grupo diverso de mulheres alemãs e britânicas. Descobri que associações do termo feminismo a ódio aos homens, lesbianismo ou falta de feminilidade eram fatores cruciais na rejeição ao rótulo “feminista”.

A maioria dizia que não se considerava feminista porque não queria ser associada com características como essas. Isso apesar do fato de que muitas diziam não ser homofóbicas – e algumas se identificarem como lésbicas ou bissexuais.

Então, como é possível melhorar a imagem do feminismo?

Como sociedade, deveríamos fazer mais para desafiar expectativas muito estreitas sobre como uma mulher deve agir ou como deve ser sua aparência.

Trabalhar com mais afinco para tornar o movimento mais inclusivo pode resultar em um tipo de feminismo mais aberto às experiências e preocupações de grupos mais diversos de mulheres.

Apesar de tudo, independentemente do rótulo que mulheres escolherem adotar, é reconfortante a indicação de que, hoje, uma vasta maioria apoia a igualdade de gênero – e reconhece que ela não foi atingida ainda.

Sobre a autora

Este texto de análise foi escrito especialmente para a BBC pela socióloga Christina Scharff, que ensina Cultura, Mídia e Indústria Criativa na universidade King’s College, em Londres.

BBC Brasil

 

Adolescentes que não se identificam como heterossexuais são mais vulneráveis a depressão; sintomas a partir dos 10 anos

Foto: Marjan Apostolovic/Shutterstock

Jovens que se identificam como pertencentes a minorias sexuais – o que inclui os que se dizem gays, lésbicas, bissexuais, heterossexuais não exclusivos ou têm dúvidas sobre sua orientação sexual – experimentam mais sintomas depressivos e relatam mais casos de autoflagelação do que seus colegas de escola e início da idade adulta, aponta estudo que acompanhou quase 5 mil pessoas entre os dez e 21 anos no Reino Unido, publicado nesta terça-feira no periódico científico “The Lancet Child & Adolescent Health”.

Segundo a pesquisa, jovens de minorias sexuais têm quatro vezes mais chances de praticarem atos de autoflagelação entre os 16 e 21 anos que seus colegas heterossexuais, e também têm mais risco de sofrerem com sintomas de depressão a partir dos dez anos de idade. Levantamentos anteriores mostraram que anualmente entre 2001 e 2014, 37 de cada 10 mil garotas e 12 de cada 10 mil meninos do Reino Unido receberam tratamento por ferimentos autoinfligidos.

— É muito preocupante ver que apesar das mudanças na percepção e atitudes públicas, os jovens de minorias sexuais continuam sob um maior risco de problemas de saúde mental no longo prazo — resume Gemma Lewis, líder do estudo, do University College London. — Nossos achados destacam a importância de tratar a saúde mental em vista da autoidentificação e rotulagem de orientações sexuais minoritárias. É imperativo que encontremos novas maneiras de alcançar estes adolescentes e que eles tenham acesso a serviços de apoio de alta qualidade desde muito jovens.

Estimativas recentes apontam que uma em cada 25 pessoas com entre 16 e 24 anos no Reino Unido se identifica como gay, lésbica ou bissexual. Estudos anteriores também já tinham mostrado que jovens que se identificam como de minorias sexuais têm mais chances de ficarem deprimidos, se autoflagelarem e tentarem suicídio, mas poucas pesquisas avaliaram quando o risco destes problemas mentais se eleva, e como ele se desenvolve com o tempo.

Sintomas a partir dos 10 anos

Assim, no novo estudo, os pesquisadores analisaram dados de 4.843 adolescentes nascidos entre abril de 1991 e dezembro de 1992 integrantes de um levantamento maior, intitulado Estudo Longitudinal Avon de Pais e Filhos do Reino Unido (ALSPAC, na sigla em inglês) que relataram sua orientação sexual aos 16 anos. A grande maioria, 4.203, ou 87%, se disse heterossexual, enquanto 625, ou 13% se identificaram como pertencentes a minorias sexuais. Pouco mais da metade dos participantes (53%) é de mulheres.

Os sintomas depressivos destes jovens foram avaliados por meio de questionários sete vezes entre os dez e 21 anos, e questionários sobre práticas de autoflagelação foram respondidos aos 16 e 21 anos. Modelos estatísticos foram aplicados para comparar a ocorrência de sintomas de depressão e práticas de autoflagelação entre os grupos de minorias sexuais e heterossexuais desde o início da adolescência até a idade adulta ajustando para fatores como sexo, idade, nível de educação materna e classe social.

Segundo os pesquisadores, os resultados indicam que os sintomas de depressão já eram mais comuns nos jovens de minorias sexuais a partir dos dez anos, se desenvolvendo rapidamente durante a adolescência e continuando até os 18 anos. A partir desta idade, no entanto, a ocorrência destes sintomas começa a cair especialmente entre os jovens das minorias sexuais. Os pesquisadores acreditam que isso acontece por um aumento da independência desses jovens, bem como mudanças em seus grupos de amigos.

Mas os resultados também apontam que os jovens de minorias sexuais tinham quatro vezes mais probabilidade de relatarem práticas de autoflagelação tanto aos 16 quanto aos 21 anos. Além disso, estes jovens tinham mais de quatro vezes o risco de se ferirem com intenções suicidas aos 21 que seus colegas heterossexuais.

Embora destaquem que o estudo é observacional, não permitindo assim tirar conclusões relativas a causa e efeito, os pesquisadores acreditam que a pior estado de saúde mental relatado pelos jovens de minorias sexuais se deve em parte a um meio social hostil e estressante para pessoas com sua orientação, relacionado a questões como estigma, preconceito e discriminação.

— A falta de modelos de pessoas pertencentes a minorias sexuais e a aceitação inquestionável de conceitos rígidos de comportamentos de gênero devem ser objetos de atenção nas escolas e na sociedade em geral — defende Gemma. — Temos que assegurar que os médicos e aqueles trabalhando na área de saúde mental estejam atentos a esta desigualdade e reconheçam as necessidades das minorias sexuais.

O Globo