Vazamento sela decisão de demitir chefe do Coaf, afirma colunista

POR JOSIAS DE SOUZA

A cabeça de Roberto Leonel, chefe do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), ficou mais próxima da bandeja. Leonel assumira o posto no início do governo de Jair Bolsonaro, por indicação do ministro Sergio Moro (Justiça). O presidemte já havia decidido afastá-lo. Essa decisão foi consolidada pela descoberta de que o personagem manteve com a força-tarefa da Lava Jato um relacionamento heteroxo quando comandava o setor de inteligência da Receita Federal em Curitiba.

A lâmina ficou mais próxima do pescoço de Leonel após publicação de notícia na edição da Folha deste domingo. Reportagem feita pelo jornal em parceria com o site The Intercept Brasil revela que procuradores da Lava Jato, entrre eles o coordenador da operação Deltan Dallagnol, recorreram a Leonel para obter dados fiscais de investigados sem requisição formal ou autorização judicial que avalizasse a quebra de sigilo. A descoberta oferece ossatura técnica para uma exoneração que até aqui estava escorada em pretextos políticos.

Leonel caiu em desgraça no Planalto depois de ter criticado um despacho assinado em julho pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli. Em plenas férias do Judiciário, Toffoli suspendeu investigações que envolvessem compartilhamento detalhado de dados pela Receita, Coaf, e Banco Central sem autorização judicial. Fez isso a partir de recurso da defesa do senador Flávio Bolsonaro, que requereu a interrupção de processo que responde no Ministério Público do Rio de Janeiro por suspeita de lavagem de dinheiro.

A crítica de Leonel à decisão judicial que beneficou o filho Zero Um ficou atravessada na traqueia de Bolsonaro. Em articulação com o ministro Paulo Guedes (Economia), o capitão decidiu reformular o Coaf, transferindo-o para o Banco Central. Ficou acertado que a demissão de Leonel seria apresentada como consequência da mudança. A suspeita de que o chefe do Coaf pode ter cometido no verão passado ilegalidades que serviram de pretexto para a decisão de Toffoli como que dispensa Bolsonaro da formulação de desculpas.

A saída de Leonel migrou da condição de possibilidade para o campo das certerzas. Sua exoneração arranhará um pouco mais o prestígio de Sergio Moro no governo, em franco declínio. Tudo isso num instante em que auditores da Receita deflagram um “contra-ataque” em reação a tentativas de ingerência política em órgãos como o Fisco e o Coaf.

UOL

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Walsul disse:

    Ao lado dessa sujeira toda, fazendeiros tocam fogo na Amazônia em apoio a esse governo miliciano. Estão felizes com o que fizeram com o país?

    • Francisco disse:

      Vocês tocaram fogo no país inteiro, ainda faz acusação infundada. Quer fazer quem tolo, idiota

  2. Robert disse:

    Quebra de sigilo fiscal sem autorização é crime e punição é a cadeia, é bom lembrar!

  3. Olavo disse:

    Foi mexer com o filho do homem e agora vai perder a cabeça.

COMENTE AQUI