Twitter apaga postagens de Bolsonaro, antes do presidente, apenas Maduro havia tido postagem apagada pela rede social

O Twitter apagou, na noite deste domingo (29), duas postagens feitas por Jair Bolsonaro.

A empresa considerou que as postagens violavam as regras de uso ao potencialmente colocar as pessoas em maior risco de transmitir o vírus (veja nota abaixo).

Foi a primeira vez que a rede social apagou postagens do presidente do Brasil.

Os posts eram de vídeos do tour que o presidente fez neste domingo no DF, contrariando seu próprio ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que recomendou que as pessoas ficassem em casa como medida de enfrentamento ao coronavírus.

Nas filmagens, Bolsonaro cita o uso de cloroquina para o tratamento da doença e defende o fim isolamento social.

A hidroxicloroquina, combinado de cloroquina e azitromicina, está em fase de testes e não há comprovação de sua eficácia na luta contra o coronavírus.

Em um dos posts, em Taguatinga, ele conversa com trabalhadores informais, escuta críticas à quarentena, concorda com a cabeça, e diz que o medicamento está dando certo.

No outro, em Sobradinho, o presidente entra em um açougue, fala com funcionários, projeta o desemprego que o isolamento social pode causar e, de novo, cita o remédio.

Os vídeos compartilhados por Bolsonaro estão no Facebook, que não apagou as postagens.

Na semana passada, como mostrou o Painel, a empresa apagou tuítes do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e do senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ), que utilizavam fora de contexto um vídeo antigo do médico Drauzio Varella sobre a crise do coronavírus.​

Procurado, o Twitter enviou seu posicionamento por meio de uma nota.

“O Twitter anunciou recentemente em todo o mundo a expansão de suas regras para abranger conteúdos que forem eventualmente contra informações de saúde pública orientadas por fontes oficiais e possam colocar as pessoas em maior risco de transmitir COVID-19. O detalhamento da ampliação da nossa abordagem está disponível em nosso blog”.

ANTES DE BOLSONARO, SÓ MADURO

Apenas um chefe de Estado havia tido postagens apagadas pelo Twitter antes de Jair Bolsonaro: o ditador Nicola Maduro, da Venezuela.

Como mostrou o Painel neste domingo (29), a empresa deletou dois tuítes do presidente brasileiro por considerar que violavam as regras de uso ao potencialmente colocar as pessoas em maior risco de transmitir o novo coronavírus (veja nota abaixo).

No caso do venezuelano, a postagem apagada de Maduro indicava uma receita caseira de uma bebida que poderia ser útil para curar a doença.

FOLHAPRESS

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. cesar disse:

    O nosso país virou um circo , imagine que e o palhaço?

  2. Rosângela disse:

    Vergonha Nacional e agora Internacional afff

  3. François Cevert disse:

    Ele vai cumprir a promessa de tornar o Brasil uma Venezuela!!!

  4. Abel disse:

    Estamos juntos presidente!!!
    Quem não quiser cair se deite!!

  5. Ojuara disse:

    Isso é um animal mesmo. Nunca vi maior idiota que esse nosso presidente. O safado não se preocupa com a vida humana, vai vê que esse no imbecil não é desse planeta.

COMENTE AQUI