Saúde

Após nota técnica, Natal suspende vacinação de adolescentes sem comorbidades contra a Covid e consultará Ministério da Saúde

Foto: Reprodução

A Prefeitura de Natal suspendeu a vacinação de adolescentes sem comorbidades contra a covid-19 após a publicação de uma nota técnica do Ministério da Saúde, segundo confirmou a Secretaria Municipal de Saúde. A suspensão foi anunciada no início da manhã desta quarta-feira (16), para quando estava marcado o início da imunização de adolescentes com 17 anos sem comorbidades na capital potiguar. De acordo com a coordenadora de vigilância em Saúde, Juliana Araújo, a vacinação segue ocorrendo para adolescentes com comorbidades e o público-geral a partir dos 18 anos.

A nota técnica seguida pelo município foi publicada no sistema do Ministério da Saúde por volta das 21h30 da quarta-feira (15) e é assinada eletronicamente por Rosana Leite de Melo, secretária extraordinária de Enfrentamento à Covid.

“Quando recebemos essa nota, entrei em contato com a gestão e por cautela, por segurança, a gente suspende até que todos os questionamentos sejam esclarecidos, e que a gente possa ter uma vacinação eficaz”, afirmou ao Bom Dia RN, da Inter TV Cabugi.

Juliana informou que procurou o Ministério da Saúde para tirar dúvidas sobre o assunto. O ministério ainda não se posicionou sobre o documento.

Opinião dos leitores

  1. A COVID apresenta risco baixíssimo, quase inexistente, para adolescentes. Os riscos que se corre com as vacinas são MUITO superiores. A única vacina AUTORIZADA para adolescentes é a da Pfizer, que tem ocasionado casos de miocardite, até mesmo com óbitos. Analisando a relação custo-benefício, portanto, não se recomenda que adolescentes tomem essa vacina.

    1. Irresponsabilidade, mais uma. O que acontece é que os irresponsáveis do MS não têm como garantir vacinas. Fazem proselitismo, anunciam e depois da ré. Bem ao estilo de ré do presidente. Uma bagunça esse governo. Isso só gera insegurança e os bichos saem a dá chifrada. Já tem um chifrudo, do alto da sua ignorância, dizendo que há mais risco em vacinar adolescente do que ele adoecer de covid. Até a saída dessa gente desqualificada, será assim, diz, desdiz, faz, desfaz. Só não desmonta os aumentos de combustíveis, de gás, de energia, de alimentos, de desemprego, da inflação da pobreza, da fome, da miséria. Isso não recua de jeito nenhum. Nem os privilégios do clã.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

São Gonçalo já vacina contra a Covid adolescentes de 14 anos sem comorbidades

Fotos: Isaias Carlos

A Prefeitura de São Gonçalo do Amarante/RN iniciou, nesta quarta-feira (15), a vacinação contra a covid-19 para adolescentes de 14 anos ou mais, com e sem comorbidades. A imunização está acontecendo nos ginásios do Amarante e Santo Antônio do Potengi, em horário estendido, das 8h às 12h, e das 16h às 20h.

É necessário que o responsável faça o cadastro do adolescente na plataforma do RN Mais Vacina, e o acompanhe durante a vacinação. Também é preciso levar cópia do documento oficial com foto do responsável e do adolescente, além do comprovante de residência.

Já as gestantes, puérperas e lactantes de 12 a 17 anos estão sendo vacinadas nas unidades de saúde de Santo Antônio e Mangueirão, das 8h às 12h.

População adulta

O município segue vacinando, com a primeira dose, toda população acima de 18 anos. E a segunda dose, para quem tomou a Oxford/AstraZeneca e Pfizer até dia 20 de julho, e Coronavac, há 28 dias.

Os pontos de vacinação são os mesmos, ginásios do Amarante e Santo Antônio, das 8h às 12h, e das 16h às 20h.

Para a D1 é necessário o comprovante de residência no nome, e documento oficial com foto. Se estiver no nome de algum familiar, comprovar grau de parentesco. Já para D2, cartão de vacina e documento oficial com foto.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Natal inicia vacinação de adolescentes de 12 anos com deficiência permanente ou comorbidade

Foto: Joana Lima/Secom

A Prefeitura de Natal avança nas etapas de imunização do Plano Nacional de Imunização e nesta quarta-feira (15) inicia a vacinação de adolescentes na faixa etária dos 12 anos e mais com comorbidade ou deficiência permanente. Este público poderá se dirigir a qualquer ponto de aplicação de vacina contra a Covid-19 da capital, acompanhados dos pais ou representantes legais, sendo necessário comprovar que pertencem ao grupo prioritário.

Documentação

Os adolescentes que possuem deficiência permanente devem apresentar laudo médico ou uma cópia do documento oficial de identidade com indicação de deficiência ou qualquer outro documento que indique tal condição, além do cartão de vacinação e comprovante de residência de Natal.

Para os adolescentes com comorbidade, é necessário apresentar cópia de um dos documentos como laudos com descritivo ou CID da doença ou condição de saúde; ou declarações com descritivo ou CID da doença ou condição de saúde; ou prescrições médicas (Somente as que tiverem carimbo ou cupom grampeado da farmácia da UBS ou PROSUS ou Unicat ou Hiperdia); ou relatórios médicos com descritivo ou CID da doença ou condição de saúde ou ainda cadastro no HIPERDIA, PROSUS ou Unicat.

A lista das comorbidades descritas no Plano Nacional de Operacionalização pode ser acessada no https://vacina.natal.rn.gov.br. No site, também constam a relação com os endereços das UBS, tempo de espera na fila nos drives e todas as informações da vacinação da capital. Para agilizar o processo de imunização, é ideal que seja efetuado o cadastro no RN Mais Vacinas.

Segunda dose

A segunda dose dos imunizantes está disponível nos quatro drives ou nas 35 salas de vacinação.

CORONAVAC
As pessoas que completaram os 28 dias da primeira dose do imunizante Coronavac podem procurar as 35 UBS ou qualquer drive-thru.

OXFORD
Para quem se vacinou até o dia 08 de julho a vacina está disponível.

Grávidas que tomaram a D1 de Oxford

As gestantes que tomaram a primeira dose com o imunizante Oxford e que, por recomendação do Ministério da Saúde, não tomaram a segunda dose poderão completar seu esquema vacinal com o imunizante da Pfizer nas 35 UBS ou qualquer drive de vacinação.

PFIZER
A vacina está liberada para quem tomou a primeira dose até 08 de julho.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

São Gonçalo vacina contra a Covid adolescentes de 16 e 17 anos nesta terça-feira

Foto: Divulgação

A Prefeitura de São Gonçalo do Amarante/RN vai iniciar a vacinação contra a covid-19 para adolescentes de 16 e 17 anos, com e sem comorbidades, nesta terça-feira (14). A imunização acontecerá nos ginásios do Amarante e Santo Antônio do Potengi, em horário estendido, das 8h às 12h, e das 16h às 20h.

É necessário que o responsável faça o cadastro do adolescente na plataforma do RN Mais Vacina, e o acompanhe durante a vacinação. Também é preciso levar cópia do documento oficial com foto do responsável e do adolescente, e comprovante de residência.

E nas unidades de saúde de Santo Antônio e Mangueirão, das 8h às 12h, estão sendo vacinadas as gestantes, puérperas e lactantes de 12 a 17 anos.

População adulta

O município segue vacinando, com a primeira dose, toda população acima de 18 anos. E a segunda dose, para quem tomou a Oxford/AstraZeneca e Pfizer até dia 20 de julho, e Coronavac, há 28 dias.

Os pontos de vacinação são os mesmos, ginásios do Amarante e Santo Antônio, das 8h às 12h, e das 16h às 20h.

Para a D1 é necessário o comprovante de residência no nome, e documento oficial com foto. Se estiver no nome de alguma familiar, comprovar grau de parentesco. Já para D2, cartão de vacina e documento oficial com foto.

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Natal inicia neste sábado vacinação contra Covid de adolescentes com comorbidades ou com deficiência permanente

A Prefeitura de Natal vai começar neste sábado (11) a vacinação de adolescentes com idade de 17 anos com comorbidade ou com deficiência permanente e os privados de liberdade. Essas pessoas podem se dirigir a um dos quatro drives. Na segunda-feira (13), além dos drives, os adolescentes podem procurar também umas das 35 salas de vacinação, sendo necessário comprovar que pertencem a esses grupos. Já a vacinação dos adolescentes privados de liberdade será realizada in loco.

O quantitativo de doses recebido pela Secretaria Municipal de Saúde é considerado abaixo do necessário para ampliar a vacinação para outras faixas. Natal recebeu na manhã desta sexta-feira (10) 8.784 doses do imunizante Pfizer. Segundo a nota técnica, o Município possui 77.002 adolescentes (12 a 17 anos).

Os adolescentes deverão comparecer aos pontos de vacinação acompanhados dos pais ou responsáveis legais. “À medida que o Ministério da Saúde enviar mais doses, vamos ampliando a faixa etária dos adolescentes. Portanto, é importante que as famílias providenciem a documentação”, afirma George Antunes, Secretário de Saúde de Natal.

Documentação

Os adolescentes que possuem deficiência permanente devem apresentar laudo médico ou uma cópia do documento oficial de identidade com indicação de deficiência ou qualquer outro documento que indique tal condição, além do cartão de vacinação e comprovante de residência de Natal.

Para os adolescentes com comorbidade, é necessário apresentar cópia de um dos documentos como laudos com descritivo ou CID da doença ou condição de saúde; ou declarações com descritivo ou CID da doença ou condição de saúde; ou prescrições médicas (Somente as que tiverem carimbo ou cupom grampeado da farmácia da UBS ou PROSUS ou UNICAT ou Hiperdia); ou relatórios médicos com descritivo ou CID da doença ou condição de saúde ou ainda cadastro no HIPERDIA, PROSUS ou UNICAT.

A lista das comorbidades descritas no Plano Nacional de Operacionalização pode ser acessada no https://vacina.natal.rn.gov.br.

No site, também consta a relação com os endereços das UBS, tempo de espera na fila nos drives e todas as informações da vacinação da capital.

Para agilizar o processo de imunização, é ideal que seja efetuado o cadastro no RN Mais Vacinas.

Cobertura

“Paralelamente à vacinação dos adolescentes continuamos vacinando 18 anos mais, e novamente fazemos um apelo para que esses jovens compareçam para receber sua dose contra a Covid-19. Na faixa etária de 18 a 29 anos, atingimos 77% do público. A meta do Ministério da Saúde é vacinar 85%, mas a nossa meta é vacinar 100%”, afirma George Antunes.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Natal ainda não recebeu doses para ampliar vacinação contra a Covid-19 aos adolescentes

A Secretaria de Saúde de Natal informa à população que até o momento não recebeu as doses de vacina contra Covid-19 destinada ao grupo dos adolescentes e também à terceira dose dos idosos, para poder ampliar o esquema vacinal.

Assim que as doses forem entregues, a SMS Natal vai organizar a logística e comunicar como será o cronograma. Devido à falta de envio, o início da vacinação desses públicos não será possível nesta sexta-feira (10).

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Sesap distribui vacinas contra Covid-19 para imunização de adolescentes de 12 a 17 anos com comorbidades e deficiências

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) distribui, a partir da manhã desta sexta-feira (10), a primeira carga de vacinas contra a Covid-19 para atender os adolescentes que moram no Rio Grande do Norte.

Os jovens entre 12 e 17 anos serão imunizados com doses de Pfizer. O primeiro lote que será entregue aos municípios chegou ao estado nesta quinta-feira (9), com 19.890 unidades.

Como o quantitativo não é suficiente para atender todo o novo público a ser vacinado, a Comissão Intergestores Bipartite (CIB), que reúne Sesap e municípios potiguares, decidiu que a prioridade será para atender os adolescentes com comorbidades e deficiências, de forma decrescente dentro da faixa etária.

A medida segue a orientação do Plano Nacional de Imunizações (PNI), apontada desde o início da campanha de vacinação contra a Covid-19 no país.

De acordo com a pactuação feita na CIB, os municípios que tiverem doses à disposição poderão avançar no início do processo de imunização entre os adolescentes.

Durante a reunião, também ficou acertado o escalonamento para a aplicação da dose de reforço nos idosos, planejada para começar no próximo dia 15. A partir do quantitativo de vacinas a ser entregue pelo Ministério da Saúde, os municípios deverão priorizar os idosos acamados, depois seguir por idade até chegar aos 70 anos.

Distribuição

Junto ao lote de Pfizer para os adolescentes, a Sesap também fará a distribuição de doses da Coronavac/Butantan que chegam ao RN nesta quinta-feira à tarde. São 34.200 vacinas, divididas por igual entre primeira e segunda doses.

Este lote não faz parte da carga que está bloqueada pelo Ministério da Saúde para inspeção.

Com essas unidades da Coronavac, o RN totaliza 54.090 doses recebidas nesta quinta-feira, após incorporar mais de 135 mil doses na primeira semana de setembro.

De acordo com a plataforma RN+ Vacina, até meados desta manhã 2,1 milhões de moradores do estado tomaram ao menos uma dose da vacina contra a Covid-19, representando 81% dos adultos. Com dose única ou as duas doses, a fração é de 39% da população adulta (1.054.949 pessoas). O total de doses aplicadas e registradas pelos municípios na plataforma é de 3,2 milhões.

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

EFEITO PERVERSO DA PANDEMIA: Estudo mundial constata o aumento explosivo de ansiedade e depressão entre crianças e adolescentes

ISOLADA - Longe dos amigos: no confinamento forçado, a vida dos pequenos ficou imprevisível e cheia de incertezas – Foto: ozgurdonma/Getty Images

As crianças e adolescentes vivem uma contradição nesta pandemia. Se eles são mais resistentes à ação nefasta do vírus do que os adultos, suas mentes estão entre as vítimas preferenciais do cenário atual. Um dos mais completos estudos já realizados sobre os efeitos da Covid-19 na saúde psicológica identificou o aumento explosivo de sintomas de ansiedade e depressão entre jovens, considerando desde a primeira infância até pouco antes de se tornarem maiores de idade. O levantamento coordenado pela Universidade de Calgary, do Canadá, compilou informações de 29 estudos que abordaram os desígnios mentais de 80 000 pequenos participantes de diversas partes do mundo, inclusive da América do Sul. O porcentual de jovens ansiosos saltou de 11,6% antes da pandemia para 25,2% agora — trata-se de um aumento superior a 100%. Para ficar claro: um em cada quadro jovens desenvolveu algum tipo de ansiedade enquanto o novo coronavírus se multiplicava pelo mundo. Os depressivos eram 12,9% nos tempos pré-Covid e são 20,5% atualmente.

Foto: Arte depressão

A juventude é um período único da vida. Nessa fase, são comuns rompantes de felicidade entremeados com momentos de angústia, tudo junto e misturado em uma sinfonia de pensamentos típicos da tenra idade. Os psicólogos dizem que, nesse período mágico, os jovens precisam de rotina, ordem e equilíbrio — tudo aquilo que a pandemia aniquilou de forma repentina. A vida ficou imprevisível, cheia de incertezas. Com as restrições de circulação, o convívio social foi abruptamente interrompido. Amigos de escola, colegas de clube, parceiros de baladinhas para os adolescentes, todos eles saíram de cena, e a tela do smart­phone, computador ou TV passou a ser, durante um bom tempo, o único ponto de contato com o mundo lá fora. “Estar socialmente isolado, afastado dos amigos, das rotinas escolares e das interações sociais revelou ser muito duro para os jovens”, diz Sheri Madigan, uma das autoras do estudo.

Foto: Arte depressão

Os meses de isolamento foram, de fato, terríveis. Rejane Tardelli, mãe de Maria Fernanda, de 12 anos, e João Guilherme, de 14, identificou uma mudança negativa no humor dos filhos desde o começo da pandemia. Para entender o problema, ela agendou consultas com uma psicóloga para toda a família — e, sim, a crise se devia ao isolamento imposto pelo vírus. Maria Fernanda conta que, com a suspensão da escola e das aulas de futebol, tênis e skate, a vida piorou. “Fiquei mais triste mesmo”, resume a garota. Ela teve de trocar o contato com amigos e colegas por brincadeiras com o cachorro e mais tempo on-­line, em sites como o YouTube.

A volta às aulas pode ser um antídoto contra a ansiedade e a depressão. As escolas obviamente favorecem o contato próximo entre os jovens, mas elas também estão atentas aos incômodos mentais. Segundo Claudia Santos Ferreira, psicóloga do Colégio Pensi, no Rio de Janeiro, a procura dos estudantes por conversas ou atendimentos cresceu de modo significativo desde o começo da pandemia, inclusive entre crianças com menos de 10 anos. “Entre nossos alunos, aumentaram muito as queixas daquilo que os menores chamam de tristeza e os mais velhos, de depressão”, afirma Claudia. “Eles têm falado frequentemente sobre dificuldades nas relações com os colegas, da sensação de isolamento e do frequente desinteresse pelos estudos.”

O fenômeno é notado em diversos colégios. Meire Nocito, diretora educacional do Visconde de Porto Seguro, de São Paulo, reforça o papel vital do retorno às aulas presenciais. “Na escola, o jovem tem autonomia, ao contrário do ambiente doméstico, onde fica muito vinculado à família”, diz. “Em tempos de pandemia, ele precisa estar em um lugar onde aprende a lidar sozinho com conflitos.” Brae Anne McArthur, uma das pesquisadoras que conduziu o estudo da Universidade de Calgary, concorda com esse ponto de vista. “Sabemos que jovens se dão bem com rotinas claras”, diz. “Por isso, o retorno à escola e a atividades extracurriculares é muito importante, podendo acrescentar mais pontos de apoio à saúde mental de crianças e adolescentes.”

A história ensina que as grandes crises costumam ser devastadoras para as novas gerações. Durante a II Guerra, crianças da então Prússia Oriental foram separadas de suas famílias e, para escapar da morte, vagaram por florestas durante meses. Devido aos hábitos selvagens que acabaram adquirindo, receberam o apelido de crianças-lobo. Durante anos, esses ex-andarilhos, mesmo depois de reintegrados à sociedade, conviveram com os danos psicológicos provocados pela experiência traumatizante. Um famoso estudo dessa época reforçou a importância da manutenção de laços familiares. Durante os confrontos, milhares de crianças foram retiradas de Londres e outras cidades para morar em lares adotivos no interior da Inglaterra. Segundo a pesquisa, os jovens que ficaram com suas famílias, mesmo debaixo de bombardeio, eram mais “felizes” — na medida do possível, ressalte-se — do que os exilados.

O curioso é que, na pandemia do século XXI, muitos laços familiares foram revigorados graças ao confinamento forçado. Para muitas famílias, o período dentro de casa ajudou a aproximar pais e filhos. “Algumas crianças relataram que essa fase trouxe aspectos positivos e oportunidade de crescimento”, diz Guilherme Polanczyk, psiquiatra de crianças e adolescentes e professor da USP. Isso certamente ocorreu em muitos lares, mas o quadro geral mostra que a pandemia provocou estragos que deverão ser duradouros. Na psicologia, um evento traumático ocorrido hoje vai reverberar apenas amanhã, em um processo que pode levar meses ou anos. Seja como for, apenas o futuro será capaz de dimensionar o real estrago provocado por um vírus que obrigou a sociedade a se reorganizar, alterando hábitos enraizados. É certo que as crianças e adolescentes sofreram, só não se sabe exatamente quanto. Mas é certo também que vão se restabelecer.

Veja

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Ministério da Saúde define prioridades para a vacinação de adolescentes; doses para jovens de 12 a 17 anos devem ser enviadas a partir de 15 de setembro

Foto: Márcia Foletto / Agência O Globo

O Ministério da Saúde distribuirá doses para a vacinação de jovens a partir do próximo dia 15. Na faixa etária de 12 a 17 anos, haverá cinco categorias prioritárias: a imunização deverá começar pelos adolescentes com deficiências permanentes, seguida dos que sofrem de comorbidade. Depois, vêm as grávidas e puérperas (mulheres até 45 dias pós-parto) e os que estão em privação de liberdade. Por último, será a vez dos que não têm doenças preexistentes.

A pasta defendeu incluir os adolescentes no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra Covid-19 (PNO) só após a aplicação da primeira dose em toda a população adulta, a partir de 18 anos. Conforme o anúncio do ministério, a data para atingir essa marca é 15 de setembro.

“O avanço da vacinação no país permitiu a conclusão da vacinação dos grupos prioritários elencados no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 e que há a previsão de que até o dia 15 de setembro de 2021 tenhamos concluído o envio de doses suficientes para vacinar 100% da população brasileira maior de 18 anos com pelo menos a primeira dose, o que automaticamente incluirá as gestantes, as puérperas e as lactantes, com ou sem comorbidade nesta faixa etária”, diz a nota técnica, assinada pela secretária extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, Rosana Melo.

O ministério define as orientações dentro do Programa Nacional de Imunizações (PNI), mas estados e municípios têm autonomia para definir cronogramas de vacinação. Nesse sentido, localidades como o Distrito Federal e as capitais Rio de Janeiro, São Paulo e São Luís já iniciaram a imunização dos jovens.

A única vacina aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para o grupo é a Comirnaty, da Pfizer. Na falta dela, adolescentes devem se dirigir a outras cidades:

“A operacionalização da vacinação destes grupos, em municípios que não dispõem ainda de capacidade para uso desta vacina (Pfizer), deverá ser articulada entre estados e municípios, visando ofertar alternativas para permitir a vacinação daqueles em maior risco, como, por exemplo, o deslocamento dos indivíduos a serem vacinados para municípios próximos com condição de oferta da referida vacina”, continua o comunicado.

O imunizante da Pfizer também será preferencialmente aplicado como dose de reforço, a partir da segunda quinzena de setembro, em idosos a partir de 70 anos e que tenham completado o esquema vacinal há seis meses. Também serão contempladas as pessoas imunossuprimidas — com câncer, HIV ou que receberam transplante, por exemplo — que tenham tomado a segunda dose há 28 dias.

Ambas as estratégias devem caminhar lado a lado. Diferente dos adolescentes, no entanto, esses dois grupos poderão tomar AstraZeneca ou Janssen na falta dela. Ainda sem registro definitivo na Anvisa, a CoronaVac não deverá ser administrada. Além de gerar maior resposta imune em idosos e imunodeprimidos, por causa da tecnologia do RNA mensageiro, a vacina da Pfizer também será a mais disponível a partir deste mês.

Até o fim do ano, o Brasil deverá somar 200 milhões de doses do laboratório, com a finalização de dois contratos. Só para setembro, a previsão é de 44.531.370 doses da Comirnaty. O número é bem maior que as 12.033.990 doses previstas para a AstraZeneca, entregues pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), e das 6.115.652 restantes da CoronaVac. Os dados são do cronograma divulgado semanalmente pelo ministério.

O Globo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Cidade de São Paulo inicia imunização contra Covid de adolescentes de 15 a 17 anos sem comorbidades nesta segunda-feira

Foto: Divulgação/Ascom

A cidade de São Paulo começa nesta segunda-feira (30) a aplicação da vacina contra Covid-19 em adolescentes de 15 a 17 anos sem comorbidades. A prefeitura estima que cerca de 357 mil jovens estejam nessa faixa etária e precisam da imunização.

O início da vacinação desse grupo só foi possível porque a cidade recebeu na sexta-feira (27) cerca de 400 mil novas doses da vacina Pfizer, única autorizada até agora pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para imunização de menores de idade no Brasil.

Adolescentes que já tomaram a 1ª dose também podem se inscrever na chamada lista da “xepa” para adiantar a 2ª dose (veja mais abaixo).

Para se vacinar em SP é obrigatório apresentar comprovante de residência na capital, um documento de identificação e estar acompanhado pelo responsável no momento da vacinação. Se isso não for possível, é necessário estar com um adulto e apresentar uma autorização assinada pelo responsável.

Além do novo grupo, a capital paulista vai continuar vacinando jovens de 12 a 17 anos com comorbidades, deficiência permanente (física, sensorial ou intelectual), gestantes e puérperas.

Segundo a gestão municipal, até este domingo (29) a capital paulista vacinou apenas 25% dos adolescentes desse grupo, apesar da instalação de postos de vacinação em sete parques da cidade no fim de semana.

Calendário atualizado de vacinação na capital:

Segunda-feira (30): Jovens de 15 a 17 anos, além de jovens de 12 a 17 com comorbidades, gestantes, puérperas e pessoas acima de 18 anos;

(Datas das outras faixas etárias ainda não foram divulgadas pela prefeitura).

Toda a rede deve estar em operação para a vacinação nesta segunda-feira: 468 Unidades Básicas de Saúde (UBSs); megapostos com acesso a pedestres, postos que funcionam exclusivamente em sistema drive-thru e a rede de farmácias parceiras. A vacina também estará disponível em AMAs/UBSs Integradas, unidades do Serviço de Atenção Especializada (SAE) e nos Centros de Saúde. (Veja a lista completa dos endereços)

Pelo Filômetro, é possível acompanhar a situação de espera nos postos de vacinação contra Covid-19 que estão em funcionamento na cidade. Na página também é possível conferir quais vacinas estão disponíveis para aplicação de segunda dose em cada unidade.

‘Xepa’ da 2ª dose

A Prefeitura de São Paulo informou também que a partir desta segunda (30) as doses remanescentes das vacinas contra a Covid-19 serão destinadas também aos adolescentes com mais de 12 anos sem comorbidades.

Os adolescentes que já tomaram a primeira dose a mais de 30 dias podem se inscrever na chamada “xepa da vacina” para adiantar a aplicação da segunda dose.

“A aplicação de doses remanescentes está sujeita à disponibilidade ao final do dia em cada Unidade Básica de Saúde (UBS). Cada unidade de saúde deverá organizar uma lista de espera com os usuários de sua área de abrangência, que atendam aos critérios de intervalo entre as doses, com telefones para convocação do público interessado. Pode ser se inscrever quem mora, estuda ou trabalha na região da unidade”, informou a gestão municipal.

Para se inscrever na lista da “xepa” é necessário apresentar comprovante de residência no município. As inscrições podem ser realizadas durante o horário de funcionamento das UBSs e o chamamento é realizado por ordem de inscrição

Quem estiver aguardando a segunda dose do imunizante pode se cadastrar na fila de espera por doses remanescentes, a chamada “xepa da vacina”, em uma Unidade Básica de Saúde (UBS).

Pode ser contemplado pela “xepa” quem tiver tomado a primeira dose da AstraZeneca ou da Pfizer há pelo menos 30 dias. No caso da CoronaVac, é preciso ter tomado a primeira dose há, no mínimo, 15 dias. Para se inscrever, é preciso levar um comprovante de residência até um posto de saúde e aguardar ser chamado.

G1

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

PF investiga adolescentes por plano de massacre em escolas do RN; outros dois estão na mira por ‘ato preparatório de terrorismo’

Dois adolescentes do Rio Grande do Norte são investigados por supostamente planejarem um massacre em escolas na cidade de Campo Redondo, a 147 quilômetros de Natal. Um deles mora na cidade onde aconteceria o atentado e o outro é de Itumbiara, interior de Goiás. Ambos são primos e são potiguares. Na ação, seriam utilizadas armas químicas, conhecidas como “coquetel molotov”. Segundo as investigações, há ainda outros dois adolescentes envolvidos e a investigação será conduzida pela Polícia Federal como ato preparatório de terrorismo.

A Polícia Civil do RN foi até a casa de um dos adolescentes e informou o caso aos pais. Os jovens têm entre 14 e 15 anos e segundo as investigações preliminares, se inspiram no massacre de Columbine, ocorrido em abril de 1999, quando 15 pessoas morreram numa escola do Colorado, nos Estados Unidos. As motivações dos adolescentes serão investigadas pela Polícia Federal. A operação foi coordenada pela Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça e Segurança Pública (SEOPI-MJSP), através do Laboratório de Operações Cibernéticas (CIBERLAB), contou com a participação da Agência de Investigações de Segurança Interna da Polícia de Imigração e Alfândega dos Estados Unidos (Homeland Security Investigations – HSI).

Matéria completa AQUI.

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

‘Matar todo mundo’: imprensa nacional destaca adolescentes detidos que planejavam ataque a escola no RN

Conversa entre adolescentes detidos por suspeita de planejar massacre em escola Foto: Reprodução

Dois adolescentes foram detidos neste domingo por suspeita de planejarem um ataque a escolas no Rio Grande do Norte. Um deles mora no município potiguar de Campo Redondo e o outro vive em Itumbiara, em Goiás. Eles são primos e desenvolviam plano de atacar uma unidade de ensino com “coquetel molotov”.

Em uma mensagem de celular divulgada pela Polícia Civil de Goiás, um deles escreve que vai “matar todo mundo”. O mais novo, de 14 anos, mora no interior goiano e estava com viagem programada para encontrar o mais velho, de 15 anos, em Campo Redondo.

“O adolescente que reside em Itumbiara estava com viagem marcada para Campo Redondo e, nos próximos dias, certamente se encontraria com o primo que lá reside, o que tornava ainda mais concreta a chance deles materializarem seus planos de massacres”, informou a Polícia Civil do Goiás, por meio de nota.

Os policiais civis do Rio Grande do Norte acrescentaram que equipes às casas onde os adolescentes moram e fizeram a detenção. “Os responsáveis por eles foram acionados e os apresentaram na delegacia, onde houve a confirmação dos fatos apurados”, escreve a corporação.

De acordo com as investigações, as informaçaões iniciais eram de que pelo menos quatro adolescentes realizavam planejamento para invadir duas escolas. Após a investigação das polícias do RN e de Goiás, os agentes chegaram aos dois jovens detidos. Eles também demonstraram intenção de tirar a própria vida após os atos.

“Os jovens já haviam, inclusive, escolhido pela internet as roupas que usariam durante o massacre e estavam na fase de planejamento, para testar os equipamentos que usariam”, informou a polícia goiana.

A operação foi coordenada pela Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça e Segurança Pública (SEOPI-MJSP), por meio do Laboratório de Operações Cibernéticas (CIBERLAB), e contou com a participação da Agência de Investigações de Segurança Interna (Homeland Security Investigations – HSI).

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Ôôô Luquinha,se caso tivesse um filho seu lá nessa escola que esses demônios estavam planejando fazer o mesmo que fizeram em Realengo será que vc iria passar a mão dessas crianças inocentes,que iria atrás desse estado de excessão para nao meterem uma bala de fuzil na cara desses excrementos .Eu particularmente iria vibrar a cada pedaço desses insetos que voasse pelos ares.

  2. Ôôô Luquinha,se caso tivesse um filho seu lá nessa escola que esses insetos estavam planejando fazer o mesmo que fizeram em Realengo será que vc iria passar a mão dessas crianças inocentes,que iria atrás desse estado de excessão para nao meterem uma bala de fuzil na cara desses insetos.Eu particularmente iria vibrar a cada pedaço desses insetos que voasse pelos ares.

  3. A favor de fuzilar jovem não, mas a favor de neutralizar seja lá quem for que esteja prestes a queimar vivos adolescentes e professores inocentes .

  4. Galera, vamos com calma. Isso não deve ter passado de brincadeira na rede, apenas isso. Qualquer um pode escrever qualquer besteira por aí. Isso é mais um caso de histeria da população já nervosa com a pandemia e da polícia!

    1. O problema dessa geração é a nossa geração que não sabe educar e que acha que menor não sabe o que faz…. é que é BRINCADEIRA. SAUDADE DA DECADA DE 80.

    2. Daniel e se não for histeria coletiva? E se realmente acontecer conforme outra escola há 3 anos atrás? E se seu filho for o sorteado no dia do ataque?
      No aguardo da resposta!!!

    3. Para a polícia ter investigado, os jovens provavelmente devem ter deixado rastros de já estarem com algumas ações encaminhadas para o tal desfecho, como as compras de materiais e equipamentos ou outras atividades suspeitas.

    4. Existem muito servidor público querendo visibilidade encima do episódio!

  5. como nossa lei protege esses bandidos chamado de adolescente infrator, seria bom que eles trocassem tiro com a policia,para cancelamento de cpf e já seria um eleitor a menos dos ptralhas

    1. Não dará em nada. Segundo o ECA, são menores infratores.

  6. como nossa lei protege bandidos chamado de adolescente infrator, seria bom que eles trocassem tiro com a policia, já seria um eleitor a menos dos ptralhas

  7. Era para a polícia ter ficado acompanhando os passos desses insetos,e no momento da ação FUZILAR todos,deixar só o bagaço desses trates.

    1. Você REALMENTE é a favor de fuzilar um jovem de 14 anos, sem estar em estado de exceção?

  8. Parabéns a policia civil, essa mesma policia, que a “fessora fatima” mandou prender e conduzir a delegacia, qualquer policial que esteja, acompanhando outras pessoas na ZN

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Polícia Civil do RN e GO identificam adolescentes que planejavam ataques a escolas com “coquetel molotov”

Policiais civis da 9ª Delegacia Regional de Polícia (9ª DRP) de Santa Cruz, em ação conjunta com a 6ª Delegacia Regional de Polícia de Itumbiara/GO e a Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Cibernéticos de Goiás (DERCC), identificaram e localizaram, nesse domingo (15), adolescentes que planejavam ataques a escolas no município de Campo Redondo.

A operação, que foi coordenada pela Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça e Segurança Pública (SEOPI-MJSP), através do Laboratório de Operações Cibernéticas (CIBERLAB), contou com a participação da Agência de Investigações de Segurança Interna da Polícia de Imigração e Alfândega dos Estados Unidos (Homeland Security Investigations – HSI).

Segundo as investigações, pelo menos quatro adolescentes realizavam esse planejamento de invasão a duas escolas. Dentre eles, estão dois primos, um residente na cidade de Campo Redondo e outro em Itumbiara/GO. Na ação, seriam utilizadas armas químicas, conhecidas como “coquetel molotov”.

Ainda durante as investigações, apurou-se que os jovens já haviam escolhido pela internet as roupas que seriam utilizadas e, em seguida, testariam os equipamentos que seriam usados por eles durante a ação nas escolas.

As equipes se deslocaram até as residências e localizaram os adolescentes. Os responsáveis por eles foram acionados e os apresentaram na delegacia, onde houve a confirmação dos fatos apurados. Além disso, foi confirmado pelos familiares, que o adolescente residente em Itumbiara estaria com viagem marcada para interior do Rio Grande do Norte.

A Polícia Civil solicita que a população continue enviando informações de forma anônima, por meio do Disque Denúncia 181.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN – SECOMS

Opinião dos leitores

  1. Pois é, depois 16 anos com a petralhada ensinando q fumar maconha é uma das conquistas da educação, o q esperar dos milhões q foram doutrinados por professores psicopatas? A maioria dos jovens sem rumo e envolvidos no tráfico provém desse 16 anos de atraso educacional e o pior, professores militantes, miseravelmente, insistem em não profissionalizar os jovens.

  2. Não sabia que o governo incentivou a população a utilizar coquetel Molotov. Tem cada idiota petralha !

  3. Esse é o exemplo que esse ladrão miliciano e genocida vai deixar pro Brasil isso se deve a ele incentivar compras de armas a população e sobre cai nos adolescentes invés de investir a população a compras de armas incentive a compra de livros notebooks e crie mais vargas em universidades e instituições federais siga o exemplo do melhor presidente desse país oh genocida ladrão

    1. Kkkkkkkkkkkkk é muita inocencia! deuxa essas crianças te pegarem! Ai tu vai ver o que é não tef ums arma!

    2. O engraçado é que esses inocentes aí foram educados na base do GOVERNO do PT, mas a culpa é do presidente, não entendo como 16 anos de governo e o PT não criou uma educação digna, pq hein?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

COVID: RN + Vacina permite pré-cadastro a partir desta segunda-feira para adolescentes de 12 a 17 anos

O RN + Vacina, sistema que monitora o processo de vacinação no Rio Grande do Norte ampliou o público contemplado pela campanha de imunização contra covid-19. Jovens entre 12 e 17 anos sem comorbidade podem, a partir desta segunda-feira, 26, fazer o pré-cadastro no RN+Vacina. A notícia é destaque na Tribuna do Norte.

Segundo o texto, a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sesap), não há, porém, previsão para que seja iniciada a vacinação dessas faixa etárias.

Site RN +Vacina: https://rnmaisvacina.lais.ufrn.br/cidadao/

Opinião dos leitores

  1. Tentei fazer o cadastro do meu filho de 14 anos e o app não cadastra. Não reconhece a data de nascimento do meu filho e diz q menor de 18 anos tem que ser cadastrado pelos pais, mas não abre nenhum campo para tal cadastramento.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Reabertura segura das escolas é urgente para garantir direitos de crianças e adolescentes, diz manifesto assinado por UNICEF, UNESCO e OPAS/OMS

Manifesto assinado por UNICEF, UNESCO e OPAS/OMS destaca indícios de melhora nos números da pandemia e destaca a urgência e necessidade de reabertura das escolas para garantir direitos de crianças e adolescentes.

Leia abaixo o manifesto:

Chegamos a julho de 2021, com o fim de mais um semestre escolar. Os números da pandemia da Covid-19 seguem preocupantes, mas existem indícios de melhora. Em muitos lugares, as atividades comerciais e de lazer foram há muito tempo retomadas. Contudo, a maioria das escolas continua fechada. Uma pesquisa recente realizada pelo instituto Inteligência em Pesquisa e Consultoria (Ipec) para o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) mostra que apenas dois em cada dez estudantes brasileiros estão frequentando atividades escolares presenciais. Quando analisamos esse dado por classe social, as diferenças são enormes. Enquanto 40% dos filhos da classe A podem ter acesso a aulas presenciais, nas classes D e E, eles são somente 16%. A pandemia aprofundou o fosso das nossas desigualdades, e na educação o impacto é ainda maior.

A educação é um direito fundamental, que precisa ser preservado para todas as crianças e todos os adolescentes por igual. Mas, em casa, sem os recursos adequados para aprender – como um computador e acesso à internet de boa qualidade –, meninas e meninos em situação de pobreza e vulnerabilidade estão sendo deixados para trás. Muitos deles podem depender apenas de um celular para ter contato com professores e receber as atividades escolares. Mesmo com os esforços dos educadores, em novembro de 2020, o UNICEF apontou que mais de 5 milhões de crianças e adolescentes não tiveram acesso à educação – número equivalente ao cenário que o País tinha no início dos anos 2000.

Junto com todas as vidas perdidas, corremos o risco de perder o progresso alcançando com relação ao acesso de todas as crianças e todos os adolescentes a uma educação de qualidade, bem como de regredir duas décadas no acesso à educação básica. Somos um dos países em todo o mundo com o maior período de escolas fechadas. Como aponta o mapa de monitoramento interativo da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), em âmbito mundial, as escolas estiveram fechadas – total ou parcialmente – por uma média de 5,5 meses (22 semanas). Na maior parte dos países da América Latina, a média fica acima de 41 semanas. No Brasil, ela chega a 53 semanas. E isso, embora as escolas devam ser as últimas instituições a fechar e as primeiras a abrir – como ocorre em qualquer emergência humanitária.

O longo tempo de fechamento da maioria das escolas tem impactado profundamente não apenas a aprendizagem, mas também a saúde mental, a nutrição e a proteção de crianças e adolescentes. As escolas desempenham um papel primordial na vida de meninas, meninos e suas famílias. Elas são essenciais para o desenvolvimento de competências de interação social. Sem acesso à escola, crianças e adolescentes perdem o vínculo diário com colegas, professores e amigos, o que causa impactos profundos em sua saúde mental. A escola também tem um papel muito importante na proteção contra diferentes formas de violência – incluindo a violência doméstica, que aumentou na pandemia – e contra o trabalho infantil. Além disso, sem acesso à escola, metade das famílias com crianças e adolescentes diz ter ficado sem acesso à merenda escolar.

Uma reabertura segura e sustentável é urgente

Por todos esses impactos, chamamos atenção para a urgência de reabrir as escolas brasileiras, em segurança. Desde o início da pandemia, a Organização Mundial da Saúde (OMS), a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), o UNICEF e a UNESCO vêm trabalhando em conjunto no desenvolvimento de protocolos para orientar o processo de reabertura das escolas, no Brasil e no mundo.

Essas orientações mostram as medidas que devem ser adotadas para proteger a saúde de crianças, adolescentes, profissionais da educação e as famílias de todos. Os protocolos são organizados pela OMS em quatro níveis, de acordo com a situação da Covid-19 em cada lugar – sendo o nível 1 com poucos casos, e o 4, com maior transmissão. Para cada situação, há recomendações sobre as ações que devem ser tomadas no âmbito escolar. Mesmo no nível 4, os protocolos recomendam manter as escolas abertas sempre que possível, ainda que tomando todos os cuidados. A recomendação é fechá-las apenas em caráter de exceção.

Há uma clara orientação de sempre priorizar as escolas nas decisões sobre quando fechar e quando reabrir, bem como nos investimentos para isso. Existem muitos exemplos de sucesso de municípios brasileiros que adaptaram o funcionamento das escolas aos protocolos de segurança e, assim, continuaram garantindo o direito à educação para crianças e adolescentes.

Dentro da escola, é essencial adotar todos os protocolos de prevenção à Covid-19, como uso de máscaras (de acordo com o recomendado para cada idade), higienização das mãos, distanciamento social, etiqueta respiratória, ventilação dos espaços, limpeza e desinfecção dos ambientes, espaçamento das mesas e organização das turmas.

A reabertura pode incluir elementos de educação híbrida, uma combinação de educação presencial e a distância, e o rodízio de estudantes em grupos menores. Em caráter de exceção, onde não for possível serem ministradas aulas presenciais, as escolas devem ser mantidas abertas como pontos de apoio, para que famílias e estudantes possam retirar as atividades, acessar a internet e manter o vínculo com a própria escola. Todas as decisões devem envolver estudantes, famílias, educadores e toda a comunidade escolar. É preciso também revisar os currículos e rediscutir o financiamento da educação, de forma a reduzir as perdas cognitivas significativas decorrentes da pandemia.

Além de reabrir as escolas, é urgente ir atrás de cada criança, cada adolescente que não conseguiu continuar aprendendo na pandemia, ou que já estava fora da escola antes dela. Cabe aos municípios realizar a busca ativa desses estudantes, unindo esforços de diferentes áreas, incluindo educação, saúde, assistência social, as famílias e as lideranças comunitárias.

E é fundamental que o País invista fortemente na aquisição e na distribuição de vacinas contra a Covid-19, atendendo prioritariamente profissionais da linha de frente e dos serviços essenciais – como profissionais da saúde, da educação e da assistência social, entre outros. Temos de valorizar os esforços de cada um desses profissionais, que têm atuado de forma incansável para manter a aprendizagem de crianças e adolescentes, cuidar da saúde das pessoas e proteger meninas e meninos da violência.

Por fim, cada pessoa tem de fazer a sua parte para diminuir a circulação do novo coronavírus e conter a pandemia, investindo nas medidas não farmacológicas, usando máscaras, mantendo o distanciamento social, higienizando as mãos com frequência e seguindo as recomendações da ciência. Só assim todos, incluindo crianças, adolescentes e suas famílias, estarão seguros. E só assim será possível alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) até 2030.

Em agosto, começa um novo semestre letivo. É preciso agir agora e reabrir as escolas em segurança para garantir o direito de cada criança, adolescente e jovem brasileiro a uma educação de qualidade.

https://www.unicef.org/brazil/manifesto-unicef-unesco-opas-oms-reabertura-segura-das-escolas

Opinião dos leitores

  1. Vixi! Danou-se! Vai ter muito vagabundo disfarçado de professor que vai fazer greve em protesto a manifesto. O SINTE aqui já se pronunciou que os professores não devem voltar a lecionar. Se acostumaram com mais de 1,5 de pernas pra cima e querem continuar assim. O que eles menos querem e se preocupam é com a educação.

  2. Escola na visão da esquerda não serve pra educar, mas para doutrinar !!! Coloquem em prática o slogan “Mais livros, menos armas” ?

  3. Espero que alguns professores hipócritas e covardes, mais nunca abram a boca para falarem sobre desigualdade social e que o sistema favorece os mais ricos, vcs simplesmente detonaram o aprendizado dos menos favorecidos, por culpa de vcs a educação será sequelada por várias gerações.

  4. Digam isso aos sindicatos dos professores…por aqui se recusam à trabalhar nas escolas públicas…querem apenas ficar de maciota…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Isolamento eleva em 200% a violência sexual contra crianças e adolescentes no RN, alerta especialista

O Saiba Mais – Agência de Reportagem, destaca que o isolamento social como medida preventiva tem sido apontado por especialistas da saúde no mundo inteiro como a estratégia mais responsável para diminuir a propagação da doença respiratória causada pelo novo coronavírus. Mas para muitas crianças e adolescentes em situação de violência sexual, a quarentena pode levar a convivência por mais tempo do que o comum com o agressor, o que fez aumentar o número de casos no estado. Dados do Dossiê Infâncias Violada apontam crescimento de 200% de estupros a vulneráveis este ano no Rio Grande do Norte com o agravamento da pandemia. Os números foram apresentados pela advogada da Casa Renascer, Jéssyka Basílio, em entrevista ao programa Balbúrdia nessa quinta-feira, 13.

O Saiba Mais ainda destaca com as palavras da especialistas, que o documento elaborado pelo Centro de Defesa de Direitos da Criança e do Adolescente (CEDECA) Casa Renascer está em fase de finalização e será apresentado à sociedade potiguar neste mês, quando se destaca o combate ao abuso de crianças e adolescentes com o Maio Laranja. “Um assunto que a gente precisa pautar porque muitas vezes é invisibilizado”, afirmou Jéssyka.

 

 

Opinião dos leitores

  1. Quem se responsabilizará por milhares de crianças e adolescentes que sofreram os abusos? traumas que irão carregar até o fim da vida !
    Mais um dos efeitos colaterais das ações de isolamento, mas para alguns esta tudo bem, pois todos os problemas se resolvem depois.
    Mas agora o depois se tornou presente e futuro, e como se resolver isto ?
    quem deve ter a resposta, são aqueles que depois se resolve tudo.

  2. Coloca esses individuos junto com os os presos e deixa eles servirem de mulherzinha todo os dias e noites como marmita de presos.

  3. Fiquem em casa que o resto a gente vê depois… Esse é o lema dos PTRALHAS e toda tropa de jumentos encantados que seguem a cartilha do mestre….

  4. Não é culpa do isolamento não!
    É o mau-caratismo do ser humano, covarde, canalhice.
    Usa o isolamento como desculpa para agredir crianças, mulheres e animais.

    1. Perfeito, Sr. José! Em momento nenhum podemos justificar a covardia: “foi o isolamento”, “os pais não cuidaram”, ” saiu de casa”, ” estava vestida assim ou assado”,etc.. para mau caratismo não há desculpa, há culpa.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *